A Educação Ambiental como instrumento na formação de agentes comunitários de saúde e de endemias no combate às arboviroses causadas pelos resíduos sólidos urbanos

  • Urania Jesus Universidade Federal do Sul da Bahia
  • Roberto Muhájir Rahnemay Rabbani Universidade Federal do Sul da Bahia
  • Lina Faria Universidade Federal do sul da Bahia
Palavras-chave: Educação Ambiental. Arboviroses. Resíduos Sólidos Urbanos

Resumo

A progressiva geração de resíduos sólidos tem causado impactos socioambientais e afetado a saúde das populações. O presente artigo tem como objetivo analisar o conhecimento dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e dos Agentes de Combate às Endemias (ACE) de um município sul baiano a partir de uma proposta de formação de agentes multiplicadores pela Educação Ambiental (EA), no cotidiano do processo de trabalho, nas orientações sobre gerenciamento dos RSU para eliminação de focos do mosquito Aedes aegypti.  Neste sentido, a Educação Ambiental integrada à Educação em Saúde pode constituir estratégia de atuação, de modo que estimule a consciência ambiental, social e sanitária relacionadas à qualidade de vida das comunidades.

Biografia do Autor

Urania Jesus, Universidade Federal do Sul da Bahia

Mestre em Ciências e Tecnologias Ambientais pelo Programa de pós graduação da Universidade Federal do Sul da Bahia (USFB).

Roberto Muhájir Rahnemay Rabbani, Universidade Federal do Sul da Bahia

Professor Adjunto da Universidade Federal do Sul da Bahia (USFB). Doutor em Direito pela Universidade de Santiago de Compostela, Espanha (USC).

Lina Faria, Universidade Federal do sul da Bahia

Professora Associada da Universidade Federal do Sul da Bahia (USFB), Doutora em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social (Uerj). 

Referências

ABRELPE. PANORAMA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL 2018/2019. 2019. Disponível em:< http://abrelpe.org.br/download-panorama-2018-2019/>. Acesso em: 28 jan.2020.

BAHIA, Secretaria de Saúde. Indicadores tabnet, Arboviroses. 2019. Disponível em:<http://www.saude.ba.gov.br/suvisa/vigilancia-epidemiologica/agravos-morbidade-epidemiologia/>. Acesso em: 18 ago.2019.

BELTRAME, T.F.; LHAMBY, A. Coleta seletiva: percepção e conhecimento sobre o tema -- uma pesquisa exploratória. Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas - UFSM. Santa Maria, v. 12, n. 12, p. 2674–2679, 2013. Disponível

BESERRA, E.P. et al. Educação Ambiental e enfermagem: uma integração necessária. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 63, n. 5, p. 848-852, 2010.

BRAGA, I.A.; VALLE, D. Aedes aegypti: inseticidas, mecanismos de ação e resistência. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 16, n. 4, p. 279–293, 2007.

BRASIL, Lei nº 13.595, de 5 de janeiro de 2018. Dispõe sobre a reformulação das atribuições, a jornada e as condições de trabalho, o grau de formação profissional, os cursos de formação técnica e continuada e a indenização de transporte dos profissionais Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias. Brasília – DF, 2018. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Lei/L13595.htm>. Acesso em: 11 out. 2019.

BRASIL, Lei. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Publicado no DOU em, v. 2, 1981. Acesso em: 25 set.2019.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria N° 2.121, de 18 de dezembro de 2015. Brasília, DF, 2015. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2015/prt2121_18_12_2015.html>. Acesso em: 21 ago. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.795 de 1999. Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília - DF, 1999. Disponível: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm> Disponível: Acesso em: 18 ago.2019.

BRASIL. Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde − Ministério da Saúde Volume 48 N° 3 – 2017. Disponível em: <http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/abril/06/2017-002-Monitoramento-dos-casos-de-dengue--febre-de-chikungunya-e-febre-pelo-v--rus-Zika-ate-a-Semana-Epidemiologica-52--2016.pdf>. Acesso em: 17 set. 2019.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Brasília - DF, 1998. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm Acesso em: 25 set.2019.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Brasília – DF, 1990. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm. Acesso em: 19 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico - Situação epidemiológica da infecção pelo vírus Zika no Brasil, de 2015 a 2017. Brasília – DF, 2018. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/novembro/12/2018-034.pdf. Acesso em: 17 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Combate ao Aedes Aegypti: prevenção e controle da Dengue, Chikungunya e Zika. Brasília – DF, 2019. Disponível em: <http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/combate-ao-aedes>. Acesso em: 11 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. Brasília - DF, 2019. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf>. Acesso em: 18 ago.2019.

