Potencialidades turísticas e aspectos socioambientais em duas comunidades autoidentificadas indígenas no Rio Grande do Norte

  • Jacqueline Cunha de Vasconcelos Martins Universidade Federal Rural do Semiarido, Mossoró, RN
  • Tayse Michelle Campos da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN
  • Alan Martins de Oliveira Universidade Federal Rural do Semiárido, Mossoró, RN
  • Edson Vicente da Silva Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE
  • Ingride Pamilly Ribeiro Araujo de Oliveira Universidade Federal Rural do Semiárido, Mossoró, RN
Palavras-chave: turismo de base comunitária, valorização local, geração de renda, sustentabilidade

Resumo

O processo de invasão e colonização do Brasil ocasionou aos povos nativos perda de numerosa população, de grande parte da diversidade cultural e de extensos territórios. Especialmente no Nordeste, onde iniciou esse processo, tais fatores contribuíram para as mudanças socioculturais das populações indígenas, hoje chamadas de “miscigenadas”. Todavia, com a autoidentificação no Censo de 2010, é crescente o número de comunidades que tem integrado o movimento indígena por reconhecimento e direitos. O desenvolvimento de projetos de etnoturismo pode contribuir para o fortalecimento e maior visibilidade desses agrupamentos sociais, além ser uma fonte sustentável de geração de renda. No entanto, a literatura aponta limitações desse tipo de intervenção. Assim, o objetivo deste artigo é evidenciar as potencialidades turísticas em territórios de duas comunidades autoidentificadas indígenas no Rio Grande do Norte. É uma pesquisa com enfoque qualitativo que constou de três etapas: visitas às comunidades; observações in loco e registro fotográfico; entrevistas semiestruturadas com lideranças locais. Na Comunidade Mendonça do Amarelão em João Câmara-RN, com cerca de 1.100 pessoas, as atrações etnoturísticas incluem trilha ecológica em lugares como a “pedra das letras” com pinturas rupestres e o ensino do tupi na escola local; além de rituais como a dança do Toré. A Comunidade Caboclos do Assu, no município de Assu-RN, por sua vez, tem em torno de 100 pessoas e as possibilidades em destaque são o açude do riacho, a vegetação nativa e, principalmente, a riqueza nas vidas das pessoas do lugar. Em relação ao potencial para receber grupos, na primeira citada há maior capacidade de infraestrutura e, embora tenham experiência com grupos numerosos, não têm com turistas. Assim, especialmente em Caboclos do Assu requer maior aprofundamento de estudo na perspectiva do turismo sustentável, sendo necessário empenho do poder público e parcerias com organizações não governamentais.

Biografia do Autor

Jacqueline Cunha de Vasconcelos Martins, Universidade Federal Rural do Semiarido, Mossoró, RN

Professora Adjunta da Universidade Federal Rural do Semí-Árido - UFERSA. Doutoranda em Desenvolvimento e Meio Ambiente pelo Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal do Ceará - DDMA-PRODEMA-UFC Mestra em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - PRODEMA-UERN. Especialista em Filosofia (UERN). Graduada em Ciências Sociais - Licenciatura Plena (UERN). Experiência nas áreas de: Sociologia (e Sociologias aplicadas), Desenvolvimento e Meio Ambiente, Filosofia, Metodologia Científica.

Tayse Michelle Campos da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Liderança da Comunidade Indígena do Amarelão.

Referências

ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DO AMARELÃO – ACA. Censo Comunitário do Amarelão 2018. João Câmara/RN, 2018, 41p.


ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE AÇÃO INDIGENISTA – ANAÍ. Acompanhamento da situação fundiária das terras indígenas do Rio Grande do Norte. Disponível: . Acesso: 17.04.2019.


BOFF. L. Sustentabilidade: o que é – o que não é. Petrópolis/RJ: Vozes, 2012.


BRASIL. FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI. Instrução Normativa nº 03/2015, de 11 de junho de 2015, Estabelece normas e diretrizes relativas às atividades de visitação para fins turísticos em terras indígenas. 2015. Disponível em . Acesso em 19.04.2019.


________. FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI. acesso: 19.03.2019

________. Mapas. 2018. Disponível: Acesso: 16.04.2019.


________.INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Os indígenas no Censo Demográfico 2010: primeiras considerações com base no quesito cor ou raça. 2012, 31p. Disponível em Acesso em 07.03.2019.


_______. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Mapas IBGE: Rio Grande do Norte. 2017. Disponível em Acesso: 04.04.2019.


_______. SUBCHEFIA DE ASSUNTOS JURÍDICOS DA CASA CIVIL. Decreto nº 7.747/2012, de 05 de junho de 2012, Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas – PNGATI, e dá outras providências. 2012. Disponível em . Acesso em 19.04.2019.


