DOS A Devoção Antoniana do Kongo no Brasil: um indício da ideia de uma nação africana cristã

Autores

  • Joyce Farias Doutoranda em História da Arte pela Universidade Federal de São Paulo - PPGHA / EFLCH-UNIFESP | Brasil

DOI:

https://doi.org/10.34024/imagem.v2i2.15106

Palavras-chave:

devoção antoniana, Kongo, santos-amuletos, Vale do Paraíba

Resumo

Esta proposta é um recorte das pesquisas realizadas na tese em andamento A sobrevivência de um cânone: as esculturas africanas de santos-amuletos no território paulista. A devoção antoniana no Kongo nasceu em circunstância do desenvolvimento do cristianismo nessa região que ganhou forma a partir do encontro prolongado entre o pensamento religioso, as formas visuais e os
sistemas políticos da África Central e da Europa (particularmente Portugal) a partir do final do século XV. Dois séculos depois, uma das figuras históricas mais significativas relacionadas a essa devoção foi Dona Beatriz Kimpa Vita (1684 – 1706), uma profetisa congolesa que liderou um movimento político e religioso denominado Antonianismo ou movimento Antoniano. Durante a liderança de Kimpa Vita, o movimento Antoniano ganhouforça e impulsionou a devoção antoniana como o cerne dessa identidade congolesa cristã para seus seguidores. Toda essa popularidade resultou na morte da profetisa por crime de heresia contra a Igreja de Roma; entretanto, suas ideias sobreviveram para alémdo Kongo. Por isso, o presente texto foca esse episódio que torna a figura de Kimpa Vita um elemento-chave para se pensar, antes de tudo, no êxito do processo de propagação da devoção antoniana e na sobrevivência de uma ideia possível de nação cristã difundida e adaptada pelos seus seguidores, que no Brasil foram submetidos ao regime de escravidão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BATSÎJAMA, P. O reino do Kongo e sua origem meridional. Luanda: Universidade Editora, 2011.

________. Religião como espaço de resistência: Dona Beatriz Ñsîmba Vita. Africanizar: resistências, resiliências e sensibilidades. Revista Transversos. Rio de Janeiro, n. 22, pp.55-77, ago. 2021

BRAGA, Greenhalgh H. Faria (org). Vassouras de ontem. Rio de Janeiro: Cia. Brasileira de Artes Gráficas, 1975.

FARIAS, Joyce. Revendo nós historiográficos: apontamentos sobre as esculturas de santos-amuletos do Vale do Paraíba e suas origens africanas. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, v. 6, n. 1, pp. 202–229, 2022.

FROMONT, C. The Art of Conversion: Christian Visual Culture in the Kingdom of Kongo. Chapel Hill: The University of Carolina Press, 2014.

________.Tecido estrangeiro, hábitos locais: indumentária, insígnias Reais e a arte da conversão no início da Era Moderna do Reino do Congo. Anais do Museu Paulista. São Paulo. N. Sér. v.25. n.2, pp. 33-53, mai.-ago 2017.

HEYWOOD, Linda M. (org). Diáspora negra no Brasil. Tradução: Ingrid de Castro Vompean Fregonez, Thaís Cristina Casson e Vera Lúcia Benedito. 2ª ed. São Paulo: Contexto: 2019.

LUNA, Francisco Vidal. São Paulo: população, atividades e posse de escravos em vinte e cinco localidades (1777-1829). Estudos Econômicos. São Paulo, v. 28, n. 1, pp. 99-169, jan./mar.1998.

________; KLEIN, Hebert S. Evolução da Sociedade e Economia Escravista de São Paulo, de 1750 a 1850. Tradução: Laura Teixeira Mota. São Paulo: EDUSP, 2005.

MACGAFFEY, W. Kongo Culture: The conceptual challenge of the particular. Bloommington and Indianopolis: Indiana University Press, 2000.

MARCONDES, Renato Leite. A pequena e média propriedade na grande lavoura cafeeira do vale do Paraíba paulista. LOCUS: revista de história. Juiz de Fora: Núcleo de História Regional/Editora UFJF, v. 4, n. 2, pp. 35-54, 1998b.

________. Apropriedade escravano valedo Paraíbapaulista durantea década de 1870. Estudos históricos, n. 29, pp. 51-74, 2002.

MARQUESE, Rafael;TOMICH, Dale.O Valedo Paraíbaescravista ea formação do mercado mundial do caféno século XIX. In: SALLES, Ricardo;GRINBERG, Keila (Org.). O Brasil imperial (1808-1889). Volume II (1831-1871). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, pp. 345-347.

SAPEDE, Thiago C. Muana Congo, Muana Nzambi a Mpungu. Poder e Catolicismo no reino do Congo pós-restauração (1769 – 1795). São Paulo: Alameda, 2014.

SLENES, R.W. Malungu, ngoma vem! África coberta e descoberta do Brasil. Revista USP, São Paulo, v. 12, pp. 48-67, 1992.

________. A formação da família escrava nas regiõesde grande lavoura doSudeste: Campinas um caso paradigmático no século XIX. População e Família. São Paulo, vol. 1, n.1, pp. 9-82, jan./jun. 1998.

________. Saint Anthony at the Crossroads in Kongo and Brazil: ‘Creolization’and Identity Politics in the Black South Atlantic, ca. 1700/1850. In: BARRY, Boubacar; SOUMONNI, Élisée; SANSONE, Lívio. (Org.). Africa, Brazil and the Construction of Trans-Atlantic Black Identities. New Jersey: Africa World Press, 2008, pp. 209-254.

THOMPSON, R.F. Flashof the spirit/Arte efilosofia africanae afro-americana. Trad.: Tuca Magalhães. São Paulo: Museu Afro Brasil, 2011.

THORNTON, John K. As guerras civis no Congo e o tráfico de escravos: a história e a demografia de 1718 a 1844 revisitadas. Estudos Afro-Asiáticos, n. 32, pp. 55-74, 1997.

________. The Saint Anthony Kongolese: Dona Beatriz Kimpa Vita and the Antonian Moviment, 1684–1706. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

________.; HEYWOOD, Linda M. Central Africans, Atlantic Creoles and the Foundation of the Americas, 1585-1660. Nova York: Cambridge University Press, 2008.

VAINFAS, Ronaldo; SOUZA, Marina de Mello e. Catolização e poder no tempo do tráfico: o reino do Congo da conversão coroada ao movimento antoniano, séculos XV-XVIII.Escravidão eÁfrica Negra.Tempo, vol. 3, n.6,pp. 95-112,dez. 1998.

Downloads

Publicado

2023-05-17 — Atualizado em 2024-04-02

Versões

Como Citar

Farias, J. (2024). DOS A Devoção Antoniana do Kongo no Brasil: um indício da ideia de uma nação africana cristã. Imagem: Revista De Hist´ória Da Arte, 2(2). https://doi.org/10.34024/imagem.v2i2.15106 (Original work published 17º de maio de 2023)
##plugins.generic.dates.received## 17/05/2023
##plugins.generic.dates.published## 02/04/2024