Dirigentes partidários, mudança política e percursos sociais

os destinos de lideranças do Partido Conservador paranaense após a queda do Império (1888-1919)

Autores

Palavras-chave:

Elites provinciais; Partido Conservador; Trajetórias políticas

Resumo

Neste artigo é desenvolvida uma investigação sobre os percursos políticos de lideranças do Partido Conservador paranaense nos anos seguintes à queda do Império. Há três argumentos sustentados no presente trabalho. Primeiro, é demonstrado que os próceres do Partido Conservador do Paraná, ao tempo da implantação da República, estavam politicamente cindidos. A mudança de regime político ocorreu em uma época de instabilidade na vida interna da grei. O segundo argumento reconhece que os conservadores que pertenceram à última diretoria da agremiação permaneceram como aliados nos anos posteriores a 1889. A aproximação com os republicanos históricos foi crucial para que conquistassem posições de relevo nas instituições políticas e nos novos partidos. O terceiro argumento afirma que, na Primeira República, os conservadores dissidentes não se mantiveram unidos. As trajetórias dessa parcela de correligionários foram marcadas pela baixa competitividade eleitoral e por breves passagens pelos partidos estaduais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandro Aramis Richter Gomes, Universidade Federal do Paraná

Graduado (2009) e mestre (2012) e doutor (2017) em História em História pela Universidade Federal do Paraná. Presentemente reliza estágio de pós-doutorado junto ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná.

