Diagnóstico auditivo na atenção primária: uma revisão sistemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2022.v30.14087

Palavras-chave:

Perda Auditiva, Promoção da Saúde, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Introdução. A perda auditiva apresenta alta prevalência no âmbito mundial. Exames auditivos são efetivos na identificação do comprometimento auditivo na atenção primária de saúde. Em se tratando do cenário brasileiro, iniciativas de políticas públicas voltadas para a área de saúde auditiva foram implantadas no ano de 2000, desenvolvendo grandes avanços e formação conjunta de equipe multidisciplinar em serviço. Objetivo. Verificar como se estabelece o diagnóstico auditivo na atenção primária em saúde. Método. A busca por artigos científicos foi conduzida por dois pesquisadores independentes nas bases de dados Medline (Pubmed), LILACS, SciELO, Web of Science e Scopus, sem restrição de idioma, período e localização. Para complementar e evitar viés de risco foi realizada uma busca por literatura cinza no Google Scholar. Foram inclusos na pesquisa estudos que obtiveram pontuação ≥6 pontos segundo o protocolo para pontuação qualitativa. A revisão sistemática foi conduzida conforme as recomendações do PRISMA. Resultados. Foram inicialmente selecionados 2062 estudos iniciais e dois estudos triados admitidos na pesquisa. Pacientes com pontuações do Hearing Handicap Inventory - HHI≥10 obtiveram uma taxa de encaminhamentos superior aos que pontuaram <10 pontos. No primeiro estudo, obteve um resultado de 12,5% de encaminhamentos e no segundo obteve um resultado de 14% de aumento. Conclusão. Os estudos demonstram eficácia na utilização do HHI visando o diagnóstico auditivo quando da realização de exames auditivos de maneira preliminar, havendo aumento significante nos números de pacientes com risco de perda auditiva encaminhados para avaliação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Silva RBG, Almeida LP. Próteses auditivas por idosos: aspectos psicossociais, adaptação e qualidade de vida. Interações 2016;17:463-74. https://doi.org/10.20435/1984-042X-2016-v.17-n.3(09)

World Health Organization (WHO). WHO: 1 in 4 people projected to have hearing problems by 2050 (endereço na Internet). Acessado em: 23/2021. Disponível em: https://www.who.int/news/item/02-03-2021-who-1-in-4-people-projected-to-have-hearing-problems-by-2050.

Pretzsch A, Seidler A, Hegewald J. Health Effects of Occupational Noise. Curr Pollution Rep 2021;7:344-58. https://doi.org/10.1007/s40726-021-00194-4

Gonçalves CG, Fontoura FP. Educational interventions on prevention of hearing loss at work: an integrative review. Rev Bras Saúde Ocup 2018;43:1-13. http://doi.org/10.1590/2317-6369000032417

Silva KR, Ferreira MC, Guia AC, Neto R, Lemos SM. Scientific production in hearing health in Brazil: analysis of the period from 2000 to 2010. Rev CEFAC 2013;15:217-27. https://doi.org/10.1590/S1516-18462012005000089

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Agenda de Compromissos para a Saúde Integral da Criança e Redução da Mortalidade Infantil. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/agenda_compro_crianca.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 648 de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS).

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/prtGM648_20060328.pdf

Wagner J, Bonamigo AW, Oliveira F, Machado MS. Monitoramento da audição e da linguagem na atenção primária à saúde: projeto piloto. Cien Saude Colet 2017;22:3599-606. https://doi.org/10.1590/1413-812320172211.30182016

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria SAS nº 587 de 07 de outubro de 2004. Determina que as Secretarias de Estado da Saúde dos Estados adotem as providências necessárias à organização e implantação das Redes Estaduais de Atenção à Saúde Auditiva e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde. Acesso em 10/11/2022. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2004/prt0587_07_10_2004.html

Page MJ, McKenzie JE, Bossuyt PM, Boutron I, Hoffmann TC, Mulrow CD, et al. The PRISMA 2020 statement: an updated guideline for reporting systematic reviews. J Clin Epidemiol 2021;134:178-89. https://doi.org/10.1016/j.jclinepi.2021.03.001

Pithon MM, Sant’anna LIDA, Baião FCS, Santos RL, Coqueiro RS, Maia LC. Assessment of the effectiveness of mouthwashes in reducing cariogenic biofilm in orthodontic patients: a systematic review. J Dentistr 2015;43:297-308. http://doi.org/10.1016/j.jdent.2014.12.010

Zazove P, Plegue MA, Kileny PR, Mckee MM, Schleicher LS, Green LA, et al. Initial Results of the Early Auditory Referral-Primary Care (EAR-PC) Study. Am J Prev Med 2017;53:139-46. http://doi.org/10.1016/j.amepre.2017.06.024

Zazove MM, Plegue MA, Mckee MM, Dejonckheere M, Kileny PR, Schleicher LS, et al. Effective Hearing Loss Screening in Primary Care: the early auditory referral-primary care study. Ann Fam Med 2020;18:520-7. http://doi.org/10.1370/afm.2590

Pedroso HC, Gonçalves CG. Percepção e conhecimento dos profissionais da saúde da atenção primária sobre notificação da perda auditiva induzida pelo ruído em Curitiba – Paraná. CoDAS 2016;28:575-82. http://doi.org/10.1590/2317-1782/20162015264

Silva JF, Teixeira CF, Lima ML, Nascimento CM, Sousa FS, Griz SM. Health care networks: the role of the family health team in child hearing loss. Rev CEFAC 2017;19:484-92. http://doi.org/10.1590/1982-021620171944517

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS 793 de 24 de abril de 2012. Institui a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0793_24_04_2012.html

Sousa EM, Almeida MA. Atendimento ao surdo na atenção básica: perspectiva da equipe multidisciplinar. Rev Multidiscipl 2017;10:72-82.

https://doi.org/10.14295/idonline.v10i33.589

Nóbrega JD, Munguba MC, Pontes RJ. Atenção à saúde e surdez: desafios para implantação da rede de cuidados à pessoa com deficiência. Rev Bras Promoç Saúde 2017;30:1-10. https://doi.org/10.5020/18061230.2017.6176

Servidoni A, Conterno L. Health policies and definitions of deafness and hearing impairment in the SUS: a monologue? Cad Saúde Pública 2017;22:1-8. http://doi.org/10.1055/s-0037-1601427

Rosis AC, Souza MR, Iório MC. Questionnaire Hearing Handicap Inventory for the Elderly - Screening version (HHIE-S): sensitivity and specificity study. Rev Soc Bras Fonoaudiol 2009;14:339-45. http://doi.org/10.1590/s1516-80342009000300009

Gonçalves CG, Fontoura FP. Educational interventions on prevention of hearing loss at work: an integrative review. Rev Bras Saúde Ocup 2018;43:1-13. http://doi.org/10.1590/2317-6369000032417

Soleman C, Bousquat A. Políticas de saúde e concepções de surdez e de deficiência auditiva no SUS: um monólogo. Cad Saude Publica 2021;37:1-14. http://doi.org/10.1590/0102-311x00206620

Downloads

Publicado

2022-11-16

Como Citar

Kosmos Piazza, J., Faustino Gonçalves, L., Haas, P., & de Paiva, K. M. . (2022). Diagnóstico auditivo na atenção primária: uma revisão sistemática . Revista Neurociências, 30, 1–20. https://doi.org/10.34024/rnc.2022.v30.14087

Edição

Seção

Revisão Sistemática
Recebido: 2022-07-18
Aceito: 2022-10-05
Publicado: 2022-11-16

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)