O ensino de Química nos moldes do novo Ensino Médio: uma oportunidade para o estudo da legislação ambiental

Autores

  • Régia Cristina Marra UnB - ProfCIAMB/CDS
  • Tati de Almeida Universidade de Brasília. Instituto de Geociências. PROFCIAMB – Mestrado profissional em Ciências Ambientais

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.13864

Palavras-chave:

Novo Ensino Médio, Educação Ambiental, práticas pedagógicas

Resumo

A implementação do Novo Ensino Médio brasileiro em 2022 torna essencial a inclusão de práticas de Educação Ambiental como projetos transversais de disciplinas. Nesse sentido, o objetivo desse artigo é analisar como as práticas pedagógicas implementadas visam a Alfabetização Científica, Tecnológica e Ambiental através de pesquisas bibliográficas sistemáticas em periódicos nacionais e internacionais e das legislações brasileira vigentes. Esses dados indicam distanciamento entre o ensino praticado nas unidades escolares e o ensino oficial declarados nas ementas e planos de curso do Ministério da Educação. Almeja-se que essa pesquisa sirva de subsídios de implementação de conteúdos pedagógicos que formem cidadãos críticos em relação as formas como lidamos com o meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA JUNIOR, A. Repetência ou promoção automática? Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, v. 27, n. 65, 1957. P. 3-15.

ALVARENGA, A. T. de. et al. Histórico, fundamentos filosóficos e teórico-metodológicos da interdisciplinaridade. In: PHILLIPI JR., E SILVA NETO, A.J. (ed.) Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia e Inovação. Barueri, SP: Manole, 2011.

ANDRADE, M. C. P.; MOTTA, V. C. Base Nacional Comum Curricular e o Novo Ensino Médio: uma análise à luz de categorias de Florestan Fernandes. Revista HISTEDBR on-line, v. 20, São Paulo: Campinas. p. 1 – 26, 2020.

AVILA, F.; BIANCHI, A. (Orgs.). Guia de Economia Comportamental e Experimental. São Paulo. EconomiaComportamental.org., 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2022

BARROS, R. P. Políticas públicas para redução do abandono e evasão escolar de jovens. 220 p., 2017. Disponível em: <http://gesta.org.br/wp-content/uploads/2017/09/Politicas-Publicas-para-reducao-do-abandono-e-evasao-escolar-de-jovens.pdf> Acesso em: 21 mar. de 2022

BRANCO, E. P. et al. Evasão escolar: desafios para permanência dos estudantes na educação básica. Revista Contemporânea de Educação, v. 15, n. 33, 2020.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 1996.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. Estabelece o Plano Nacional de Educação - PNE para o decênio 2011-2020, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP n. 3, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 22 dez. 2017.

BRASÍLIA. Câmara Legislativa do Distrito Federal. Lei nº 3.833 de 27 de março de 2006, regulamentada pelo Decreto nº 31.129 de 04/12/2009. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política de Educação Ambiental do Distrito Federal, cria o Programa de Educação Ambiental do Distrito Federal, complementa a Lei Federal nº 9.795/ 99 no âmbito do Distrito Federal, e dá outras providências. Diário Oficial do DF, Brasília, 2006.

CARDOZO, M. J. P. B; LIMA, F. C. S. A contrarreforma do Ensino Médio: retrocessos e intencionalidades. Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPI. Linguagens, Educação e Sociedade, Teresina, Ano 23, n. 38, 2018.

CARVALHO, I.C.M. Nomes e endereços da Educação Ambiental. Anais do VI Fórum Brasileiro de Educação Ambiental: Participação, Cidadania e Educação Ambiental. Niterói: Instituto Baía de Guanabara, 2010. p.39-46. Disponível em: <http://www.imasul.ms.gov.br/wp-content/uploads/2016/03/Livro-VI-F%C3%B3rum-vers%C3%A3o-final.pdf > Acesso em: 06 abr. de 2022.

CATALÃO, V.M.L.; MORAES, J.R. Ecopedagogia: na confluência da bacia hidrográfica com a bacia pedagógica. NUPEAT–IESA–UFG, v.1, n.1, jan./jun., 2011, p.36–44, Artigo 4.

CORDEIRO, J. P. Modalidades de inserção profissional dos quadros superiores nas empresas. Sociologia, Problemas e Práticas, n. 38, p. 79-98, 2002.

DAMÁZIO JÚNIOR, V. Professor, onde vou usar isso? Ressignificando velhas perguntas em uma sociedade líquida. Revista Unisinos, v. 25, 2021.

DANELUZZI, N. S.; PALMIERI, M. L. B. Análise de pesquisas sobre práticas de Educação Ambiental em recursos hídricos. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 17, nº1, p. 289-299, 2022.

DA ROSA, G. M. et al. Ações antrópicas e o advento das ciências ambientais. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, V. 17, No 1: 180-197, 2022.

DEMO, P.. Promoção automática e capitulação da escola. Ensaio: Avaliação de Políticas Públicas em Educação. v. 6, n. 19, p. 159-190, 1998.

FÁVARO, L. C.; DA FONSECA, L. R.; MINASI, L. F. A prática pedagógica da Educação Ambiental crítica no ensino a distância. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, V. 17, No 1: 369-389, 2022.

FOUREZ, G. Alfabetización científica y tecnológica: acerca de las finalidades de la enseñanza de las ciencias. Buenos Aires: Ediciones Colihue, 1997.

GADOTTI, M. Educar para a sustentabilidade: uma contribuição à década da educação para o desenvolvimento sustentável. 2.ed. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2012.

