Escalas clínicas e funcionais no gerenciamento de indivíduos com Lesões Traumáticas da Medula Espinhal

Autores

  • Marco Antonio Orsini Neves Fisioterapeuta, Professor Adjunto de Neurologia Clínica da Fundação Educacional Serra dos Órgãos – FESO, Teresópolis e Assistente Voluntário do Serviço de Neurologia (Setor de Doenças Neuromusculares), Universidade Federal Fluminense
  • Mariana Pimentel de Mello Graduandos em Fisioterapia e Estagiários do Serviço de Neurologia da Fundação Educacional Serra dos Órgãos, FESO, Teresópolis
  • Reny de Souza Antonioli Graduandos em Fisioterapia e Estagiários do Serviço de Neurologia da Fundação Educacional Serra dos Órgãos, FESO, Teresópolis
  • Marcos R.G de Freitas Professor Titular de Neurologia Clínica e Chefe do Serviço de Neurologia da UFF

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2007.v15.8693

Palavras-chave:

Traumatismos da medula espinhal, Escalas, Avaliação

Resumo

A utilização de perfis, medidas e indicadores de avaliação pa­dronizados na avaliação e acompanhamento de indivíduos com deficiências e incapacidades decorrentes de lesões traumáticas da medula espinhal é consenso nas sociedades médicas e entidades es­pecializadas de áreas afins. A dificuldade, entretanto, é selecionar uma classificação que permita uma avaliação específica do déficit neurológico e a mensuração do nível de independência funcional dos pacientes. Com tal objetivo o presente estudo utilizou a esca­la estabelecida pela Associação Americana de Lesões Medulares (ASIA) e associou-a a Medida de Independência Funcional (MIF), em um paciente com lesão traumática da medula espinhal por arma de fogo, dando enfoque a avaliação e o impacto da lesão medular nas atividades básicas e instrumentais de vida diária.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lianza S. Órtese de propulsão recíproca modelo argo método de avaliação, tratamento e análise de resultados na reeducação da locomoção em pacientes com lesão medular. Tese apresentada ao curso de pós graduação da faculdade de medicina da Santa Casa de São Paulo. São Paulo; 1997, p. 27.

Cafer CR. Diagnósticos de enfermagem e proposta de intervenções para pacientes com lesão medular. [Dissertação - Mestrado] São Paulo(SP): Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo; 2003.

Bromley I. Paraplegia e tetraplegia: Um guia teórico-prático para fisioterapeutas, cuidadores e familiares. 4ª ed. Rio de Janeiro: Revinter; 1997, p. 267.

Flores LP, Filho JSN, Neto AP, Suzuki K. Fatores prognósticos do trauma raquimedular por projetil de arma de fogo em pacientes submetidos a laminectomia. Arq Neuropsiquiatr 1999;57(3-B):836-42.

Cheryl A, Muszynsky KN. Surgical management of penetrating injuries to the spine. In: Schimidek HH, Sweet WH (eds). Operative neurosurgical techniques. 3a ed. Philadelphia: Saunders, 1995. pp. 1971-80.

Walters RL, Adkins RH, Yakura J, Sie I. Profiles of spinal cord injury and recovery after gunshot injury. Clin Orthop 1991;26:14-21.

Silva MRS, Oliveira RJ, Conceição MIG. Efeitos da natação sobre a independência funcional de pacientes com lesão medular. Rev Bras Med Esporte 2005;11(4):251-6.

Kirshblum S. New rehabilitation interventions in spinal cord injury. J Spinal Cord Med 2004;27:342-50.

Filho TEPB. Avaliação padronizada nos traumatismos raquimedulares. Rev Bras Ortop 1994;29(3):99-106.

Marotta JT. Lesões medulares. In: Rowland LP. Merrit – Tratado de neurologia. 10a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002. pp. 362-8.

Maynard FM Jr, Bracken MB, Creasey G, Ditunno JF Jr, Donovan WH, Ducker TB, et al. International standards for neurological and functional classification of spinal cord injury. American Spinal Injury Association. Spinal Cord 1997;35:266-74.

Delfino HLA. Trauma raquimedular. Rev Med (Ribeirão Preto) 1999;32:388-400.

