Os bastidores do cânone historiográfico:

Abreu e Lima e as disputas pela escrita do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2236-463329ea01420

Palavras-chave:

História da Historiografia Brasileira, Temporalidade, José Inácio de Abreu e Lima, Francisco Adolpho de Varnhagen IHGB.

Resumo

Este artigo analisa a construção do cânone historiográfico brasileiro oitocentista a partir da perspectiva de José Inácio da Abreu e Lima (1794-1869). O general e escritor protagonizou algumas polêmicas intelectuais ao longo de sua trajetória. Na querela de maior repercussão, foi acusado de plagiário e o seu Compêndio da História do Brasil (1843) foi negado pelo Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro nas figuras de Francisco Adolpho de Varnhagen (1816-1878) e Januário da Cunha Barbosa (1780-1846). Neste texto, analisamos o debate e argumentamos que a postura de Abreu e Lima - retirando-se do círculo letrado ligado ao instituto após a discussão, bem como sua posição histórico-política crítica e desarmônica em relação ao passado colonial - foi decisiva para o cânon historiográfico do século XIX, cujos conteúdos, imaginários e formas de escrita e pesquisa próprias à história do Brasil repercutem ainda nos desafios da historiografia contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU E LIMA, José Inácio. Resposta do General J. I. de Abreu e Lima ao Conego Januário da Cunha Barbosa ou Análise do primeiro Juízo de Francisco Adolpho Varnhagen acerca do Compêndio da História do Brasil. Pernambuco: M. F. de Faria, 1844.
____. Compêndio da História do Brasil – Tomos I e II. Rio de Janeiro: Laemmert, 1843.
____. Sinopse ou dedução cronológica dos fatos mais notáveis da História do Brasil. Pernambuco: Tipografia de Manuel Figueiroa de Faria, 1845.
____. Carta para Januário da Cunha Barbosa, 08 de setembro 1843. Disponível no Instituto Histórico e Geográfico.
ARAÚJO, André de Melo. Tradução Ilustrada: Imagens da História Universal inglesa e de suas edições europeias no século XVIII. In.: História da Historiografia. N. 26, 69-100, 2018.
ARAUJO, Valdei Lopes de. A experiência do tempo: conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1813-1845). São Paulo: Hucitec, 2008.
____. Historiografia, nação e os regimes de autonomia na vida letrada no Império do Brasil. In.: Varia história, v. .31, n.56, p. 365-400, 2015.
____. Narrativas populares no Museu Universal: a experiência do tempo para além da história disciplinar. In.: AVILA, Artur; NIZOLAZZI, Fernando; TURIN, Rodrigo. (Orgs.). A História (in)disciplinada: teoria, ensino e difusão do conhecimento histórico. Vitória: Editora Milfontes, 2019.
____. Sobre o lugar da história da historiografia como disciplina autônoma. In.: Locus: revista de história, Juiz de Fora, v. 12, n. 1, p. 79-94, 2006.
BARBOSA, Januário da Cunha. Discurso no ato de estatuir-se o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1839). In.: GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado (Org.). Livro de Fontes de historiografia brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Uerj, 2010.
BENTIVOGLIO, Julio. A História no Brasil Imperial: a produção historiográfica na revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1839-1850). In.: História. Questões e Debates. Vol. 63, 2016, p. 287-315.
CEZAR, Temístocles. Ser historiador no século XIX: o caso Varnhagen. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.
____. O poeta e o historiador. Southey e Varnhagen e a experiência historiográfica no Brasil do século XIX. In.: História Unisinos n.11 setembro/dezembro de 2007.
CUNHA, Daniel Joni Mendes Nunes da. Cultura de História no Brasil Oitocentista: espaços de autonomia e produção de distância histórica nos compêndios e manuais de História do Brasil (1831-1863). Dissertação de mestrado (História). Universidade Federal de Ouro Preto, 2019.
FREIXO, André de Lemos. Capistrano de Abreu, intérprete de José Honório Rodrigues? In.: GUIMARÃES, Géssica; BRUNO, Leonardo; PEREZ, Rodrigo (Org.). Conversas sobre o Brasil: Ensaios de Crítica Histórica. Rio de Janeiro: Autografia, 2017, p. 83-106.
GONTIJO, Rebeca. José Honório Rodrigues e a invenção de uma moderna tradição. In.: NEVES, Lúcia B. Pereira das [et al.] (Org.). Estudos de Historiografia Brasileira. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011, p. 277-292.
GUIMARÃES, Géssica. José Honório Rodrigues e a autonomização da história da historiografia no Brasil. In.: R. IHGB. A. 179 (476), p. 97-126, 2018.
GUIMARÃES, Lucia. Debaixo da imediata proteção de Sua Majestade Imperial. Revista do Instituto Histórico e Geographico Brazileiro. In.: Revista do IHGB, n. 388, p. 459–613, 1995.