GARCIA, M. A.; ZANETI, I. C. B. B.; YONAMINE, S. M.; SILVERIO, A. P.; CERQUEIRA, E. N. G. M.; SILVA, M. G. L. Duas décadas da PNEA: avanços e retrocessos no Brasil. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, V. 15, nº 5, p. 250-270, 2020.

GOMES, C. A. Quinze anos de ciclos no ensino fundamental: um balanço das pesquisas sobre a sua implantação. Revista Brasileira de Educação, nº 25, p. 39 – 52, 2004.

GUIMARÃES, M. Educação Ambiental Crítica. In MEC- Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasília, 2007.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. D. C. As macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, v. 17, n. 1, p. 23-40, 2014.

LAYRARGUES, P. P. Educação para a gestão ambiental: a cidadania no enfrentamento político dos conflitos socioambientais. Sociedade e meio ambiente: a Educação Ambiental em debate. São Paulo: Cortez, p. 87-155, 2000.

LAYRARGUES; P.P. A crise ambiental e suas implicações na educação. In: QUINTAS, J.S. (org.). Pensando e praticando a Educação Ambiental na gestão do meio ambiente. 2a ed. Brasília: Ibama, p. 161-198. 2002.

LEFF, E. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. Revista Olhar do Professor, Ponta Grossa, 14(2): pag.309-335, 2011.

LIMA, L. M. J. A.; ABREU, M. T. Avaliação da conscientização sobre a destinação dos resíduos sólidos urbanos nas universidades em Belém (PA). Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, V. 17, No 1: 300-314, 2022.

LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P. Ecologia política, justiça e Educação Ambiental crítica: perspectivas de aliança contra-hegemônica. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 53-72, 2013.

MAFRA, D. T. P. Jogo de tabuleiro viabilizando a Alfabetização Científica e Tecnológica em aulas de Física. 2018. 197 p. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências, Matemática e Tecnologias). Universidade do Estado de Santa Catarina, Joinville, 2018.

MARTINS, B. V.; SCHERDEIN, C.; ROCHA-DE-OLIVEIRA, S. Estrutura de classe e mobilidade social no processo de inserção profissional de jovens no Brasil: reflexões e agenda de pesquisa. Cadernos EBAPE.BR, v.17. nº 3, Rio de Janeiro, 2019.

MEDEIROS, E. A. de; et al. Notas sobre o currículo e a formação interdisciplinar de professores da educação básica. Imagens da Educação, v. 9, n. 2, 2019

MELLO, G. N. Educação escolar brasileira: o que trouxemos do século XX? Porto Alegre: Artmed, 2004.

MORIN, E. Le paradigme perdu: la nature humanine. Paris: Editions du Seuil; 1973.

NASCIMENTO, K. B.; SEIXAS, C. E. O adoecimento do professor da Educação Básica no Brasil: apontamentos da última década de pesquisas. Revista Educação Pública, 2020. Disponível em: <https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/20/36/o-adoecimento-do-professor-da-educacao-basica-no-brasil-apontamentos-da-ultima-decada-de-pesquisas> Acesso em: 21 nov. de 2021.

OLIVEIRA, E. G.; SOUSA, A. A. Trabalho, juventude e educação no contexto do capitalismo atual. In: MACAMBIRA, J.; ANDRADE, F. R. B. (Orgs.). Trabalho e formação profissional: juventudes em transição. Fortaleza: IDT/UECE/BNB, p. 91-104, 2013.

PARO, V. H. Por que os professores reprovam: resultados preliminares de uma pesquisa. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas, v. 8, nº 28, p. 273-282, 2000.

PARO, V. H. Reprovação escolar: renúncia à educação. São Paulo: Xamã. 2001.

SANTOS, J. S.; et al. Delimitation of ecological corridors in the Brazilian Atlantic Forest. Ecological Indicators, v. 88, p.414-424. 2018.

SILVA, J. L. L.; et. al. Prevalencia del síndrome de burnout entre profesores de la escuela estatal en Niterói, Brasil. Revista Enfermería Actual, edición semestral, v. 34, 2017.

SLAVIERO, A. et al. Educação Ambiental na visão de professores: caminhos e reflexões. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, V. 17, No 1: 198-210, 2022.

SOUSA, C.P. Limites e possibilidades dos programas de aceleração de aprendizagem. Cadernos de Pesquisa, n. 108, p. 81-99, 1999.

TEIXEIRA, A. S. Valores proclamados e valores reais nas instituições escolares brasileiras. In BRASIL, Ministério da Educação e Cultura. Educação no Brasil textos selecionados. Ed. No Brasil, 1976. p. 7 – 27.

UHMANN, R. I. M.; VORPAGEL, F. S. Educação Ambiental em Foco no Ensino Básico. Pesquisa em Educação Ambiental. v. 13, n. 2, p. 53-68, 2018.

WILSON, E. O. Sociobiology: the new synthesis. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, 1975.

ZANETI, I.C.B.B. Texto adaptado da Tese de Doutorado: Educação Ambiental, Resíduos Sólidos Urbanos e Sustentabilidade. Um estudo de caso sobre o sistema de gestão de Porto Alegre, RS. Centro de Desenvolvimento Sustentável-UnB, Brasília, 2003.

ZANETI, I.C.B.B. Educação Ambiental para a cidadania planetária. Sem local, sem data.

Downloads

Publicado

01-02-2023

Como Citar

Marra, R. C., & Almeida, T. de. (2023). O ensino de Química nos moldes do novo Ensino Médio: uma oportunidade para o estudo da legislação ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 18(1), 412–431. https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.13864

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2022-05-02
Aceito: 2022-12-13
Publicado: 2023-02-01

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.