Uma análise do Parque Cesamar, em Palmas (TO) sob o viés da biofilia: compreendendo o seu estado da arte e sua aplicação no planejamento das cidades biofílicas

  • Fernanda Brito de Abreu Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO
  • Kellen Lagares Ferreira Silva Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO
Palavras-chave: Natureza, Biomimética, Serviços Ecossistêmicos, Infraestrutura Verde, Acupuntura Urbana Biofílica.

Resumo

A contemporaneidade experimenta incertezas quanto ao futuro da humanidade, frutos de grandes transformações tecnológicas que sujeitaram diversos índices a um nível de insegurança no planeta. A necessidade de mudanças no pensamento e na atuação das sociedades, no intuito de resgatar o ambiente natural na sua essência, e melhorar a relação entre os espaços naturais e urbanos, se faz imperativo. Nesse contexto, este trabalho desenvolveu um estudo amparado no conceito da biofilia, que traduz a extensão de como os seres humanos são fortemente ligados à necessidade de conexão com a natureza e outras formas de vida, conceito visto atualmente em diversas cidades do mundo, sob diversos vieses, e que as caracteriza como cidades biofílicas. Para tanto, a pesquisa fundamentou-se substancialmente no tema, visando refletir o seu estado da arte, e realizou um estudo direcionado à cidade de Palmas, dando enfoque ao Parque Cesamar, por meio de visitas e observações, tendo como principal referência para as ponderações, Beatley e Newman (2013). Nos meses de setembro a novembro de 2018, foram aplicados questionários aos frequentadores do parque, cujo objetivo era avaliar o conhecimento e hábitos existentes sobre do tema. A tabulação dos resultados incluiu estudos de casos sobre cidades o mundo, analisadas de forma a consubstanciar a aplicação prática das estratégias biofílicas. O que se constatou foi que a cidade de Palmas, por suas condições de planejamento e tempo de criação, ainda possui potencial ‘armazenado’ para se explorar em temáticas como a biofilia. E os participantes da pesquisa apresentaram um entendimento significativo, no que tange ao conhecimento das espécies mais comuns de fauna e flora características do cerrado. Mas, ainda se faz necessário uma imersão mais profunda no tema, de forma a se evidenciar a importância em se respeitar a natureza nas cidades. Essa experiência possibilitou, ainda, vislumbrar o significado da biofilia sob uma visão interdisciplinar, no sentido de promover propostas tangíveis para sua aplicação em cidades, tendo a natureza como elemento essencial de respeito, preservação e conservação. Vislumbra-se que este trabalho possa servir de referência para novas abordagens, em outras escalas, e públicos diferentes, de forma a promover a disseminação em massa do conceito.

Biografia do Autor

Fernanda Brito de Abreu, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO

Arquiteta e Urbanista pela UEMA, Especialista em Arquitetura e Paisagem pela Uninove, Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente da Universidade Federal do Tocantins, Professora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Luterana do Brasil Campus de Palmas - CEULP/ULBRA. E-mail de contato: fernanda.abreu@mail.uft.edu.br.

Kellen Lagares Ferreira Silva, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, TO

Doutora em Botânica pela Universidade Federal de Viçosa, Professora associada da Fundação Universidade Federal do Tocantins, do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente e Colaboradora no curso de Mestrado em Biodiversidade, Ecologia e Conservação, Presidente do Instituto de Biodiversidade da Universidade Federal do Tocantins. E-mail de contato: lagares@mail.uft.edu.br

Referências

ARAÚJO, C. M. et al. O Parque Cesamar e a integridade ambiental do Córrego Brejo Comprido em Palmas -TO. Interface. Porto Nacional. n. 6. mai. 2013. Disponível em <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/interface/article/ view/492>. Acessado em 12 jun. 2018.

ARTAXO, P. Uma nova era geológica em nosso planeta: o antropoceno? Revista USP. São Paulo. n. 103. p. 13-24, 2014.

BEATLEY, T. Biophilic Cities: Integrating Nature into Urban Design and Planning. Washington, DC: Island Press, 2011.

BEATLEY, T.; NEWMAN, P. Biophilic Cities Are Sustainable, Resilient Cities. Sustainability, Suíça. v. 5, n. 8, p. 3328-3345, 2013.

BENÉVOLO, L. História da cidade. 3. ed. Trad. Silvia Mazza. São Paulo: Perspectiva, 1999.

CHACEL, F. M. Paisagismo e ecogênese. Rio de Janeiro: Fraiha, 2011.

CHIAPETTA, M. S. Biofilia: nossa conexão com a natureza pode ser chave a conservação do planeta. eCycle, 2016. Disponível em <https://www.ecycle.com.br /component/content/article/63-meio-ambiente/4584-biofilia-nossa-conexao-com-a-natureza-pode-ser-chave-a-conservacao-do-planeta-amor-biophilia-philia-genetica-hipotese-ecologia-educacao-ambiental-biofilico-arquitetura-biophilic-design-saude-evolutivo-atracao-filosofico-ligacao-emocional-.html>. Acessado em 16 mai. 2018.

