Práticas educativas ambientais formais: o que a ecopedagogia pode contribuir

  • Graciele Cristiane Rambo Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE
  • Terezinha Corrêa Lindino Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE
Palavras-chave: Práticas ambientais; Educação Ambiental; Ecopedagogia

Resumo

Questões relacionadas ao cuidado e preservação do Meio Ambiente têm permeado vários espaços, inclusive o educacional. A escola passa a ter grande relevância no processo de formação e sensibilização dos alunos para assuntos relacionados ao Ambiente, e as práticas educativas ambientais passam a fazer parte do cotidiano dos espaços de ensino. Para tanto, esse artigo tem como finalidade trazer alguns aspectos da Ecopedagogia que podem contribuir para o desenvolvimento de práticas que possibilitem a formação crítica e reflexiva de ações que promovam a formação de novos valores e cuidados com o ambiente. Como metodologia utilizou-se da revisão bibliográfica e análise de um projeto desenvolvido em uma escola no município de Marechal Cândido Rondon – PR, e por fim a discussão da proposta com base na teoria da Ecopedagogia. A realização deste trabalho possibilitou compreender que a proposta da Ecopedagogia tem muito a contribuir para reeducar a visão do aluno frente aos cuidados com o   Meio  Ambiente e que conservar  é muito mais do que a recolha e destinação de resíduos; mas sim, um trabalho de sensibilização para a diminuição de seu uso. E poder assim mudar a relação do homem com a natureza, construindo um futuro sustentável.

Biografia do Autor

Graciele Cristiane Rambo, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE

Professora da rede municipal e estadual do EStado do Paraná. Mestranda do Programa de Desenvolvimento Rural Sustentável

Referências

BRASIL. Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília.

BREVES, R. R. et al. Avaliação do processo de separação de plásticos descartáveis – polipropileno (PP) e poliestireno de alto impacto (HIPS) – por densidade. Anais do XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química, [s.l.], p.01-08, fev. 2015. Editora Edgard Blücher. http://dx.doi.org/10.5151/chemeng-cobeq2014-0836-23417-144677.

FREIRE, P. A Carta da Terra na educação. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2010.

GADOTTI, M. Ecopedagogia e Educação para a sustentabilidade. São Paulo: Instituto Paulo Freire: Universidade de São Paulo, 1998.

GADOTTI, M. Pedagogia da Terra. 6. ed. São Paulo: Petrópolis, 2000.

GADOTTI, M. A Carta da Terra na educação. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2010. (Cidadania planetária 3)

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. PAS - Pesquisa Anual de Serviços. [online] Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/marechal-candido-rondon/panorama. Acesso em: 31 maio, 2018

IPF - Instituto Paulo Freire. Carta da Ecopedagogia: em defesa de uma pedagogia da Terra. São Paulo: Conselho da Terra/UNESCO-Brasil, 1999.

PEREIRA, C. M. M. C. et al. Ecopedagogia: uma nova pedagogia com propostas educacionais para o desenvolvimento sustentável. Etd - Educação Temática Digital, [s.l.], v. 8, n. 2, p.80-89, 3 dez. 2008. Universidade Estadual de Campinas. http://dx.doi.org/10.20396/etd.v8i2.646.

PPP - Projeto Politico Pedagógico: Escola Municipal Bento Munhoz da Rocha Neto. Marechal Cândido Rondon/PR, 2018.

REIGOTA, M. O que é Educação Ambiental. São Paulo: Brasiliense, 2001.

SMED - Secretaria Municipal de Educação de Marechal Cândido Rondon/PR. Documentação Escolar. Fevereiro de 2019.

Publicado
2020-12-08
Como Citar
Rambo, G. C., & Lindino, T. C. (2020). Práticas educativas ambientais formais: o que a ecopedagogia pode contribuir. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(7), 248-258. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10161
Seção
Relatos de Experiências