Fauna e flora do Aeroporto de Palmas (TO): um alerta para a sua conservação

  • Mariana Carla de Almeida Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO
  • Kellen Lagares Ferreira Silva Universidade Federal do Tocantins, Porto Nacional, TO
  • Tulio Dornas de Oliveira Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO
  • Fernanda Brito de Abreu Centro Universitário Luterano de Palmas, Palmas, TO
  • Carla Simone Seibert Universidade Federal do Tocantins, Porto Nacional, TO
Palavras-chave: Aeroporto, Conservação, Flora, Fauna, Ecoturismo

Resumo

O Aeroporto Brigadeiro Lysias Rodrigues, em Palmas/TO, foi implantado em 2001 em umas das maiores áreas aeroportuárias patrimoniais do Brasil, composta em sua maioria por áreas verdes onde habitam dezenas de espécies de flora e fauna. Apesar do impacto inicial, com a construção do aeroporto, nenhum estudo foi realizado para avaliar se a fauna e flora foram conservadas, com a sua operacionalidade, ao longo dos últimos anos. Portanto, objetivou-se neste trabalho verificar as condições de conservação da fauna e flora da área patrimonial do Aeroporto, com vistas ao turismo ecológico. A conservação da flora foi avaliada por sensoriamento remoto e a fauna por busca ativa e pesquisa documental, nos registros do aeroporto e do CENIPA, para os anos de 2014, 2016 e 2018. Os resultados demonstraram conservação da flora na área patrimonial do aeroporto e diversos representantes da fauna, contudo ainda sob riscos de impactos futuros. Como alerta, destaca-se a necessidade de a área aeroportuária de Palmas desenvolver atividades ecoturísticas, possibilitando maior contato da população com esse ambiente natural, com vistas a sua conservação.

Biografia do Autor

Mariana Carla de Almeida, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO

Formada em Administração de Empresas. Possui MBA Executivo Internacional em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas/FGV (RJ) e Ohio University (EUA). Mestre em Educação pela Universidade de Brasília/UNB. Doutoranda em Ciências do Ambiente - CIAMB/UFT. Atualmente é administradora da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária - Infraero nas áreas de contratos, licitações e educação corporativa, é professora da Universidade Federal do Tocantins - UFT nas áreas de logística, metodologia científica, gestão ambiental e serviços. Atuou como coordenadora do núcleo de capacitação empresarial da Federação das Indústrias do Estado do Tocantins/FIETO, coordenadora local dos cursos de MBA da Fundação Getúlio Vargas/FGV no estado do Tocantins. Foi coordenadora do curso de Administração na modalidade EaD da Fundação Universidade do Tocantins/Unitins. Foi tutora à distância/UAB no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia/IFTO. Foi professora dos cursos de Administração e de Ciências Contábeis e coordenadora de cursos de pós-graduação Lato Sensu em Gerenciamento de Projetos da Unitins. Foi coordenadora e professora do curso de Administração Pública da UAB/UNITINS. 

Kellen Lagares Ferreira Silva, Universidade Federal do Tocantins, Porto Nacional, TO

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Viçosa (1997) modalidade licenciatura e bacharelado, mestrado em Botânica pela Universidade Federal de Viçosa (2000) e doutorado em Botânica pela Universidade Federal de Viçosa (2008). Atualmente é professora associada da Fundação Universidade Federal do Tocantins nos cursos de licenciatura e bacharelado em ciências biológicas, onde desenvolve projetos de pesquisa e extensão. É professora efetiva do curso de pós-graduação em Ciências do ambiente, com orientações de mestrado e doutorado e é colaboradora no curso de mestrado em Biodiversidade, ecologia e conservação. Atualmente é coordenadora do curso de Pós-graduação em ciências do ambiente e é presidente do Instituto de Biodiversidade da UFT. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Botânica, atuando principalmente nos seguintes temas: anatomia ecológica e respostas de plantas à agrotóxicos.

Tulio Dornas de Oliveira, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO

Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004), mestrado em Ciências do Ambiente pela Universidade Federal do Tocantins (2009) e doutorado em Biodiversidade e Conservação pelo programa de Pós-Graduação Rede BIONORTE-Colegiado Pará-MPEG/UFPA (2016). Tem experiência na área de Ornitologia, Ecologia, Biogeografia e Conservação da Biodiversidade. Também atuou na gestão universitária junto à Pro-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Unitins (2016-2018). Atua em estudos de inventariamento e monitoramento de aves em EIA/RIMAs e em Programas de monitoramento de Fauna; como condutor/guia ambiental em atividades de observações de aves e na apresentação das paisagens e biodiversidade do Tocantins e em pesquisas relacionadas a conservação da biodiversidade associados a inventários ornitológicos no estado do Tocantins, contemplando o Cerrado, as zonas ecotonais Cerrado-Amazônia e a Amazônia tocantinense. Em 2017 criou o canal ECODORNAS que reúne vídeos relacionado à ornitologia e biodiversidade, em especial à tocantinense. Links: https://www.youtube.com/channel/UCW4ootQRbRkVtMlQn82mxLw https://sites.google.com/site/tuliodornas/publicacoes).

