Turismo e esgoto domésticos na Ilha Grande (RJ): uma análise exploratória nas praias de Abraão e Aventureiro

  • Débora Mury Alves Chueiri Universidade Estadual do Meio Ambiente
  • Rafael Angelo Fortunato Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Turismo, Gestão Costeira, Esgoto Doméstico

Resumo

Dentre os inúmeros impactos negativos ao ambiente marinho, destaca-se a falta de saneamento básico, em que muitas vezes os esgotos domésticos são lançados em córregos rios e mares. Esse é o caso da Ilha Grande, no estado do Rio de Janeiro. Esse estudo partiu da premissa de que o grande fluxo de pessoas relacionado ao turismo e associado à inadequação dos serviços básicos de tratamento de esgoto, polui e provoca impactos negativos ao ambiente marinho, acarretando problemas para o desenvolvimento e manutenção do turismo como atividade econômica. O objetivo foi verificar se existem visões diferentes em relação à poluição por esgoto doméstico e seus impactos nas praias de Abraão e do Aventureiro na Ilha Grande. Foram aplicadas entrevistas semiestruturadas realizadas com os moradores, turistas e o gestor do órgão ambiental. Os resultados obtidos a partir da análise exploratória apontam que a praia de Abraão apresenta um desenvolvimento desordenado do turismo com indícios de poluição no ambiente marinho, em decorrência da saturação da capacidade de carga de turistas e a praia do Aventureiro, mesmo sendo uma Reserva de Desenvolvimento Sustentável, com controle da entrada de turistas, já mostra evidências de poluição. O turismo aparece como sinônimo de tensão e, ao mesmo tempo, de lazer e oportunidade de empregos para a Ilha Grande. É evidente a necessidade de um plano de gestão costeira em ambas as praias para que haja um turismo ordenado e sustentável na Ilha Grande.

Biografia do Autor

Débora Mury Alves Chueiri, Universidade Estadual do Meio Ambiente

Cursando Doutorado em Meio Ambiente na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, possui título de Mestre em Engenharia de Biossistemas pela Universidade Federal Fluminense (2015), graduação em Bacharelado em Turismo pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, graduação em Licenciatura em Geografia pela Universidade Salgado de Oliveira e Técnico em Meio Ambiente. Participa da ONG Fazendo Arte, como docente de geografia. Atuou como coordenadora de projetos do Centro de Estudos e Desenvolvimento Econômico do Turismo- Faculdade Estácio de Sá. Tem experiência na área de Ciências Ambientais e Turismo, atuando com gestão costeira em uma perspectiva interdisciplinar, interagindo com diversos assuntos, incluindo:Políticas públicas, Turismo em áreas naturais, monitoramento ambiental, educação ambiental, percepção ambiental, conservação dos ecossistemas e impactos socioambiental em Unidades de Conservação

Rafael Angelo Fortunato, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Graduação em Turismo pela Universidade de Marília-SP. Especialização em Educação Ambiental pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo-USP. Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela Universidade de Araraquara-SP. Doutorado em Meio Ambiente da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professor Adjunto do Departamento de Turismo. Professor do Doutorado em Meio Ambiente da UERJ. Coordenador da Pós-graduação em Desenvolvimento Territorial da UERJ. Vice-diretor do Instituto de Geografia da UERJ. 

Referências

ARAUJO, C. D.; CARVALHO, A. G.; SILVA, C. D. Impactos ambientais do Turismo na Ilha Grande : Um estudo Comparativo sobre a percepção dos moradores da Vila do Abraão e da Vila Dois Rios. Caderno Virtual de Turismo, v. 5, p. 9, 2005.

BRASIL. Lei n. 9.985, de 18 de junho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em:<http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/constfed.nsf/16adba33b2e5149e032568f60071600f/62e3ee4d23ca92ca0325656200708dde?OpenDocument> Acesso em: 15 nov. 2019.

BRIGUGLIO, L.; BRIGUGLIO, M. Sustainable tourism in small islands. In: Sustainable Tourism in Islands and Small States: Issues and Policies. London: Cassell/Pinter, 1996. p. 317.

CONAMA. Conselho Nacional Do Meio Ambiente (Brasil) –: Resolução nº. 274, de 29 de novembro de 2000. Define os critérios de balneabilidade em águas brasileiras. Disponível em: <https://cetesb.sp.gov.br/aguas-interiores/wp-content/uploads/sites/12/2018/01/RESOLU%C3%87%C3%83O-CONAMA-n%C2%BA-274-de-29-de-novembro-de-2000.pdf> Acesso em: 15 nov. 2019

CREED, J. C.; OLIVEIRA, A. E. S. Uma Metodologia e Análise de Impactos Ambientais. In: CREED, J. C.; PIRES, D. O. P.; FIGUEIREDO, M. A. O. (Eds.). Biodiversidade Marinha da Baía da Ilha Grande. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2007. p. 75–108.

DIEGUES, A. C. Human populations and coastal wetlands: Conservation and management in Brazil. Ocean and Coastal Management, v. 42, n. 2–4, p. 187–210, 1 fev. 1999.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Atlas geográfico das zonas costeiras e oceânicas do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. p.176.

