Educação Ambiental no semiárido baiano: conhecimento, aplicações e necessidades

  • Regina Nascimento Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
  • Eliane Maria de Souza Nogueira Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
  • Paulo Roberto Ramos Universidade do Vale do São Francisco-UNIVASF/JUAZEIRO/BA
Palavras-chave: Legislação Ambiental, Educação Formal, Bahia, Formação Continuada, Efetividade

Resumo

A Educação Ambiental(EA) é um instrumento de potencialização da causa ambiental tutelada pela Legislação Pátria. Nesse cenário, o estado da Bahia instituiu a sua Política Estadual de Educação Ambiental (PEEA/BA), através da Lei 12.057 de 07 de janeiro de 2011, que traz a EA como uma série de estratégias visando à sustentabilidade socioambiental.  Com o objetivo de verificar o conhecimento, as aplicações e necessidades da educação ambiental pelos docentes à luz da PEEA/BA, foi realizada uma pesquisa de campo em uma escola do Semiárido baiano, com abordagem metodológica qualiquantitativa, circundada pelas pesquisas bibliográfica e documental. As reflexões sobre a realidade concreta e estudos semelhantes à temática apontam que há um descompasso entre as determinações da Lei com as políticas públicas e as práticas pedagógicas em EA.

Biografia do Autor

Eliane Maria de Souza Nogueira, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Profa. Drª em Ciências Biológicas, docente do Programa de Pós-Graduação em Ecologia Humana e Gestão Socioambiental-PPGEcoH/UNEB/PAULO AFONSO/BA.

Paulo Roberto Ramos, Universidade do Vale do São Francisco-UNIVASF/JUAZEIRO/BA

Prof. Dr. em Sociologia do Desenvolvimento, docente da Universidade do Vale do São Francisco-UNIVASF/JUAZEIRO/BA. 

Referências

ARAÚJO, S.M.S. A região semiárida do nordeste do Brasil: questões ambientais e possibilidades de uso sustentável dos recursos. Revista Rios Eletrônica, n. 5, p. 89-98, dez. 2011.

ATTAINI, V.; SORRENTINO, M. Educação Ambiental e escola: narrativas de moradores de Fernando de Noronha – PE. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 35, n. 2, p. 292-314, ago. 2018.

BAHIA. Decreto 19.083 de 07 de junho de 2019. Regulamenta a Lei nº 12.056, de 07 de janeiro de 2011, que institui a Política de Educação Ambiental do Estado da Bahia, e dá outras providências. Salvador:2019.

BAHIA. Decreto nº 12.354 de 25 de agosto de 2010. Institui o Programa Territórios de Identidade e dá outras providências. Disponível em: https://governo-ba.jusbrasil.com.br/legislacao/1024959/decreto-12354-10. Acesso em: 06 nov.2019.

BAHIA. Documento Curricular Referencial da Bahia para Educação Infantil e Ensino Fundamental. Salvador: SEC, UNDIME,2018.

BAHIA. Programa de Educação Ambiental do Sistema Educacional da Bahia- ProEASE/ Secretaria de Educação do Estado da Bahia.2ª Edição-Salvador:SEC,2015.

BAHIA. Secretaria de Planejamento- SEPLAN. Disponível em: http://www.seplan.ba.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=17. Acesso em 04 nov.2019.

BAHIA. Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia-SEI. Disponível em: <https://www.sei.ba.gov.br/images/informacoes_por/territorio/indicadores/pdf/sertaodosaofrancisco.pdf>. Acesso em 04 nov. 2019.

BARBOSA, G.K.A.; DOS SANTOS, E.M. Educação Ambiental no semiárido: uma revisão sistemática das experiências e práticas. Ambiente & Educação-Revista de Educação Ambiental, v. 20, n. 1, p. 66-86, 2015.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Ed. 70. 2002.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília:DOU,1988.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE). Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/. Acesso em: 23 dez.,2019.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília: DOU,2014.

