Percepção sobre o uso de plantas medicinais e impactos no Cerrado na região da Cidade de Goiás (GO)

  • Debborah Gonçalves Bezerra Universidade Estadual de Goiás
  • Nariel Aparecida de Arruda Universidade Estadual de Goiás
  • Pedro Paulino Borges Universidade Estadual de Goiás
  • Rafael Batista Ferreira Universidade Estadual de Goiás
  • Patrícia Lima D’Abadia Universidade Estadual de Goiás
  • Carlos de Melo e Silva Neto Instituto Federal de Goiás e Universidade Estadual de Goiás
  • Murilo Mendonça Oliveira de Souza Universidade Estadual de Goiás
Palavras-chave: Conhecimento popular; Fitoterápicos; Percepção ambiental.

Resumo

O uso de plantas medicinais para fins terapêuticos é uma prática utilizada desde os primórdios da humanidade até os dias atuais. O Cerrado é considerado um hotspot de biodiversidade. De toda a diversidade florística existente no bioma há aproximadamente 220 espécies medicinais que são utilizadas diretamente pelo homem. O objetivo do trabalho foi avaliar a percepção de moradores da Cidade de Goiás sobre o uso de plantas medicinais e os impactos ambientais sobre a vegetação do Cerrado. Foram feitas 40 entrevistas com moradores do Município através da abordagem direta com a utilização de um questionário semiestruturado, as perguntas foram relativas ao uso de plantas medicinais e a percepção dos impactos ambientais sobre a vegetação da região. As espécies mais citadas foram Lippia alba, Stryphnodendron adstringens, Lychnophora spp. e Vernonanthura polyanthes, a parte da planta mais utilizada é a folha, seguida da casca. Grande parte das pessoas identificam o Cerrado pelas plantas, a maioria citou Anacardium spp. e Caryocar brasiliense, 92% delas afirmaram perceber diminuição das plantas medicinais com o passar dos anos, o desmatamento foi apontado como a principal causa, seguido de extrativismo predatório. O uso de plantas medicinais na região da Cidade de Goiás é uma prática comum e importante para a população, no entanto, os entrevistados relataram que com o passar do tempo a vegetação tem diminuído devido a ação do homem. Desse modo torna-se necessário medidas de conscientização e proteção do Cerrado para a manutenção da biodiversidade e da cultura popular relacionada ao uso das plantas medicinais.

Referências

ALMEIDA, C.F.C.B.R.; ALBUQUERQUE, U.P. Uso e conservação de plantas e animais medicinais no Estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil): um estudo de caso. Interciencia. v.27, n.6, 2002.

ARGENTA, S. C. et al. Plantas medicinais: cultura popular versus ciência. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI. v.7, n.1, 2011.

BADKE, M. R. et al. Medicinal plants: the knowledge sustained by daily life practice. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. v. 15, n. 1, 2011.

BATTISTI, C. et al. Plantas medicinais utilizadas no município de Palmeira das Missoes, RS, Brasil. Revista Brasileira de Biociencias. v.11, 2013.

BRASIL. Biodiversidade Brasileira. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Brasília: 2002. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/biomas/cerrado.html> Acesso em: 07 de outubro de 2018.

BRASIL. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Brasília: 2006. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_fitoterapicos.pdf>Acesso em: 23 de setembro de 2018.

BRASIL. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. 1ª ed. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: 2011. Disponível em: < http://portal.anvisa.gov.br/documents/33832/259456/Suplemento+FFFB.pdf/478d1f83-7a0d-48aa-9815-37dbc6b29f9a>. Acesso em: 23 de setembro de 2018.

BRASIL. Farmacopeia Brasileira: Volume 1. 5 ed. Agência Nacional de Vigilância Sanitária: Brasília, DF (Brazil), 2010. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/farmacopeias-virtuais>. Acesso em: 23 de setembro de 2018.

BRASIL. Portaria nº 2.761, de 19 de novembro. Ministério da Saúde. 2013. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2761_19_11_2013.html>. Acesso em: 24 de setembro de 2018.

