O perfil do observador de aves do Estado do Rio de Janeiro: uma análise preliminar

Autores

  • Tatiane Rodrigues da Silva
  • Henrique Rajão
  • Ricardo Tadeu Santori Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2022.v15.13617

Palavras-chave:

ciência cidadã; ecoturismo; observação de aves.

Resumo

A observação de aves não é uma atividade restrita ao público acadêmico ou especializado. Então, uma pergunta que se faz é sobre quem é o observador de aves e qual é o seu perfil. Este estudo traça o perfil do observador de aves do estado do Rio de Janeiro por meio de dados coletados, do dia 04 de julho a 04 de agosto de 2018, utilizando-se um questionário eletrônico enviado para grupos de observadores cadastrados no Facebook. Foram analisadas as respostas de 58 indivíduos. Os indivíduos apresentaram média de idade de 44 anos, majoritariamente do sexo masculino, no geral com uma renda de até cinco salários mínimos, com profissões variadas e ensino superior. Cerca de noventa e um por cento dos observadores de aves realizam a atividade por lazer, investem e utilizam diversos equipamentos, principalmente câmeras fotográficas. Uma pequena porcentagem já viajou para fora do Brasil para a observação de aves e mais da metade contribuem para projetos de ciência cidadã. Um pequeno grupo de indivíduos procura por tipos específicos de aves e 91,4% gostam de conhecer sobre a história natural das aves. Todos os respondentes adotam algum tipo de cuidado com a sua saúde e bem estar para a realização da atividade e afirmam que a sua prática é afetada quando a mesma ocorre em áreas com risco de assalto. A totalidade dos indivíduos já visitou o bioma Mata Atlântica, tem como ambiente mais visitado o de florestas e o local são as Unidades de Conservação. Cerca de setenta e sete por cento participam de grupos de observadores de aves, realizam a observação principalmente sozinhos ou com o grupo de observador, com a maioria saindo mais de duas vezes ao mês para realizar a atividade. Trinta e sete observadores de aves não têm preferência por alguma estação do ano e o tempo de dedicação a esta atividade com maior frequência foi o de indivíduos que realizam a prática entre um e cinco anos. Os resultados sugerem que o perfil socioeconômico do observador de aves do estado do Rio de Janeiro, é restrito a um público seleto de uma faixa limitada da população. Portanto, conhecer o perfil do observador de aves para conhecer seus roteiros, o tipo de equipamento que utiliza, quanto ele investe na atividade e os motivos que o levam a tal prática, pode auxiliar no planejamento de instituições educativas e de turismo ampliar a observação de aves.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABOAVES. Associação Brasileira de Observadores de Aves. Disponível em: . Acesso em: 15 de set. 2016.

ASSOCIAÇÃO Cairuçu. Disponível em: <http://www.cairucu.org.br/associacao/festival-aves-de-paraty/>. Acesso em: 07 de mai. 2019.

ATHIÊ, S. A observação de aves e o turismo ecológico. Revista Biotemas, v. 20, n. 4, p. 127-129, 2007.

AVISTAR Brasil. Disponível em: <https://www.facebook.com/pg/avistarbrasil/about/?ref=page_internal>. Acesso em: 20 de set. 2016.

BARCELOS, A.; BASTOS, W. G.; GUIMARÃES, G.; SILVA, F. B.; SOUZA, R. F.; CUNHA, P. A.; ANTUNES, D.; SANTORI, R. T. As aves através da janela: produção de vídeos sobre ornitologia para uso educacional. Boletim Informativo (Sociedade Brasileira de Zoologia), v. XXXVI, p. 10-11, 2014.

BATATINHA, L. A. C.; SANTORI, R. T. Trilhando o Caminho de Darwin na Serra da Tiririca (Niterói/Maricá, RJ): uma proposta de observação de aves sob um olhar naturalista. In: GUERRA M. (Org.). Biodiversidade e Sociedade no Leste Metropolitano do Rio de Janeiro. 01ed.Rio de Janeiro: EdUERJ, 2016, v. 01, p. 267-287.

BILLERMAN, S. M.; KEENEY, B. K.; RODEWALD, P. G.; SCHULENBERG, T. S. (Editors). Birds of the World. Cornell Laboratory of Ornithology, Ithaca, NY, USA. Disponível em: <https://birdsoftheworld.org/bow/home>. Acesso em:11 de março 2022.

COELHO, A. G.; MACHADO, C. G.; CARVALHO, H. D. S.; NOLASCO, M. C. As aves das trilhas ecoturísticas de Igatu, Chapada Diamantina, Bahia. Revista Nordestina de Ecoturismo, Aracaju, v. 1, n. 1, p. 18-33, set. 2008.

CORREIA, A. R.; BARCELOS, A. C.; SOUZA, A.; CIRINO, B, S.; FERREIRA, L. C. B. S.; MARTINS, R.; PEREIRA, T.; TOLEDO, S.; SANTORI, R. T. A observação de aves nos bairros de Charitas e São Francisco (Niterói, RJ) como proposta pedagógica para o ensino de Biologia. Anais do VIII Encontro Regional de Ensino de Biologia RJ/ES, 2017, Rio de Janeiro: MGSC Editora, 2017. v. 01. p. 1129-1139.

FARIAS, G. B. A observação de aves como possibilidade ecoturística. Revista Brasileira de Ornitologia, v.15, n.3, p.474-477, set. 2007.

FRISCH, J. D. Aves brasileiras. São Paulo: Dalgas-Ecoltec, v. 1, 352p., 1981.

GHERARD, B.; MACIEL, R. Guia de Aves. Fundação Ezequiel Dias. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 2015. 64p.

