Inovações na implementação da Base Nacional Comum Curricular: uma análise sobre o Bioparque da Amazônia

Autores

  • Erique da Costa Fonseca Centro Universitário Leonardo da Vinci
  • Yuri Breno Silva Instituto Mapinguari

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10220

Palavras-chave:

Educação Ambiental. Bioparque. Sustentabilidade. Amazônia.

Resumo

O avanço tecnológico e a modernidade, ainda que assinalem mudanças vantajosas aos novos tempos, trouxeram retrocessos para a sociedade e o meio ambiente, ocasionando destruição e impactos irreversíveis à natureza. Frente a este cenário, ambientes naturais constituem-se como lócus privilegiados para o estabelecimento de políticas ambientais e manutenção da biodiversidade, como, por exemplo, os bioparques. Assim, por meio de observações e análises conceituais, o Bioparque da Amazônia, configura-se nesta proposta como um importante patrimônio natural, aliado ao desenvolvimento da Educação Ambiental no Amapá, já que se trata de um imensurável suporte de alcance didático, teórico, prático e metodológico enquanto projeção da vida sustentável. O local, nesse caso, pode vir a ser um lugar em que aprendizagens amplas sejam trabalhadas e desenvolvidas por   professores da Educação Básica, com enfoque aos de Ciências da Natureza e suas tecnologias, quebrando os limites da formalidade e informalidade no campo educacional.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erique da Costa Fonseca, Centro Universitário Leonardo da Vinci

Biólogo. Especialista em Metodologia do Ensino de Ciências.

Yuri Breno Silva , Instituto Mapinguari

Biólogo. Mestre em Biodiversidade Tropical.

Referências

BEZERRA, M. C. L.; BURSZTYN, M. (cood.). Ciência e Tecnologia para o desenvolvimento sustentável. Brasília: Ministério do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis: Consórcio CDS/ UNB/ Abipti, 2000.

BLOMLEY, T; WALTERS, G. (eds). A Landescap for Everyone: integrating rights-based landscape governance approaches. Gland. Switzerland: IUCN. 2019. p.86.

BRASIL. Lei nº 9795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, Institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, DF, 1999.

BRASIL. Instituto Chico Mendes de Biodiversidade. ICMBIO. Relatório Diálogos ICMBIO: saúde, parques e reservas – banho de floresta. Brasília: DF, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Brasília: DF, 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Diretrizes para Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental em Unidades de Conservação – ENCEA. Brasília, DF, 2019.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Projeto BRA/00/011. Contrato n.º 2010/000367. Termo de Referência n.º 133876. Documento descritivo contendo proposta de campanha sobre Educação Ambiental e mudanças climáticas, incluindo estratégia de execução. Brasília, DF, 2010.

CASTANHEIRA, D.B.A. Educação Ambiental como foco do turismo pedagógico. Revista Ciência & Conhecimento. v. 1, n.4, p. 79-92. Nov. 2004.

DALFOVO, M. S; LANA, R. A; SILVEIRA, A. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008.

FARINO, C.L; NASCIMENTO, E.L; IVANIO, R. Avaliação da Prática de Educação Ambiental no Zoológico Bosque Guarani no Município de Foz do Iguaçu – Paraná. Trabalho de Conclusão de Curso. P.66. Universidade Tecnológica do Paraná. Medianeira, PR, 2014.

FIGUEIREDO, R.A. Educação para a Sustentabilidade: novidade ou resgate de significado?. Revista eletrônica Polêmica. v.12. n. 2. p. 830-845. Abr/Jun de 2013.

GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. Campinas, São Paulo: Papirus, 1995.

GUIMARÃES, M. A Formação de Educadores Ambientais. Campinas, São Paulo: Papirus, 2007.

GUIMARÃES, M; VASCONCELOS, M. M.N. Relação entre Educação Ambiental e Ciências na Complementariedade dos Espaços Formais e não Formais de Educação. Revista Educar. n.27, p. 1477-162. Editora UFPR, 2006.

HENRIQUES, R. et al. Educação Ambiental: aprendizes de sustentabilidade. Cadernos SECAD. V. 1. Secretaria de Educação continuada, alfabetização e diversidades. Ministério da Educação. Brasília: DF, 2007.

IMBACH, A.A; VIDAL, A. How Inter-institutional Net Works Transform Landescapes: lessons fron latin America on advancing forest landscape restoration. Gland. Switzerland: IUCN. 2019. p.94.

MORAES, L.E; GENEBRA, M.J.F. O Ensino de Física Ambiental: análise do potencial pedagógico de espaços não formais de educação. In: SOUZA, R.D; ANGOTTI, J.A.P (org). Reflexão em Ensino de Ciências. v.1, p. 10-20. Curitiba: Atena, 2016.

RAFAELA, B. et al. O Parque Zoobotânico Arruda Câmara e a Alfabetização Ecológica do Cidadão-Turista. Revista Campo do Saber. v. 2, n. 2. Jul/Dez de 2016. p. 130-143.

ROOS, A.; BECKER, E.L.S. Educação Ambiental e Sustentabilidade. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental. v.5. n.5. 2012. p. 857-866.

SANTOS, M.C; FLORES, M.D; ZANIN, E.M. Trilhas Interpretativas como Instrumento de Interpretação, Sensibilização e Educação Ambiental na APAE de Erechim/RS. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI. Vol. 7, n. 13, p. 189-197. Outubro/2017.

ZALASIEWICZ, J; BARRY, T.L; WILLIAMS, M.; CANTRIL, D.J. Are We Now Living in the Antropocene?. GSA Today. Vol. 8, n. 2, p. 4-8. Fevereiro, 2008. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/235697307>. Acesso em: 27 de agosto de 2019.

Downloads

Publicado

2020-05-26

Como Citar

Fonseca, E. da C., & Silva , Y. B. . (2020). Inovações na implementação da Base Nacional Comum Curricular: uma análise sobre o Bioparque da Amazônia. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(3), 217–228. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10220

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2020-01-24
Aceito em 2020-02-10
Publicado em 2020-05-26