“Negócios de Corte”

os homens de negócio da Praça do Rio de Janeiro, o tráfico de escravos e os subsídios para a manutenção do Reino, c.1808-c.1821

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2236-463333ea01422

Palavras-chave:

Negociantes, tráfico de escravos, Praça do Comércio, Antigo Regime

Resumo

O objetivo do texto consistiu em analisar a participação dos negociantes e traficantes de escravos do Rio de Janeiro nos “Donativos gratuitos, para as urgências do Estado desde 31 de março até 18 de abril de 1817”, e a relação de reciprocidade entre a Corte e a classe mercantil, particularmente envolvendo a defesa dos interesses dos traficantes de escravos com a Convenção de 1817, conhecida com a Convenção Adicional ao Tratado de 22 de Janeiro de 1815, assinada entre o rei D. João VI do Reino Unido Portugal, Brasil e Algarves e Jorge III do Reino Unido da Grã Bretanha e Irlanda. Vitoriosos na sua ação, os negociantes de grosso-tratos e traficantes de escravos organizaram a Praça do Comércio do Rio de Janeiro, espaço de sociabilidade, de representação e de poder, em 1820, com o patrocínio da Corte e financiamento do Banco do Brasil, e tendo D. João VI como patrono.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-04-25

Como Citar

Guimarães, C. G. (2023). “Negócios de Corte”: os homens de negócio da Praça do Rio de Janeiro, o tráfico de escravos e os subsídios para a manutenção do Reino, c.1808-c.1821. Almanack, (33). https://doi.org/10.1590/2236-463333ea01422

Edição

Seção

Artigos