Contribuições do debate sobre avaliação de políticas públicas para o campo da Educação Ambiental

Autores

  • Solange Reiguel Vieira Universidade Federal do Paraná
  • Marília Andrade Torales Campos Universidade Federal do Paraná https://orcid.org/0000-0002-4026-6239

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10486

Palavras-chave:

Questões socioambientais; Políticas; Avaliação; Educadores ambientais; Escola.

Resumo

O trabalho é tecido por meio de uma revisão de literatura dos estudos contemporâneos da política educacional no Brasil, buscando compreender os aspectos teórico-epistemológicos com ênfase na relação entre a política e a prática. A partir dos resultados são elencadas duas questões principais a saber: quais as possíveis contribuições do debate da avaliação de políticas para o campo da Educação Ambiental? Quais são as reflexões e os desafios postos aos educadores ambientais? Há uma ausência de estudos sobre a avaliação das políticas de Educação Ambiental no contexto escolar, principalmente de forma a compreender como as escolas interpretam as políticas e as colocam em ação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília Andrade Torales Campos, Universidade Federal do Paraná

Professora Associada da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Bolsista produtividade em pesquisa do CNPq. DOUTORA em Ciências da Educação (Programa Interuniversitario em Educação Ambiental) pela Universidade de Santiago de Compostela-Espanha (2006). Realizou estágio de doutorado na Université de MONTRÉAL sob orientação do Prof. Maurice Tardif. Possui formação de PÓS-DOUTORADO (2008) no Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental da Fundação Universidade Federal do Rio Grande (PPGEA-FURG); PÓS-DOUTORADO (2007) no Grupo SEPA-Interea da Universidade de Santiago de Compostela e PÓS-DOUTORADO na Universidade do Québec em Montreal - UQAM (2017-2018). Possui GRADUAÇÃO em Pedagogia pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (1989), ESPECIALIZAÇAO em Supervisão Escolar (1994) e MESTRADO em Educação Ambiental (2001) pela Fundação Universidade Federal do Rio. Grande. Líder do Grupo de Pesquisa sobre Educação Ambiental e Cultura da Sustentabilidade (Diretório de Grupos do CNPq). Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPR (Nota 6) - Gestão 2019-2020. Professora-pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Educação (Linha Cultura, Escola e Ensino) da UFPR. É pesquisadora associada do Centre de recherche en éducation et formation relatives à l'environnement et à l'écocitoyenneté da Universidade do Quebéc em Montreal (Canadá). Membro da equipe Internacional do Projeto RESCLIMA, liderado pela Universidade de Santiago de Compostela (Espanha). Coordenou o Programa de Pós-Graduação em Educação: Teoria e Prática de Ensino (Gestão 2013-2015); Foi vice-Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação: Teoria e Prática de Ensino (Gestão 2016-2017). Coordenou a XI Reunião Científica Regional da ANPEd (24 a 27 de julho de 2016) e o XVI Encontro Paranaense de Educação Ambiental (17 a 19 de maio de 2017). Possui experiência em pesquisa e docência em universidades brasileiras e espanholas na área da Educação, com ênfase em Educação Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: meio ambiente, educação ambiental, formação/ação docente e práticas pedagógicas. Atuou durante 8 anos como supervisora de estágios do curso de Magistério do Instituto de Educação Juvenal Muller (Rio Grande/RS). Atuou durante 14 anos como professora na Educação Básica das redes públicas estadual e municipal no município de Rio Grande/RS. Prestou assessoria pedagógica aos Municípios de Tavira e Loulé (Algarve/Portugal). Coordenou o curso de Pós-Graduação em Educação Socioambiental no período 2008-2009 na Universidade Feevale. Atua como avaliadora de cursos superiores em modalidade presencial e EaD pelo INEP desde 2010 (PORTARIA Nº 1.137, DE 10/09/10). Autora de livros, artigos, capítulos de livros e resumos no campo da Educação Ambiental e das políticas de formação de professores.

Referências

BALL, S. J.; MAGUIRE, M.; BRAUN, A. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Trad. Janete Bridon. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016.

