Sistema de Gestão Integrado de Qualidade e Ambiental para Implantação de Equipamentos Facilitadores em cavernas turísticas

  • Blanche Sousa Levenhagen Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, SP
  • Heros Augusto Santos Lobo Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, SP
Palavras-chave: Espeleoturismo; Conservação; Ecologia; Caverna; Plano de Manejo Espeleológico

Resumo

Este artigo traz os principais resultados da dissertação de mestrado que analisou o documento técnico denominado Projeto Conceitual para Equipamentos Facilitadores em Cavernas Turísticas (PC). O PC foi um desdobramento dos Planos de Manejo Espeleológico (PMEs), cujo objetivo foi estabelecer procedimentos para instalação de equipamentos facilitadores (pontes, escadas, passarelas etc.). A pesquisa de mestrado identificou as lacunas que poderiam inviabilizar a aplicação do PC e, consequentemente, a implantação dos PMEs, bem como propôs estratégias para preencher as lacunas, através da mudança de concepção da construção do PC e a instrumentalização de um Sistema de Gestão Integrado para Implantação de Equipamentos Facilitadores em Cavernas Turísticas em Unidades de Conservação (SGI-IEF). O SGI-IEF consolidou, em formato semelhante ao preconizado nas normas técnicas ABNT ISO 9001 e 14001, a nova concepção do PC baseada no manejo adaptativo. O SGI-IEF é um produto inédito no que tange à gestão de cavernas turísticas, com potencial para influenciar políticas públicas para o manejo de cavernas turísticas em unidades de conservação sob a ótica dos sistemas de gestão de qualidade e ambiental. Este artigo descreve como o SGI-IEF foi construído e apresenta o sistema na íntegra.

Biografia do Autor

Blanche Sousa Levenhagen, Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, SP

Mestre em Sustentabilidade na Gestão Ambiental.

Heros Augusto Santos Lobo, Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, SP

Bacharel em Turismo, Mestre em Geografia, Doutor em Geociências e Meio Ambiente, Professor Doutor do Depto. de Geografia, Turismo e Humanidades da UFSCar-Sorocaba.

Referências

ALMEIDA, C.M.V.B.; GIANNETTI, B.F. Ecologia industrial. São Paulo: Edgard Blücher, 2012. 109p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 26000: Diretrizes sobre responsabilidade social. Rio de Janeiro, 2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 9001: Sistema de Gestão de Qualidade – Requisitos. Rio de Janeiro, 2015a.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 14001: Sistema de Gestão Ambiental – Requisitos com orientação de uso. Rio de Janeiro, 2015b.

BOGGIANI, P. C. et al. Definição de capacidade de carga turística das cavernas do Monumento Natural Gruta do Lago Azul (Bonito, MS). Geociências, v. 26, n.4. p.333-348, 2007.

BORRINI-FEYERABEND, G., N.; DUDLEY, T.; JAEGER, B.; LASSEN, N.; PATHAK BROOME, A.; PHILLIPS, T.; SANDWITH. Governança de Áreas Protegidas: da compreensão à ação. Série Diretrizes para melhores Práticas para Áreas Protegidas, No. 20, Gland, Suiça: UICN. xvi, 124p. 2017

BORSANELLI, F.A.; LOBO, H.A.S. Impactos causados à comunidade local com o fechamento das cavernas turísticas do PETAR em 2008 na visão dos stakeholders envolvidos. In: RASTEIRO, M.A.; SALLUN FILHO, W. (orgs.) Congresso Brasileiro de Espeleologia, 33, 2015. Eldorado. Anais... Campinas: SBE, 2015. p.719-727.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Publicação DOU: 19 de julho de 2000.

BRASIL. Resolução CONAMA n. 347 de 10 de setembro de 2004. Dispõe sobre a proteção do patrimônio espeleológico. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA. Publicação DOU: 13 de setembro de 2004.

CROXTON K. L. et al. The Demand Management Process. In: LAMBERT, D. M. Supply chain management: processes, partnerships, performance. Florida: Supply Chain Management Institute, p. 87-104, 2008.