CARVALHO, J.J. de. ‘Espetacularização’ e ‘canibalização’ das culturas populares na América Latina. Revista Anthropológicas. v.21, n.1, 2010. Disponível em . Acesso: 15.04.2019.


CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO - CIMI. Relatório violência contra os povos indígenas no Brasil – dados de 2016. 2016, 152p. Disponível em Acesso: 25.04.2019


FORTUNATO, R.A.; SILVA, L.S. Os significados do turismo comunitário indígena sob a perspectiva do desenvolvimento local: o caso da reserva de desenvolvimento sustentável do Tupé-AM. CULTUR - Revista de Cultura e Turismo. v.5, n.2, 2011. p. 85-100. Disponível: Acesso: 03.04. 2019.


GOMES, M.P. O caminho brasileiro para a cidadania indígena. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi. História da cidadania. 5.ed. São Paulo: Contexto, 2010.


GUERRA, J. G. A. Mendonça do Amarelão: origem, migrações, aspectos de sua cultura e identidade étnica. Coleção Matiapoa - v. 1. João Pessoa/PB: Ideia, 2017.


INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL – ISA. Potiguara. 2017. Disponível em . Acesso em 07.03.2019.


LOPES, Antonio Adriano. Entrevista concedida a MARTINS, J.C.V. Assu-RN. 05.10.2018.

MACEDO, H.A.M. Populações indígenas no sertão do Rio Grande do Norte: história e mestiçagens. Natal-RN: EDUFRN, 2011.


MEIRELES, A.J. de A. Unidades de paisagem na Terra indígena Tremembé de São José e Buriti, Município de Itapipoca-CE. In: SILVA, E.V.; MEIRELES, A.J.A.; GORAYEB, A. (org.) Educação ambiental e indígena: caminhos da extensão universitária na gestão de comunidades tradicionais. Fortaleza: Edições UFC, 2011.


MELO, B.S. Índios do Rio Açu. Disponível em Bencará [literatura de cordel] Acesso: 04.04.2018.


OPENBRASIL. Rio Grande do Norte. Disponível em . Acesso: 04.11.2019.


OLIVEIRA, J. N. V. Revista de Humanidades: “ser índio” e “ser caboclo” potiguar: história indígena e o processo identitário nas comunidades dos caboclos do Assú. v.15, n.35, p.191-197, 2014. Disponível: Acesso: 16.04.2019.


OLIVEIRA, J. P. Uma etnologia dos "índios misturados"? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 47-77, Apr. 1998. Available from . Acesso: 24.03.2019.


PEREIRO, X. Los efectos del turismo en las culturas indígenas de América Latina. Revista Española de Antropología Americana. 2013, v. 43, n. 01, p. 155-174. Disponível em Acesso em 01.04.2019.


Relatório Final da II ASSEMBLÉIA DOS POVOS INDÍGENAS DO RIO GRANDE DO NORTE – II AIRN, realizada na Casa de Cultura Popular Palácio Antônio Bento – Goianinha-RN, de 22 a 23 de novembro de 2011 (impresso).


SILVA, M.E.C; LOPES, J.B.; BARROS, R.F.M.; ALENCAR, N..L.; MENDES, L.M.S. A etnoconservação no contexto da agrobiodiversidade: diálogos entre os saberes científicos e locais em tempos de crise ambiental. Espacios. v. 37, n. 37, 2016. Disponível em Acesso: 30.04.2019.


SILVA, M. I. S. Entrevista concedida a MARTINS, J.C.V. João Câmara-RN, 02.10.2018.


SOUZA, E.P.; MARTINS, S.R.O.; ARAÚJO, A.P.C. Fronteira etnocultural e desenvolvimento rural: o produto turístico “trem do pantanal” no distrito de Taunay. ACTA Geográfica, v.5, n.10, jul./dez. de 2011. pp.37-53. Disponível em Acesso 01.04.2014.


VIEIRA, J. G.; KÓS, C. Invisibilidade, resistência e reconhecimento. In: RICARDO B.;


RICARDO F. Povos Indígenas do Brasil 2011/2016. São Paulo: Instituto Socioambiental 2017 (p.519-522).
Publicado
2020-02-03
Como Citar
Martins, J. C. de V., Silva, T. M. C. da, Oliveira, A. M. de, Silva, E. V. da, & Oliveira, I. P. R. A. de. (2020). Potencialidades turísticas e aspectos socioambientais em duas comunidades autoidentificadas indígenas no Rio Grande do Norte. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 13(1). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2020.v13.9364

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##