Açude Grande de Cajazeiras (PB): um insustentável exemplo de descuido com a água no semiárido brasileiro

  • Teobaldo Gabriel de Souza Júnior Universidade Federal do Cariri
  • Ana Célia Maia Meireles Universidade Federal do Cariri
  • Carlos Wagner Oliveira Universidade Federal do Cariri
  • Yannice Tatiane da Costa Santos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará
  • Rafaella de Lima Roque Colégio Nossa Senhora de Lourdes
Palavras-chave: Manancial Degradado, Poluição Hídrica, Açude Urbano

Resumo

O presente artigo evoca, exemplificada através do caso do Açude Grande, discussão a respeito da água, enfatizando a importância e o descuido da sociedade com este essencial elemento em áreas de clima semiárido. O embasamento teórico da investigação foi calcado em fontes históricas, documentais, bibliográficas, além de aplicações de entrevistas semiestruturadas e análises de amostras da água. Seu objetivo geral foi evidenciar qual o grau de importância dado ao reservatório por parte dos indivíduos residentes, trabalhadores ou frequentadores das suas margens e estabelecer qual o seu grau de trofia aplicando-se o IETSA. Como conclusão, apurou-se que o lago está eutrofizado e que, embora as pessoas reconheçam a importância do manancial para a cidade de Cajazeiras-PB, poucos conhecem sua história, seu atual estágio de degradação ou mesmo se sentem responsáveis o suficiente para agirem em prol da sua revitalização.

Biografia do Autor

Ana Célia Maia Meireles, Universidade Federal do Cariri

Professora da Universidade Federal do Cariri (UFCA)

Carlos Wagner Oliveira, Universidade Federal do Cariri

Professor da Universidade Federal do Cariri (UFCA)

Yannice Tatiane da Costa Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE)

Rafaella de Lima Roque, Colégio Nossa Senhora de Lourdes

Professora de biologia Doutora em Biotecnologia pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)

Referências

AB’SABER, A. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo-SP: Ateliê Editorial, 4ª ed. 2007. 160p.

AESA – AGÊNCIA EXECUTIVA DE GESTÃO DAS ÁGUAS DA PARAÍBA. AESA Website. Disponível em <http://www.aesa.pb.gov.br/aesa-website/monitoramento/volume-diario/?tipo=atual>. Acesso em: 26 mai 2018.

APHA – American Public Health Association; AWWA – American Water Works Association; WEF – Water Environment Federation. Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. 22a. ed. Washington D. C. 2012.1496p.

ARAÚJO, E. C. A poética do corpo e da água no semiárido nordestino: Uma escrita de si. In: SANTOS, A. P. S. et al. (org.). O encolhimento das águas: O que se vê e o que se diz sobre crise hídrica e convivência com o semiárido. Campina Grande-PB: INSA, [livro eletrônico], 22 KB, p.185-200, 2018. Disponível em <https://portal.insa.gov.br/acervo-livros/1255-o-encolhimento-das-aguas-o-que-se-ve-e-o-que-se-diz-sobre-crise-hidrica-e-convivencia-com-o-semiarido>. Acesso em: 26 mai. 2018.

BONAFINI, F. C. (org.). Estatística II. São Paulo-SP: Pearson Education do Brasil. 2015. 258p.

BRAGA, B. et al. Introdução à engenharia ambiental: o desafio do desenvolvimento sustentável. São Paulo-SP: Pearson Prentice Hall, 2ª ed. 2005. 318p.

CAMPOS, J. N. B. A evolução das políticas públicas no Nordeste. In: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos - CGEE & Agência Nacional de Águas - ANA. A Questão da Água no Nordeste. Brasília-DF: CGEE, p.263-289, 2012.

CAMPOS, J. N. B.; STUDART, T. M. C. Secas no Nordeste do Brasil: origens, causas e soluções. In: Inter-American Dialogue On Water Management, 4., 2001, ANAIS Foz do Iguaçu: Associação Brasileira de Recursos Hídricos, 2001. Disponível em <http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/9326>. Acesso em: 29 ago. 2019.

