Análise do perfil do voluntariado para o manejo ecoturístico da Trilha Transcarioca na cidade do Rio de Janeiro

  • Vivian Castilho da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Thiago Martins Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Ana Danielle Popescu Rogumbaun Faculdade Universidade Salgado de Oliveira, Rio de Janeiro, RJ
Palavras-chave: Trilha, Conservação, Território, Paisagem, Gestão, Voluntários

Resumo

As trilhas servem como elo entre as pessoas e a natureza, servem também como vetores de diversos desequilíbrios ambientais, tais como introdução e propagação de espécies vegetais exóticas, pisoteio na vegetação, exposição, compactação e erosão do solo. A compactação tem desdobramentos, pois afeta o desenvolvimento de raízes, da vegetação, interfere nas taxas de infiltração hídrica, além de favorecer processos erosivos. Quando tais fenômenos se intensificam, passam a ser um sério problema gerencial para os administradores de Unidades de Conservação (UCs) no Brasil. O objetivo do presente estudo é o entendimento sobre o papel do voluntariado no manejo da Trilha Transcarioca, situada na cidade do Rio de Janeiro, e as possíveis mudanças no ecossistema local. O desafio de manter a Trilha Transcarioca é tornar o seu público frequentador em ator ativo na sua conservação e manutenção, subsidiando os trabalhos de estruturação e gerenciamento. A partir de estudos sobre o conselho consultivo, seus gestores e sua relação com os agentes sociais (governamentais e iniciativas privadas), buscou-se também a discussão sobre os impactos ambientais e territoriais (tanto os positivos quanto os negativos), para assegurar que o uso público aconteça sem comprometer a integridade da biodiversidade do local. Para a viabilidade do estudo, foi escolhido o método da pesquisa qualitativa do tipo exploratória e descritiva para realizar um inventário sobre o perfil do voluntariado e entender qual o seu papel na conservação da Trilha. A pesquisa concentrou o estudo em um trecho específico da Trilha Transcarioca no interior do Parque Nacional da Tijuca (município do Rio de Janeiro) – Trecho 13 - Portão da Floresta x Cova da Onça. Para a obtenção dos dados apresentados, utilizaram-se coletas de campo a partir de reuniões com a gestão da UC, com os adotantes da trilha e realização de questionários com os caminhantes e os voluntários de ações de manejo e conservação da Trilha Transcarioca, no período estabelecido entre o ano de 2016 até o primeiro semestre de 2018. Dessa maneira, as matrizes deste trabalho servem de análise de diversos aspectos que envolvem o uso público em unidades de conservação, não só o turismo sustentável e sua aptidão econômica, como também o manejo ecossistêmico e a conservação de todo corredor ecológico, divulgação de catálogos de registro de espécies da fauna/flora, palestras, seminários, pesquisas, programas de voluntariado e aspectos de segurança pública em prol da Trilha Transcarioca.

Referências

ALMEIDA, A. A. Diagnóstico ambiental em trilhas ecoturísticas: estudo de caso no Parque Nacional da Serra do Cipó, MG. 2005. 45f. Monografia (Graduação) - Departamento de Ciências Biológicas, Ambientais e da Saúde, Centro Universitário de Belo Horizonte. Belo Horizonte, 2005.
BARROS, M. I. A; DINES, M. Mínimo Impacto em Áreas Naturais: uma mudança de atitude. In: SERRANO, C. (Org.). A educação pelas pedras: Ecoturismo e educação ambiental. São Paulo: Chronos, 2000. p. 47-84.
BRASIL. Resolução CONAMA nº 001 de 1986. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res86/res0186.html Acesso: 22. Jun.2016
BRUCK, E. C.; REIRE, A. M. V.; LIMA, M. Unidades de conservação no Brasil. Cadastramento e vegetação 1991-1994. Brasília: Inst. Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. 1995.
CABRAL, N. R. A. J.; SOUZA, M. P. Área de Proteção Ambiental: planejamento e gestão de paisagens protegidas. 2 ed. São Carlos: RiMa, 2005. 158p
FIGUEIRÓ, A. S.; COELHO NETTO, A. L. Analise do impacto produzido por trilha sem áreas de borda florestal no maciço da Tijuca. Disponível MALTA. R. R.; COSTA, N. M. C. Gestão do Uso Público em Unidade de Conservação: a visitação no Parque Nacional da Tijuca - RJ. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v.2, n.3, 2009, pp.273- 294.
GUIMARÃES, S. T. L. Dimensões da Percepção e Interpretação do Meio Ambiente:vislumbres e sensibilidades das vivências na natureza. Ciência &Tecnologia, Rio Claro, vol.4, n. 1, p. 46-64, abril/2004.
HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização. Do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.
ICMBIO, Plano de manejo do Parque Nacional da Tijuca, 2010.
LOUREIRO, F. Educação ambiental crítica e interdisciplinaridade: a contribuição da dialética materialista na determinação conceitual, 2013. Doi: 10.5216/teri.v3i1.27316.
MTT, Movimento Transcarioca. http://transcarioca.wikiparques.org/como-ajudar/, 2016.
MORAES, A. C. R. De. Geografia: pequena história crítica. São Paulo Hucitec, 1995.
ODUM, E. P. & BARRET, G. W. (2011) “Fundamentos de Ecologia” –5 ª Edição - tradução Pegasus sistemas e soluções. – São Paulo: Cengage Learning, 2011.
ROCHA, J. C. Diálogo entre as categorias da geografia: espaço, território, e paisagem. Mestrando em Geografia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC,2008
SOUZA, M. J. L. de. O território: sobre espaço e poder. Autonomia e desenvolvimento. In CASTRO, I. E. de; GOMES, P. C. da C.; CORRÊA, R. L. (Orgs.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001, p.77- 116.
TUAN, Y. Topofilia. Um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Tradutora: Lívia de Oliveira. São Paulo/Rio de Janeiro: DIFEL, 1980.
VASCONCELLOS, J. M. Avaliação da eficiência de diferentes tipos de trilhas interpretativas no Parque Estadual Pico do Marumbi e Reserva Natural Salto Morato
PR. Natureza & Conservação. Curitiba, vol. 2.n.2, 2004.
ZAÚ, A. S. “Fragmentação da Mata Atlântica: aspectos teóricos”. Floresta e Ambiente. Vol.5(1):160-170, jan/dez. 1998. (Professor Mestre- UFRRJ).
Publicado
2019-08-20
Como Citar
Costa, V. C. da, Silva, T. M., & Rogumbaun, A. D. P. (2019). Análise do perfil do voluntariado para o manejo ecoturístico da Trilha Transcarioca na cidade do Rio de Janeiro. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 12(4). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2019.v12.6820