Duas décadas da PNEA: Avanços e Retrocessos no Brasil

  • Maria Angelica Garcia Universidade de Brasília
  • Izabel Cristina Bruno Bacellar Zaneti Universidade de Brasilia
  • Silvia Machado Yonamine Universidade de Brasília
  • Andreia Pereira Silverio Universidade de Brasília
  • Erika Nazaré Gadelha Meira Cerqueira Universidade de Brasilia
  • Maria Grazielle Lobato Silva Universidade de Brasilia
Palavras-chave: Educação Ambiental, PNEA, Sustentabilidade

Resumo

Este artigo apresenta os principais avanços, assim como os retrocessos técnicos e político-institucionais nas duas décadas de vigência da Política Nacional de Educação Ambiental – PNEA. Para tanto, foi feita pesquisa intensiva na ferramenta Google Acadêmico, em artigos, teses, dissertações e em outras publicações sobre educação ambiental e sobre suas políticas públicas, desenvolvidas entre 1999 e 2019. Observou-se uma tendência crescente de publicações com esse conteúdo no período (r²= 0,9594) de 1999 a 2019, mas um forte declínio em 2019. Todavia, preveem-se mudanças significativas nos planos, programas e projetos desenvolvidos pelo MMA e pelo MEC, seus órgãos gestores, devido às mudanças político-administrativas em desenvolvimento pelo governo federal (2019-2022).

Biografia do Autor

Maria Angelica Garcia, Universidade de Brasília

Licenciada em Ciências Biológicas e Bacharel em Biologia pela Universidade Federal de Uberlândia (1982-1985). Mestre em Ecologia pela Universidade de Brasília (1986-1989). Minha experiência profissional e técnico-científica é focada em conservação, licenciamento, planejamento e sustentabilidade ambientais adquirida nos segmentos governamentais, não governamentais e privado. Atualmente, em fase de aperfeiçoamento técnico-científica para pleitear doutoramento no Centro de Desenvolvimento na Universidade de Brasília. Durante as últimas três décadas, atuei como bióloga responsável pela coordenação, assessoria e elaboração técnicas de estudos e projetos em várias temáticas: análise de risco, ecotoxicologia, educação ambiental, estudos de ecologia da paisagem, avaliação multicritério de Bacias Hidrográficas, recuperação de áreas degradadas, licenciamento ambiental, planejamento de Unidades de Conservação, políticas públicas relativas a substâncias químicas e projetos sociais. De 1993 até a presente data, atuo como consultora, coordenadora e assessoria técnica em órgãos ambientais de meio ambiente (federal e estaduais), organizações não governamentais no Brasil e no Exterior, especialmente vinculados a unidades de conservação, educação, licenciamento, avaliação ambiental multicritério, substâncias químicas perigosas, capacitação técnica, outros. De 1990 a 1993, integrei um grupo de consultores apoiados pelo Pnud na área de Ecotoxicologia responsável pela implementação da Lei 7.802/1989, no âmbito do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o que incluiu a estruturação dos procedimentos e normas para a avaliação e emissão de pareceres de periculosidade ambiental de agrotóxicos, preservativos de madeira e dispersantes químicos de óleo resultantes de derramamentos no mar para efeito de registro de uso no Brasil. 

Izabel Cristina Bruno Bacellar Zaneti, Universidade de Brasilia

Possui Doutorado em Desenvolvimento Sustentável pelo CDS-Universidade de Brasília-UnB (2003). Pós doutorado, 2018, PROCAD CAPES/ UNESP/CDS/ CEA. Pós-Doutorado, 2011 pelo Centro de Desenvolvimento Sustentável. Mestrado em Educação pela Faculdade de Educação- Universidade de Brasília (1996) e, Graduação em Pedagogia - Pontifícia Universidade Católica RS(1976). Atualmente, é Professora Associada no Centro de Desenvolvimento Sustentável-CDS / UnB. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Ambiental atuando, principalmente, nos seguintes temas: resíduos sólidos, educação ambiental, educação e saúde coletiva, sustentabilidade e gestão ambiental. É Coordenadora do Colegiado de Extensão CDS/UnB. É membro da Câmara de Extensão, DEX/ UnB. É professora colaboradora do Programa de Pós Graduação do Centro de Desenvolvimento Sustentável- PPG-CDS, Vice-coordenadora do Mestrado PROFCIAMB CDS/ UnB (2019).

Silvia Machado Yonamine, Universidade de Brasília

Aluna Especial do Programa de Pós Graduação do Centro de Desenvolvimento Sustentável da Possui graduação em Gestão de Políticas Públicas pela Universidade de Brasília (2013), Especialização em Gestão Pública pela Faculdade IVM Intregrada (2015) e Especialização em Engenharia Ambiental em andamento pelo Instituto Prominas. Tem experiência na área de Saneamento Básico, atuando principalmente nos seguintes temas: sistema de informações, indicadores de saneamento, dados financeiros, investimentos.

