Abordagem fisioterapêutica nas disfunções sexuais femininas

Autores

  • Reny de Souza Antonioli Fisioterapeuta, Centro Universitário Serra dos Órgãos - UNIFESO, Teresópolis-RJ, Brasil.
  • Danyelle Simões Fisioterapeuta, Especialista em Fisioterapia da Mulher e Fisioterapia Dermato-Funcional, Professora Adjunta do Centro Universitário Serra dos Órgãos - UNIFESO, Teresópolis-RJ, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8489

Palavras-chave:

Vida Sexual, Mulheres, Reabilitação

Resumo

As disfunções sexuais constituem um problema que afeta a qualidade de vida de muitas mulheres. Dentre elas destacamos a dor pélvica crônica, a anorgasmia secundária, o vaginismo e a dispareunia como as principais manifestações anormais mais comumente encontradas. É importante ressaltar que a incidência das disfunções é difícil de ser determinada visto que muitas mulheres não procuram atendimento. Em contrapartida, as que se mobilizam e vão a uma consulta, têm encontrado poucas opções de tratamento, não incentivando as que não buscam. Com isso, a fisioterapia começa a despontar como uma nova alternativa para amenizar o problema. Assim, o objetivo desse artigo é descrever as principais alternativas fisioterapêuticas que visam minimizar as disfunções sexuais mais encontradas nas mulheres. Para tal, foi realizada uma revisão da literatura incluindo livros, periódicos, impressos e eletrônicos de 1993 a 2008 para embasamento do artigo. Observou-se que a fisioterapia constitui uma opção viável e que, juntamente com as outras opções terapêuticas pode auxiliar no restabelecimento de uma vida sexual saudável das mulheres afetadas.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ferreira ALCG, Souza AI, Amorim MMR. Prevalência das disfunções sexuais femininas em clínica de planejamento familiar de um hospital escola no Recife, Pernambuco. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. 2007; 7: 143-50.

Tariq SH, Morley JE. Maintaining sexual function in older women: physical impediments and psychosocial issues. Women’s Health in Primary Care 2003;6:157-62.

West SL, Vinikoor LC, Zolnoum. A systematic review of the literature on female sexual dysfunction prerevalence and predictors. Annu Rev Sex Res. 2004;15:40-172.

Abdo CH, Oliveira WM, Moreira ED, Fittipaldi JAS. Prevalence of sexual dysfunction and correlated conditions in a sample of brazilian women: results of the Brazilian study on sexual behavior (BSSB). Int J Impot Res. 2004;16: 160-6.

Berman L, Berman J, Felder S, Pollets D, Chhabra S, Miles M, et al. Seeking help for sexual function complaints: what gynecologists need to know about the female patient’s experience. Fertil Steril. 2003;79:572-6.

Lara LAS, Silva ACJSR, Romão APMS, Junqueira FRR. Abordagem das disfunções sexuais femininas. Rev Bras Ginecol Obstet. 2008;30:312-21.

Thiel R, Thiel M, Palma, P. Urologia Feminina e Medicina Sexual: O que os médicos precisam saber. Prática Hospitalar 2008; 10:56:37-9.

Medeiros MW, Braz MM. Efeitos da fisioterapia no aprimoramento da vida sexual feminina (tese). Tubarão: Universidade do Sul de Santa Catari-na, UNISUL, 2005, 19p.

Berek JS, Adash EY, Hillard PA. Tratado de ginecologia. 12ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1998, p.205-16.

Halbe HW. Tratado de ginecologia. 3ª. ed. São Paulo: Roca, 2000, p.1923-52.

Viana LC, Martins M, Gerber S. Ginecologia. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2000, p.261-75.

Lopes GP, Claro JA, Rodrigues OM. Disfunções Sexuais Femininas. International Braz J Urol 2003;29:29-34.

Abdo CHN, Fleury HJ. Aspectos diagnósticos e terapêuticos das disfunções sexuais femininas. Rev. Psiq. Clín. 2006;33;162-7.

Stephenson RG.; O’Connor LJ. Fisioterapia aplicada à ginecologia e obstetrícia. 2ª. ed. São Paulo: Manole, 2004, p.93-106.

Berman JR, Berman LA. Female sexual function and dysfunction. In: 97th Annual Meeting, Orlando, EUA, 2002, p.1-17.

Pablo C, Soares C. As disfunções sexuais femininas. Rev Port Clin Geral 2004;20:357-70.

Grosse D, Sengler J. Reeducação Perineal. São Paulo: Manole, 2002, 143p.

Lopes G, Goodson L, Cavalcanti S. Sexologia e Ginecologia. Rio de Janeiro: Medsi; 1995, p.37-159.

Medeiros MW, Braz MM, Brongholi K. Efeitos da fisioterapia no aprimoramento da vida sexual feminina. Rev. Fisioterapia Brasil 2004;5:188-93.

Rabelo ALG. Proposta de tratamento fisioterapêutico através de exercícios perineais para mulheres com anorgasmia secundária. Rev. Fisiobrasil 2003;57:6-11.

Molina M, Rojas E, Escobar D. Dolor pelvico cronico: Un desafío interesante. Fronteras en Obstetricia y Ginecología. Julio 2002;2:32-9.

Abdo CHN. Sexualidade Humana e Seus Transtornos. 2ª.ed. São Paulo: Lemos, 2000, 238p.

Morris E, Mukhophadyay S. Dyspareunia in gynaecological practice. Current Obstretics e Gynaecology 2003; 13:232-8.

Paciornik, M. Aprenda a nascer e a viver com os índios: parto de cócoras, desempenho sexual e ginástica indiana. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 1997, 160p.

Matheus LM, Mazzari CF, Mesquita RA, Oliveira J. Influência dos exercícios perineais e dos cones vaginais, associados à correção postural, no tratamento da incontinência urinária feminina. Rev. bras. Fisioter. 2006;10: 387-92.

Seleme M.. Diálogo Profissional sobre uroginecologia. Fisio & Terapia 2002;33:20-3.

Polden M, Mantle J. Fisioterapia aplicada à ginecologia e obstetrícia. São Paulo: Santos, 1993, 422p.

Belo, J. Francisco E, Leite H, Catarino A. Reeducação do pavimento pélvico com cones de plevnik em mulheres com incontinência urinária. Acta Méd Port 2005;18:117-22.

Silva APS, Silva JS. A importância dos músculos do assoalho pélvico feminino sob uma visão anatômica. Rev. Fisioter Bras 2003;4:205-11.

Kubagawa LM, Pellegrini JRF, Lima VP, Moreno AL. A eficácia do tratamento fisioterapêutico da incontinência urinária masculina após prostatectomia. Rev Bras Cancerol 2006;52:179-83.

Baracho E. Fisioterapia aplicada à obstetrícia: Aspectos de ginecologia e neonatologia. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2002, p.465-9.

Downloads

Publicado

2010-06-30

Como Citar

Antonioli, R. de S., & Simões, D. (2010). Abordagem fisioterapêutica nas disfunções sexuais femininas. Revista Neurociências, 18(2), 267–274. https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8489

Edição

Seção

Revisão de Literatura
##plugins.generic.dates.received## 17/02/2019
##plugins.generic.dates.published## 30/06/2010

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.