FISCALIDADE E COERÇÃO NA FRONTEIRA: a ação do Estado em território limítrofe do Brasil meridional em meados do século XIX.

Autores

  • Mariana Thompson Flores Universidade Federal de Santa Maria

Palavras-chave:

Fronteira. Construção do estado. Fiscalidade. Coerção

Resumo

O presente artigo se propõe a compreender a fronteira como elemento de construção do Estado através da atuação de instituições específicas - controle fiscal e repressão – no sul do Império do Brasil, na segunda metade do século XIX, a partir dos aportes de reflexão oferecidos pelos estudos que se baseiam no conceito de “estado militar fiscal”. Nesse sentido, atendo o foco aos limites do território, quer-se perceber como esse processo funciona “para dentro”, mas também como esse Estado está se demarcando para fora, em relação a outro Estado, considerando que não há uma dicotomia entre poder central e poder e local, e sim uma relação de retroalimentação para o exercício eficiente de ambos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Thiago Leitão de. Escravidão, fronteira e liberdade: políticas de domínio, trabalho e luta em um contexto produtivo agropecuário (vila da Cruz Alta, província do Rio Grande de São Pedro, 1834-1884). Porto Alegre: PPGHIST/UFRGS, 2008. Dissertação de Mestrado.
ARAÚJO FILHO, Luiz. O Município de Alegrete. Alegrete: Irmãos Prunes & C. 1908.
BARBOSA, Eni. O Órgão Fazendário no Rio Grande do Sul (1831-1859). Dissertação de Mestrado – Porto Alegre, PUCRS, 1979.
BORUKI, Alex; CHAGAS, Karla; STALLA, Natália. Esclavitud y trabajo: un estudio sobre los afrodescendientes en la frontera uruguaya: 1835-1855. 2. ed. Montevideo, Uruguay: Mastergraf, 2009.
BRADDICK, Michael J. Fiscal transformation and political compliance: England, 1550-1700. Illes i Imperis. Estudis d’història de les societats en el món colonial i postcolonial. Universitat Pompeu Fabra de Barcelona: Edicions Bellaterra. n.13, 2010. p.21-37.
BREWER, John. The sinews of Power. War, Money and English State, 1668-1783. London: Routledge, 1994. [1ed. 1989].
CARATTI, Jônatas Marques. O solo da liberdade. As trajetórias da preta Faustina e do pardo Anacleto pela fronteira rio-grandense em tempos do processo abolicionista uruguaio (1842-1862). São Leopoldo: Oikos, 2014.
CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: teatro de sombras. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.
CHAVES, Otávio Ribeiro. Escravidão em zona de fronteira: resistência escrava em Mato Grosso (século XVIII). In: FRONTEIRA: Memória e Linguagem. Campinas, SP: Pontes, Cáceres, MT: UneMat, 2001.
COSTA, Wilma Peres. Do domínio à nação: os impasses da fiscalidade no processo de Independência. In: JANCSÓ, István (org.). Brasil: formação do estado e da nação brasileira, v. 1. São Paulo: Hucitec, 2003, p. 143-194.
___________. A fiscalidade e seu avesso: centro e províncias na constituição da estrutura fiscal brasileira na primeira metade do século XIX. In: CHAVES, Cláudia M. das G. SILVEIRA, Marco A. (org.) Território, conflito e identidade. Belo Horizonte: Argumentum, 2008.
____________. MIRANDA, Márcia Eckert. Entre os senhores e o Império: transformações fiscais na formação do Estado brasileiro, 1808-1840. Illes i Imperis. Estudis d’història de les societats en el món colonial i postcolonial. Universitat Pompeu Fabra de Barcelona: Edicions Bellaterra. n.13, 2010. p.87-115.
CREVELD, Martin van. Ascensão e declínio do Estado. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
DIAS, Maria Odila Leite da Silva. A interiorização da metrópole. In: _____ (org) A interiorização da metrópole e outros estudos. São Paulo: Alameda, 2005.
FARINATTI, Luis Augusto. Confins meridionais: famílias de elite e sociedade agrária na fronteira sul do Brasil (1825-1865). Santa Maria; Editora UFSM, 2010.
FIGUEIREDO, Luciano Raposo de Almeida. Revoltas, fiscalidade e identidade colonial na América portuguesa – Rio de Janeiro, Bahia e Minas Gerais, 1540-1761. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996. Tese de Doutorado.
FRADERA, Josep Maria. Presentación. Illes i Imperis. Estudis d’història de les societats en el món colonial i postcolonial. Universitat Pompeu Fabra de Barcelona: Edicions Bellaterra. n.13, 2010.
FRAGOSO, João. Potentados coloniais e circuitos imperiais: notas sobre uma nobreza da terra, supracapitanias, no Setecentos. Optima Pars – Elites Ibero-Americanas do Antigo Regime. Lisboa: ICS, 2005.
GARAVAGLIA, Juan Carlos. Algunos aspectos preliminares acerca de la “transición fiscal” en America Latina, 1800-1850. Illes i Imperis. Estudis d’història de les societats en el món colonial i postcolonial. Universitat Pompeu Fabra de Barcelona: Edicions Bellaterra. n.13, 2010.
