Educação Ambiental na escola e no parque: experiências com o arco de Maguerez na educação básica

  • Érika Cristina Teixeira dos Anjos Brandão Instituto Federal de Sergipe
  • Sindiany Suelen Caduda dos Santos Universidade Federal de Sergipe
Palavras-chave: Metodologias ativas; Parque Natural Municipal do Poxim; Ensino em espaço formal e não-formal; Sergipe

Resumo

O artigo analisou a relação socioambiental entre alunos(as) do 6° ano, de uma escola municipal da Grande Aracaju, e o Parque Natural Municipal do Poxim (PNMP), por meio da metodologia da problematização. Através da investigação-ação-participativa, os dados foram observados sistematicamente durante as etapas: observação da realidade, seleção dos pontos-chave, teorização, hipóteses de solução e aplicação à realidade. O trabalho evidencia o protagonismo dos(as) estudantes, especialmente durante a elaboração e entrega de uma carta de intenção para os gestores públicos de Aracaju, em favor da proteção do Parque. A pesquisa revela as potencialidades do uso de Metodologias Ativas para trabalhar a Educação Ambiental Crítica nas escolas. 

Biografia do Autor

Sindiany Suelen Caduda dos Santos, Universidade Federal de Sergipe

Bióloga Licenciada. Mestre e Doutora em Desenvolvimento e Meio Ambiente (Área da Capes: Ciências Ambientais) pela Universidade Federal de Sergipe - PRODEMA/UFS. Atualmente é professora Adjunta da Universidade Federal de Sergipe - Campus do Sertão. É Professora Permanente e foi Coordenadora Adjunta do Programa de Pós-graduação em Rede Nacional para Ensino das Ciências Ambientais- Associada UFS - PROFCIAMB/UFS. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Metodologias Ativas da UFS (GEPIMA/UFS). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Geoecologia e Planejamento Territorial - GEOPLAN/UFS e do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação Ambiental de Sergipe GEPEASE/UFS. Foi professora da Universidade Federal do Sul da Bahia, Campus Paulo Freire (2018 - 2019), onde atuou como coordenadora de área do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID/CAPES) e como docente orientadora do Programa Residência Pedagógica/CAPES. Foi Conselheira do Conselho Gestor da Área de Proteção Ambiental Ponta da Baleia/Abrolhos. Foi coordenadora de Projetos de Extensão do Programa de Educação Ambiental com Comunidades Costeiras - PEAC - UFS/IBAMA/PETROBRAS, pela FAPESE/UFS. Atua nas áreas de Conservação de Ambientes Costeiros; Educação Ambiental Crítica; Conflitos socioambientais em comunidades tradicionais; Metodologias Ativas no Ensino Superior e Ensino de Ciências.

Referências

ARACAJU. Decreto Municipal n. 5.370, de 03 de agosto de 2016. Dispõe sobre a criação do Parque Natural Municipal do Poxim, no âmbito do Município de Aracaju, e dá providências correlatas. Aracaju, SE, 2016. Disponível em: <https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=327348>. Acesso em: 27 mai. 2018.

BARROS, T.H.B. (2015). Por uma metodologia do discurso: noções e métodos para uma análise discursiva. In: BARROS, T.H.B. (Org.). Uma trajetória da Arquivística a partir da Análise do Discurso: inflexões histórico-conceituais [online]. São Paulo: Editora UNESP, p. 73-95, 2015.

BERBEL, N. A. N. A Metodologia da Problematização em três versões no contexto da didática e da formação de professores. Rev. Diálogo Educacional, v. 12, n. 35, p. 103-120, 2012.

BERBEL, N.A.N. Metodologia da problematização: respostas de lições extraídas da prática. Semina: Ciências Sociais e Humanas, v. 35, p. 61-76, 2014.

