Avaliação dos atrativos turísticos do Parque Nacional de Anavilhanas (AM)

  • Mayara de Araujo Silva Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, AM
  • Susy Rodrigues Simonetti Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, AM
Palavras-chave: uso público, planejamento e gestão do ecoturismo, áreas protegidas, Parque Nacional de Anavilhanas

Resumo

Esse estudo tem como objetivo avaliar os atrativos turísticos do Parque Nacional de Anavilhanas (AM) por meio de uma matriz, hierarquizando seus atrativos em relação a: infraestrutura, estado de conservação, acesso, grau de uso, apoio local e comunitário, para criar um ranking dos atrativos. Esse estudo de caso se utiliza da metodologia proposta pelo Ministério do Turismo (MTur, 2007) de hierarquização de atrativos turísticos, adaptada para atrativos naturais e, contou ainda com as pesquisas bibliográfica, documental e de campo, e uma oficina para o planejamento participativo com os gestores e operadores que atuam na região do Parque. A partir da análise da hierarquização pode-se construir um ranking dos atrativos do Parque Nacional de Anavilhanas, em uma ordem numérica de acordo com pontuação recebida na avaliação, cujos subsídios auxiliarão na gestão do uso público e no planejamento ecoturístico do Parque. A partir da definição do ranking, percebe-se que há atrativos prioritários como as trilhas terrestres, trilhas aquáticas e o Flutuante dos Botos, para a implementação e a estruturação de ações que visem melhorias para a atividade ecoturística.

Biografia do Autor

Mayara de Araujo Silva, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, AM

Mestranda em Gestão de Áreas Protegidas na Amazônia pelo INPA - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. É graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Amazonas - UEA. Possui Pós-graduação em Gestão dos Recursos Naturais e Meio Ambiente pela UniNorte Laureate. Trabalha na Secretaria de Educação e Qualidade de Ensino do Estado do Amazonas - SEDUC-AM como professora de Ciências no município de Novo Airão-AM. Foi pesquisadora da FAPEAM e Coordenadora do Projeto PCE - Projeto Ciência na Escola (uma parceria entre a FAPEAM e a SEDUC-AM), com pesquisas na área de: Educação Ambiental em Áreas Protegidas; de conservação de cetáceos; sobre produção de adubo orgânico e compostagem; produção enzimática de fungos amazônicos, bem como, pesquisas sobre extratos de plantas com potencial fungicida. Com experiência na área de Ciências Biológicas, com ênfase em Gestão dos Recursos Naturais, com afinidade pela pesquisa na área de conservação da biodiversidade e técnicas de manejo de recursos.

Susy Rodrigues Simonetti, Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, AM

Bacharel em Turismo pelo Instituto Manauara de Ensino Superior (Faculdades Objetivo, 2000), mestrado (2004) e doutorado (2015) em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Membro do Fórum de Turismo de Base Comunitária do Rio Negro (AM) e da Comunidade de Prática de Visitação em Áreas Protegidas (Brasil-EUA). Pesquisadora do Laboratório de Estudos em Turismo e Sustentabilidade - LETS (UnB); do Grupo Interdisciplinar de Estudos Sociombientais e de Desenvolvimento de Tecnologias Sociais na Amazônia - Inter-Ação e do Observatório Estadual de Economia Criativa do Amazonas, ambos da Ufam; e do Núcleo de Estudos Interdisciplinares em Cultura Amazônica - NEICAM (UEA). Professora adjunta do Curso de Bacharelado em Turismo e do Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas - PPGICH, ambos da Universidade do Estado do Amazonas - UEA e do Mestrado Profissional em Gestão de Áreas Protegidas - MPGAP/INPA. Tem experiência em pesquisas com ênfase em Turismo, atuando principalmente nos seguintes temas: ecoturismo, uso público, áreas protegidas, turismo de base comunitária, representações sociais e sustentabilidade.

Referências

ALMEIDA, M. V. Matriz de Avaliação do Potencial Turístico de Localidades Receptoras. Turismo em Análise, v.20, n.3, dezembro 2009, pp. 541-561.

BOULLÓN, R. C. Los municípios turísticos. México: Trillas, 1995. 110p. (Trillas Turismo).

BRASIL. Portal do Brasil. 2017. Ministério do Turismo assumirá áreas com potencial turístico. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/turismo/ 2017/05/ministerio-do-turismo-assumira-areas-com-potencial-turistico>. Acesso em: 06 out. 2017.

ICMBio. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2017. Plano de Manejo do Parque Nacional de Anavilhanas. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/biomas-brasileiros/amazonia/unidades-de-conservacao-amazonia/1977-parna-de-anavilhanas>. Acesso em: 06 out. 2017.