Andreia Pereira Silverio, Universidade de Brasília

Doutoranda do rograma de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul ( UFRGS, 2020). Mestre em Educação em Ciências, Química da Vida e Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul ( UFRGS, 2016), Especialista em Gestão Pública pela Universidade de Brasília (UAB/UNB, 2013) e Graduada em Licenciatura Química pela Universidade de Brasília (UNB,1999) . Membro do grupo Educação e Aprendizagem para a Sustentabilidade, desde, 2017 e da Rede REQUILAC. Atualmente é Analista em Ciência e Tecnologia do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

Erika Nazaré Gadelha Meira Cerqueira, Universidade de Brasilia

Aluna Especial do Programa de Pós Graduação do Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília. Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Potiguar (1998). Especialização em Tecnologia de Alimentos- UNB Trabalha no Instituto Brasília Ambiental do Distrito Federal-IBRAM

Maria Grazielle Lobato Silva, Universidade de Brasilia

Mestranda do Programa de Pós Graduação em Ciências Ambientais da UNiversidade de Brasília. Possui graduação em QUÍMICA pela Universidade de Brasília (2009). Possui graduação em DIREITO pela Universidade Católica de Brasília (2013). Possui Especialização em Gestão e Qualidade Ambiental pela Universidade Federal de Goiás (2018). (Texto informado pelo autor)

Referências

BARBOSA, L. C. Políticas públicas de Educação Ambiental numa sociedade de risco: Tendências e desafios no Brasil. Anais do IV Encontro Nacional da Anppas. 4 a 6 de junho. 2008. 21 p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental. Departamento de Educação Ambiental. Coletivos Educadores para Territórios Sustentáveis. Brasília: MMA, 2007. Disponível em: https://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/cartilha_coleds.pdf. Acesso em: 11 nov. 2019.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente: Primeira Década de Uma História. Brasília, DF: MMA, 2018a. Disponível em: https://www.mma.gov.br/publicacoes/educacao-ambiental/category/199-conferencia-infantojuvenil.html?download=1450:caderno_primeira_d%C3%A9cada_de_uma_hist%C3%B3ria. Acesso em: 7 de fev. 2020.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 20 out. 2019.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Educação Ambiental por um Brasil Sustentável: Pronea, Marcos Legais e Normativos. Brasília, DF: MMA, 2018b. Disponível em: https://www.mma.gov.br/publicacoes/educacao-ambiental/category/98-Pronea.html?download=1580:programa-nacional-de-educa%C3%A7%C3%A3o-ambiental-5%C2%AA-edi%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 11 nov. 2019.

BRASIL. Decreto no 9.665, de 2 de janeiro de 2019. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança do Ministério da Educação, remaneja cargos em comissão e funções de confiança e transforma cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS e Funções Comissionadas do Poder Executivo - FCPE. Brasília, DF: Presidência da República, [2019]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2019/Decreto/D9665.htm. Acesso em: 20 out. 2019.

BRASIL. Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [2015]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6938.htm. Acesso em: 20 out. 2019.

BRASIL. Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [1999]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 20 out. 2019.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Ministério da Educação. Programa Nacional de Educação ambiental – ProNEA. 3ª ed. Brasília, DF: MMA, 2005. Disponível em: https://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/pronea3.pdf. Acesso em: 6 fev. 2020.

CARVALHO, I.C.M. Nomes e endereços da Educação Ambiental. VI Fórum Brasileiro de Educação Ambiental: Participação, Cidadania e Educação Ambiental. Niterói: Instituto Baía de Guanabara, 2010. p.39-46. Disponível em: http://www.imasul.ms.gov.br/wp-content/uploads/2016/03/Livro-VI-F%C3%B3rum-vers%C3%A3o-final.pdf. Acesso em: 11 nov. 2019.

CASTELLS, M. A Sociedade Em Rede: a Era da Informação, Economia, Sociedade e Cultura. Ed. Paz e Terra. 2008. 698 p.

LAYRARGUES; P.P. A crise ambiental e suas implicações na educação. In: QUINTAS, J.S. (org.). Pensando e praticando a Educação Ambiental na gestão do meio ambiente. 2a ed. Brasília: Ibama, p. 161-198. 2002.

LOUREIRO, C.F.B. Educar, participar e transformar em educação ambiental. In: Revista Brasileira de Educação Ambiental - no 0 (nov. 2004). Brasília, DF: Rede Brasileira de Educação Ambiental, 2004. 140 p. Disponível em: <http://assets.wwfbr.panda.org/downloads/revbea_n_zero.pdf#page=13>. Acesso em: 2 jan. 2020.

MORAIS, J.L.; VIEIRA, E.R.; MORTELLA, R.D. Os desafios da Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente: percepções dos participantes das Comissões Organizadoras Estaduais. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, [S.l.], p. 49-62, nov. 2018. ISSN 1517-1256. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/8562. Acesso em: 7 de fev. 2020.

REDE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Nota da REBEA aos Senhores Ministros da Educação e do Meio Ambiente. 2019. Disponível em: http://www.reasul.org.br/index.php/14-triade/destaques/1085-nota-da-REBEA-aos-senhores-ministros-da-educacao-e-do-meio-ambiente. Acesso em: 29 dez. 2019.

SECCHI, L. Políticas públicas: Conceitos, esquemas de análise, casos práticos. 2a ed. São Paulo: Cengage Learning, 2014.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, 8(16): 20-45. 2006.

SPINAK, E. Google Acadêmico, Web of Science ou Scopus, qual nos dá melhor cobertura de indexação? [online]. SciELO em Perspectiva, Disponível em: <https://blog.scielo.org/blog/2019/11/27/google-academico-web-of-science-ou-scopus-qual-nos-da-melhor-cobertura-de-indexacao/>. 2019. Acesso em 18 janeiro de 2020.

TRAJBER, R.; MENDONÇA, P. R. (orgs). Educação na diversidade: o que fazem as escolas que dizem que fazem Educação Ambiental. Brasília: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2007. Coleção Educação para Todos, Série Avaliação; 6 (23). 2007.

Publicado
2020-08-23
Como Citar
Garcia, M. A., Zaneti, I. C. B. B., Yonamine, S. M., Silverio, A. P., Cerqueira, E. N. G. M., & Silva, M. G. L. (2020). Duas décadas da PNEA: Avanços e Retrocessos no Brasil. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(5), 250-270. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10402
Seção
Artigos