Avaliação do gerenciamento dos resíduos sólidos de um hospital em um município de Minas Gerais

  • Vera Eunice Oliveira Univiçosa
Palavras-chave: Resíduos sólidos Hospitalar. Gerenciamento. Unidade de Saúde

Resumo

Entre as mais variadas formas de resíduos, temos os resíduos sólidos dos serviços de saúde (RSSS), também denominado lixo hospitalar ou apenas resíduos dos serviços de saúde (RSS). Esses resíduos sólidos, quando não tratados de maneira correta, acarretam muitos prejuízos á sociedade e ao meio ambiente. O objetivo dessa avaliação é contribuir com o correto gerenciamento dos resíduos gerados na unidade de saúde respeitando sempre a legislação. O estudo foi constituído pelo levantamento de dados dos resíduos gerados, bem como a sua classificação de acordo com a NBR 10004/2004 da ABNT e a NBR 12808 que classificou os resíduos de serviços de saúde quanto aos riscos potenciais ao meio ambiente e à saúde pública, para que tenham gerenciamento adequado.

Referências

ABRELPE. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. São Paulo: Abrelpe. 2011.

ANDRADE, J. B. L. Determinação da composição gravimétrica dos Resíduos de serviços de saúde de diferentes tipos de estabelecimentos Geradores. Anais do Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 20., 1999.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10004: Resíduos Sólidos – classificação. Rio de Janeiro, 2004.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 11174: Armazenamento de resíduos. Rio de Janeiro, 1990.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 11175: Incineraçào de resíduos sólidos perigosos – Padrões de desempenho. Rio de Janeiro, 1990.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12235: Armazenamento de resíduos sólidos perigosos – procedimento. Rio de Janeiro, 1992.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12807: Resíduos de Serviços de Saúde – Terminologia. Rio de Janeiro, 1993.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7500: Símbolos de risco e manuseio para o transporte e armazenamento de materiais. Rio de Janeiro, 1987.

BRASIL. Decreto nº. 96.044, de 18 de maio de 1988. Aprova o regulamento para o transporte rodoviário de produtos perigosos. Brasília, DF, 1988.

BRASIL. Lei nº 6514, de 22 de dezembro de 1977. Altera o Capítulo V da Consolidação das Leis do Trabalho, relativo a segurança e medicina do trabalho e dá outras providências. Brasília, DF, 1977.

BRASIL. Lei nº 6938, de 31 agosto de 1981. Dispõe sobre a política nacional do meio ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, DF, 1981.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Resolução CNEN nº 6.05, de novembro de 1985. Gerência de rejeitos radioativos em instalações radiativas. Brasília, DF, 1985.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1884, de 11 de setembro de 1994. Normas para projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Brasília, DF, 1994.

BRASIL. Ministério de Estado do Interior. Portaria MINTER nº 231, de 27 de abril de 1976. Estabelece padrões de qualidade do ar. Brasília, DF, 1976.

BRASIL. Ministério de Estado do Interior. Portaria MINTER nº 53, de 01 de março de 1979. Estabelece normas aos projetos específicos de tratamento e disposição de resíduos sólidos. Primeira a abordar os resíduos hospitalares e indica a incineração. Brasília, DF, 1979.

BRASIL. Ministério de Estado do Trabalho. Portaria nº 3214, de 08 de junho de 1978: Aprova as Normas Regulamentadoras – NR – do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do Trabalho, relativas a Segurança e Medicina do Trabalho. Brasília, DF, 1978.

MACHADO, R. S. S. S. Revisitando as soluções adotadas no Brasil para tratamento e destino final. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, n. 9, v. 1, p. 55-64, 2010.

MINAS GERAIS. Conselho Estadual de Política Ambiental. Deliberação Normativa COPAM n° 01, de 26 maio de 1981. Fixa normas e padrões para qualidade do ar. Belo Horizonte, 1981.

MINAS GERAIS. Conselho Estadual de Política Ambiental. Deliberação Normativa COPAM n° 07, de 29 de setembro de 1981. Fixa normas para disposição de resíduos no solo. Belo Horizonte, 1981.

MINAS GERAIS. Conselho Estadual de Política Ambiental. Deliberação Normativa COPAM n° 11, de 16 de dezembro de 1986. Estabelece normas e padrões para emissões atmosféricas. Belo Horizonte, 1986.

MINAS GERAIS. Lei nº 13796, de 20 de dezembro de 2000. Dispõe sobre o controle e o licenciamento dos empreendimentos e das atividades geradoras de resíduos perigosos no Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2000.

MOTA, S. M. et al. Impacto dos resíduos de serviços de saúde sobre o homem e o meio ambiente. Arquivos em Odontologia, v. 40, n. 2, p. 111-206, 2004.

NÓBREGA, C. C. Diagnóstico dos resíduos sólidos de serviços de saúde provenientes de hospitais e clínicas médicas – PB. Anais do Simpósio Ítalo-brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Vitória, ES, Brasil, 2002.

RAMOS, Y. S. et al. Vulnerabilidade no manejo dos resíduos de serviço de saúde. Ciências & Saúde Coletiva, v. 16, n. 8, p. 3553-3560, 2011.

RIBEIRO FILHO, O. V. Aspectos sanitários e ambientais apresentados pelos resíduos de serviços de saúde. Associação Brasileira de Limpeza Pública, São Paulo: Gerenciamento dos serviços de saúde, 1998.

RIO, R. B. Cartilha do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde: segundo a RDC 306/04 da ANVISA e Resolução 358/05 do Conama. 2006.

SALES, C. C. L. et al. Gerenciamento dos resíduos sólidos dos serviços de saúde: aspectos do manejo, Pará, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v.14, n.6, p.2231-2238, 2009.

SCHNEIDER, V. E. et al. Manual de gerenciamento de resíduos sólidos de serviços de saúde. São Paulo: Baliero, 2001.

SISINNO, C. L. S.; MOREIRA, J. C. Ecoeficiência: um instrumento para a redução da geração de resíduos e desperdícios em estabelecimentos de saúde. Cadernos de Saúde Pública, v. 21, n. 6, p. 1893 1900, 2005.

Publicado
2020-12-03
Como Citar
Oliveira, V. E. (2020). Avaliação do gerenciamento dos resíduos sólidos de um hospital em um município de Minas Gerais. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(7), 59-70. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10195
Seção
Artigos