FARR, D. Urbanismo sustentável: desenho urbano com a natureza./ Douglas Farr; tradução: Alexandre Salvaterra. – Porto Alegre: Bookman, 2013.

FIGHERA, D. R. A efetividade do projeto de cidade ecológica de Palmas – TO pelos seus espaços verdes. 2005. 187f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente) – Universidade Federal do Tocantins, Palmas - TO, 2005.

HERZOG, C. P. Infraestrutura verde: chegou a hora de priorizar! Rio de Janeiro: Vitruvius, v.11, mai. 2011.Disponível em <http://vitruvius.com.br/revistas/read /minhacidade /11.130/3900&gt>. Acessado em 12 Mai. 2017.

HERZOG, C. P. Cidades para todos: (re)aprendendo a conviver com a natureza. 1. ed. - Rio de Janeiro: Mauad X: Inverde, 2013. 312 p.: il.

LEITE, C. Cidades sustentáveis, cidades inteligentes: desenvolvimento sustentável num planeta urbano./ Carlos Leite, Juliana di Cesare Marques Awad. – Porto Alegre: Bookman, 2012.

LERNER, J. Acupuntura urbana. – Rio de Janeiro – São Paulo: Ed. Record, 2003. Disponível em <https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/34792005/ 63772360-Acupuntura-Urbana.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A &Expires=1552258720&Signature=Q8dJ0yIW4UVlb%2BkFVdgJilPeGqQ%3D&response-content-disposition=inline%3B%20filename%3D63772360-Acupuntura-Urbana.pdf>. Acessado em 17 jan. 2019.

LIMA P. História, espaço e sociedade. Apresentação de trabalho. Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. Natal, 2002.

NEWMAN, P. Biophilic Urbanism: a case study on Singapore, Australian Planner, v. 51, n.1, p. 47-65, 2014.

PRODANOV, C.C.; DE FREITAS, E.C. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e o Trabalho Acadêmico-2² Edição. Editora Feevale, 2013.

SANGUINETO, E.C. Bases conceituais para projetos sustentáveis e biofílicos. Revista USP. São Paulo. n. 03. 2011. Disponível em . Acessado em 18 jun. 2017.

SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P.; RIBEIRO, J. F. Cerrado: ecologia e flora. Embrapa, 2008.

SANTOS, J. L. C. Reflexões por um conceito contemporâneo de urbanismo. Revista Lusófona de Urbanismo. n. 3, 2006. Disponível em <http://recil.grupolusofona.pt/ handle/10437/2174>. Acessado em 20 nov. 2018.

SANTOS, V. I. M. Desenho para um planeta vivo: biofilia uma solução para o urbanismo e arquitetura sustentáveis. 2016. 156f. Dissertação (Mestrado Integrado em Arquitetura) - Faculdade de Arquitetura e Artes da Universidade Lusíada de Lisboa. Lisboa, 2016.

SHLUGER,E. (Org). Cidades em transformação: Rio de Janeiro, Buenos Aires, Cidade do Cabo, Nova York, Londres, Havana. / Organização Ephim Shluger e Miriam Danowski. – Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2014.

TOCANTINS. Atlas Propriedade Legal: Palmas – Tocantins./ José Maria da Silva Junior (Org.) Caoma/Labgeo/MP-TO, TNC. – Palmas, TO: Ministério Público do Estado do Tocantins, The Nature Conservancy – TBC, 2017.

UN-HABITAT. Urbanization and development - emerging futures. World cities report 2016. p. 7, 2016. Disponível em <https://nacoesunidas.org/atual-modelo-de-urbanizacao-e-insustentavel-onu-habitat-relatorio/>. Acessado em 01 mai. 2019.

VELASQUES, A.B.A. A concepção de Palmas (1989) e sua condição moderna. 2010. Tese (Doutorado em Urbanismo) - Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2010.

WALKER, J. NYC's plans for biophilic urban acupuncture. GreenBiz, mar. 2016. Seção Article. Disponível em <https://www.greenbiz.com/article/nycs-plans-biophilic-urban-acupuncture>. Acessado em 09 set. 2018.

WILSON, Edward O. Diversidade da vida. Tradução: Carlos Afonso Malferrari. – São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Publicado
2019-11-06
Como Citar
Abreu, F. B. de, & Silva, K. L. F. (2019). Uma análise do Parque Cesamar, em Palmas (TO) sob o viés da biofilia: compreendendo o seu estado da arte e sua aplicação no planejamento das cidades biofílicas. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 12(5). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2019.v12.6775