Avaliação Preliminar de Risco (APR) em atividades ecoturísticas na trilha do Pico da Tijuca, Parque Nacional da Tijuca (RJ)

  • Cristiane Ribeiro Fragoso Neves Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Vivian Castilho da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
Palavras-chave: Unidades de Conservação. Segurança pública. Ecoturismo, Protected areas. public use of trails. Ecotourism.

Resumo

Este trabalho tem como foco analisar e mensurar quais são os riscos ambientais e de segurança que os visitantes estão sujeitos ao realizarem caminhadas na trilha do Pico da Tijuca no Parque Nacional da Tijuca (PNT), situada na cidade do Rio de Janeiro aplicando a técnica de Análise Preliminar de Riscos (APR), como também foi realizado entrevistas com usuários da trilha do Pico da Tijuca, funcionários do PNT e guia de turismo. O método APR na trilha para o Pico da Tijuca corroborou para identificar que o principal risco que pode ocorrer com os usuários na trilha é a queda, além de perder-se, escorregar, torcer o pé, queda de troncos e galhos das árvores, assaltos e picadas de animais peçonhentos. A partir dos resultados, pode-se concluir que caminhadas na trilha para o Pico da Tijuca oferecem riscos de acidentes, apesar do risco de violência ainda ser considerado irrelevante por seus usuários. A análise sistemática e regular da trilha por meio da aplicação da APR é um instrumento que pode contribuir para o desenvolvimento de um plano de manutenção e gestão da trilha, prevenindo a ocorrência de incidentes ou acidentes com usuários.

Referências

AZEVEDO, A.L. Caminhos perigosos: Selva urbana. O Globo: RIO. Rio de Janeiro, 08 out. 2017. p. 12-13.

CARVALHO, G.C.D. Análise de riscos aos usuários de trilhas no Parque Nacional da Serra dos Órgãos. Monografia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: <http://www.if.ufrrj.br/inst/monografia/2006II/Monografia%20Giovana %20Cristina%20Dias%20de%20Carvalho.pdf>. Acesso em: 06 ago. 2018.

COSTA, B.C. Análise de trilha e sugestões de boas práticas. Electronic Journal of Management, Education and Environmental Technology (REGET), v.7, n. 7, p. 1461-1478, 2012.

FEDERAÇÃO DE ESPORTES DE MONTANHA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - FEMERJ (Rio de Janeiro). Metodologia de Classificação de Trilhas. 2015. Http://www.femerj.org/. Disponível em: <http://www.femerj.org/wp-content/uploads/ classifica%C3%A7%C3%A3o-trilhas-v6.1.pdf>. Acesso em: 02 out. 2018.

GLOBOSAT. Série Sobre Rochas: Pico da Tijuca, Papagaio e Archer. Rio de Janeiro: Roberto Faissal, 2014. Disponível em: <https://globosatplay.globo.com/globosat/v/3670713>. Acesso em: 28 mai. 2018.

GUERRA, Flávio; CARVALHO, Giovana Cristina Dias de; MORGADO, Cláudia do Rosário Vaz; MEDEIROS, Rodrigo. Avaliação de riscos aos usuários de trilhas no Parque Nacional da Serra dos Órgãos. Revista Espaço e Geografia, v. 11, n. 1, 2008.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE (ICMBio). Gestão. 2018d. Disponível em: <http://www.parquedatijuca.com.br /#gestao> Acesso em: 12 out. 2018.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE (ICMBio). Setor Floresta. 2018c. Disponível em: <http://parquenacionaldatijuca.rio /#setor?id=1> Acesso em: 12 out. 2018.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE (ICMBio). Pico da Tijuca. 2018b. Disponível em <http://www.parquedatijuca.com.br/ #atracao?id=44>. Acesso em: 28 mai. 2018.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. (ICMBio). Ministério do Meio Ambiente (Org.). Visitação nos parques nacionais cresce 20% em 2017. 2018a. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/ portal/ultimas-noticias/20-geral/9484-visitacao-nos-parques-cresce-20-em-2017>. Acesso em: 02 out. 2018.

MORI PINTO, R.M.F.; COSTA, V.C. Ecoturismo e risco ambiental. Territorium, [S.l.], n. 19, p. 227-235, dez. 2012. ISSN 1647-7723.

PAULO, J.R. A Segurança Pública na Atividade de Trilha. O Caso do úcleo Camorim – Parque Estadual da Pedra Branca – OPEP / RJ. I Encontro Fluminense de Uso Público em Unidades De Conservação: Gestão E Responsabilidades, 4, 2016, Niterói-RJ. Anais Eletrônico. Niterói-RJ, 2016. Disponível em: <http://www.uff.br/usopublico/index.php/2016>. Acesso em: 01 set. 2017.

RIO DE JANEIRO AQUI. Setores do Parque Nacional da Tijuca (PNT). Disponível em: <http://www.riodejaneiroaqui.com/figuras1/setores-do-parque-nacional-da-floresta-da-tijuca.jpg>. Acesso em: 23 jan. 2019.

RODRIGO. Mapa de satélite e perfil topográfico da Trilha do Pico da Tijuca (Setor A do PNT). Disponível em: <https://pt.wikiloc.com/trilhas-trekking/pico-da-tijuca-floresta-datijuca-rio-de-janeiro-rj-2762491>. Acesso em: 07 jul.2018.

SIQUEIRA, A.E. et al (orgs.). Guia de campo do Parque Nacional da Tijuca. Rio de Janeiro: UERJ/IBRAG, 2013. Disponível em: <http://parquenacionaldatijuca.rio /files/guia_de_campo_PNT.pdf>. Acesso em: 29 mai. 2018.

VALENTE, J. Turismo em parques nacionais deve crescer 11% neste ano. Disponível em:<http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-11/turismo-em-parques-acionaisdeve-crescer-11-neste-ano>. Acesso em 14 jun. 2018.

Publicado
2019-10-29
Como Citar
Neves, C. R. F., & Costa, V. C. da. (2019). Avaliação Preliminar de Risco (APR) em atividades ecoturísticas na trilha do Pico da Tijuca, Parque Nacional da Tijuca (RJ). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 12(5). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2019.v12.9405