Fernanda Brito de Abreu, Centro Universitário Luterano de Palmas, Palmas, TO

Arquiteta e Urbanista graduada pela Universidade Estadual do Maranhão - UEMA (2005) e graduada em Desenho Industrial pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA (2005), com especialização em Arquitetura e Paisagem pela Universidade Nove de Julho / São Paulo (2008). Atualmente, mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente - PPGCIAMB pela Universidade Federal do Tocantins - UFT e professora especialista na Universidade Luterana do Brasil Campus de Palmas - CEULP/ULBRA do curso de Arquitetura e Urbanismo,onde também coordena o Projeto de Extensão "Núcleo de Cidades". Conselheira Suplente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Tocantins - CAU/TO em exercício. Atuante na área de projetos de arquitetura e urbanismo e suporte técnico a obras, com experiência em projetos de edificações com estrutura em concreto pré-moldado. Lecionou também no Instituto Federal de Educação do Tocantins - IFTO Campus de Palmas, pelo Departamento de Construção Civil (2014-2015). 

Carla Simone Seibert, Universidade Federal do Tocantins, Porto Nacional, TO

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade do Tocantins (1997), mestrado e doutorado em Ciências (Fisiologia Geral) pela Universidade de São Paulo - USP (1998 / 2005) e pós-doutorado no Laboratório de Biofísica e Bioquímica do Instituto Butantan - SP (2005 / 2007). É professora da Universidade Federal do Tocantins (UFT) desde 2008, atuando nas modalidades de Licenciatura e Bacharelado do Curso de Ciências Biológicas no Campus de Porto Nacional, onde trabalha com alunos nas duas áreas de formação. Ministrou disciplinas para as turmas de Licenciatura em Biologia do Plano Nacional de Formação de Professores de Educação Básica (PARFOR) e foi coordenadora do subprojeto da Biologia, no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência da UFT (2014 a 2018). É professora no programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente - UFT Palmas, onde realiza trabalhos voltados para a Saúde da População.

Referências

BEATLEY, T. Biophilic Cities: Integrating Nature into Urban Design and Planning. Washington, DC: Island Press, 2011.
BEATLEY, T; NEWMAN, P. Biophilic Cities Are Sustainable, Resilient Cities. Sustainability, Suíça. v. 5, n. 8, p. 3328-3345, 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 mai. 2017
CARVALHO, IB; GOSLING, MS. Percepções e experiências do usuário no Parque Municipal de Belo Horizonte: estrutura, uso e manutenção. Revista Brasileira de Ecoturismo, v.12, n.1, p.101-121, 2019. Disponível em: . Acesso em: 20 março. 2019
CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS – CENIPA. Sistema de Gerenciamento de Risco Aviário. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2019.
CHACEL, F. M. Paisagismo e ecogênese. Rio de Janeiro: Fraiha, 2001.
CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA. Resolução nº 01, de 23 de janeiro de 1986. Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para o Relatório de Impacto Ambiental – RIMA. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.
COSTA, NMC; COSTA, VC. Da escola à natureza: uma experiência de Educação Ambiental em área protegida na cidade do Rio de Janeiro. Interagir: pensando a extensão, n. 16, p. 65-69, 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2019.
GALVÃO, WN; ALVAREZ, MRDV. O perigo aviário em aeroportos do nordeste do Brasil: Análise das colisões entre aves e aviões entre os anos de 1985 e 2009. Revista Conexão Sipaer, v. 1, n. 3, p. 47-68, 2010. Disponível em: http://conexaosipaer.cenipa.gov.br/index.php/sipaer/article/viewFile/43/77. Acesso em: 13 fev. 2019.
GARAFFA, PI; FILLOYA, BM; BELLOCQ, I. Bird community responses along urban–rural gradients: does the size of the urbanized area matter? Landscape and Urban Planning, v. 90, p. 33-41, 2009. Disponível em:< https://doi.org/10.1016/j.landurbplan.2008.10.004>. Acesso em: 11 fev. 2019.
GOMES, MAS; SOARES, BR. Vegetação nos centros urbanos: considerações sobre os espaços verdes em cidades médias brasileiras. Estudos Geográficos, v.1, n.1, p.19-29, 2003. Disponível em: < http://www.redbcm.com.br/arquivos/bibliografia/a%20vegeta%C3%A7%C3%A3o%20nos%20centros%20urbanos.pdf>. Acesso em: 11 fev. 2019.
GUEDES, FL; BRAND, H; LINHARES, BP; PAIVA, LV. Avifauna relacionada ao risco de colisões aéreas no aeroporto internacional Presidente Juscelino Kubitschek, Brasília, Distrito Federal, Brasil. Revista Conexão Sipaer, v. 2, n. 1, p. 230-243, 2010. Disponível em:< http://conexaosipaer.cenipa.gov.br/index.php/sipaer/article/view/57>. Acesso em: 20 fev. 2019.
HAUPTFLEISCH, ML; AVENANT, NL. Integrating small mammal community variables into aircraft-wildlife collision management plans at Namibian airports. Integrative zoology, n. 10, p. 515-30, 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2019.
HERZOG, CP. Cidades para todos: (re)aprendendo a conviver com a natureza. 1. ed. - Rio de Janeiro: Mauad X: Inverde, 2013. 312 p.: il.
INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA - INFRAERO. Meio Ambiente. Disponível em: < http://www.INFRAERO.gov.br/ >. Acesso em: 28 set. 2018.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Fauna ameaçada de extinção. Disponível em: < https://mapas.ibge.gov.br/tematicos/fauna-ameacada-de-extincao.html>. Acesso em: 20 jan. 2018.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Mapa da Amazônia Legal. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia/amazonialegal.shtm?c=2>. Acesso em: 16 jan. 2017.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA-IBGE, Manual Técnico de uso da Terra. 3. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. 171 p. (Manuais técnicos em Geociências, n. 7).
INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS -INPE. Imagens provenientes do Landsat 8 Instrumento Sensor Operative Land Imager (OLI): Divisão de Geração de Imagens (DIDGI). Imagens. Dimensões: 170x183km. Disponível em:. Acesso em: 25 mar. 2019.
IUCN 2019. The IUCN Red List of Threatened Species. Version 2019-1. Disponível em:. Acesso em: 20 março 2019.
LEITE, C. Cidades sustentáveis, cidades inteligentes: desenvolvimento sustentável num planeta urbano./ Carlos Leite, Juliana di Cesare Marques Awad. – Porto Alegre: Bookman, 2012.

