Serpentes: é possível conviver com elas?

  • Dyeson Castro de Freitas Universidade Federal do Tocantins, Porto Nacional, TO
  • Welloyane Páttila Barros de Souza Gomes Universidade Federal do Tocantins, Porto Nacional, TO
  • Raiany Cristine Cruz da Silva Universidade Federal do Tocantins, TO
  • Carla Simone Seibert Universidade Federal do Tocantins
Palavras-chave: Etnoherpetologia, Educação Ambiental, Ofidismo

Resumo

Estudos sobre a relação do ser humano com as serpentes têm potencial para fornecer diretrizes de ações que diminuam os efeitos negativos dessa interação. O presente estudo objetivou avaliar a percepção dos frequentadores da Cachoeira do Córrego Roncadeira (Taquaruçu, Palmas/TO) sobre a fauna de serpentes. Foi aplicado questionário semiestruturado a 200 visitantes da Cachoeira para verificar seu conhecimento sobre o ambiente e o papel ecológico das serpentes; a profilaxia e primeiros socorros, e sobre a etnoherpetologia. Muitos entrevistados reconheceram o papel ecológico das serpentes, mas ainda existem pessoas que desconhecem a função deste grupo e relatam práticas inadequadas de primeiros socorros. Portanto, esse trabalho evidenciou a necessidade de práticas de educação ambiental com a função de instruir a população sobre esse tema.

Referências

AALMEIDA, D. J. G.; CANGUSSU, M. A. R.; BRAGION, M. L. L. Avaliação do grau de conhecimento sobre serpentes peçonhentas e sua importância ecológica. Um estudo de caso com alunos do ensino médio da rede pública de ensino regular de Machado/Mg, Brasil. Revista Enciclopédia biosfera, Centro Científico Conhecer, Goiânia, v.9, n. 17, p. 3269-3280, 2013.

BAPTISTA, G. C. S.; COSTA NETO, E.M.; VALVERDE, M. C. C. Diálogo entre concepções prévias dos estudantes e conhecimento científico escolar: relações sobre os Amphisbaenia. Revista Iberoamericana de Educación, [Madri], n. 47/2, p. 1-16, 2008.

BARBOSA, A. R. et al. Abordagem etnoherpetológica de São José da Mata – Paraíba – Brasil. Revista de Biologia e Ciências da Terra, [São Cristóvão], v. 7, n. 2, p. 117-123, 2007.

BERNARDE, P. S. Serpentes peçonhentas e acidentes ofídicos no Brasil. São Paulo: Ed. Anolisbooks, 2014.

BERNARDE, P. S.; ABE, A. S. Hábitos alimentares de serpentes em Espigão do Oeste, Rondônia, Brasil. Revista biota neotropica, [São Paulo], v. 10, n. 1, p. 167-173, 2010.

BOCHNER, R.; STRUCHINER, C. J. Epidemiologia dos acidentes ofídicos nos últimos 100 anos no Brasil: uma revisão. Revista Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 7-16, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 8. ed. Revista Brasília: Ministério da Saúde, Brasília, 2010. 444 p.

CAMPBELL, J. A.; LAMAR, W. W. The Venomous Reptiles of Latin América. Comstock Publishing/Cornell University Press, Ithaca. 870 p. 2004.

CANTER, H. M. et al. Animais Peçonhentos: serpentes. 2008. Artigo em Hypertexto. Disponível em: <http://www.infobibos.com/Artigos/2008_3/Serpentes/index.htm>. Acesso em: 01 mar. 2019.

CASTRO; D. P.; LIMA, D. C. Conhecimento do tema ofidismo entre futuros professores de ciências biológicas do Estado do Ceará. Ciências e Educação, Bauru, v. 19, n. 2, p. 393-407, 2013.

CORDEIRO, E. D. O turismo como fomentador da configuração espacial do Município de Ouro Preto: O Novo Distrito de Lavras Novas. Revista de Cultura e Turismo, [Iheus], ano 2, n. 2, 2008.

CORTÉZ-GÓMEZ, A. M. M. et al. Ecological functions of neotropical amphibians and reptiles: a review. UniversitasScientiarum, Bogotá, Colombia, v. 20, n. 2, p. 229-245, 2015.

COSTA, C. C.; BÉRNILS, R. S. Répteis do Brasil e suas unidades federativas: Lista de espécies. Revista eletrônica Herpetologia Brasileira, [São Paulo], v. 8, n. 1, p. 11-57. Disponível em:<http://sbherpetlogia.org.br/wp-content/uploads/2018/04/hb-2018-01-p.pdf>. Acesso em: 24 mar. 2019.

COSTA, C. C.; BÉRNILS, R. S. Répteis brasileiros: Lista de espécies 2015. Revista eletrônica Herpetologia Brasileira, [São Paulo], v. 4, n. 3, p. 75-93. Disponível em:<http://issuu.com/herpetologiabrasileirasbh/docs/hb_2015-03-g/1>. Acesso em: 27 dez. 2015.

