Dois mestres de ofício alemães no Recife oitocentista: mundo do trabalho artesanal e sociabilidades cotidianas

  • Marcelo Mac Cord
Palavras-chave: artífices, alemães, imigração

Resumo

RESUMO: No Recife oitocentista, artífices brasileiros (pernambucanos e de outras províncias) disputaram mercados com os artesãos europeus. Conflitos entre trabalhadores estrangeiros e nacionais foram uma tônica no referido tempo-espaço. O artigo que entrego ao leitor conta a história de dois mestres de ofícios alemães que experimentaram as referidas conjunturas e construíram estratégias para conquistar serviços (públicos e particulares) e aliados (brasileiros e estrangeiros) para além da pequena comunidade germânica que viveu no Recife oitocentista. Portanto, nesse texto, por meio de significativas evidências empíricas, travaremos contato com as existências do mestre de obras Theodoro Rampk e do mestre marceneiro Remigio Kneip, o que permitirá que conheçamos suas agências e os limites sociais que lhes foram impostas.

PALAVRAS-CHAVE: artífices, alemães, imigração.

 

ABSTRACT: In the nineteenth-century Recife, Brazilian craftsmen (from Pernambuco and other provinces) competed in markets with European artisans. Conflicts between national and foreign workers were a tonic in that time-space. The article that I give to the reader tells the story of two German masters of crafts who have experienced such conjunctures and built strategies to conquer services (public and private) and allies (Brazilians and foreigners) beyond the small German community that lived in the nineteenth-century Recife. Therefore, in this text, through significant empirical evidence, we will be in touch with the existences of the foreman Theodoro Rampk and the master carpenter Remigio Kneip, which will allow us to know his agencies and the social limits imposed on them.

KEY WORDS: craftsmen, Germans, immigration.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-10-12
Como Citar
Cord, M. M. (2020). Dois mestres de ofício alemães no Recife oitocentista: mundo do trabalho artesanal e sociabilidades cotidianas. Almanack, 1(25), 1-39. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/alm/article/view/1399
Seção
Artigos