CETESB – COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. Guia nacional de coleta e preservação de amostras: água, sedimento, comunidades aquáticas e efluentes líquidos. Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. São Paulo: CETESB; Brasília-DF: ANA, 2011. 326 p. Disponível em <http://arquivos.ana.gov.br/institucional/sge/CEDOC/Catalogo/2012/GuiaNacionalDeColeta.pdf>. Acesso em: 29 ago. 2019.

CHACON. S. S. O sertanejo e o caminho das águas: políticas públicas, modernidade e sustentabilidade no semi-árido. Fortaleza-CE: Banco do Nordeste do Brasil - BNB. 2007. 354 p. Disponível em <http://www.bnb.gov.br/projwebren/Exec/livroPDF.aspx?cd_livro=20>. Acesso em: 12 jan. 2018.

CONTI, J. B.; FURLAN, S. A. Geoecologia: o clima, os solos e a biota. In: ROSS, J. L. S. (org.). Geografia do Brasil. São Paulo-SP: Edusp. 4ª ed. 1ª reimp. p.67-207,2003.

COSTA, S. O. P. et al. Meio ambiente e Açude Grande: um estudo de representações sociais com usuários do reservatório da cidade de Cajazeiras/PB. V Encontro Nacional da Anppas (Anais), Florianópolis-SC, 2010. Disponível em <http://www.anppas.org.br/encontro5/cd/artigos/GT6-197-456-20100830170558.pdf>. Acesso em: 29 ago. 2019.

COSTA, W. O.; OHNUMA JÚNIOR, A. A.; SOUSA, J. G. P. Percepção do uso da água em instituição de ensino: estudo de caso no Colégio Estadual Santo Antônio, no distrito de Xerém, Duque de Caxias (RJ). Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), São Paulo-SP, v. 11, n. 2, p. 139-150, 30 jun. 2016.

CRAVEIRO, A. C.; MEDEIROS, J. B. L. P.; MENDES, R. M. S. Água e poluição. In: LUCENA, E. M. P... [et al.] Mudanças climáticas e desenvolvimento sustentável. Fortaleza-CE, Universidade Aberta do Nordeste-UANE,p.97-128, 2010.

DALMORO, M.; VIEIRA, K. M. Dilemas na construção de escalas tipo Likert: O número de itens e a disposição influenciam nos resultados? Revista Gestão Organizacional (RGO), Chapecó-SC, v.6, N.3, Edição Especial Epistemologia e Métodos de Pesquisa em Administração e Contabilidade, p. 161-174, 2013.

DUARTE, P. S. C.; BARATELLA, R.; PAIVA, A. S. As doenças de veiculação hídrica: Um risco evidente. In: VIII Encontro de pesquisa em educação – III Congresso internacional trabalho docente e processos educativos, Anais, Uberaba-MG: 22 a 24 de Setembro de 2015. Disponível em <https://www.uniube.br/eventos/epeduc/2015/completos/53.pdf>. Acesso em: 01 set. 2019.

FUNASA – Fundação Nacional de Saúde. Manual de Controle da Qualidade da Água para Técnicos que Trabalham em ETAS. Brasília-DF: FUNASA/Ministério da Saúde, 2014, 112p. Disponível em <http://www.funasa.gov.br/site/wp-content/files_mf/manualcont_quali_agua_tecnicos_trab_emetas.pdf>. Acesso em: 01 set. 2019.

GALVÃO, D. F. et al. Representação social da água e sensibilização ambiental de estudantes do 6° ano de uma escola pública em São Carlos (SP). Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo-SP, v.11, N. 2: 91-117, 2016.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo-SP: Atlas, 4 ed. 7ª tiragem, 2002. 175p.