GOMES, R. A análise de dados em pesquisas qualitativas. In: MINAYO, M. C. de S. (Org.); DESLANDES, S. F.; CRUZ NETO, O.; GOMES, R. Pesquisa Social. Teoria, Método e Criatividade. Editora Vozes, ed. 21, Petrópolis, pp.74-76, 2002.

IBGE. Banco de dados panorâmico do estado do Rio de Janeiro. 2017. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rj/panorama>. Acesso em: 02 de jan. 2019

LOPES, S. F.; SANTOS, R. J. Observação de aves: do ecoturismo à educação ambiental. Caminhos da Geografia, v.5 n.13, p. 103-121, out. 2004.

MAIA, K. L.; STRAKER, L. C.; NASCIMENTO, J. L. do. Observadores de aves do parnaso: quem são e o quê os motiva?. Anais do 6º Simpósio de Gestão Ambiental e Biodiversidade, p.174-180, jun. 2017. Disponível em: <http://itr.ufrrj.br/sigabi/anais>. Acesso em: 24 de nov. 2018.

MORAES, C. W.; SANTORI, R. T.; DORVILLÉ, L. F. M. Modelos didáticos e a compreensão de conceitos biológicos associados à adaptação e seleção natural. In: SANTORI, R. T.; GUERRA, M.; SANTOS M. C. F. dos. (Org.). Da célula ao ambiente: propostas para o ensino de Ciências e Biologia. 01ed.São Gonçalo: Faculdade de Formação de Professores - UERJ, 2017, v. 01, p. 147-163.

MOURÃO, R. M. F. Observação de aves. Caderno de Subsídios Observação de Aves. In: Manual de melhores práticas para o ecoturismo. Rio de Janeiro: Programa MPE Funbio. P. 248-258. 1999.

NEO MONDO. Observação de aves como hobby cresce no Brasil. Instituto Neo Mondo. 2017. Disponível em: <http://www.neomondo.org.br/2017/05/01/observacao-de-aves-como-hobby-cresce-no-brasil/>. Acesso em 25 de jan. 2019.

PACHECO, J. F. Cadastro Brasileiro de Guias de Observação de Aves, 2006. Disponível em: <http://avistarbrasil.com.br/cgbb/index1.html>. Acesso em: 28 de nov. 2018.

PACHECO, J.F.; SILVEIRA, L.F.; ALEIXO, A.; AGNE, C.E.; BENCKE, G.A.; BRAVO, G.A; BRITO, G.R.R.; COHN-HAFT, M.; MAURÍCIO, G.N.; NAKA, L.N.; OLMOS, F.; POSSO, S.; LEES, A.C.; FIGUEIREDO, L.F.A.; CARRANO, E.; GUEDES, R.C.; CESARI, E.; FRANZ, I.; SCHUNCK, F. & PIACENTINI, V.Q. Annotated checklist of the birds of Brazil by the Brazilian Ornithological Records Committee – second edition. Ornithology Research, v.29, n.2, 2021.

PIVATTO, M. A. C.; SABINO, J.; FAVERO, S.; MICHELS, I. L. Perfil e viabilidade do turismo de observação de aves no Pantanal Sul e Planalto da Bodoquena (Mato Grosso do Sul) segundo interesse dos visitantes. Revista Brasileira de Ornitologia v.15, n.4, p 520-529, 2007.

PROMPERÚ. Comisión de promoción del Perú para la exportación y el turismo. Perfil del observador de aves. 2013. Disponível em: . Acesso em: 01 de jan. 2019

SANTORI, R. T.; MENDES, R. R. L.; MATA, F. B.; BATATINHA, L. A. C. A observação de aves como atividade potencializadora de percepção ambiental no município de São Gonçalo: a experiência da Faculdade de Formação de Professores da UERJ. In: GUERRA M. (Org.). Estudos Ambientais em Regiões Metropolitanas - São Gonçalo. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2012, v. 01, p. 289-301.

SAVE BRASIL. Sociedade para a conservação das aves do Brasil. Disponível em: <http://www.savebrasil.or.br>. Acesso em: 18 de nov. 2016.

SEKERCIOGLU, C.H.; WENNY, D.; WHELAN, C.J. 2016. Why Birds Matter? University of Chicago Press. Published, 2016.

SILVEIRA, A. B. da; CORRÊA, F. S.; RIBEIRO, F. B.; VILELA, G. J.; SANTORI, R. T. As aves do campus da Faculdade de Formação de Professores da UERJ (São Gonçalo, RJ) e sua percepção pela comunidade. Vozes em Diálogo, Rio de Janeiro, v. 01, n.01, p. 100-108, 2005a.

SILVEIRA, R. M.; CARMO, F. L. do; BARBOSA, L. de O.; RODRIGUES, R. A. do C.; CHARRET, S. F.; SANTORI, R. T.; DORVILLÉ, L. F. M.; AYRES, A. C. B. M. Modelos de Bicos de aves como material para o ensino de Ciências e Biologia. Anais do I Encontro Nacional de Ensino de Biologia e III Encontro Regional de Ensino de Biologia RJ/ES. 2005, Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Ensino de Biologia, 2005. v. 01. p. 569-572.

SOARES, M. PIRES, P. dos S. O interesse pela observação de aves como alternativa para o turismo em bases sustentáveis no litoral centro-norte de Santa Catarina. Turismo – visão e ação, v. 6, n.1, p. 9-25, jan.-abr. 2004.

Downloads

Publicado

01.06.2022

Como Citar

Silva, T. R. da, Rajão, H., & Santori, R. T. (2022). O perfil do observador de aves do Estado do Rio de Janeiro: uma análise preliminar. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 15(3). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2022.v15.13617
Recebido: 2022-03-21
Aceito: 2022-05-06
Publicado: 2022-06-01