Participação e Formação Ambiental em Tefé (AM), na perspectiva da Educação Ambiental não-formal

Autores

  • Eubia Andréa Rodrigues Universidade do Estado do Amazonas
  • Máximo Billacrês Universidade do Estado do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10489

Palavras-chave:

Tefé, Educação Ambiental, Meio Ambiente.

Resumo

Na Conferência Municipal do Meio Ambiente que ocorreu em Tefé, no primeiro semestre de 2008, identificou-se a ausência dos municípios ao entorno de Tefé. Uma década após essa conferência, quais as informações e formações dos representantes municipais, diante dos contextos ambientais? O presente artigo visa um esclarecimento à ausência da população em discussões, audiências públicas e manifestações que ocorreram em Tefé nos últimos 10 anos, nos quais foram discutidas questões de interesse coletivo. Nesta perspectiva, Tefé como uma cidade com responsabilidade territorial no Amazonas tem a função de difundir práticas educativas corretas para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos e adjacências, visando a necessidade de desenvolver a Educação Ambiental de caráter não-formal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eubia Andréa Rodrigues, Universidade do Estado do Amazonas

Doutoranda em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia.

Máximo Billacrês, Universidade do Estado do Amazonas

Docente.

Referências

ANTUNES, P.B. Educação Ambiental. - Rev. Direito. -V3- nº6 – Rio de Janeiro, 1999.

CLAVAL, P. A Geografia Cultural. Editora: UFSC, 1999.

DALLABRIDA, V. R. A Gestão Social dos Territórios nos Processos de Desenvolvimento Territorial: Uma Aproximação Conceitual. Sociedade, Contabilidade e Gestão (UFRJ), v. 2, p. 44-60, 2007.

DARDEL, E. L’Homme et la terre: Nature de la Réalité Geographique. Presses Universitaires de France. Paris, 1952

DIAS, G.F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 8ª Ed. São Paulo: Gaia, 2003.

DIAZ, A.P. La educación ambiental como proyecto. ICE Universitat Barcelona- Editorial Horsori, 1995.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. – Censo 2010.

LEFF, E. A complexidade ambiental. Tradução Eliete Wolff. – São Paulo: Cortez, 2003.

LEFF, E. Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LOUREIRO, C.F.B; LAYRARGUES, P.P.; CASTRO, R.S. (orgs.). Pensamento complexo, dialética e Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2006.

MELO, J.B. Descortinando e (re) pensando categorias espaciais com base na obra de YI-Fu-Tuan. In: ROSENDHAL, Z. CORREA, R. L. Matrizes da Geografia Cultural. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001.

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

QUINTAS, J.S. Pensando e Praticando a Educação Ambiental na Gestão do Meio Ambiente. IBAMA- Brasília, 2000.

RELPH, E.C. As bases fenomenológicas da Geografia. 1979.

RODRIGUES, E. A. Rede urbana do Amazonas: Tefé como cidade média de responsabilidade territorial na calha do médio Solimões. (Dissertação Mestrado em Geografia). Universidade Federal do Amazonas, 2011.

SEPLAM – Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico – Perfil Municipal – Tefé.

TRINDADE JR., S-C. C. Das ''cidades na floresta'' às ''cidades da floresta'': espaço, ambiente e urbanodiversidade na Amazônia brasileira. Papers do NAEA (UFPA), v. 321, p. 1-22, 2013.

TUAN, Y. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

VEYRET, Y. Dictionnaire de l’Environnement. Armand Colin, Paris, 2007

Downloads

Publicado

2021-03-05

Como Citar

Rodrigues, E. A., & Billacrês, M. (2021). Participação e Formação Ambiental em Tefé (AM), na perspectiva da Educação Ambiental não-formal. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(2), 37–50. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10489

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-04-03
Aceito em 2021-01-04
Publicado em 2021-03-05