GOMES, I. H. R. A. et al. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente do Açude Grande no município de Cajazeiras-PB. IV CONEFLOR – III SEEFLOR, Anais, resumo expandido, Vitória da Conquista-BA: 25 a 28 de Novembro de 2013. Disponível em <https://docplayer.com.br/18455748-Diagnostico-da-area-de-preservacao-permanente-app-do-acude-grande-no-municipio-de-cajazeiras-pb.html>. Acesso em 29 jun. 2019.

HORTA, M. L. P.; GRUNBERG, E.; MONTEIRO, A. Q. Guia básico da educação patrimonial. Brasília-DF: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Museu Imperial, 1999. 58p. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/temp/guia_educacao_patrimonial.pdf.pdf>. Acesso em: 01 set. 2019.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Brasil Cidades, 2016. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/cajazeiras/panorama>. Acesso em: 28 ago. 2019.

INSA – INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO. Sistema de gestão da informação e do conhecimento do semiárido brasileiro–SIGSAB. Disponível em <http://sigsab.insa.gov.br/>. Acesso em: 26 mai. 2018.

LAPPONI, J. C. Estatística usando o Excel. Rio de Janeiro-RJ: Elsevier, 2005. 496p.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo-SP: Atlas, 5 ed., 2003. 312p.

MEDEIROS, S. S. et al. Esgotamento sanitário: panorama para o semiárido brasileiro. Campina Grande-PB: INSA, 2014. 63p. Disponível em <http://sigsab.insa.gov.br/static/themes/v1/lib/elfinder/Arquivos/Publica%C3%A7%C3%B5es/Esgotamento%20Sanit%C3%A1rio%20-%20Panorama%20para%20o%20semi%C3%A1rido%20brasileiro(2011).pdf>. Acesso em: 29 ago. 2019.

Ministério da Saúde. Vigilância e controle da qualidade da água para consumo humano. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2006, 212 p. Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigilancia_controle_qualidade_agua.pdf>. Acesso em: 01 set. 2019.

NUNES, C. M. Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional – PISF. In: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos - CGEE & Agência Nacional de Águas - ANA. A Questão da Água no Nordeste. Brasília-DF: CGEE, p.375-390, 2012.

OLIVEIRA, E. J. A.; MOLICA, R. J. S. A poluição das águas e as cianobactérias. Recife-PE: IFPE, 32 f, color, il. 2017. Disponível em <https://capacitacao.ead.unesp.br/dspace/bitstream/ana/195/1/Cartilha%20a%20Polui%C3%A7%C3%A3o%20das%20%C3%81guas%20IFPE.pdf>. Acesso em 29 ago. 2019.

PARAÍBA. Programa de ação estadual de combate à desertificação e mitigação dos efeitos da seca no estado da Paraíba: PAE-PB/IICA. João Pessoa-PB: SCIENTEC. 2011. 144p.

PAULINO, W. D.; TEIXEIRA, F. J. C. A questão ambiental e a qualidade da água nas bacias hidrográficas do Nordeste. In: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos - CGEE & Agência Nacional de Águas - ANA. A Questão da Água no Nordeste. Brasília-DF: CGEE, p.219-246, 2012.

PEARSON. Gestão ambiental. São Paulo-SP: Pearson Education do Brasil / Pearson Prentice Hall. 2011. 312p.

PEREIRA, G. P.; OLIVEIRA, H. E.; MILLEZI, A. F. Água: qual a concepção e atitudes dos estudantes dos cursos técnicos do Instituto Federal Catarinense – Campus Concórdia? Revista Brasileira de Educação Ambiental,São Paulo-SP, v. 11, n. 4, p. 328-335, 30 set. 2016.

PUFAL, M. I. Uso de Sensoriamento Remoto na Obtenção de Parâmetros de Qualidade da Água em Lagos. Brasília, DF, 2001. 128 p. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Tecnologia. Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Universidade de Brasília-UnB, 2001.