BIASOLI, S.; SORRENTINO, M. Dimensões das Políticas Públicas de Educação Ambiental: a necessária inclusão da política do cotidiano. Ambiente & Sociedade. [online]. São Paulo, v.21, p. 1-18, 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988. Presidência da República. DF, 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 08 mai. 2019.

BRASIL. Lei n.º 9.795, de 27 de abril de 1999. Institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, DF, 27 abr. 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9795.htm>. Acesso em: 08 mai. 2019.

BRASIL. Educação na diversidade: o que fazem as escolas que dizem que fazem Educação Ambiental. TRAJBER, R.; MENDONÇA, P.R. (Orgs.). Brasília: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2007.

BRASIL. Programa Nacional de Educação Ambiental. Ministério do meio Ambiente. Educação Ambiental por um Brasil sustentável: ProNEA, marcos legais e normativos [recurso eletrônico]. Ministério do Meio Ambiente - MMA /Ministério da Educação - MEC. Brasília-DF:MMA, 2018.

DALE, R. “Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “Cultura Educacional Mundial Comum” ou localizando uma “Agenda Globalmente Estruturada para a Educação”? Educação & Sociedade, v. 25, n. 87, p. 423-460, 2004.

FIGUEIREDO, M.; FIGUEIREDO, A. C. Avaliação Política e Avaliação de Políticas: Um Quadro de Referência Teórica. Fundação João Pinheiro, p. 108-129. 1986;

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação & Sociedade, Campinas, v. 27, n. 94, jan./abr. 2006.

MAINARDES, J. Reiterpretando os ciclos de de aprendizagem. São Paulo : Cortez, 2007.

MAINARDES, J. A pesquisa sobre política no Brasil: análise de aspectos teórico-epistemológicos. Educação em Revista, n.33, p.1-25, 2017.

MAINARDES, J. Reflexões sobre o objeto de estudo da política educacional. Laplage em Revista (Sorocaba), v. 4, n. 1, p.186-201, jan.-abr. 2018a.

MAINARDES, J. A pesquisa no campo da política educacional: perspectivas teórico-epistemológicas e o lugar do pluralismo. Revista Brasileira de Educação, v. 23, p. 1-20, 2018b.

MAINARDES, J.; STREMEL, S.; SOARES, S. T. Aspectos teórico-epistemológicos da pesquisa em política educacional no Brasil: mapeamento e reflexões. Movimento-Revista de Educação, Niterói, ano 5, n.8, p.43-74, jan./jun. 2018.

MULLER, P; SUREL, Y. A Análise das Políticas Públicas. Pelotas: Educat, 2002.

RUS PEREZ, J. R. Por que pesquisar implementação de políticas educacionais atualmente? Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1179-1193, out./dez. 2010.

SORRENTINO, M.; TRAJBER, R.; MENDONÇA, P.; FERRARO-JÚNIOR, L. A. A Educação Ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, mai./ago. 2005.

SOUZA, C. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, nº 16, p. 20-45, jul./dez. 2006.

SOUZA, Â. R. de. A pesquisa em políticas educacionais no Brasil: de que estamos tratando? Práxis Educativa, v. 9, n. 2, p. 355-367, jul./dez. 2014.

SOUZA, Â. R. de. A política educacional e seus objetos de estudo. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa. v.1, n.1, p.75-89, jan./jun.2016a.

SOUZA, Â. R. de. A teoria da agenda globalmente estruturada para a educação e sua apropriação pela pesquisa em políticas educacionais. RBPAE, v. 32, n. 2, p. 463-485 mai./ago. 2016b.

STREMEL, S.; MAINARDES, J. A emergência do campo acadêmico da política educacional em diferentes países. Tópicos Educacionais, Recife, n.1, p. 62-85, jan./jun. 2016.

Downloads

Publicado

2021-03-10

Como Citar

Vieira, S. R., & Campos, M. A. T. (2021). Contribuições do debate sobre avaliação de políticas públicas para o campo da Educação Ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(2), 248–258. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10486

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-04-03
Aceito em 2021-02-17
Publicado em 2021-03-10