Atuação fonoaudiológica na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: uma ótica no gerenciamento alimentar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2023.v31.14905

Palavras-chave:

Fonoaudiologia, Unidades de terapia intensiva, Recém-nascido, Aleitamento materno

Resumo

Objetivo. Avaliar as intervenções fonoaudiológicas na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) de uma maternidade pública do Norte do Estado de Santa Catarina no gerenciamento alimentar. Método. Estudo transversal, conduzido por meio da revisão de prontuários dos pacientes admitidos na UTIN no período de abril de 2021 a abril de 2022 que receberam atendimento fonoaudiológico. Para a coleta dos dados, foi utilizado a base de dados contendo informações acerca dos dados clínicos e perinatais dos neonatos e intervenções fonoaudiológicas. Resultados. Foram admitidos na UTIN, 426 neonatos, dos quais 224 (52,5%) receberam atendimento fonoaudiológico, com prevalência de neonatos prematuros (63%) e do sexo masculino (58%). As intervenções fonoaudiológicas englobaram a avaliação do sistema motor oral (ASMO) conjuntamente a orientações à genitora, família ou equipe, estimulação do sistema sensório-motor-oral, técnica do finger-feeding, técnicas de relactação ou translactação, introdução do dispositivo intermediário de amamentação (bico de silicone) e o utensílio mamadeira. O aleitamento materno exclusivo apresentou maior prevalência (62%) no desfecho alimentar dos neonatos atendidos.  Conclusão. A intervenção mais utilizada pela equipe de fonoaudiologia neonatal foi a ASMO juntamente com orientações à mãe, família ou equipe, relacionadas à dificuldade no processo de alimentação e à forma de alimentação na alta hospitalar, prevaleceu o aleitamento materno exclusivo. O fonoaudiólogo inserido na equipe multidisciplinar atuante na UTIN contribui para o desenvolvimento nutricional do recém-nascido, promovendo vantagens ao aleitamento materno exclusivo e ao longo do crescimento da criança.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Santos MRM. Atuação fonoaudiológica na UTI neonatal com RN pré-termo (Trabalho de Conclusão de Curso). Goiânia: Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2020. https://repositorio.pucgoias.edu.br/jspui/handle/123456789/449

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 930, de 10 de maio de 2012. Brasília, 2012. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0930_10_05_2012.html

Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Departamento de Motricidade e Funções Orofaciais Comitê de Disfagia. São Paulo, 2008. Disponível em: https://www.sbfa.org.br/portal2017/themes/2017/departamentos/artigos/resolucoes_26

Conselho Federal de Fonoaudiologia. Resolução nº 661, de 30 de março de 2022. Dispõe sobre a atuação do fonoaudiólogo no aleitamento materno. 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou/-/resolucao-cffa-n-661-de-30-de-marco-de-2022-393581186#:~:text=no%20aleitamento%20materno%3B-,Art.,possam%20interferir%20na%20amamenta%C3%A7%C3%A3o%3B%20II

Amorim KR, Lira KL. The benefits of speech therapy in the neonatal ICU. Res Soc Develop 2021;1:e27410111683. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11683

Franklin VKS, Ramos PFC. The challenges of speech therapy intervention in breastfeeding: an integrative review. Res Soc Develop 2021;1:e33410111813. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11813

Duca AP, Schneider HF, Lima RR, Ribeiro PA, Poffo C. Aleitamento materno em recém-nascidos internados em UTI neonatal: o papel do fonoaudiólogo junto a equipe multidisciplinar. In: As ciências da saúde desafiando o status quo: construir habilidades para vencer barreiras 2. Ponta Grossa: Editora Atena. 2021; p.47-59. https://www.atenaeditora.com.br/catalogo/post/aleitamento-materno-em-recem-nascidos-internados-em-uti-neonatal-o-papel-do-fonoaudiologo-junto-a-equipe-multidisciplinar

Dantas VPS, Brandão TC, Boger ME. Rotina fonoaudiológica na unidade de terapia intensiva neonatal de um hospital materno infantil. Rev Med Saúde Bras 2017;6:29-39. https://portalrevistas.ucb.br/index.php/rmsbr/article/view/7636

World Health Organization (WHO). ICD-11: international statistical classification of diseases and related health problems. Geneva: WHO; 2018. Disponível em: https://icd.who.int/en

Monti MMF, Botega MBS, Lima MCMP, Kubota SMP. Demanda para intervenção fonoaudiológica em uma unidade neonatal de um hospital-escola. Rev CEFAC 2013;15:1540-51. https://doi.org/10.1590/S1516-18462013000600017

Basso CSD, Arroyo MAS, Saes MABF, Beani L, Maia AB, Lourenção LG. Breastfeeding rate and speech-language therapy in the Kangaroo Method. Rev CEFAC 2019;21:e11719. https://doi.org/10.1590/1982-0216/201921511719

Souza LL, Santos MBL, Sousa FCA, Silva IS, Araújo FL, Silva IA, et al. Caracterização clínico-epidemiológica dos recém-nascidos em cuidados intensivos. Res Soc Develop 2020;9:e731986198. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i8.6198

Lemes EF, Silva THMM, Correr AMA, Almeida EOC, Luchesi KF. Estimulação sensoriomotora intra e extra-oral em neonatos prematuros: revisão bibliográfica. Rev CEFAC 2015;17:945-55. https://doi.org/10.1590/1982-021620159414

