A percepção de voluntários de um projeto de Educação Ambiental sobre bitucas de cigarro em São Paulo

  • Natalia Zafra Goettlicher FIA - Universidade de São Paulo
  • Diego de Melo Conti Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Centro de Economia e Administração - CEA
  • Monica Ferreira da Costa Universidade Federal de Pernambuco
  • Maurício Lamano Ferreira Centro Universitário Adventista de São Paulo, UNASP
Palavras-chave: Palavras-chave: Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS); voluntariado; resíduos sólidos do cigarro; descarte inadequado.

Resumo

A Educação Ambiental (EA) é um importante instrumento de conscientização para minimizar os impactos causados ao meio ambiente, além de ser ferramenta chave na promoção do desenvolvimento sustentável. Este trabalho relata o processo de atuação, influência e percepção de uma ação de EA promovida pelo projeto “Mundo SEM Bitucas” (MSB) e, a partir disso, entender a percepção ambiental dos participantes analisando os seus efeitos em diferentes indivíduos. Para tanto, foi conduzido um estudo de percepção ambiental a partir de método misto com uma amostra de participantes respondentes. A partir desta análise foi possível concluir a influência positiva das atividades do MSB na percepção ambiental dos participantes, além de estimular a consciência crítica para a transformação do conhecimento e construção de práticas sustentáveis.

Biografia do Autor

Natalia Zafra Goettlicher, FIA - Universidade de São Paulo

Graduação em Administração pela Universidade Estadual de Campinas e pós-graduada em Gestão Estratégica da Sustentabilidade pela FIA. No período da faculdade atuou em organizações estudantis como Empresa Júnior e Atlética, foi bolsista da AUGM na Universidad Nacional de Córdoba (Argentina) por um semestre acadêmico e realizou estágios em diferentes empresas e áreas como Qualidade Estratégica, Recursos Humanos e Marketing. Após sua formação, atuou como Trainee em uma grande empresa de energia elétrica e sua última atuação no meio corporativo foi como Analista de Sustentabilidade nesta mesma empresa. Atualmente empreendedora socioambiental, idealizadora e diretora geral do Movimento Mundo SEM Bitucas.

Diego de Melo Conti, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Centro de Economia e Administração - CEA

Professor e pesquisador do Programa de Pós-graduação em Sustentabilidade da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Camp). Doutor em administração com foco em 'governança local e cidades sustentáveis' pela PUC-SP, tendo realizado um estágio doutoral na Leuphana Universität Lüneburg na Alemanha através do Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior com bolsa da CAPES. Em sua pesquisa doutoral, conduziu um estudo sobre cidades sustentáveis e realizou levantamento de dados em Barcelona, Hamburgo, Copenhague, Londres e Amsterdam. Mestre em administração pela PUC-SP com pesquisa na área de sustentabilidade. Atualmente conduz um estudo sobre Cidades Resilientes em seu pós-doutoramento pela Universidade Federal de São Paulo, tendo como objetivo mapear mecanismos e práticas para resiliência urbana. Em sua ampla experiência internacional, já participou de conferências e seminários na China, no Japão, na Holanda, na Áustria, na Alemanha, na Finlândia, nos Estados Unidos, no México e no Equador. Foi um dos articuladores da Nova Agenda Urbana da Habitat III, sendo que trabalhou na difusão de conceitos e práticas de governança colaborativa em cidades. Além disso, atuou na implantação de um programa de Cidades Inteligentes em Angola na África e participou do treinamento em Liderança Climática ministrado pelo ex-vice-presidente americano, Al Gore, em Houston nos Estados Unidos e integra a rede mundial de líderes do "Climate Reality Project". Em sua última participação no setor público, ocupou o cargo de Secretário Executivo, acumulando funções como ouvidor, coordenador de sustentabilidade e de governança, da CEAGESP - Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo - o terceiro maior atacadista de alimentos do mundo, tendo recebido prêmios nacionais e internacionais pela sua atuação frente a projetos socioambientais da companhia. No setor privado, atuou em diversos projetos de consultoria para estruturação de programas de sustentabilidade junto a organizações sociais como o Programa Brasileiro de Cidades Sustentáveis, a Rede Nossa São Paulo, a Fundação Instituto de Administração (FIA), Sindicatos Patronais da Indústria e empresas do setor de Óleo e Gás.

Monica Ferreira da Costa, Universidade Federal de Pernambuco

Bacharel em Oceanografia UERJ (1988). Mestre em Química Analítica Inorgânica PUC-Rio (1991). PhD em Environmental Sciences University of East Anglia, Norwich-Reino Unido (1997). Desde 1998 Professora do Departamento de Oceanografia da Universidade Federal de Pernambuco. Atua em Oceanografia Química com ênfase em Poluição Marinha. Também trabalha com questões de Gerenciamento Costeiro Integrado que tenham relação com a qualidade da água em ambientes costeiros e marinhos. Algumas áreas de especial interesse são metais e outros elementos na água, sedimentos e biota estuarina e costeira; lixo marinho; toxicologia aquática; poluição de ambientes costeiros por hidrocarbonetos de petróleo e; educação ambiental voltada para áreas costeiras e marinhas, inclusive junto à populações tradicionais.

