Inovações na implementação da Base Nacional Comum Curricular: uma análise sobre o Bioparque da Amazônia

  • Erique da Costa Fonseca Centro Universitário Leonardo da Vinci
  • Yuri Breno Silva Instituto Mapinguari
Palavras-chave: Educação Ambiental. Bioparque. Sustentabilidade. Amazônia.

Resumo

O avanço tecnológico e a modernidade, ainda que assinalem mudanças vantajosas aos novos tempos, trouxeram retrocessos para a sociedade e o meio ambiente, ocasionando destruição e impactos irreversíveis à natureza. Frente a este cenário, ambientes naturais constituem-se como lócus privilegiados para o estabelecimento de políticas ambientais e manutenção da biodiversidade, como, por exemplo, os bioparques. Assim, por meio de observações e análises conceituais, o Bioparque da Amazônia, configura-se nesta proposta como um importante patrimônio natural, aliado ao desenvolvimento da Educação Ambiental no Amapá, já que se trata de um imensurável suporte de alcance didático, teórico, prático e metodológico enquanto projeção da vida sustentável. O local, nesse caso, pode vir a ser um lugar em que aprendizagens amplas sejam trabalhadas e desenvolvidas por   professores da Educação Básica, com enfoque aos de Ciências da Natureza e suas tecnologias, quebrando os limites da formalidade e informalidade no campo educacional.  

Biografia do Autor

Erique da Costa Fonseca, Centro Universitário Leonardo da Vinci

Biólogo. Especialista em Metodologia do Ensino de Ciências.

Yuri Breno Silva , Instituto Mapinguari

Biólogo. Mestre em Biodiversidade Tropical.

Referências

BEZERRA, M. C. L.; BURSZTYN, M. (cood.). Ciência e Tecnologia para o desenvolvimento sustentável. Brasília: Ministério do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis: Consórcio CDS/ UNB/ Abipti, 2000.

BLOMLEY, T; WALTERS, G. (eds). A Landescap for Everyone: integrating rights-based landscape governance approaches. Gland. Switzerland: IUCN. 2019. p.86.

BRASIL. Lei nº 9795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, Institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, DF, 1999.

BRASIL. Instituto Chico Mendes de Biodiversidade. ICMBIO. Relatório Diálogos ICMBIO: saúde, parques e reservas – banho de floresta. Brasília: DF, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Brasília: DF, 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Diretrizes para Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental em Unidades de Conservação – ENCEA. Brasília, DF, 2019.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Projeto BRA/00/011. Contrato n.º 2010/000367. Termo de Referência n.º 133876. Documento descritivo contendo proposta de campanha sobre Educação Ambiental e mudanças climáticas, incluindo estratégia de execução. Brasília, DF, 2010.

CASTANHEIRA, D.B.A. Educação Ambiental como foco do turismo pedagógico. Revista Ciência & Conhecimento. v. 1, n.4, p. 79-92. Nov. 2004.

DALFOVO, M. S; LANA, R. A; SILVEIRA, A. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008.

FARINO, C.L; NASCIMENTO, E.L; IVANIO, R. Avaliação da Prática de Educação Ambiental no Zoológico Bosque Guarani no Município de Foz do Iguaçu – Paraná. Trabalho de Conclusão de Curso. P.66. Universidade Tecnológica do Paraná. Medianeira, PR, 2014.

FIGUEIREDO, R.A. Educação para a Sustentabilidade: novidade ou resgate de significado?. Revista eletrônica Polêmica. v.12. n. 2. p. 830-845. Abr/Jun de 2013.

GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. Campinas, São Paulo: Papirus, 1995.

GUIMARÃES, M. A Formação de Educadores Ambientais. Campinas, São Paulo: Papirus, 2007.

GUIMARÃES, M; VASCONCELOS, M. M.N. Relação entre Educação Ambiental e Ciências na Complementariedade dos Espaços Formais e não Formais de Educação. Revista Educar. n.27, p. 1477-162. Editora UFPR, 2006.

HENRIQUES, R. et al. Educação Ambiental: aprendizes de sustentabilidade. Cadernos SECAD. V. 1. Secretaria de Educação continuada, alfabetização e diversidades. Ministério da Educação. Brasília: DF, 2007.

IMBACH, A.A; VIDAL, A. How Inter-institutional Net Works Transform Landescapes: lessons fron latin America on advancing forest landscape restoration. Gland. Switzerland: IUCN. 2019. p.94.

MORAES, L.E; GENEBRA, M.J.F. O Ensino de Física Ambiental: análise do potencial pedagógico de espaços não formais de educação. In: SOUZA, R.D; ANGOTTI, J.A.P (org). Reflexão em Ensino de Ciências. v.1, p. 10-20. Curitiba: Atena, 2016.

RAFAELA, B. et al. O Parque Zoobotânico Arruda Câmara e a Alfabetização Ecológica do Cidadão-Turista. Revista Campo do Saber. v. 2, n. 2. Jul/Dez de 2016. p. 130-143.

ROOS, A.; BECKER, E.L.S. Educação Ambiental e Sustentabilidade. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental. v.5. n.5. 2012. p. 857-866.

SANTOS, M.C; FLORES, M.D; ZANIN, E.M. Trilhas Interpretativas como Instrumento de Interpretação, Sensibilização e Educação Ambiental na APAE de Erechim/RS. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI. Vol. 7, n. 13, p. 189-197. Outubro/2017.

ZALASIEWICZ, J; BARRY, T.L; WILLIAMS, M.; CANTRIL, D.J. Are We Now Living in the Antropocene?. GSA Today. Vol. 8, n. 2, p. 4-8. Fevereiro, 2008. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/235697307>. Acesso em: 27 de agosto de 2019.

Publicado
2020-05-26
Como Citar
Fonseca, E. da C., & Silva , Y. B. (2020). Inovações na implementação da Base Nacional Comum Curricular: uma análise sobre o Bioparque da Amazônia. Revista Brasileira De Educação Ambiental, 15(3), 217-228. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10220
Seção
Artigos