Referências

ALVES, Alessandro Cavassin. A Província do Paraná (1853-1889): a classe política, a parentela no Governo. 2014. 495f. Tese (Doutorado em Sociologia). Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.
ARAÚJO, Manuel Alves de. Histórico da eleição da Província do Paraná. Rio de Janeiro: Villeneuve, 1872.
ARAÚJO, Sílvia Maria Pereira; CARDOSO, Alcina. Jornalismo e militância operária. Curitiba: Ed. da UFPR, 1992.
BARMAN, Roderick J. Imperador cidadão. São Paulo: Ed. da Unesp, 2012.
BEGA, Maria Tarcisa da Silva. Letras e política no Paraná: simbolistas e anticlericais na República Velha. Curitiba: Ed. da UFPR, 2013.
BIEGUELMAN, Paula. A formação do povo no complexo cafeeiro. São Paulo: Edusp, 2005.
BOEHER, George C. A. Da Monarquia à República: história do Partido Republicano no Brasil (1870-1889). Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1954.
CABRAL, Oswaldo Rodrigues. História da Política de Santa Catarina durante o Império. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2004.
CAMELUCCI, Anderson Luís. 2008. 160f. Crise monárquica e experiências de República no município de Franca (1880-1906). Dissertação (Mestrado em História). Faculdade de História, Direito e Serviço Social, Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2008.
CARNEIRO, Newton. Um precursor da justiça social: David Carneiro e a economia paranaense. Curitiba: s/e, 1965.
CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1980.
CASALECCHI, José Ênio O Partido Republicano Paulista: política e poder (1889-1926). São Paulo: Brasiliense, 1987.
CHARLE, Christophe. A prosopografia ou biografias coletivas: balanço e perspectivas. In: HEINZ, Flávio (org.). Por outra história das elites. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2010, p.41-54.
CHAVES, Maria de Lourdes Marques. Voltando ao passado: histórico de determinadas indústrias e casas comerciais de Curitiba. Curitiba: FIEP, 1995.
CONRAD, Robert. Os últimos anos da escravatura no Brasil: 1850-1888. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
CORRÊA, Amélia Siegel. Imprensa e política no Paraná: prosopografia dos redatores e pensamento republicano no final do século XIX. 2006. 230f. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.
COSTA, Odah Guimarães. Ação empresarial do Barão do Serro Azul. Curitiba: Grafipar, 1981.
DEBES, Célio. O Partido Republicano na propaganda (1872-1889). São Paulo: Edição do Autor, 1972.
FERREIRA, Marieta de Moraes. Em busca da Idade de Ouro: elites políticas fluminenses na Primeira República (1889-1930). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro/Ed. da UFRJ, 1994.
FIGUEIREDO, Vítor Fonseca. Voto e competição política na Primeira República: o caso de Minas Gerais. 2016. 273 f. Tese (Doutorado em História), Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016.
FRANCO, Afonso Arinos de Melo. Rodrigues Alves: apogeu e declínio do presidencialismo. 2 volumes. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973.
GOMES, Amanda Muzzi. Fragilidade monarquista: das dissidências políticas do fim do Império às reações da primeira década republicana (1860-1900). 2013. 373f. Tese (Doutorado em História Social). Centro de Ciências Sociais. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.
GOULART, Mônica Harrich Silva. Classe dominante e jogo político na Assembleia Legislativa do Paraná (1889-1930). 2008. 595f. Tese (Doutorado em Sociologia). Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.
GRANATO, Natália Cristina. O Partido Democrático Paranaense: um estudo sobre os capitais familiares e sociais de seus dirigentes. Revista do Núcleo de Estudos Paranaenses, Curitiba, n. 1, p.36-55, 2018.
JANOTTI, Maria de Lourdes Mônaco. Os Subversivos da República. São Paulo: Brasiliense, 1986.
LEVI, Darell E. A Família Prado. São Paulo: Cultura 70, 1977.
LINHARES, Temístocles. História Econômica do Mate. Rio de Janeiro: José Olympio, 1969.
LYNCH, Christian Edward Cyril. Da Monarquia à Oligarquia: história institucional e pensamento político brasileiro (1822-1930). São Paulo: Alameda, 2014.
LOVE, Joseph. A Locomotiva: São Paulo na federação (1889-1937). São Paulo: Paz e Terra.
MARTINS, Maria Fernanda Vieira. A velha arte de governar: um estudo sobre política e elites a partir do Conselho de Estado (1842-1889). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2007.
MARTINY, Carina. “Os seus serviços públicos e políticos estão de certo modo ligados à prosperidade do município”: constituindo redes e consolidando o poder: uma elite política local (São Sebastião do Caí, 1875-1900). 2010. 364f. Centro de Humanidades, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2010.
NASCIMENTO, Carla Silva do. O Barão de Cotegipe e a crise do Império. 2012. 130f. Dissertação (Mestrado em História). Centro de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.
NEEDELL, Jeffrey D. The Party of Order: the Conservatives, the State, and Slavery in Brazilian Monarchy, 1831-1871. Stanford: Stanford University Press, 2006.
OLIVEIRA, Ricardo Costa de. O silêncio dos vencedores: genealogia, classe dominante e Estado do Paraná (1853-1930). Curitiba: Moinho do Verbo, 2001.
PINTO, Surama Conde Sá. Só para iniciados: o jogo político na antiga capital federal. Rio de Janeiro: Mauad, 2011.
PRADO, Maria Lígia Coelho. A Democracia Ilustrada: o Partido Democrático de São Paulo, 1926-1934. São Paulo: Ática, 1986.
PRADO, Nazareth. Antônio Prado: seus discursos e atos. Rio de Janeiro: F. Briguiet, 1929.
RESENDE, Maria Efigênia Lage de. Formação da estrutura de dominação em Minas Gerais: O Novo PRM (1889-1906). Belo Horizonte: UFMG/Proed, 1982.
RIBEIRO, Filipe Nicoletti. Monarquia federativa e democrática: o Congresso Liberal de 1889 e os sentidos do reformismo nos anos finais do Império. Clio, Recife, n. 34, p.52-72, 2016.
RICCI, Paolo; ZULINI, Jaqueline Porto. Partidos, competição política e fraude eleitoral: a tônica das eleições na Primeira República. Dados, Rio de Janeiro, v. 57, n. 2, p.443-479, 2014.
SACCOL, Tassiana Maria Parcianello. De líderes históricos a opositores: as dissidências republicanas e o jogo político regional (Rio Grande do Sul, 1890-1907). 2018. 190f. Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.
SANTOS, Marco Aurélio. Lutas políticas, desagregação do escravismo e a desagregação da ordem escravista: Bananal, 1878-1888. Almanack, Guarulhos, n. 11, p.749-773, dezembro de 2015.
SÊGA, Rafael Augustus. Tempos belicosos: a Revolução Federalista no Paraná e a rearticulação da vida político-administrativa do Estado (1889-1907). Curitiba: Aos Quatro Ventos, 2005.
SOUZA, Lucas Massimo Tonial Antunes de. A profissionalização da oligarquia no Brasil: um estudo sobre a estrutura da carreira política dos senadores na Primeira República. 2018. 173f. Tese (Doutorado em Ciência Política). Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.
STONE, Lawrence. Prosopografia. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 39, p.115-137, 2011.
VISCARDI, Cláudia Maria Ribeiro. Unidos perderemos: a construção do federalismo republicano brasileiro. Curitiba: Editora CRV, 2016.
ZULINI, Jaqueline Porto. Modos do bom governo na Primeira República: o papel do Parlamento no regime de 1889-1930. 2016. 323f. Tese (Doutorado em Ciência Política). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

Downloads

Publicado

2021-03-13

Como Citar

Richter Gomes, S. A. (2021). Dirigentes partidários, mudança política e percursos sociais: os destinos de lideranças do Partido Conservador paranaense após a queda do Império (1888-1919). Almanack, (27), 1–65. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/alm/article/view/10035

Edição

Seção

Artigos