BRASIL. Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999.Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília:DOU, 1999.BRASIL.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Regional. Superintendência do Desenvolvimento Regional-SUDENE. Delimitação do Semiárido. Brasília-DF, 2017. Disponível em: http://sudene.gov.br/delimitacao-do-semiarido.Acesso em 26 set.2019.

BRASIL. Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasília: CNE, 2012.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília:DOU,1996.

CÂMARA, A.S. Pela introdução de uma Educação Ambiental ecocêntrica: vantagens e desafios. Revista Direitos Humanos e Democracia, v. 7, n. 13, p. 208-222, 2019.

CARNEIRO, B.S.; OLIVEIRA, M.A.S.; MOREIRA, R.F. Educação Ambiental na escola pública. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 11, n. 1, p. 25-36, 2016.

CARRAMILLO-GOING, L.C.; CORTELLA, M.S. Educação Ambiental e o compromisso profissional com a sociedade na visão de Paulo Freire.e-Mosaicos, v. 6, n. 13, p. 112-125, 2017.

CARVALHO, I.C.M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. Cortez Editora, 2008.

CARVALHO, L.D. Os saberes tecidos no contexto: a vertente educativa da convivência com o semiárido fundamentando novas práticas e metodologias pautadas na ontextualização. Salvador. Anais do III Seminário de Educação do Campo e Contemporaneidade, 2012.

CERQUEIRA, A. dos S. et al. Política Pública de Educação Ambiental do Estado da Bahia à Luz das Dimensões e Indicadores da ANPPEA. In RAYMUNDO et al. (Org.). Avaliação e monitoramento de políticas públicas de Educação Ambiental no Brasil: transição para sociedades sustentáveis [recurso eletrônico]. Piracicaba: MH-Ambiente Natural, 2019.

CHAVES, J.M. et al. Socializando o Sistema MonitoraEA em Ofcina de Educação Ambiental em São Francisco do Conde – Bahia. In: RAYMUNDO et al. (Org.). Avaliação e monitoramento de políticas públicas de Educação Ambiental no Brasil: transição para sociedades sustentáveis [recurso eletrônico]. Piracicaba: MH-Ambiente Natural, 2019.

DA SILVA MAIA, Jorge Sobral. Formação permanente de professores e a Educação Ambiental crítica no contexto da escola pública. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, v. 11, n. 2, p. 07-19, 2019.

DE AZEVEDO MARTINS, J.P.; SCHNETZLER, R.P. Formação de professores em Educação Ambiental crítica centrada na investigação-ação e na parceria colaborativa. Ciencia & Educação, v. 24, n. 3, p. 581-598, 2018.

DUARTE, V.M.N. Pesquisas: exploratória, descritiva e explicativa. Brasil Escola. Disponível em: <https://monografias.brasilescola.uol.com.br/regras-abnt/pesquisas-exploratoria-descritiva-explicativa.htm#>. Acesso em 20 nov.2019.

DUTRA, F.; TERRAZZAN, E. A. E. Reflexos das normativas legais sobre formação de professores da educação básica em configurações curriculares de cursos de licenciatura em química e formação da identidade profissional docente. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências. V.14, n.1, 2012, p. 169-180.

FERREIRA, G. Redação científica: como entender e escrever com facilidade. São Paulo:Atlas,2011.

FERREIRA, J.D.C. Alto Ipojuca: Participação dos usuários (sociedade civil) nas discussões de políticas públicas socioambientais no semiárido Pernambucano. In: SILVA, E.H.; SANTOS, C.A.B.; OLIVEIRA, E.G.S. (orgs.). Histórico ambiental: recursos naturais e povos tradicionais no Semiárido nordestino. 1 ed.-Curitiba: Appris,2017.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 31. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

GATTI. B.A. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, vol. 13, n. 37, jan./abr.2008.

