Microagresiones raciales en ciencias exactas

Un análisis de las experiencias de estudiantes de la Universidad Federal de Alfenas

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.34024/prometeica.2023.27.15320

Palabras clave:

raza, racismo, ciencias exactas, educación matemática

Resumen

En este artículo presentamos los resultados de una investigación en la que buscamos identificar las experiencias de estudiantes del área de Ciencias Exactas con microagresiones raciales. El público objetivo de la investigación estuvo compuesto por estudiantes beneficiarios de acciones afirmativas matriculados en cursos del área de Ciencias Exactas de la Universidad Federal de Alfenas (n=390) que respondieron a un instrumento denominado Escala de Experiencias Académicas, Sociales y de Supervivencia en el ámbito de las Exactas (EASS-Exactas). Para el análisis, utilizamos correlaciones y Spearman, prueba de significancia chi-cuadrado y Análisis de Componentes Principales (ACP). Los resultados indican que los estudiantes con edades entre 20 y 30 años identifican con mayor claridad aspectos relacionados con las microagresiones raciales. Además, los estudiantes auto declarados negros fueron aquellos que experimentaron de forma más intensa las microagresiones raciales, incluso con puntuaciones superiores a los estudiantes auto declarados pardos, que también forman parte del grupo de estudiantes negros en Brasil. Esto evidencia que el color de piel está directamente relacionado con las experiencias de racismo y microagresiones raciales vividas por los estudiantes. A pesar de superar la barrera del acceso, los estudiantes negros de cursos de exactas siguen enfrentando el desafío de sobrevivir académicamente debido a la violencia estructural que experimentan durante su trayectoria en el curso y en la universidad.

Métricas

Cargando métricas ...

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Guilherme Henrique Gomes da Silva, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Docente do Departamento de Matemática do Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), câmpus de Rio Claro. Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática (PPGEM) desta mesma instituição e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG).Possui doutorado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), câmpus de Rio Claro, mestrado em Educação Matemática e especialização em Matemática Universitária pela mesma instituição. Realizou estágio de doutoramento na Rutgers, the State University of New Jersey, em Newark, Estados Unidos. Em 2017, recebeu Menção Honrosa, outorgada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) no Prêmio CAPES de Teses - 2017, na área de Ensino. Utilizando a perspectiva da Educação Matemática Crítica, desenvolve pesquisas relacionadas à formação inicial e continuada de professores que ensinam matemática na perspectiva da Educação Matemática Crítica e também pesquisas focadas em problematizar (e desafiar) questões de justiça e injustiça social no âmbito da Educação Matemática.

Citas

Almeida, S. L. (2019). Racismo estrutural. Editora Jandaíra.

BRASIL (2012). Lei 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF.

Cavalcanti, I. T. D. N., Andrade, C. S. M., Tiryaki, G. F., & Costa, L. C. C. (2019). Desempenho acadêmico e o sistema de cotas no ensino superior: evidência empírica com dados da Universidade Federal da Bahia. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), 24, 305-327.

Ferreira, D. F. (2018). Estatística multivariada. Lavras: Editora Ufla.

Harris, T. M., Janovec, A., Murray, S., Gubbala, S., & Robinson, A. (2018). Communicating racism: A study of racial microaggressions in a southern university and the local community. Southern Communication Journal, 84(2), 72-84.

IBGE. Pesquisa das Características Étnico-Raciais da População: um estudo das categorias de classificação de cor ou raça: 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

Maximo, R. O.; Gandolfi, P. E.; Lopes, J. E. F. (2020). Cotas Universitárias: Estudo do Desempenho Acadêmico na Graduação após a implementação da Política de Cotas na Universidade Federal de Uberlândia. Revista Educação e Políticas em Debate, 9(3), 636-654.

Mingoti, S. A. (2007). Análise de dados através de métodos estatística multivariada: uma abordagem aplicada. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Ong, M., Smith, J. M., & Ko, L. T. (2018). Counterspaces for women of color in STEM higher education: Marginal and central spaces for persistence and success. Journal of Research in Science Teaching, 55(2), 206-245.

Lopes, R. A. (2022). A Lei de Cotas na UNIFAL-MG: alcance no ingresso e implicações para a integração social e acadêmica de estudantes das ciências exatas (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Alfenas.

Lopes, R. A., & Silva, G. H. G. (2022). Alcance na admissão de estudantes pela Lei de Cotas: o caso da Universidade Federal de Alfenas. Education Policy Analysis Archives 30(60), 1-24.

Passos, J. C. D. (2015). Relações raciais, cultura acadêmica e tensionamentos após ações afirmativas. Educação em Revista, 31, 155-182.

Queiroz, D. M., & Santos, C. M. D. (2016). As mulheres negras brasileiras e o acesso à educação superior. Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, 25(45), 71-87.

R Core Team, R. (2021). R: A language and environment for statistical computing. https://www.R-project.org

Santos, D. B. R. (2009). Para além das cotas: a permanência de estudantes negros no ensino superior como política de ação afirmativa (tese de doutorado). Universidade Federal da Bahia.

Siegel, S., & Castellan Jr, N. J. (2017). Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. Artmed Editora.

Silva, G. H. G., & Powell, A. B. (2016). Microagressões no ensino superior nas vias da educação matemática. Revista Latinoamericana de Etnomatemática Perspectivas Socioculturales de la Educación Matemática, 9(3), 44-76.

Silva, G. H. G. (2016). Equidade no acesso e permanência no ensino superior: o papel da educação matemática frente às políticas de ações afirmativas para grupos sub-representados (tese de doutorado). Universidade Estadual Paulista.

Silva, G. H. G. (2017). Educação matemática e ações afirmativas: possibilidades e desafios na docência universitária. Cadernos de Pesquisa, 47, 820-846.

Silva, G. H. G. (2019). Ações afirmativas no ensino superior brasileiro: caminhos para a permanência e o progresso acadêmico de estudantes da área de ciências exatas. Educação em Revista, 35 (e170841), 1-29.

Solórzano, D., Ceja, M., & Yosso, T. (2000). Critical race theory, racial microaggressions, and campus racial climate: The experiences of African American college students. Journal of Negro Education, 60-73.

Descargas

Publicado

2023-07-27

Cómo citar

Lopes, R. A., & Silva, G. H. G. da . (2023). Microagresiones raciales en ciencias exactas: Un análisis de las experiencias de estudiantes de la Universidad Federal de Alfenas. Prometeica - Revista De Filosofía Y Ciencias, (27), 389–399. https://doi.org/10.34024/prometeica.2023.27.15320
##plugins.generic.dates.received## 2023-07-07
##plugins.generic.dates.published## 2023-07-27

Artículos similares

> >> 

También puede {advancedSearchLink} para este artículo.