IGNARRA, L. R. Fundamentos do turismo 3ª edição revista e ampliada. Editora Senac. Rio de Janeiro. Cengage Learning. 2013.

IGNARRA, L. R. Fundamentos do turismo. 2. ed. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2003.

INSKEEP, E. Tourism planning: an integrated and sustainable development approach. New York: 1991, John Wiley & Sons. 508p.

IPE (Instituto de Pesquisas Ecológicas). 2009. Ações no desenvolvimento de iniciativas para o turismo de base comunitária no entorno sul do Parque Nacional de Anavilhanas. Manaus: IPE, 12 p.

LENO CERRO, F. 1993. Técnicas de evaluación del potencial turistico. Madrid: Ministerio de Industria, Comercio y Turismo. 261p. (Serie Libros sobre Turismo, 2).

MTUR. Ministério do Turismo. 2017. Brasil número um em atrativos naturais. Disponível em: <http://www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias/7848-brasil-o-n%C3%BAmero-um-do-mundo-em-atrativos-naturais.html>. Acesso em: 06 out. 2017.

MTUR. Ministério do Turismo. 2007. Roteiros do Brasil: Módulo Operacional 7 (Programa de regionalização do Turismo). Brasília, DF: Ministério do Turismo. Disponível em:<http://www.turismo.gov.br/sites/ default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads_publicacoes/modulox20operacional_7_roteirizacao_turistica.pdf>. Acesso em: 06 out. 2017.

NÓBREGA, W. R. M.; DANTAS, Í. V. S. Proposição de roteiros ecoturísticos e de turismo de aventura como alternativa de desenvolvimento no município de Acari (RN). Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v.7, n.3, ago/out 2014, pp.576-601.

OLIVEIRA, I. C. A Hierarquização dos atrativos naturais do município de Presidente Figueiredo (AM). Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2011. 130 f.

ORGANIZAÇAO MUNDIAL DO TURISMO – OMT. Guia de desenvolvimento do turismo sustentável. Porto Alegre: Bookman, 2003.

PINZAN, E. J. A potencialidade da atividade turística para o desenvolvimento regional. Dissertação (Mestrado) – Departamento de Geografia Humana, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2003. 147p.

RUSCHMANN, D. V. M. Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. Campinas, SP: Papirus, 1997, 199p.

SANTOS, G. E. de O. Modelo gravitacional do turismo: proposta teórica e estudo empírico dos fluxos turísticos no Brasil. São Paulo, 2004. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

SILVA, D. M. Investigação do potencial para o espeleoturismo na região da Serra do Iuiu – BA. Pesquisas em Turismo e Paisagens Cársticas. Campinas. Sociedade Brasileira de Espeleologia: SeTur/SBE: 2009.

SIMONETTI, S. R.; SOEIRO, P. W.; LIMA, R. M. Parque Nacional de Anavilhanas – AM: desafios do uso público na Amazônia. Anais do VIII Seminário Brasileiro de Áreas Protegidas e Inclusão Social e III Encontro Latino-Americano de Áreas Protegidas e Inclusão Social, 2017, Niterói. p. 2084-2097.

TADINI, R. F.; MELQUIADES, T. Fundamentos do Turismo. v. 1. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2010. 304p. Disponível em: <https://canalcederj.cecierj.edu.br/012016/5834ca099d14e0f180e0f7c7bbac715c.pdf>. Acesso em: 20 dez. 2017.

VIDAL, M. D. Turismo interativo com botos (Inia geoffrensis) no Baixo Rio Negro, Amazônia Central. Tese (Doutorado em Biodiversidade e Conservação) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2018. 201 p.

VIDAL, M. D.; SANTOS, P. M. C.; OLIVEIRA, C. V.; MELO, L. C. 2013. Perfil e percepção ambiental dos visitantes do flutuante dos botos, Parque Nacional de Anavilhanas, Novo Airão - AM. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 7, n.3, pp.419-435.

ZAMIGNAN, G., SAMPAIO, C.A.C. Turismo de base comunitária como pers-pectiva para a preservação da biodiversidade e de modos de vidas de comu-nidades tradicionais: a experiência da microbacia do Rio Sagrado, Morretes (PR). Anais do V Encontro Nacional da ANPPAS, Florianópolis, SC (2010).

ZAOUAL, H. Globalização e diversidade cultural. Trad. Michel Thiollent. São Paulo: Cortez, 2003.

Publicado
2020-01-29
Como Citar
Araujo Silva, M. de, & Simonetti, S. R. (2020). Avaliação dos atrativos turísticos do Parque Nacional de Anavilhanas (AM). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 13(1). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2020.v13.6791