QGIS, General Public License (GNU), Free Software Foundation, Inc., v. 2.18, Las Palmas de G. C., 2016.Disponível em <https://qgis.org/downloads/>. Acesso em 12 jan. 2019.

RAMALHO, M. F. J. L. A fragilidade ambiental do Nordeste brasileiro: o clima semiárido e as imprevisões das grandes estiagens. Sociedade e Território. Natal-RN, v. 25, n. 2, EDIÇÃO ESPECIAL, p. 104-115, jul./dez. 2013.

RATTNER, H. O esgotamento dos recursos naturais: catástrofe interdependência? Revista de Administração de Empresas. São Paulo-SP, vol.17, n.2, p. 15-21, mar./abr. 1977.

REIS, A. Obras novas contra as sêcas. In: CARTAXO, R. Estrada das boiadas: Roteiro para São João do Rio do Peixe. Brochura. NOPIGRAL. João Pessoa-PB, p. 71-81, 1975.

ROLIM, E. S. Patrimônio arquitetônico de Cajazeiras-PB: memória, políticas públicas e educação patrimonial. João Pessoa, PB, 2010. 145 f.: il. color. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal da Paraíba – UFPB, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes: Programa de Pós-Graduação em História, 2010.

ROLIM, H. O. Proposta de Índice de Estado Trófico em reservatórios do semiárido a partir de dados da bacia do Banabuiú, estado do Ceará. Fortaleza, CE, 2016. 128 f.: il. color. Tese de Doutorado – Universidade Federal do Ceará – UFC, Centro de Tecnologia, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil: Saneamento Ambiental, 2016.

SANTO JÚNIOR, L. R. E. A Escola Ambiental Águas do Capibaribe: Um modelo de utilização do Rio como sala de aula. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo-SP, v. 10, n. 1, p. 316-331, 30 mar. 2015.

SANTOS, M. Território e Sociedade: entrevista com Milton Santos. São Paulo-SP: Fundação Perseu Abramo. 2ª ed., 2ª reimp. 2004, 128p.

SILVA, L. M. S. et al. Uso de técnicas alternativas para captação, infiltração e reuso de águas: estudo de caso em Cajazeiras (PB). Revista Princípia Divulgação Tecnológica do IFPB, João Pessoa-PB, n° 40, p. 116-131, 2018.

SUDENE - Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (BRASIL). Delimitação do Semiárido. Disponível em <http://sudene.gov.br/planejamento-regional/delimitacao-do-semiarido>. Acesso em 27 jun. 2018.

SUDENE - Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (BRASIL). Reúso de água Integrado a sistemas produtivos sustentáveis no semiárido. Disponível em <http://www.sudene.gov.br/desenvolvimento-sustentavel/projetos-2018/reuso-de-agua>. Acesso em 31ago. 2019.

TAMDJIAN, J. O.; MENDES, I. L. Geografia: estudos para a compreensão do espaço. São Paulo-SP: FTD, 1ª ed. Vol. 2. 2010, 432p.

VALENTE, J. P. S.; PADILHA, P. M.; SILVA, A. M. M. Contribuição da cidade de Botucatu-SP com nutrientes (fósforo e nitrogênio) na eutrofização da represa de Barra Bonita. Eclet. Quím., São Paulo, v. 22, p. 31-48, 1997. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-46701997000100004&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 11 jun. 2019.

XAVIER, H. Educação ambiental para populações em áreas de risco da natureza. In: SEABRA, G. (org.). Educação ambiental. João Pessoa-PB: Editora Universitária da UFPB. p.119-137, 2009.

Publicado
2020-05-27
Como Citar
Souza Júnior, T. G. de, Meireles, A. C. M., Oliveira, C. W., Santos, Y. T. da C., & Roque, R. de L. (2020). Açude Grande de Cajazeiras (PB): um insustentável exemplo de descuido com a água no semiárido brasileiro. Revista Brasileira De Educação Ambiental, 15(3), 315-337. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.9701
Seção
Relatos de Experiências