DIAZ, F. et al. Envenomationby neotropical opistoglyphous colubrid Thamnodynastes cf. pallidus Linné, 1758 (Serpentes: Colubridae) in Venezuela. Revista do Instituto de Medicina tropical de São Paulo, São Paulo, v. 46, n. 5, p. 287-290, 2004.

DUARTE, S. J. H.; MAMEDE, M. V.; ANDRADE, S. M. O. Opções teórico-metodológicas em pesquisas qualitativas: representações sociais e discurso do sujeito coletivo. Revista Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 18, n. 4, p.620-626, 2009.

FEITOSA, R. F. G.; MELO, I. M. L. A.; MONTEIRO, H. S. A. Epidemiologia dos acidentes por serpentes peçonhentas no Estado do Ceará – Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, [Brasília] v. 30, n. 4, p. 295-301, 1997.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES JÚNIOR, E. Fronteira e reestruturação produtiva na Amazônia Brasileira (2003-2013): um estudo sobre a mudança na hierarquia urbana do município de Araguaína (TO) na Amazônia Oriental. 2015. 134f. Dissertação (Mestrado em desenvolvimento econômico, área de concentração em desenvolvimento econômico, espaço e meio ambiente) – Programa de Pós-Graduação Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

LEOBAS, G. F.; FEITOSA, S. B.; SEIBERT, C. S. Acidentes por animais peçonhentos no estado do Tocantins: aspectos-clínico epidemiológicos. Desafios, v. 2, n. 2. p.269-282, jan/jun. 2016.

MARQUES, O. A. V. et al. Os Répteis do Município de São Paulo: diversidade e ecologia da fauna pretérita e atual. Revista biota neotropica, [São Paulo], v. 9, n. 2, p. 139-150, 2009.

MELAZO, G. C. Percepção ambiental e Educação ambiental: Uma reflexão sobre as relações interpessoais e ambientais no espaço urbano. Olhares e Trilhas, Uberlândia, ano 6, n. 6, p. 45-51, 2005.

MOURA, M. R. et al. O relacionamento entre pessoas e serpentes no leste de Minas Gerais, sudeste do Brasil. Revista biota neotropical, [São Paulo], v. 10, n. 4, p. 133-142, 2010.

PINHO, F. M. O.; OLIVEIRA, E. S.; FALEIROS, F. Acidente ofídico no Estado de Goiás. Revista da Associação Médica Brasileira, [São Paulo], v.50, n. 1, p. 93-96, 2004.

QUINTELA, F. M. Liophispoecilogyrus sublineatus (Serpentes: Dipsadidae) bite and symptoms of envenomation. Revista Herpetology notes, [S.I.], v. 3, p. 309-311, 2010.

REIS, H. B. C. Os impactos da globalização sobre o meio ambiente: uma introdução à análise da Comunicação Social. Revista contemporânea, n. 4, p. 181-192, 2005.

RIBEIRO, L. A. et al. Óbitos por serpentes peçonhentas no Estado de São Paulo: avaliação de 43 casos, 1988/93. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 44, n. 4, p. 312-318, 1998.

RIBEIRO, L. A.; PUORTO, G.; JORGE, M. T. Bites by colubrid snake Philodryas olfersii: a clinical and epidemiological study of 43 cases. Toxicon 37:943-948. 1999.

SANDRIN, M. F. N.; PUORTO, G.; NARDI, R. Serpentes e acidentes ofídicos: um estudo sobre erros conceituais em livros didáticos. Revista Investigações em Ensino de Ciências, [Porto Alegre], v.10, n. 3, p. 281-298, 2005.

SANTOS, A. L. et al. Estudo retrospectivo dos acidentes por serpentes atendidos no Hospital Geral de Palmas -TO, no período de 2010 e 2011. Revista DESAFIO: Revista Interdisciplinar da Universidade Federal do Tocantins, [Palmas], v. 1, n. 1, p. 226-244, 2014.

SCHOEN, T. H.; VITALLE, M. S. S. Tenho medo de quê? Revista Paulista Pediatria, [São Paulo], v. 30, n. 1, p. 72-78, 2012.

SHITSUKA, R. et al. Educação ambiental e a conscientização da sociedade no tratamento do lixo. Revista Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, Goiânia, v. 5, n. 8, p. 1-9, 2009.

SILVA, L. A. Herpetofauna De Mata De Galeria Da Fazenda Dom Emanuel, Distrito De Taquaruçu, Palmas-TO. 2014. 72 f. Monografia (Graduação em Ciências Biológica)-Universidade Federal do Tocantins, Porto Nacional, 2014.

SOARES, D. O. et al. Como lidar com as serpentes? O conhecimento básico e as atitudes dos funcionários de uma universidade no Nordeste do Brasil. Revista Scientia Plena, [S.I.], v. 10, n. 4, p. 1-8, 2014.

Publicado
2020-07-17
Como Citar
Freitas, D. C. de, Gomes, W. P. B. de S., Silva, R. C. C. da, & Seibert, C. S. (2020). Serpentes: é possível conviver com elas?. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 13(3). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2020.v13.9354