O movimento peticionário do primeiro liberalismo português e a parlamentarização da vida política em Portugal (1820-1823)

Autores

  • Miguel Alexandre Dantas da Cruz Instituto de Ciencias Sociais Universidade de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.1590/2236-463330ed00622

Palavras-chave:

Cortes liberais, Parlamentarização, Movimento peticionário, Liberalismo

Resumo

O protagonismo das Cortes durante a primeira experiência liberal portuguesa é matéria consensual entre historiadores. Na sequência da Revolução do Porto, as Cortes aparecem como que destinadas a assumir o poder incontestado. Esse protagonismo e a parlamentarização da vida política seriam, num certo sentido, inevitáveis. Este artigo revisita essa leitura, defendendo que a parlamentarização da vida política em Portugal, ainda que aparentemente inevitável, foi, grande medida, fruto de um movimento peticionário sem precedentes na história do país. O texto sugere igualmente que esse movimento peticionário só foi possível porque as Cortes adoptaram regulação interna que valorizava o papel da nova instituição como destinatário privilegiado de todas expetativas da população. Considera-se que sem o regimento adoptado pelas Cortes a interação da nova instituição com a população teria sido menor, e o mesmo acontecendo inclusivamente ao protagonismo político das próprias Cortes.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-04-13

Como Citar

Dantas da Cruz, M. A. (2022). O movimento peticionário do primeiro liberalismo português e a parlamentarização da vida política em Portugal (1820-1823). Almanack, (30). https://doi.org/10.1590/2236-463330ed00622

Edição

Seção

Dossiê: Liberalismo, constitucionalismo e parlamento: a Revolução do Porto de 1820