BORDENAVE J. D.; PEREIRA, A. M. O que é ensinar. In: BORDENAVE, J.D.; PEREIRA, A.M. (ORG.). Estratégias de ensino-aprendizagem. Petrópolis-RJ: Vozes, p. 39-57, 2000.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. SNUC – Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. PNAP – Plano Estratégico Nacional de Áreas Protegidas. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2011. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/legislacao/areasprotegidas.html?download=1206:sistema-nacional-de-unidades-de-conserva%C3%A7%C3%A3o-snuc-e-pnap>. Acesso em: 8 abr. 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Instituto Chico Mendes de conservação da Biodiversidade. Educação Ambiental em unidades de conservação: ações voltadas para comunidades escolares no contexto da gestão pública da biodiversidade – guia informativo, orientador e inspirador. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2016. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/publicacoes/publicacoes-diversas/DCOM_ICMBio_educacao_ambiental_em_unidades_de_conservacao.pdf>. Acesso em: 11 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria executiva. Base Nacional Comum Curricular - educação é a base. Brasília: Ministério da Educação, março de 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 7 mar. 2019.

CARVALHO, I.C.M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo-SP: Cortez, 2012.

CAVALCANTE, L.P.S. et al. Análise da percepção ambiental e sensibilização de educandos do ensino fundamental de uma escola pública para realização da coleta seletiva, Campina Grande – PB. Revista Monografias Ambientais, v. 9, p. 2047–2054, 2012.

FERNANDES, K. M.; HIGUCHI, M. I. G. Parques verdes urbanos: espaços de sensibilização ambiental e bem-estar social. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, v. 8, p. 23-36, 2017.

FERREIRA, R. A. et al. Nascentes da sub-bacia hidrográfica do rio Poxim, estado de Sergipe: da degradação à restauração. Revista Árvore, v. 35, 265-277, 2011.

FORNAZARI, V.B.R.; OBARA, A,T. O uso de oficinas pedagógicas como estratégia de ensino e aprendizagem: a Bacia hidrográfica como tema de estudo. Investigações em Ensino de Ciências, v. 22, p. 166-185, 2017.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro-RJ: Paz e terra, 2015.

JACOBI, P. Educação Ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, v. 118, p. 189-205, 2003.

KACHINSKI, K.V.B. O uso público nos parques urbanos e parques naturais de Sorocaba/SP. 2018. 101f. Dissertação (Mestrado em Sustentabilidade na Gestão Ambiental) – Centro de Ciências e Tecnologias para Sustentabilidade, Universidade Federal de São Carlos. Disponível em: <https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/10585>. Acesso em: 01 abr. 2020.

LAYRARGUES, P.P. (2002). O cinismo da reciclagem: o significado ideológico da reciclagem da lata de alumínio e suas implicações para a Educação Ambiental. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/237655129_O_CINISMO_DA_RECICLAGEM_o_significado_ideologico_da_reciclagem_da_lata_de_aluminio_e_suas_implicacoes_para_a_educacao_ambiental_1>. Acesso em: 8 abr. 2020.

MARANDINO, M. et al. A educação não-formal e a divulgação científica: o que pensa quem faz? In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS (ENPEC), 4, 2003, Bauru. Anais do [...]. Bauru: Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências (ABRAPEC), 2003. p. 1-13. Disponível em: <http://abrapecnet.org.br/enpec/iv-enpec/orais/ORAL009.pdf>. Acesso em: 8 mar. 2019.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos da Metodologia Científica. São Paulo-SP: Atlas, 2010.

MORAN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, C.A.; MORALES, O.E.T. (Orgs.) Convergência Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Ponta Grossa: Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015. Disponível em: <http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/mudando_moran.pdf>. Acesso em: 28 jul. 2018.

MUNARI, A.B. et al. Educação Ambiental e metodologia da problematização aplicadas aos problemas urbanos de Criciúma (SC). Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 13, n. 1, p. 76-86, 2018.

NEPOMUCENO, A.L.O. A perspectiva participativa para a inserção da Educação Ambiental crítica na formação continuada de educadores ambientais. In: NEPOMUCENO, A.L.O.; MODESTO, M.A.; SANTOS, T.F. Educação Ambiental e formação de educadores: convergências para a práxis pedagógica. Curitiba-PR: Appris, p. 139–201, 2018.

QUERINO, L.A.L. et al. Análise da percepção dos moradores de São Sebastião de Lagoa de Roça (PB) quanto a redução, reutilização e reciclagem de resíduos sólidos. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 13, n. 2, p. 228-245, 2018.