BRASIL. Memento de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. 1ª ed. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: 2016. Disponível em: < http://portal.anvisa.gov.br/documents/33832/2909630/Memento+Fitoterapico/a80ec477-bb36-4ae0-b1d2-e2461217e06b>. Acesso em: 23 de setembro de 2018.

BRASIL. Formulário de Fitoterápicos Farmacopeia Brasileira - 1ª edição - Primeiro Suplemento. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: 2018a. Disponível em: . Acesso em: 24 de setembro de 2018.

BRASIL. Fauna e Flora. Ministério do Meio Ambiente. Brasília: 2018b. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/biomas/cerrado/fauna-e-flora.html>. Acesso em: 25 de setembro de 2018.

BRASIL. Estratégia Nacional sobre Espécies Exóticas Invasoras. Comissão Nacional de Biodiversidade. Brasília: 2018c. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/biodiversidade/comissao-nacional-de-biodiversidade/resolucoes> Acesso em: 25 de setembro de 2018.

BRASIL. Plano de Implementação da Estratégia Nacional para Espécies Exóticas Invasoras. Ministério do Meio Ambiente/Secretaria de Biodiversidade. Brasília: 2018d. Disponível em: < https://ambientedomeio.com/2018/08/23/plano-de-implementacao-da-estrategia-nacional-para-especies-exoticas-invasoras/> Acesso em: 25 de setembro 2018.

CEOLIN, T. et al. Plantas medicinais: transmissão do conhecimento nas famílias de agricultores de base ecológica no Sul do RS. Rev Esc Enferm USP. v. 45, n.1, 2011.

CONCEIÇÃO, G. M. et al. Plantas do cerrado: comercialização, uso e indicação terapêutica fornecida pelos raizeiros e vendedores, Teresina, Piauí. Scientia Plena. v.7, n.12, 2011.

DELGADO, F. A. Goiás: A invenção da cidade “patrimônio da humanidade”. Horizontes antropológicos. n.23, 2005.

DE TOLEDO, C. E. M. et al. Antimicrobial and cytotoxic activities of medicinal plants of the Brazilian cerrado, using Brazilian cachaça as extractor liquid. Journal of Ethnopharmacology. v.133, n.2, 2011.

DIAS, J. E.; LAUREANO, L. C. Farmacopéia popular do Cerrado. 1ª ed. Articulação Pacari: Goiás, 2010.

DOS SANTOS, M. R. A.; DE LIMA, M. R.; FERREIRA, M. D. G. R. Use of medicinal plants by the population of Ariquemes, in Rondonia State, Brazil. Horticultura Brasileira. v.26, n.2, 2008.

FOLEY, J. A. et al. Global consequences of land use. Science. v.309, 2005.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2018. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/go/goias/panorama>. Acesso em: 24 de setembro de 2018.

KLINK, C. A.; MACHADO, R. B. Conservation of the brazilian cerrado. Conservation Biology. v.19, n.3, 2005.

LIMA, I. L .P.; SCARIOT, A.; GIROLDO, A. B. Sustainable harvest of mangaba (Hancornia speciosa) fruits in northern Minas Gerais, Brazil. Economic Botany. v.67, n.3, 2013.

MACÊDO, D. G. et al. Versatility and consensus of the use of medicinal plants in an area of cerrado in the Chapada do Araripe, Barbalha – CE. Brazil. Journal of Medicinal Plants Research. v.10, n.31, 2016.

MYERS, N. et al. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature. v. 403, 2000.

PEREIRA, Z. V. et al. Usos múltiplos de espécies nativas do bioma Cerrado no Assentamento Lagoa Grande, Dourados, Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Agroecologia. v. 7, n. 2, 2012.

PINTO, E. P. P.; AMOROZO, M. C. M.; FURLAN, A. Conhecimento popular sobre plantas medicinais em comunidades rurais de mata atlântica – Itacaré, BA, Brasil. Acta bot. Bras. v.20, n.4, 2006.