BRASIL. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Lei nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. Brasília - DF, 2010. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 20 de abr. 2018.

BRASIL. Protocolo de investigação de óbitos por arbovirus urbanos no Brasil: Dengue, Chikungunya e Zika. Brasília – DF, 2016. Disponível em: <http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/agosto/30/Protocolo-de-investiga----o-de---bitos-de-dengue-chikv--Zika.13.06.2016.pdf>. Acesso em: 17 set. 2019.

BRASIL. Vírus Zika no Brasil: a resposta do SUS. Brasília – DF, 2017. <http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/marco/28/af_zika_28mar17_isbn_web.pdf>. Acesso em: 17 set. 2019.

BRINGHENTI, J. R.; GÜNTHER, W. M. R. Participação social em programas de coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 16, n. 4, p. 421–430, dez. 2011.

CAMPONOGARA, S.; ERTHAL, G.; VIERO, C. M. A Problemática Ambiental na visão de Agentes Comunitários de Saúde. Ciência, Cuidado e Saúde, [s.l.], v. 12, n. 2, p.233-240, 26 set. 2013. Universidade Estadual de Maringa.

CANTANE, D. R. et al. O Desenvolvimento da População do Aedes aegypti Aplicado ao Modelo de Otimização no Controle da Dengue. Anais XLVII Simpósio Brasileiro de Pesquisa Operacional, p. 782–793, 2015. Disponível em: <http://cdsid.org.br/sbpo2015/wp-content/uploads/2015/08/142991.pdf>. Acesso em: 11 set. 2019.

CONDESC. CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA COSTA DO DESCOBRIMENTO. Diagnóstico territorial dos resíduos sólidos dos municípios pertencentes ao CONDESC. 2018. Disponível em: <http://www.condesc.org/residuos/mobile>. Acesso em: 17 set. 2019.

COSTA, F. S.; DA SILVA, J. J.; DE SOUZA, C. M.; MENDES, J. Dinâmica populacional de Aedes aegypti (L) em área urbana de alta incidência de dengue. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 41, n. 3, p. 309–312, 2008.

COSTA, K. B.; RODRIGUES, M. A. A Educação Ambiental e o lixo: um estudo de caso realizado em uma escola pública de Teresina (PI). Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 9, n. 2, p. 344–363, 29 dez. 2014.

COSTA, M. P.; RAMALHO, Â. M. C.; SOUSA, C. M. de. A problemática socioambiental das arboviroses: Transformando as práticas de Educação Ambiental e comunicação. Editora Realize, n. 1, 2017.

DIAS, A. A. S. D.; DIAS, M. A. de O. Educação Ambiental: a agricultura como modo de sustentabilidade para a pequena propriedade rural. Revista de direitos difusos, v. 68, p. 161–178, 2017.

DONALISIO, M. R.; FREITAS, A. R. R.; ZUBEN, A. P. B. Von. Arboviruses emerging in Brazil: challenges for clinic and implications for public health. Revista de Saúde Pública, v. 51, p. 30, 2017.

FIGUEIREDO, R.; PAIVA, C.;MORATO, M. Arboviroses, 2017. Disponível em: <https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/24607> Acesso em: 17 set. 2019.

FONTANA, R. L. M.; COSTA; SANTANA, S.; DA, J. A. B.; SILVA; RODRIGUES, A. de J. Teorias demográficas e o crescimento populacional no mundo. Ciências Humanas e Sociais Unit, v. 2, n. 3, p. 113–124, 2015.

GODECKE, M. V.; NAIME, R. H.; FIGUEIREDO, J. A. S. O Consumismo E a Geração De Resíduos Sólidos Urbanos No Brasil. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 8, n. 8, p. 1700–1712, 2012.

GOUVEIA, N. Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 6, p. 1503–1510, jun. 2012.

GRYNSZPAN, D. Educação em saúde e Educação Ambiental: uma experiência integradora. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 15(Sup. 2):133-138, 1999.

HONÓRIO, N. A. et al. Chikungunya: uma arbovirose em estabelecimento e expansão no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 31, n. 5, p. 906–908, maio 2015.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Infográficos Cidades @. Porto Seguro. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=292530>. Acesso em: 12 Fev. 2017.

JACOBI, P. R. Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 233-250, maio/ago. 2005.

KARPINSKI, J. A; MOURO, N.F.D; NETTO, F. F; DRUCIAKI, F. P. PROGRAMA DE COLETA SELETIVA DE LIXO: UM ESTUDO DE CASO DO MUNICÍPIO DE CANDÓI NO PARANÁ. Revista Gestão e Sustentabilidade Ambiental, Florianópolis, v. 6, n. 1, p. 504 - 520, abr./set. 2017.