MMA - Ministério do Meio Ambiente. 2014. Lista Nacional Oficial de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção. Portaria No - 444, 17 De Dezembro de 2014. Diário Oficial da União, 17 de dezembro de 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 março 2019.
M.O. Barbosa, Dornas, T., Dionísio, C. & D. G. Marcelino 2015. Novos registros ornitológicos para a região de Palmas, Tocantins. Atualidades Ornitológicas, v. 188, p. 59-65. Disponível em: . Acesso em: 20 março 2019.
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA. Amazônia. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2016.
NASA. The Landsat Program. Disponível em: Acesso em: 20 jan. 2019.
PELLIN, A; CARVALHO, G; REIS, JC; PELLIN, A. Gestão do uso público em unidades de conservação urbanas: o caso do Parque Estadual da Pedra Branca (RJ). Revista Brasileira de Ecoturismo, v.7, n.2, p. 344-373, 2014. Disponível em: < https://periodicos.unifesp.br/index.php/ecoturismo/article/view/6368>. Acesso em: 16 jan. 2019.
RIBEIRO, JF; WALTER, BMT. As principais fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: SANO, S.M.; ALMEIDA, S.P.; RIBEIRO, J.F. (eds). Cerrado: ecologia e flora. Embrapa Cerrado/Embrapa Informação Tecnológica, 2ª ed, 2008, p.151-212.
RUIZ-ESPARZA, J, CONCEIÇÃO, AM, SILVA, C, SANTOS, MAHA, TAVARES, DS. Avaliação do Perigo de Fauna no Aeroporto de Aracaju – Santa Maria, Sergipe: Bases para Mitigação do Risco de Colisões com Fauna. Revista Conexão Sipaer, v. 5, n. 1, p. 30-42, 2014. Disponível em: < http://conexaosipaer.cenipa.gov.br/index.php/sipaer/article/view/277>. Acesso em: 30 jan. 2019.
SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. 3 ed. Rio de Janeiro: Ed. Garamond, 2009.
SILVA, CL. Estudo dos impactos das atividades aeroportuárias utilizando dados de sensoriamento remoto. 2014. 98 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade de Brasília, Brasília, 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2019.
SOUSA, ENA; LIMA, RS; ALBUQUERQUE, HN. Inventário preliminar da avifauna do aeroporto Presidente João Suassuna – Campina Grande-PB. Revista Brasileira de Informações Científicas. v.2, n.3, p.60-65, 2011.
SOUZA, AHN, GOMES, HB, CARVALHO, CEA. Corte de grama e monitoramento de fauna para aeroportos brasileiros: uma proposta metodológica. Revista Conexão Sipaer, v. 7, n. 1, p. 96-102, 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2019.
UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY - USGS. Conversion to TOA Radiance. Landsat Missions. Disponível em:. Acesso em: 24 mar. 2019.
WILSON, EO. Biophilia. Harvard University Press. 1986. 176pp.
Publicado
2019-08-20
Como Citar
Almeida, M. C. de, Silva, K. L. F., Oliveira, T. D. de, de Abreu, F. B., & Seibert, C. S. (2019). Fauna e flora do Aeroporto de Palmas (TO): um alerta para a sua conservação. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 12(4). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2019.v12.7920