Reflexões sobre as práticas de Educação Ambiental em espaços de educação formal, não-formal e informal

  • Alini Nunes de Oliveira Universidade Federal do Paraná.
  • Fabiane de Oliveira Domingos Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) – campus Apucarana.
  • Tatiana Colasante Universidade Federal do Maranhão (UFMA) – campus São Bernardo
Palavras-chave: Educação ambiental, Educação formal, Educação não-formal, Educação informal

Resumo

A discussão sobre a temática ambiental é essencial, devendo se apresentar permanentemente nos espaços de educação, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, ou seja, formal, informal e não-formal. O objetivo deste artigo é analisar em quais modalidades do processo educativo a temática ambiental é contemplada. Esta pesquisa foi realizada a partir de pesquisa bibliográfica e documental para construção do referencial teórico. A partir dos resultados obtidos, conclui-se que é pertinente que os temas relacionados ao meio ambiente possam e devam ser abordados em todos os espaços educacionais, pois abrangem pessoas diferentes, em situações diversas e ampliam a discussão sobre os temas.

Referências

BARBOSA, R. C. M. Fundamentos da Pedagogia Social. Valinhos: 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base nacional comum curricular: educação é a base. Brasília: MEC/SEB, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 2 de outubro de 2018.

BRASIL. Lei n° 9795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 2 de novembro de 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf>. Acesso em: 5 de outubro de 2018.

BRUNO, A. Educação formal, não formal e informal: da trilogia aos cruzamentos, dos hibridismos a outros contributos. Mediações, v. 2, n. 2, p. 10-25, 2014.

CAVACO, C. J. D. Processo de formação de adultos não escolarizados – a educação informal e a formação experiencial. Dissertação (Mestrado em Ciência da Educação). Universidade de Lisboa, Portugal, 2001. Disponível em: <https://repositorio.ul.pt/handle/10451/28081>. Acesso em: 20 de novembro de 2018.

COIMBRA, F. G.; CUNHA, A. M. O. A Educação Ambiental não formal em unidades de conservação: a experiência do Parque Municipal Vitório Siquierolli. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 5., Bauru, 2005. Anais... Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Bauru, 2005. Disponível em: . Acesso em: 3 de outubro de 2018.

DEPERON, M. L. S. Educação Ambiental, ética e cidadania planetária. In: HAMMES, V. S. Construção da proposta pedagógica. São Paulo: Embrapa/Globo, 2004. p. 42-45.

FERRAZ, J. M. G. Educação Ambiental e mudança de valores. In: HAMMES, V. S. Proposta metodológica de macroeducação. São Paulo: Embrapa/Globo, 2004. p. 150-152.

GADOTTI, M. A questão da educação formal/não-formal. Institut International des Doits de L’enfant (IDE). Droit à l’éducation: solution à tous les problèmes ou problème sans solution? Sion, 2005. Disponível em: <http://bit.do/eSJtP>. Acesso em: 2 de novembro de 2018.

GOHN, M. da G. Educação Não-Formal na pedagogia social. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA SOCIAL, 1., São Paulo, 2006. Anais... Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: . Acesso em: 3 de outubro de 2018.

LAYRARGUES, P. P. Para onde vai a Educação Ambiental? O cenário político-ideológico da Educação Ambiental brasileira e os desafios de uma agenda política crítica contra-hegemônica. Revista Contemporânea de Educação, v. 7, n. 14, p. 388-411, ago./dez. 2012.

LOUREIRO, C. F. B. Abordagens metodológicas em Educação Ambiental. In: ARAÚJO, M. L.; SILVA, M. L. (Orgs.). Múltiplas falas, saberes e olhares: os Encontros de Educação Ambiental no Estado do Pará. Belém: SECTAM, 2005. p. 85-103.

MEYER, M. A. de A. Educação Ambiental: uma proposta pedagógica. Em Aberto, Brasília, v. 10, n. 49, p. 41-46, jan./mar. 1991.

OLIVEIRA, E. M. de. A crise ambiental e suas implicações na produção do conhecimento. In: QUINTAS, J. S. (Org.). Pensando e praticando a Educação Ambiental na gestão do meio ambiente. Brasília: IBAMA, 2002. p. 75-90.

PAULA, E. M. A. T. Educação Popular, Educação Não Formal e Pedagogia Social: Análise de conceitos e implicações para a Educação Brasileira e Formação de professores. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 9., 2006. Anais... Pontifícia Universidade Católica, Curitiba, 2006. Disponível em: <https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2009/2103_1034.pdf>. Acesso em: 3 de outubro de 2018.

REIGOTA, M. Fundamentos teóricos para a realização da Educação Ambiental popular. Em Aberto, Brasília, v. 10, n. 49, p. 35-40, jan./mar. 1991.

REIS, L. C. L. dos; SÊMEDO, L. T. de A. S.; GOMES, R. C. Conscientização Ambiental: da Educação Formal a Não Formal. Revista Fluminense de Extensão Universitária, Vassouras, v. 2, n. 1, p. 47-60, jan./jun. 2012.

Publicado
2020-12-03
Como Citar
Oliveira, A. N. de, Domingos, F. de O., & Colasante, T. (2020). Reflexões sobre as práticas de Educação Ambiental em espaços de educação formal, não-formal e informal. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(7), 9-19. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10064
Seção
Artigos