LIMA-CAMARA, T. N. Emerging arboviruses and public health challenges in Brazil. Revista de Saúde Pública, v. 50, n. 0, p. 1–7, 2016. Acesso em: 17 set. 2019.

LOPES, N.; NOZAWA, C.; LINHARES, R. E. C. Características gerais e epidemiologia dos arbovírus emergentes no Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 5, n. 3, p. 55–64, 2014. Acesso em: 17 set. 2019.

LOUREIRO, C.F.B. Educar, participar e transformar em Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, 0, p. 13-20, 2004.

MENDONÇA, F. A.; SOUZA, A. V.; DUTRA, D. A. Saúde pública, urbanização e dengue no Brasil. Sociedade & Natureza, v. 21, n. 3, p. 257–269, dez. 2009.

MOROSINI, M. V.; FONSECA, A. F. Os agentes comunitários na Atenção Primária à Saúde no Brasil: inventário de conquistas e desafios. Saúde em Debate, v. 42, n. spe1, p. 261–274, set. 2018.

NUNES, M. O. et al. O agente comunitário de saúde: construção da identidade desse personagem híbrido e polifônico. Cadernos de Saúde Pública, v. 18, n. 6, p. 1639–1646, dez. 2002.

OLIVEIRA, M.; GONÇALVES DE CASTRO, G.; ALVES FIGUEIREDO, G. L. Agente de combate às endemias e o processo de trabalho da equipe de saúde da família. Revista Brasileira em promoção da Saúde, v. 29, n. 3, p. 380–389, 30 set. 2016.

OMS - Organização Mundial de Saúde. Resíduos Sólidos. 2018. Disponível em: <<http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=386:residuos-solidos&Itemid=685>. Acesso em: 18 de abr. 2018.

OPAS – Organização Pan-Americana da Saúde 2019. Dados da dengue no Brasil, 2013. 2013. Disponível em:<https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=3159:dados-da-dengue-no-brasil-2013&Itemid=463> Acesso em: 19 set. 2019.

PORTO SEGURO –BA, 2018. Plano Municipal de Saúde 2018 a 2021. Secretaria Municipal de Saúde de Porto Seguro, p. xx, 2018.

SANTOS, T. L.; HENRIQUE, N. S.; SHHLINDWEIN, J. A.; FERREIRA, E.; STACHIW, R. Aproveitamento da fração orgânica dos resíduos sólidos urbanos para produção de composto orgânico. Revista Brasileira de Ciências da Amazônia, v. 3, n. 1, p. 15–28, 2014.

SEABRA, H. L. C.; GALLEP, R.; BERTOLI GONÇALVES, D. alternativas para coleta e disposição final de resíduos sólidos em municípios de pequeno e médio porte. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 14, n. 2, p. 614-626, ago./dez. 2016

SEBRAE. Gestão de Resíduos Sólidos. 2015. Disponível em: <https://bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/a4be32497fcc503a77a586af9d068ba0/$File/6015.pdf>. Acesso em: 03 nov. 2019.

SILVA, V. G.; SANTOS, W. B. INCIDÊNCIA DE DENGUE NOS ANOS DE 2016 E 2017 NO BAIRRO SANTA RITA EM GOVERNADOR VALADARES/MG. Enciclopédia Biosfera, v. 15, n. 28, p. 1241–1250, 3 dez. 2018.

SOUZA, E.A. et al. Implicações dos Resíduos Sólidos a Saúde Humana: Explorando Publicações de Enfermagem. Uniciências, Vol. 21. N. 1, 2017.

SOUZA, K. R.; SANTOS, M. L. R.; GUIMARÃES, I. C. S.; RIBEIRO, G. de S.; SILVA, L. K. Saberes e práticas sobre controle do Aedes aegypti por diferentes sujeitos sociais na cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, n. 5, 2018.

URBAN, R. C. Índice de adequação do gerenciamento de resíduos sólidos urbanos como ferramenta para o planejamento: aplicação no estado de São Paulo. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 21, n. 2, p. 367–377, 2016.

ZARA, A. L. de S. A.; SANTOS, S. M. Dos; FERNANDES-OLIVEIRA, E. S.; CARVALHO, R. G.; COELHO, G. E. Epidemiologia e serviços de saúde: Revista do Sistema Único de Saúde do Brasil, v. 25, n. 2, p. 391–404, 2016.

Publicado
2020-12-07
Como Citar
Jesus, U., Rabbani, R. M. R., & Faria, L. (2020). A Educação Ambiental como instrumento na formação de agentes comunitários de saúde e de endemias no combate às arboviroses causadas pelos resíduos sólidos urbanos. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(7), 206-223. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10252
Seção
Artigos