Educação Ambiental e a educação alimentar: os saberes no campo das práticas educativas

  • Simone Teles da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia - UNEB
  • Avelar Luiz Bastos Mutim Universidade do Estado da Bahia -UNEB
Palavras-chave: Alimentação Saudável, Prática Educativa, Meio Ambiente, Sensibilização

Resumo

Este artigo teve como objetivo apontar quais são as práticas pedagógicas para o ensino-aprendizagem no desenvolvimento de Educação Ambiental sobre educação alimentar, para os alunos de escola pública de ensino infantil e fundamental I. Trata-se de pesquisa de campo, expondo abordagem qualitativa e entrevistas semiestruturadas e para analisar as informações utilizou-se a análise de conteúdo. A Educação Ambiental (EA) está diretamente vinculada ao ensino de educação alimentar como foi apresentado pelas professoras. Deve-se estreitar o discurso de Educação Ambiental e alimentação escolar norteada pelas práticas educativas de forma disciplinar e transversal, ampliando a propostas de EA, reconhecendo-se a educação alimentar e nutricional como parte do ensino para que se construa o “bem-viver”.

Biografia do Autor

Simone Teles da Silva Santos, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Simone Teles da Silva Santo é mestranda do programa de Pós-graduação em educação e contemporaneidade – PPGEduC e Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisa Educação Ambiental, Políticas Públicas e Gestão Social dos Territórios – GEPET da Universidade do Estado da Bahia - UNEB/Campus I  Salvador. Especialista em Inovação Social com ênfase em Economia Solidária e Agroecologia pelo Instituto Federal- IFBaiano/Campus Bom Jesus da Lapa. Licenciada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia-UNEB/Campus XVII Bom Jesus da Lapa.

Avelar Luiz Bastos Mutim, Universidade do Estado da Bahia -UNEB

Avelar Luíz Bastos Mutim é Professor Titular do Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade/PPGEduC- Mestrado e Doutorado – Universidade do Estado da Bahia/UNEB. Líder do Grupo de Pesquisa “Educação
Ambiental, Políticas Públicas e Gestão Social dos Territórios-GEPET.

Referências

ACOSTA, A. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos / Alberto Acosta. Tradução de Tadeu Breda. São Paulo: Autonomia Literária, Elefante, 2016. 264 p.

ARAÚJO, V.R.D. Educação Ambiental no contexto escolar: Saberes e práticas docentes. Salvador: EDUNEB, 2009.

BARDIN, L. Análise de conteúdo (L. de A., Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70. (2006). (Obra original publicada em 1977).

CAROLA, C.R.; CABRAL G.S. Concepções de natureza e sensibilidade ambiental nos livros didáticos de História Natural (1934-1971) Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos / Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. v. 1, n. 1, (jul. 1944 -). – Brasília: O Instituto, 1944 -. volume 94, número 238 set./dez. 2013.

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE O MEIO AMBIENTE HUMANO. Declaração de Estocolmo, 1972. Disponível em: <http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Meio-Ambiente/declaracao-de-estocolmo-sobre-o-ambiente-humano.html>. Acesso em: 14. abr. 2019.

DIAS, G.F. Educação Ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 2004.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2006.

GIMENO SACRISTÁN, J. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: ARTMED Sul, 1999.

GOERGEN, P. (Org.) Educação e diálogo, Maringá: Eduem, 2010. 274 p. Textos de Pedro Goergen - Educação e Diálogo e Luiz Roberto Gomes - Agir comunicativo, diálogo e Educação.

LAKATOS, E.M.; MARCONI, M.A. Técnicas de Pesquisa. SP: Atlas, 1982.

LIBÂNEO, J.C. Didática e trabalho docente: a mediação didática do professor nas aulas. In: LIBÂNEO, J.C.; SUANNO, M.V.R.; LIMONTA, S.V. (org.). Concepções e práticas de ensino num mundo em mudança: diferentes olhares para a didática. Goiânia: CEPED/Editora PUC Goiás, 2011.

LIMA, S.C. et al. (orgs.). Segurança Alimentar e Nutricional na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa: Desafios e Perspectivas. Rio de Janeiro, Oficina de Segurança Alimentar e Nutricional na CPLP-World Nutrition Rio-2012.

LISBOA, C.P. et al.(orgs.). Educação Ambiental: da teoria à prática. Porto Alegre: Mediação, 2012. 144p

MELLO, S.A.; FARIAS, M.A. A escola como lugar da cultura mais elaborada. Educação (UFSM), Santa Maria, p. 53 - 68, maio 2010. ISSN 1984-6444. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/1603>. Acesso em: 14

abr. 2019.

OSÓRIO, M.R.V. Professores e Educação Ambiental: implicações para o currículo. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos / Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. v. 1, n. 1, (jul. 1944 -). – Brasília: O Instituto, 1944 -. volume 92, número 231 maio/ago. 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração de Estocolmo sobre o Meio Ambiente Humano. In: Universidade de São Paulo, BIBLIOTECA VIRTUAL DE DIREITOS HUMANOS Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente Humano, 1972. Disponível em: <http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Meio-Ambiente/declaracao-de-estocolmo-sobre-o-ambiente-humano.html.> Acesso em: 14 abr. 2019.

RICHARDSON, R.J. Pesquisa social: método e técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

ROOS, A; BECKER, E.L.S. Educação Ambiental e Sustentabilidade. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental. REGET/UFSM, n¤ 5, p. 857-866, 2012.

SANTOS E.S.; MELLO, M.A.G.M. O programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE): um estudo de caso na Escola Municipal Governador Roberto Santos no município de Salvador – BA. In: MUTIM, A.L.B.; SANTOS, A.O.C. Educação profissional, território e sustentabilidade. Curitiba: CRV, 2018.

TRICHES, R.M.; SCHNEIDER, S. Alimentação escolar e agricultura familiar: reconectando o consumo à produção. Saúde soc., São Paulo, v. 19, n. 4, p. 933-945, dez. 2010.

Publicado
2020-08-21
Como Citar
Santos, S. T. da S., & Mutim, A. L. B. (2020). Educação Ambiental e a educação alimentar: os saberes no campo das práticas educativas. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(5), 109-123. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10284
Seção
Artigos