____. O periódico de uma société savante: a Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1839-1889). In.: ArtCultura. v. 14, n. 25, 2012.
GUIMARÃES, Manoel. Nação e civilização nos trópicos: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o Projeto de uma História Nacional. In.: Estudos Históricos, Rio de Janeiro. Vol.1, 1988.
____. A disputa pelo passado na cultura histórica oitocentista no Brasil. In.: CARVALHO, José Murilo de (Org.). Nação e cidadania no Império: novos horizontes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.
____. Historiografia e nação no Brasil (1838-1857). Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2011.
KOSELLECK, Reinhart. Estratos de tempo. Estudos sobre História. Rio de Janeiro: Contraponto/PUC-RIO, 2014.
____. Futuro Passado. – contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro. Editora PUC Rio, 2006.
MATTOS, Selma. Para formar os brasileiros. O Compêndio da história do Brasil de Abreu e Lima e a expansão para dentro do Império do Brasil. Tese de doutorado (História). Universidade de São Paulo, 2007.
MEDEIROS, Bruno Franco. Plagiário, à maneira de todos os historiadores. Jundiaí: Paco Editorial, 2012.
MELLO, Evaldo Cabral de. Rubro Veio: o imaginário da restauração pernambucana. Rio de Janeiro, Topbooks, 1997.
MOREL, Marco. Nação e Revolução: o rubro veio historiográfico no Brasil na primeira metade do século XIX. In: CHAVES, Cláudia; SILVEIRA, Marco Antônio. (Orgs.). Território, Conflito e Identidade. Belo Horizonte, MG: Argvmentvm; Brasília, DF: CAPES, 2007, p. 181-206.
NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira das. A história para uso da mocidade brasileira. In.: José Murilo de Carvalho (org.). Nação e cidadania no Império: novos horizontes. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2007.
OLIVEIRA, Maria da Glória de; GONTIJO, Rebeca. Sobre a história da historiografia brasileira: um breve panorama. In.: Revista do IHGB, a. 177 (472), p. 13-38, jul./set. 2016.
PHILIPS, Mark. Rethinking historical distance: from doctrine to heuristic. History and Theory, Hoboken, n. 50, p. 11-23, dez. 2011.
POCOCK, John Greville Agard. O Estado da Arte. In.: Linguagens do ideário político. São Paulo: Edusp, 2003, p. 23-62.
RAMOS, André. Robert Southey e a Experiência da História de Portugal: Conceitos, Linguagens e Narrativas Cosmopolitas (1795-1829). Dissertação de Mestrado. (História). Universidade Federal de Ouro Preto, 2013.
RANGEL, Marcelo de Mello. O Romantismo no Brasil: Literatura, civilização e melancolia na Revista Niterói (1836). In.: Revista do IHGB, v. 467, p. 85-112, 2015.
RODRIGUES, José Honório. Filosofia e História. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.
____. História e historiadores do Brasil. São Paulo: Obelisco, 1965
RODRIGUES, Thamara de Oliveira. A Independência de Portugal. História, progresso e decadência na obra de Francisco Solano Constâncio (1808-1840). Dissertação de Mestrado. (História). Universidade Federal de Ouro Preto, 2014.
____. Sobre a impossibilidade da reconciliação: Abreu e Lima e a negação do passado nacional. Tese de doutorado (História). Universidade federal de Ouro Preto, 2019.
____. A Revolução Pernambucana e as Disputas Historiográficas: Abreu e Lima e Francisco Adolfo de Varnhagen. In: História e Cultura, v. 6, p. 289-308, 2017.
SANTOS, Pedro. Compilação e plágio: Abreu e Lima e Melo Morais lidos no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. In.: História da Historiografia, n. 13, p. 44-62, 2013.
SILVA, Rodrigo Machado da. História da historiografia analítica e sentimental: proposições sobre distância histórica, nostalgia e visões da modernidade brasileira nos Oitocentos. In.: Almanack, Guarulhos, n. 23, p. 366-410, dez. 2019.
T. Bibliografia. Obras sobre a Geografia e História do Brasil. – O Compêndio do Sr. General J. I. Abreu e Lima. In.: Minerva Brasiliense. N. 02, vol. 01, 1843.
VARNHAGEN, Francisco Adolfo de. Primeiro Juízo. Submetido ao Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro pelo seu sócio Francisco Adolfo de Varnhagen, acerca do Compêndio da História do Brasil pelo Sr. José Inácio de Abreu e Lima. In.: Revista do IHGB. Tomo 6, 1844, p. 60-83.
VIANA, Cândido José de Araújo; PONTES, Rodrigo de Sousa da Silva. Juízo sobre a “História do Brasil” publicada em Paris pelo Sr. Dr. Francisco Solano Constâncio. Revista do IHGB. Tomo I, 3.ed., 1839.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

De Oliveira Rodrigues, T. (2021). Os bastidores do cânone historiográfico:: Abreu e Lima e as disputas pela escrita do Brasil. Almanack, (29). https://doi.org/10.1590/2236-463329ea01420

Edição

Seção

Artigos