RAIMUNDO, S. et al. Construindo um programa de uso público para Unidades de Conservação em áreas metropolitanas: a experiência dos Parques Naturais Municipais de Itapecerica da Serra e Embu das Artes – RMSP (SP). OLAM – Ciência & Tecnologia, v. 11, p. 196-221, 2011.

REMPEL, C. et al. Percepção Ambiental da Comunidade Escolar Municipal sobre a Floresta Nacional de Canela, RS. Revista Brasileira de Biociências, v. 6, p. 141-147, 2008.

RIBEIRO, C.R.; AFFONSO, E.P. Avaliação da percepção ambiental de alunos do ensino fundamental residentes na bacia hidrográfica do Córrego São Pedro - Juiz de Fora/MG. Boletim de geografia, v. 30, p. 73-85, 2012.

SANTOS, L. R.; SOUZA, C. S. Degradação da qualidade das águas do rio Poxim em função do intenso processo de urbanização. Anais do II Congresso Internacional Gestão da água e Monitoramento ambiental. Aracaju, SE, 2015. Disponível em: <http://www.resag.org.br/congressoresag2015/anais/img/pdfs/ID_64.pdf>. Acesso em: 4 abr. 2018.

SANTOS, L.R.O.; SOUZA, R.M.; COSTA, J.J. Transposição metodológica: a problematização com o Arco de Maguerez no diálogo com a educação básica. In: SANTOS, L.R.O. (Org.) Práticas de Ensino na Comunidade: conceitos, contextos e dialogicidade. Aracaju: Criação Editora, 2019.

SÃO PAULO. Secretaria do Verde e Meio ambiente. Plano de Manejo: Parque Natural Municipal Fazenda do Carmo, 2014. Disponível em: <https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/meio_ambiente/arquivos/publicacoes/Volume_II_Planejamento_all.pdf>. Acesso em: 7 abr. 2020.

SÃO PAULO. Secretaria de Infraestrutura e Meio ambiente. (2020). Programa de Uso Público. Disponível em: <http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/fundacaoflorestal/2012/01/5_4_programa_de_uso_publico.pdf>. Acesso em: 5 abr. 2020.

SCHRÖETTER, S.M. et al. Percepção ambiental de alunos da escola municipal Conceição do Imbé sobre o Parque Estadual do Desengano (PED), uma experiência interdisciplinar utilizando aula de campo. Revista Científica Interdisciplinar, v. 2, p. 76–95, 2015.

SILVA, T.N.; CAMPOS, A.C. Levantamento e identificação de impactos ambientais no Parque Municipal Carmo Bernardes, Goiânia-GO. Anais do VII Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Campina Grande, PB, 2016. Disponível em: <https://www.ibeas.org.br/congresso/Trabalhos2016/VI-030.pdf>. Acesso em: 5 abr. 2019.

SOARES, M.G., PEDROZA-JÚNIOR, H.S , MELO-JÚNIOR, M., BARROS, H.M. Extensão de Educação Ambiental na Colônia de Pesca Z-10, Itapissuma - PE (Projeto Manguezal em Nossa Casa - UNISOL 2002). Anais do I Congresso Brasileiro de Extensão Universitária. João Pessoa, PB, 2002. Disponível em: <http://www.prac.ufpb.br/anais/Icbeu_anais/anais/meioambiente/manguezal.pdf>. Acesso em: 24 mar. 2019.

TORRES, J.R.; FERRARI, N.; MAESTRELLI, S. R. P. Educação Ambiental crítico-transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana. In: LOUREIRO, C.F.B.; TORRES, J.R. (Orgs.). Educação Ambiental Dialogando com Paulo Freire. São Paulo: Cortez, p. 1–109, 2014.

VERONA, M.F. Aproximações entre o arco de Maguerez e as atividades de Educação Ambiental na escola: limites e possibilidades. 2009. 338f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática). Universidade Estadual de Londrina. Disponível em: <http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UEL_418d620e56ca347c20e2315db2a30570>. Acesso em: 23 jan. 2019.

Publicado
2021-02-07
Como Citar
Brandão, Érika C. T. dos A., & Santos, S. S. C. dos. (2021). Educação Ambiental na escola e no parque: experiências com o arco de Maguerez na educação básica. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(1), 410-429. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11242
Seção
Relatos de Experiências