FERREIRA, A.R.R.; LOBO, H.A.S.; PERINOTTO, J.A.J. Inventory and Quantification of Geosites in the State Tourist Park of Alto Ribeira (PETAR, São Paulo State, Brazil). Geoheritage, v.11, p.783-792, 2018.

FORD D.; WILLIAMS P. Karst hydrogeology and geomorphology. John Wiley & Sons, Chichester, 2007. 578 p.

GARCIA, M.G. et al. The Inventory of Geological Heritage of the State of São Paulo, Brazil: Methodological Basis, Results and Perspectives. Geoheritage. n.10, p. 239-258, 2018.

GILLIESON, D. S. Management of caves. In BEYNEN. Philip E van (org). Karst Management. Springer, Netherlands, 2011.p. 141-158.

ISAIA, G. C. Materiais de Construção Civil e Princípios de Ciência e Engenharia de Materiais. Editora IBRACON, 3º ed. São Paulo, 2017. Volume1. 1760 p.

KARMANN, I.; FERRARI, J.A. Carste e cavernas do Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR), SP. In: SCHOBBENHAUS, C.; CAMPOS, D.A.; QUEIROZ, E.T.; WINGE,M.; BERBERT-BORN, M.L.C. (Orgs.) Sítios geológicos e paleontológicos do Brasil. 1.ed. Brasilia: DNPM/CPRM - Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos (SIGEP), 2002. p.401-413.

KARMANN, I.; SANCHEZ, L. E. Distribuição das rochas carbonáticas e províncias espeleológicas do Brasil. Espeleo-Tema, v. 13, p. 105-167, 1979.

KRAVCHENKO, G. A. et al. Aplicação de princípios da ecologia industrial nas empresas moveleiras de Goiás. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental. vol.21 nº.2 Rio de Janeiro, Apr./June 2016.

LOBO, H. A. S.; SCALEANTE, J. A. B.; RASTEIRO, M. A. ; CAMARGO, T. C. R.;.ZAGO, S.; SANTOS, V. Método para a classificação do grau de dificuldade em roteiros espeleoturísticos. Congresso Brasileiro de Espeleologia, 31, 2011. Ponta Grossa - PR. Anais 31º de 21-24 de julho de 2011. Ponta Grossa: CBE, 2011. p. 181-188. Disponível em: <http://www.cavernas.org.br/anais31cbe/31cbe_181-188.pdf>. Acesso em: 04/11/2018

MARRA, R.J.C. Espeleo turismo: planejamento e manejo de cavernas. Brasília: WD Ambiental, 2001. 224 p.

SÃO PAULO (Estado). Fundação Para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo. Plano de Manejo Espeleológico do Parque Estadual Intervales. São Paulo. 2014a.

SÃO PAULO (Estado). Fundação Para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo. Plano de Manejo Espeleológico do Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira. São Paulo. 2014b

SÃO PAULO (Estado). Fundação Para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo. Plano de Manejo Espeleológico do Parque Estadual do Rio Turvo. São Paulo. 2014c.

SÃO PAULO (Estado). Fundação Para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo. Plano de Manejo Espeleológico do Parque Estadual da caverna do Diabo. São Paulo. 2014d.

SÃO PAULO (Estado). Fundação Para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo. Termo de Referência para contratação de serviço especializado em espeleologia, objetivando garantir excelência técnica para subsidiar a implantação de estruturas no interior de cavernas. São Paulo. 2015 (documento interno).

SILVERIO, M. O. Atuação da arquitetura no uso público das cavernas: conceitos, métodos e estratégias para ocupação: Cavernas do Diabo/SP, 2014. 255 f. Dissertação (Mestrado em Projeto de Arquitetura: teoria e método) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2014.

TRAJANO, E.; BICHUETTE. M.E. Biologia subterrânea: Introdução. São Paulo: Redespeleo, 2006. 92p

Publicado
2020-07-20
Como Citar
Levenhagen, B. S., & Lobo, H. A. S. (2020). Sistema de Gestão Integrado de Qualidade e Ambiental para Implantação de Equipamentos Facilitadores em cavernas turísticas. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 13(3). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2020.v13.9437