Maurício Lamano Ferreira, Centro Universitário Adventista de São Paulo, UNASP

Pós doutor pela Universidade de São Paulo (CENA/USP - 2019), Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo (CENA/USP - 2014), Mestre em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente pelo Instituto de Botânica de São Paulo (IBT/SP - 2007), formado em Ciências Biológicas pela Universidade Mackenzie (UPM - 2001) e Geociências e Educação Ambiental pelo Instituto de Geociências da USP (IGc/USP - 2019). Com grande interesse em questões ambientais, sua pesquisa tem focado na compreensão de padrões e processos ecológicos urbanos e na infraestrutura verde de cidades, avaliando diferentes tipos de pressões na dinâmica e funcionamento dos ecossistemas. Dentre os principais temas de seus trabalhos e orientações encontram-se: Ecologia Vegetal e Isotópica, Ciclos Biogeoquímicos, Mudanças Climáticas, Adaptações às Mudanças Climáticas Baseadas em Ecossistemas (AbE) e Nature-based Solutions (NbS). Com experiência docente nos cursos de graduação em Ciências Biológicas e Tecnologia em Gestão Ambiental, o docente conta com 52 orientações de TCC e mais de 60 supervisões em Iniciação Científica, demonstrando importante contribuição na formação de recursos humanos. Na pós graduação 'Lato sensu', Maurício já atuou como professor e membro do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do curso de Engenharia Ambiental. No 'Stricto sensu', o pesquisador já orientou 5 alunos de mestrado com dissertações relacionadas à Ecologia de Florestas Urbanas e Poluição Atmosférica. Com uma rede internacional de colaboradores, o professor tem publicações em importantes periódicos científicos como SCIENCE e ENVIRONMENTAL RESEARCH, destacando a internacionalização da sua pesquisa científica. Pelo seu reconhecimento em ensino, pesquisa e extensão, Maurício foi premiado duas vezes como 'Professor 10' na Universidade Nove de Julho.

Referências

AGUIAR, A. O.; RIBEIRO, C. S.; NASCIMENTO, A. P. B. Percepção Ambiental de Trabalhadores em Empresa Certificada ISO 14001: práticas e comportamentos. Desenvolvimento em Questão, v. 16, n.45, p. 316-335, 2018.

ARAÚJO, M. C. B.; COSTA, M. F.From plant to waste: The long and diverse impact chain caused by tobacco smoking. International Journal of Environmental Research and Public Health. v.16, n.2690, p. 01-09, 2019.

BRASIL. Decreto nº 8.262, de 31 de maio de 2014. Altera o Decreto nº 2.018, de 1º de outubro de 1996, que regulamenta a Lei nº 9.294, de 15 de julho de 1996. Brasília: Casa Civil, 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Decreto/D8262.htm>. Acesso em: 23 jan. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, e dá outras providências. Brasília: Casa Civil, 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.

BRITO, E.; RÉGIS, M., LAMANO-FERREIRA, A. Perfil e Percepção ambiental de frequentadores do Parque Guarapiranga – São Paulo/SP. ANAP Brasil Revista Científica. v.9, n.14, p. 97-108, 2016.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa métodos qualitativo, quantitativo e misto. São Paulo: Artmed Editora, 2010.

DE ALMEIDA, A., NEVES, L., GONÇALVES, A., FARRANHA, A., DA ROCHA, C. Percepção de diferentes públicos em relação ao efeito de um programa de Educação Ambiental enfocado nos males do cigarro no meio ambiente e na saúde. Anais do V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Belo Horizonte, MG. IBEAS, 2014.

FERNANDES, V.; MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JR, A.; SAMPAIO, C. A. C. Metodologia de avaliação estratégica de processo de gestão ambiental municipal. Saúde e Sociedade. São Paulo, v.21, p.128-143, 2012.

FONSECA, S. M. A Educação Ambiental como disciplina. Revista Brasileira de Educação Ambiental (Revbea), v. 11, n. 1, p. 305-314, 2016.

GIARETTA, J. B. Z.; TANIGUSHI, D. G.; SERGENT, M. T.; VASCONCELLOS, M. P.; GÜNTHER, W. M. R. Hábitos relacionados ao descarte pós-consumo de aparelhos e baterias de telefones celulares em uma comunidade acadêmica. Saúde e Sociedade. São Paulo, v.19, n.3, p. 674-684, 2010.