INEA. INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE. Plano de Manejo (fase 2): Parque Estadual da Ilha Grande - PEIG. Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/cs/groups/public/documents/document/bmvh/mdey/~edisp/inea012819.pdf>. Acesso em: 11 mar. 2019.

INEA. Instituto Estadual Do Ambiente – INEA: Histórico anual de Balneabilidade, Ilha Grande (2008 – 2015). Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/Portal/MegaDropDown/Monitoramento/Qualidadedaagua/Praias/BalneabilidadeporMunicpio/AngradosReis/IlhaGrande/index.htm&lang=#/Descricao>. Acesso em: 18 jan, 2019.

JOHNSSON, R. M. F.; IKEMOTO, S. Diagnóstico do setor costeiro da Baía da Ilha Grande: Subsídios à elaboração do zoneamento ecológico-econômico costeiro. Rio de Janeiro: Instituto Estadual do Ambiente, 2015.

LINS-DE-BARROS, F. M.; MANSUR, K. L. Desafios da gestão costeira integrada da Região dos Lagos (RJ): uma análise baseada na vulnerabilidade costeira e nos serviços ecossistêmicos da geodiversidade. Revista Brasileira de Geografia, v. 63, n. 1, p. 73–97, 2018.

MARQUES JR., A. N.; MORAES DE, R. B. C.; MAURAT, M. C. Poluição Marinha. In: PEREIRA, R. C.; SOARES-GOMES, A. (Eds.). Biologia Marinha. 2.ed. Rio de Janeiro: Interciência, p. 505-526, 2009.

MEDEIROS, E. C. DE S.; MAIA, L. P.; PEREIRA DE ARAÚJO, R. C. Capacidade de carga de uma praia sob o impacto do processo de erosao costeira (praia do Icaraí). Subsídios para o gerenciamento costeiro do estado do Ceará, Brasil. Journal of Integrated Coastal Zone Management, v. 16, n. 2, p. 185–193, 2016.

MENDONÇA, T. C. DE M.; FONTOURA, L. M. Meu lugar virou reserva biológica e paraíso para turistas: restrições, conflitos e possibilidades. Anais do V Encontro Nacional da Anppas 4 a 7 de outubro de 2010 Florianópolis - SC – Brasil, 2010.

MENDONÇA, T. C. DE M.; MORAES, E. DE A. DE. O povo de aventureiro e o Turismo de Base Comunitária. Rio de Janeiro: Ed. da UFRRJ, 2011. p. 218.

MORAES, A. C. R. Contribuições para a gestão da zona costeira do Brasil: Elementos para a geografia do litoral brasileiro. São Paulo: Hucitec, 1999.

NICOLODI, J. L.; ZAMBONI, A.; BARROSO, G. F. Gestão Integrada de Bacias Hidrográficas e Zonas Costeiras no Brasil : Implicações para a Região Hidrográfica Amazônica. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 9, n. 2, p. 9–32, 2009.

OLIVEIRA, T. C. R. DE et al. Classificação dos cenários costeiros de praias da Ilha de Santa Catarina, Florianópolis – Brasil. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 39, p. 217–229, 2016.

PIRES, A. Fluxo Turístico Ilha Grande [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 07 jun. 2019.

POLETTE, M. et al. Gerenciamento Costeiro Integrado e Gerenciamento de Recursos Hídricos: Como Compatibilizar Tal Desafio. In: MUÑOZ, H. R. (Ed.). Interfaces da gestão de recursos hídricos: desafios da Lei de Águas de 1997. 2. ed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Recursos Hídricos, 2000. p. 221–239.

POLETTE, M.; SILVA, L. P. GESAMP, ICAM e PNGC: análise comparativa entre as metodologias de gerenciamento costeiro integrado. Ciência e Cultura, v. 55, n. 4, p. 27–31, 2003.

RIO DE JANEIRO. Decreto N° 20.172, de 01 de julho de 1994. Institui o Plano Diretor da Área de Proteção Ambiental de Tamoios, localizada no Município de Angra dos Reis, criada pelo Decreto Nº 9.452, de 05/12/86. Disponível em:<http://www.angra.rj.gov.br/sapo/_uploads/SAD/doc/concurso/Decreto_estatual_20172_94.htm> Acesso em: 15 jan. 2019.

SILVA JUNIOR, L. et al. A qualidade visual da paisagem do Parque Estadual da Ilha Anchieta, Ubatuba (SP). Revista Brasileira de Ecoturismo (RBEcotur), v. 9, n. 2, p. 318–345, 2016.

VILAÇA, A. M.; MAIA, Â. DE A. O povo de Aventureiro. In: PRADO, R. . (Ed.). Ilha Grande: do sambaqui ao turismo. Rio de Janeiro: Garamond/EDUERJ, 2006. p. 59–104.

WILSON, O. E. The Diversity of Life. New York: W.W.Norton & Company, 1999.

WUNDER, S. Modelos de Turismo, florestas e rendas locais. In: PRADO, R. (Ed.). Ilha Grande: do sambaqui ao turismo. Rio de Janeiro: Garamond/EDUERJ, 2006. p. 133–190.

Publicado
2021-01-07
Como Citar
Chueiri, D. M. A., & Fortunato, R. A. (2021). Turismo e esgoto domésticos na Ilha Grande (RJ): uma análise exploratória nas praias de Abraão e Aventureiro. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 14(1). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2021.v14.10463