PIRES, M. O.; SANTOS, I. M. (Org.). Construindo o Cerrado sustentável: experiências e contribuições das ONG’s. Gráfica Nacional: Goiás, 2000. 147p.

RAMAKRISHNAN, R. et al. In Vitro Propagation and Conservation of Useful Endangered Medicinal Plants with Anticancer Activity. J Mol Biol Biotech. v.2, n.3:8, 2017.

RODRIGUES, V. E. G.; CARVALHO, D. A. de. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais no domínio do Cerrado na região do Alto Rio Grande – Minas Gerais. Ciênc. agrotec., Lavras. v.25, n.1, 2001.

ROZA DOS SANTOS, J. G.; VESPUCCI, A. G.; BAYER, M. Qualificação dos dados hidrológicos disponíveis na base HIDROWEB/ANA: estações fluviométricas do estado de Goiás. Atelie Geogr. v.10, n.3, 2017.

SANTOS, M. M.; NUNES, M. G. S.; MARTINS, R. D. Uso empírico de plantas medicinais para tratamento de diabetes. Rev. Bras. Pl. Med. v.14, n.2, 2012.

SILVA, S. D.; SÁ, D. M. de; SÁ, M. R. Vastos sertões: história e natureza na ciência e na literatura. 1 ed. Mauad X: Rio de Janeiro, 2015.

SILVA, S. D. No oeste, a terra e o céu: a expansão da fronteira agrícola no Brasil central. 1 ed. Mauad X: Rio de Janeiro, 2017.

SILVEIRA, J. A. G.; D’ELIA, M. L. Medicina da Conservação: a ciência da saúde do ecossistema. In: JUNIOR, A. P. M. et al. Ecoas: Epidemiologia e conservação de animais silvestres. Cadernos Técnicos de Veterinária e Zootecnia, n.72, 2014.

SIMÕES, C. M. O. et al. (Org.). Farmacognosia: da Planta ao Medicamento. 2 Ed. Editora UFRGS: Porto Alegre, 2011.

SIMÕES, C. M. O. et al. (Org.). Farmacognosia: do Produto Natural ao Medicamento. 1 ed. Editora UFRGS:Porto Alegre, 2017.

SOUZA, C. D.; FELFILI, J. M. Uso de plantas medicinais na região de Alto Paraíso de Goiás, GO, Brasil. Acta Bot. Bras. v.20, n.1, 2006.

TEIXEIRA, A. B.; DUTRA E SILVA, S.; DARC BERNARDES, G. Patrimônio cultural e turismo sustentável: Expectativas e percepções na gestão turística da cidade de Goiás. Tourism & Management Studies. v.1, 2012.

TOMAZZONI, M. I.; NEGRELLE, R. R. B.; CENTA, M. L. Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática terapêuta. Texto contexto – enfermagem. v.15, n.1, 2006.

UNNIKRISHNAN, P. M.; FADEEVA, Z. Innovation in Local and Global Learning Systems for Sustainability: Traditional Knowledge and Biodiversity – Learning Contributions of the Regional Centres of Expertise on Education for Sustainable Development. UNU-IAS, Yokohama, Japan, 2013.

UNNIKRISHNAN, P. M.; SUNEETHA, M. S. Biodiversity, Traditional Knowledge and Community Health. 1 ed. Strengthening Linkages: Singapore, 2012.

WILLIAMS, V.L.; BALKWILL, K.; WITKOWSKI, E.T.F. Unraveling the commercial market for medicinal plant parts on the Witwatersrand, South Africa. Economic Botany. v.54, n.3, 2000.

Publicado
2020-08-25
Como Citar
Bezerra, D. G., Arruda , N. A. de, Borges , P. P., Ferreira, R. B., D’Abadia , P. L., Neto , C. de M. e S., & Souza , M. M. O. de. (2020). Percepção sobre o uso de plantas medicinais e impactos no Cerrado na região da Cidade de Goiás (GO). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(5), 391-408. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10417
Seção
Artigos