Williams BC, Fries BE, Warren RL. Predicting patient scores between the functional independence measure and minimum data set: develo1.

pment and performance of a FIM-MDS “Crosswalk”. Arch Phys Med Rehabil 1997;78:48-54.

Granger CV, Hamilton BB, Linacre JM, Heinemann AW, Wright BD. Performance profiles of the functional independence measure. Am J Phys Med Rehabil 1993;72:84-9.

Frankel HL, Hancock DO, Hyslop G, Melzak J, Michaelis L, Ungar GH, et al. The value of postural reduction in the initial management of closed injuries of the spine with paraplegia and tetraplegia. Paraplegia 1969;7:179-92.

Tator CH, Rowed DW, Schwartz ML (eds). Sunnybrook Cord Injury Scales for Assessing Neurological Injury and Neurological Recovery in Early Management of Acute Spinal Cord Injury. New York: Raven Press; 1982, vol. 2, pp. 7-24.

Donovan WH, Bedbrook G. Comprehensive management of spinal cord injury. Clin Symp 1992;34:42.

Hanak M, Scott A. Spinal Cord Injury: An Illustrated guide For Healthcare professionals. New York: Springer Publishing Co; 1983. pp. 120-8.

Bosch A, Stauffer ES, Nickel VL. Incomplete traumatic quadriplegia: A 10-year review. JAMA 1971;216:473-8.

Keith RA, Granger CV, Hamilton BB, Sherwin FS. The functional independence measure: A new tool for rehabilitation. In: Einseberg MG, Grzesiak RC (eds). Advances in Clinical Rehabilitation, vol 1. New York: Springer–Verlag, 1987. pp. 6-18.

Hamilton BB, Laughlin JA, Fiedler RC, Granger CV. Interrater reliability of the 7-level functional independence measure (FIM). Scan J Rehabil Med 1994;26:115-9.

Tasiemski T, Bergström E, Savic G, Gardner BP. Sports, recreation and employment following spinal cord injury — a pilot study. Spinal Cord 2000;38:173-84.

Uribe J, Vanni S, Jagid J, Guest JD, Levi AD. Acute traumatic central cord syndrome-experience using surgical decompression with open-door expansile cervical laminoplasty. Surg Neurol 2005;63(6):505-10.

Wirz M, Zemon DH, Rupp R, Scheel A, Colombo G, Dietz V, et al. Effectiveness of automated locomotor training in patients with chronic incomplete spinal cord injury: a multicenter trial. Arch Phys Med Rehabil 2005;86(4):672-80.

Ottenbacher KJ, Hsu Y, Granger CV, Fiedler RC. The reliability of the Functional Independence Measure: a quantitative review. Arch Phys Med Rehabil 1996;77:1226-32.

Riberto M, Miyazaki MH, Pinto PPN, Juca SSH, Battistella LR. Validação da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta fisiátrica 2004;11(2):72-6.

Greve JMD, Casalis MEP, Barros Filho TEP. Diagnóstico e tratamento da lesão da medula espinal. São Paulo: Roca; 2001. pp. 87-92.

Aarabi B, Alibaii E, Taghipur M, Kamparkur A. Comparative study of functional recovery for surgically explored and conservatively managed spinal cord missile injuries. Neurosurgery 1996;39:1133-40.

Wijlhuizen GJ, Ooijendijk W. Measuring disability, the agreement between self evaluation and observation of performance. Disabil Rehabil 1999;21:61-7.

Seel RT, Kreutzer JS, Sander AM. Concordance of patients and family members ratings of neurobehavioral functioning after traumatic brain injury. Arch Phys Med Rehabil 1997;78:1254-9.

Downloads

Publicado

2007-09-30

Como Citar

Neves, M. A. O., Mello, M. P. de, Antonioli, R. de S., & Freitas, M. R. de. (2007). Escalas clínicas e funcionais no gerenciamento de indivíduos com Lesões Traumáticas da Medula Espinhal. Revista Neurociências, 15(3), 234–239. https://doi.org/10.34024/rnc.2007.v15.8693

Edição

Seção

Revisão de Literatura
##plugins.generic.dates.received## 01/03/2019
##plugins.generic.dates.published## 30/09/2007

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >> 

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.