__________. El papel económico de la esclavitud en una sociedad no esclavista: el Río d la Plata, 1750-1860. 2009. Texto inédito.
GARCIA, Graciela Bonassa. O domínio da terra: conflitos e estrutura agrária na campanha rio-grandense oitocentista. Dissertação de Mestrado – PPGH-UFRGS, Porto Alegre, 2005.
GRINBERG, Keila. Escravidão e liberdade na fronteira entre o Império do Brasil e a República do Uruguai: notas de pesquisa. In: Cadernos CHDD. Ano 5. Número Especial. 2007.
__________. A fronteira da escravidão: a noção de “solo livre” na margem sul do Império brasileiro. In: Anais do 3º Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.
__________ (org.) As fronteiras da escravidão e da liberdade no sul da América. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.
HALPERÍN DONGHI, Túlio. Guerra y finanzas en los orígenes del Estado Argentino (1791-1850). Buenos Aires: Prometeo Libros, 2005. [1ed. 1982].
LIMA, Rafael Peter de. A nefanda pirataria de carne humana”: as escravizações ilegais e relações políticas na fronteira do Brasil meridional (1851-1868). Porto Alegre: PPGHIST/UFRGS, 2010. Dissertação de Mestrado.
MAXWELL, Kenneth R. A devassa da devassa: a Inconfidência Mineira: Brasil – Portugal – 1750-1808. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.
MEDRANO, Lilia Inês Zanotti de. A livre navegação dos Rios Paraná e Uruguay: uma análise do comércio entre o Império Brasileiro e a Argentina (1852-1889). Tese de Doutorado – USP, São Paulo, 1989.
MIRANDA, Márcia Eckert. A estalagem e o Império: crise do Antigo Regime, fiscalidade e fronteira na Província de São Pedro (1808-1831). Campinas-UNICAMP, 2006. Tese de Doutorado.
OSÓRIO, Helen. Esclavos de la frontera: padrones de la esclavitud africana en Rio Grande do Sul, 1765-1825. In: BETANCUR, Arturo; BORUCKI, Alex; FREGA, Ana. (Org.). Estudios sobre la cultura afro-rioplatense. Historia y presente. Montevideo: Departamento de Publicaciones de la Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación, 2004.
____________. Escravos da fronteira: trabalho e produção no Rio Grande do Sul, 1765-1825. In: XIX Jornadas de Historia Económica, 2004, San Martín de los Andes. XIX Jornadas de Historia Económica. Neuquén : Asociación Argentina de Historia Económica/Universidad Nacional de Comahue, 2004.
PETIZ, Silmei de Sant’Ana. Buscando a liberdade: as fugas de escravos da província de São Pedro para o além-fronteira (1815-1851). Passo Fundo: Editora da UPF, 2006.
RIBAS, Josep M. Delgado, Construir el Estado, destruir la Nación. Las reformas fiscales de los primeros Borbones e el colapso del sistema de equilibrios en el Imperio español. (1714-1796), Illes i Imperis. Estudis d’història de les societats en el món colonial i postcolonial, Universitat Pompeu Fabra de Barcelona, Edicions Bellaterra. n.13, p. 63-85, 2010.
SCHMIT, Roberto. Ruina y resurrección en tiempos de guerra: sociedad, economía y poder en el oriente entrerriano posrevolucionario: 1810-1852. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2004.
SCHUMPETER, Joseph. The crises of the tax state. International Economic Papers, New York, Macmillan, n. 4, p.5-38. 1954.
SILVEIRA, Hemetério José Velloso da. As Missões Orientais e seus antigos domínios. Porto Alegre: Companhia de Seguros Gerais, 1979.
SODRÉ, Elaine L. de Vargas. A disputa pelo monopólio de uma força (i)legítima: Estado e Administração Judiciária no Brasil Imperial (Rio Grande do Sul, 1833-1871). Rio de Janeiro: Gramma, 2018.
SÔNEGO, Márcio J. F. Cartas de Alforria em Alegrete (1832-1886): informações, revelações e estratégias dos escravos para liberdade. Porto Alegre: PPGH/PUCRS, 2009. Dissertação de Mestrado.
THOMPSON FLORES, Mariana F. da C. Crimes de fronteira: a criminalidade na fronteira meridional do Brasil (1845-1889). Porto Alegre: EdiPUCRS, 2014.
_____________. O conceito de fronteira na historiografia: antigos debates, temas contemporâneos. In: ROMANI, Carlo; MENEGAT, Carla; ARANHA, Bruno. Fronteiras e Territorialidades: miradas sul-americanas da Amazônia à Patagônia. Brasília: Intermeios, 2019. p.283-306.

TILLY, Charles. Reflections on the history of European state-making. In: ______ (org.) The formation of national states in Western Europe. Princeton: Princeton University Press, 1975.
_________. Coerção, capital e Estados europeus. São Paulo: EDUSP, 1996.
ZUBARAN, Maria Angélica. Escravidão e liberdade nas fronteiras do Rio Grande do Sul (1860-1880): o caso da Lei de 1831. In: Estudos Ibero-Americanos. PUCRS, v.XXXII, n.2, p.119-132, dez.2006.

Downloads

Publicado

2021-04-20

Como Citar

Thompson Flores, M. (2021). FISCALIDADE E COERÇÃO NA FRONTEIRA: a ação do Estado em território limítrofe do Brasil meridional em meados do século XIX. Almanack, (27), 1–51. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/alm/article/view/9847

Edição

Seção

Dossiê Fronteiras