GOETTLICHER, N. Z.; Projeto Mundo SEM Bitucas: um estudo de educação e percepção ambiental. 2019.72f. Monografia (Pós-Graduação em Gestão Estratégica da Sustentabilidade) - Fundação Instituto de Administração, São Paulo.

JACOBI, P. Educação Ambiental, Cidadania e Sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n. 118, p. 189-205, 2003.

KEEP BRITAIN TIDY. Bin The Butt Campaign. Disponível em: <https://www.keepbritaintidy.org/get-involved/support-our-campaigns/bin-the-butt>. Acesso em: 10 dez. 2019.

LAYRARGUES, P.; LIMA, G. As macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade: revista eletrônica da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa Ambiente & Sociedade (ANPPAS), v.17, n.1, p. 23-40, 2014.

MARCHI, J.; MACHADO, E.; TREVISAN, M. Descarte e destinação adequados aos resíduos pós-consumo de cigarros: inovação e alternativas possíveis. ENGEMA. Universidade Federal de Santa Maria, 2014.

MARIN, A. Pesquisa em Educação Ambiental e percepção ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, vol.3, n.1, p. 203-222, 2008.

MELLAZO, G. A percepção ambiental e Educação Ambiental: uma reflexão sobre as relações interpessoais e ambientais no espaço urbano. Olhares & Trilhas. Uberlândia, ano VI, n. 6, p. 45-51, 2005.

NEVES, Loyane S. Rebituque-se: Tabagismo e Meio Ambiente. 2013. 57f. Dissertação (Bacharel em Gestão Ambiental) – Curso de Graduação em Gestão Ambiental, Universidade de Brasília. Disponível em: <https://bdm.unb.br/bitstream/10483/14168/1/2013_LoyaneSoaresNeves.pdf>. Acesso em: 18 ago. 2019.

NOVOTNY, T. E., SLAUGHTER, E. Tobacco Product Waste: An Environmental Approach to Reduce Tobacco Consumption. Curr Envir Heath Rpt. 2014; 1: p. 208-216, 2014.

OCEAN CONSERVANCY. International Costal Cleanup Report, 2019.

PORTAL DO GOVERNO. Inverno: bitucas de cigarro é uma das principais causas de incêndio nas rodovias. Portal do Governo do Estado de São Paulo, 21 de Jun. de 2015. Disponível em: <http://www.saopaulo.sp.gov.br/ultimas-noticias/inverno-bitucas-de-cigarro-e-uma-das-principais-causas-de-incendio-nas-rodovias/>. Acesso em: 18 ago. 2019.

SECRETARIA ESPECIAL DE COMUNICAÇÃO. Prefeitura de São Paulo anuncia vencedores da licitação dos contratos de licitação. Portal da Cidade de São Paulo, 09 de Mar. de 2019. Disponível em: <http://www.capital.sp.gov.br/noticia/prefeitura-de-sao-paulo-anuncia-vencedores-da-licitacao-dos-contratos-de-varricao>. Acessado em: 18 ago. 2019.

Fotógrafa registra ave alimentando filhote com cigarro. Revista Galileu. 03 de Jul. de 2019. Disponível em: <https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Meio-Ambiente/noticia/2019/07/fotografa-registra-ave-alimentando-filhote-com-cigarro.html>. Acesso em: 19 ago. 2019

RODER GREEN, A. L.; PUTSCHEW, A.; NEHLS, T. Littered cigarette butts as a source of nicotine in urban waters. Journal of Hydrology, v. 519. p. 3466-3474, 2014.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em Educação Ambiental. In: SATO, M.; CARVALHO, I. (orgs). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre. Artmed, p. 17-44, 2005.

SILVA, R. O meio ambiente por trás da tela: estudo das concepções de Educação Ambiental dos filmes da TV Escola. 2007. 254f.Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. DOI 10.11606/T.48.2007.tde-25042007-104315. Disponível em: <https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-25042007-104315/pt-br.php>. Acesso em: Acesso em: 18 ago. 2019.

TORKASHVAND, J.; FARZADKIA, M.; SOBHI, H. R.; ESRAFILLI, A. Littered cigarette butt as a well-known hazardours waste: A comprehensive systematic review. Journal of Hazardous Materials, v. 383. p. 121-242, 2019.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Report on the Global Tobacco Epidemic 2019: Offer help to quit tobacco use. Geneva. World Health Organization. 2019.

Publicado
2021-02-04
Como Citar
Goettlicher, N. Z., Conti, D. de M., Costa, M. F. da, & Ferreira, M. L. (2021). A percepção de voluntários de um projeto de Educação Ambiental sobre bitucas de cigarro em São Paulo. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(1), 326-346. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.10258
Seção
Artigos