GUERRA, A.F.S. et al. Reflexões sobre Ações na Política Pública de Educação Ambiental em Santa Catarina In: RAYMUNDO et al. (Org.). Avaliação e monitoramento de políticas públicas de Educação Ambiental no Brasil: transição para sociedades sustentáveis [recurso eletrônico]. Piracicaba: MH-Ambiente Natural, 2019.

HENNING, P.C. Resistir ao presente: tencionando heranças modernas para pensar a Educação Ambiental. Ciência & Educação (Bauru), v. 25, n. 3, p. 763-781, 2019.

HOFSTATTER, L.J.V.; FERRARO JUNIOR, L.A. Política Estadual de Educação Ambiental na Bahia: desafios à participação democrática. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient. ISSN 1517-1256, V. 30, n. 1, p. 217 – 236, jan./ jun. 2013.

LOUREIRO, C.F.B. Complexidade e dialética: contribuições à práxis política e emancipatória em Educação Ambiental. Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 93, p. 1473-1494, Set./Dez. 2005.

MELO, M.C.A. Educação e Convivência no Sertão do Pajeú. In: CHAVES, A.M.; CAMPOS, A.L.T. (Org.). Boas práticas em Educação Ambiental na agricultura familiar: exemplos de ações educativas e práticas sustentáveis no campo brasileiro. Brasília: Departamento de Educação Ambiental, MMA, 2012. p. 83-90.

NASCIMENTO, R.C.; DE SOUZA NOGUEIRA, E.M.; RAMOS, P.R. Uma análise da política de Educação Ambiental da Bahia. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, v. 10, n. 5, p. 331-344, 2019.

PIRES, I.M.; CRAVEIRO, J.L. Ética e prática da Ecologia humana: questões introdutórias sobre a Ecologia humana e a emergência dos riscos ambientais. Lisboa: APENAS, 2011.

PROFICE, C.C. Educação Ambiental: dilemas e desafios no cenário acadêmico brasileiro. REDE-Revista Eletrônica do PRODEMA, v. 10, n. 1, 2016.

RAYMUNDO, M.H.A.; BIASOLI, S.; BRANCO, E.A.; SORRENTINO, M. (Org.). Avaliação e monitoramento de políticas públicas de Educação Ambiental no Brasil: transição para sociedades sustentáveis (recurso eletrônico). Piracicaba: MH-Ambiente Natural, 2019.

RAYMUNDO, M.H.A.; BRANCO, E.A.; BIASOLI, S. Indicadores de políticas públicas de Educação Ambiental: construção à luz do Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global e da Política Nacional de Educação Ambiental. Cadernos de Pesquisa: Pensamento Educacional, n. esp, p. 337-358, 2018.

REIGOTA, M. O que é Educação Ambiental. Brasiliense, 2017. (E-book).

RODRIGUES, C.S.; SANTOS, C.C.; PEREIRA, N.R. Educação Ambiental como política pública no Estado da Bahia: um olhar sobre a PEEA-BA. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient. E-ISSN 1517-1256, v. 33, n.2, p. 286-301, maio/ago., 2016.

SORRENTINO, M. Educador Ambiental Popular. In: FERRARO JUNIOR, L. A. (Org.). Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Vol. 3. Brasília: MMA/DEA, 2013. p.143-153.

TRISTÃO, M. Educação Ambiental e a descolonização do pensamento. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, p. 28-49, 2016.

TRISTÃO, M. Os contextos da Educação Ambiental no cotidiano: racionalidades da/na escola. 2004. Anais da 27ª Reunião Científica da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Educação. Disponível em: <http://27reuniao.anped.org.br/gt22/t229.pdf>. Acesso em: 23 nov. 2019.

Publicado
2020-12-10
Como Citar
Nascimento, R., Nogueira, E. M. de S., & Ramos, P. R. (2020). Educação Ambiental no semiárido baiano: conhecimento, aplicações e necessidades. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(7), 423-439. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10199
Seção
Artigos