Otto DM, Almeida ST. Desempenho da alimentação oral em recém-nascidos prematuros estimulados pela técnica treino de deglutição. Audiol Commun Res 2017;22:1-7. https://doi.org/10.1590/2317-6431-2016-1717

Sena NA, Carloto MJL, Lima CMC. Atuação fonoaudiologia em recém-nascidos pré-termo na uti neonatal. In: Neto BRS (Org.). Comunicação científica e técnica em medicina 4. Ponta Grossa: Editora Atena; 2020; cap. 8; p.206. https://repositorio.animaeducacao.com.br/bitstream/ANIMA/31933/8/UTI%20Neonatal%3A%20atua%C3%A7%C3%A3o%20fonoaudiol%C3%B3gica%20em%20rec%C3%A9m-nascido%20pr%C3%A9-termo.pdf

Denucci MAM, Williams EMO, Badoca MEG, Souza CHM. Atuação fonoaudiológica na amamentação: aspectos sobre a prematuridade. Braz J Develop 2021;7:84562-76. https://doi.org/10.34117/bjdv7n8-595

Pereira KR. Efeito do programa de estimulação oral em recém-nascidos pré-termo (Dissertação). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2017; 84p. https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/169716/001049645.pdf

Moreira CM, Cavalcante-Silva RP, Miyaki M, Fujinaga CI. Efeitos da estimulação da sucção não nutritiva com dedo enluvado na transição alimentar em recém-nascido prematuro de muito baixo peso. Rev CEFAC 2014;16:1187-93. https://doi.org/10.1590/1982-0216201424212

Moreira CMD, Cavalcante-Silva RPGV, Fujinaga CI, Marson F. Comparison of the finger-feeding versus cup feeding methods in the transition from gastric to oral feeding in preterm infants. J Pediatr 2017;93:585-91. https://doi.org/10.1016/j.jped.2016.12.008

Souza LRR. Elaboração de guia sobre uso da técnica Finger-Feeding (Sonda-Dedo) em recém-nascidos a termo e saudáveis com disfunções orais atípicas e condutas em aleitamento materno (Monografia). Caicó: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2021; 66p. https://repositorio.ufrn.br/bitstream/123456789/44449/1/ElaboracaoTecnicaFinger-Feeding_Souza_2021.pdf

Costa FM. Uso do bico intermediário de silicone: indicações de uso, benefícios na manutenção do aleitamento materno para recém-nascidos de termo (Monografia). Curitiba: Universidade Tuiuti do Paraná; 2009; 21p. http://tcconline.utp.br/wp-content/uploads/2011/03/150032-uso-do-bico-intermediario-de-silicone.pdf

Chow S, Chow R, Popovic M, Lam H, Merrick J, Ventegodt S, et al. The use of nipple shields: a review. Front Public Health 2015;3:1-13. https://doi.org/10.3389/fpubh.2015.00236

Manerkar AS, Mondkar JA, Goel S. Use of Silicone Nipple Shields as a Lactation Aid for Flat or Inverted Nipples: An Observational Study in A Tertiary Care Hospital. Inter J Contemp Med Res 2016;3:3432-5. https://www.ijcmr.com/uploads/7/7/4/6/77464738/ijcmr_1115_dec_21.pdf

Medeiros AMC, Bernardi AT. Alimentação do recém-nascido pré-termo: aleitamento materno, copo e mamadeira. Rev Soc Bras Fonoaudiol 2011;16:73-9. https://doi.org/10.1590/S1516-80342011000100014

Nikolic CSS, Simões VMF. Fatores que influenciam o uso da mamadeira como forma de alimentação em recém-nascidos pré-termo internados em Hospitais de São Luís-MA. Rev Ciênc Saúde 2012;14:113-8. https://doi.org/10.18764/

Kotowski J, Fowler C, Hourigan C, Orr F. Bottle-feeding an infant feeding modality: An integrative literature review. Matern Child Nutr 2020;16:e12939. https://doi.org/10.1111/mcn.1293928

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.153, de 22 de maio de 2014. Redefine os critérios de habilitação da Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC), como estratégia de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno e à saúde integral da criança e da mulher, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2014 (acessado em: 01/09/2022). Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt1153_22_05_2014.html

Balaminut T, Sousa MI, Gomes ALM, Christoffel MM, Leite AM, Scochi CGS. Aleitamento materno em prematuros egressos de hospitais amigos da criança do Sudeste. Rev Eletr Enferm 2018;20:v20a22. https://doi.org/10.5216/ree.v20.50963

Downloads

Publicado

2023-09-06

Como Citar

de Souza Fernandes, J. . . ., Duca, A. P. . ., Martins Guesser , V. ., de Paiva, K. M. ., Haas, P., & Zimmermann , F. . (2023). Atuação fonoaudiológica na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: uma ótica no gerenciamento alimentar. Revista Neurociências, 31, 1–19. https://doi.org/10.34024/rnc.2023.v31.14905

Edição

Seção

Artigos Originais
##plugins.generic.dates.received## 06/03/2023
##plugins.generic.dates.accepted## 23/08/2023
##plugins.generic.dates.published## 06/09/2023

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >> 

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.