Ecoturismo e Conservação na Área de Proteção Ambiental do Morro do Cachambi, Rio de Janeiro: pela tessitura das vozes geopoéticas em trilhas

  • Lilaz Beatriz Monteiro Santos Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Bruno Francisco Teixeira Simões Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Luiza Corral Martins de Oliveira Ponciano
Palavras-chave: Geopoética, Arte da Terra, Patrimônio Natural, APA do Morro do Cachambi, Parque Estadual da Pedra Branca

Resumo

A Área de Proteção Ambiental do Morro do Cachambi (APAMC) está localizada no bairro Jardim Sulacap (JS), na Zona Oeste do Rio de Janeiro, e apresenta um grande potencial ecoturístico em sua face Norte, que foi reflorestada pelos moradores voluntariamente, por meio de um sistema de trilhas. No entanto, o bairro tem mudado sua relação com a APAMC, de continuação dos quintais além dos muros para um bloco verde, estático, preexistente e perigoso. Para conservar o Patrimônio Natural da APAMC é necessário fortalecer esta teia de relações entre os moradores do JS e o local, focando na reativação da visitação das trilhas. Desta maneira, foi desenvolvida uma pesquisa-ação junto com os moradores envolvidos na conservação das áreas verdes do JS, destacando as relações entre os seres humanos e o planeta Terra, numa abordagem Geopoética. Este trabalho apresenta o caminho percorrido desde os trabalhos de campo iniciais até a observação participante e a realização de seis eventos para público fechado (Caminhadas ecológicas) e três eventos para o público aberto (Trilhas guiadas), culminando no momento atual, de criação, instalação e apresentação de um novo produto, a Trilha Geopoética D.O.S.S.E.L. - Despertando Olhares Sensíveis Sustentáveis Ecológicos e Lúdicos -, que visa à integração dos seres humanos, Natureza, Arte e Tecnologia na APAMC. Treze instalações artísticas, chamadas de reservatórios de vidas geopoéticas ou GeoLiVes (Geopoetics Life Vessels) foram geradas por meio de uma (re)significação das impressões dos moradores do JS sobre a APAMC, a fim de fortalecer os fios materiais e imateriais que sustentam as iniciativas de ecoturismo e conservação que existem em todo o bairro, numa tessitura das vozes geopoéticas.

Referências

BALDISSERA, A. Pesquisa-ação: uma metodologia do “conhecer” e do “agir” coletivo. Sociedade em Debate, Pelotas, v. 7, n. 2, p. 5-25, ago. 2001.

BOUVET, R. Como habitar o mundo de maneira geopoética? Interfaces Brasil/Canadá, 2012. v. 12. Disponível em: nhttp://www.revistas.unilasalle.edu.br/ index.php/interfaces/issue/view/50, acessado em 20/12/2017.

EMBRATUR. Instituto Brasileiro de Turismo. Diretrizes para uma política nacional de ecoturismo. Brasília, DF: MICT/MMA, 1994.

FEMERJ. Metodologia de classificação de trilhas. 2015, v.6, n.1.

GLISSMAN, P.; HÖFFLIN, M. ELF—electronic life forms. In: ACM SIGGRAPH 2005 Electronic Art and Animation Catalog. ACM, 2005. p. 70-71.

INEA – Instituto Estadual Ambiental. Plano de Manejo do Parque Estadual da Pedra Branca. Rio de Janeiro: INEA, 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Síntese de indicadores sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. (Estudos e Pesquisas: Informação Demográfica e Socioeconômica, n. 27).

HAMDAN, C. Corpos Tatuados: Experiências Sensíveis em Realidade Aumentada Móvel. 2015 Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Arte – PPGArte, Universidade de Brasília, 2015. 344 p.

INSTITUTO ESTADUAL AMBIENTAL (INEA). Plano de Manejo do Parque Estadual da Pedra Branca. Rio de Janeiro: INEA, 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. (Estudos e Pesquisas: Informação Demográfica e Socioeconômica, n. 27).

KRUSE, L. Compréhension de l’environnement dans la psychologie de l’environnement. São Paulo: Psicologia USP, 2005. V.16, p. 41-46.

LAILACH, M. Land Art. Colónia: TASCHEN, 2007.

NÓBREGA, C. A.; FRAGOSO, M. L.Pode um sistema telemático prover uma experiência em arte? Arte, ciência e tecnologia nas experimentações artísticas do laboratório NANO. Revista Eletrônica MAPA D2 – Mapa e Programa de Artes em Dança (e performance) Digital, Ivani Santana (Org) Salvador: PPGAC, 2015; v.2, n.2, p.53-166.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Bancos comunitários de sementes de adubos verdes: cartilha para agricultores. Brasília: MAPA, 2007.

MILLENNIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT (MEA). In: Ecosystems and human well-being: biodiversity synthesis. Washington, DC: World Resources Institute, 2005.

MENEZES, P. C. Sinalização de trilhas – Guia Prático. Edição digital, Rio de Janeiro, 2013.

MINAYO, M. C. S. Introdução. In: MINAYO, M. C. S.; ASSIS, S. G.; SOUZA, E. R. (Org.). Avaliação por triangulação de métodos: Abordagem de Programas Sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz, pp. 19-51, 2010.

PONCIANO, L.C.M.O. Geomitologia: Era uma vez... na história da Terra. Belém: Revista Sentidos da Cultura, 2015. V. 2, n. 2, 22 – 42 p.

PONCIANO, L.C.M.O. 2018. Geotales: narrando as histórias petrificadas pela Terra. Belém: Revista Sentidos da Cultura, 2018. n.5, 34 – 48 p.

PRIMACK, R. B.; RODRIGUES, E. Biologia da Conservação. Londrina: Efraim Rodrigues, p. 200-234. 2001

RIO DE JANEIRO. Lei nº 4659/2007. Dispõe sobre a área de proteção ambiental do Morro do Cachambi e de outras providências. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Ano XXI, Nº144, p. 10, 2007.

REDFORD, K. H.The Empty Forest. BioScience, 1992. V. 42, n. 6, 412-422 p. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/1311860 >. Acesso em 10.08. 2017

SANTOS, C. J. F.; FONTES, A. M.; SOUZA, M. H. Projeto mutirão: uma alternativa para o reflorestamento de encostas de risco em região de baixa renda. Rio de Janeiro: PMRJ/SMAC, 1987.

SANTOS, L.B.M.; HÖRMANSEDER, B.M.; SANTOS, L.F.; ARAUJO, D.O.; LOPES, M. L.O. C.; LEME, G. F. P.; PONCIANO, L. C. M. O.Paleontologia cultural: uma análise sobre fósseis e monstros da Amazônia – O Mapinguari. In: I COLÓQUIO DE ZOOLOGIA CULTURAL, 2016, Rio de Janeiro. – Livro do Evento Rio de Janeiro: Perse, 2016, p. 114 - 129. ISBN 978-85-464-0413-1.

SANTOS, L. B. M. GeoTales: A divulgação das Geociências atravessada pela poética das vozes da Terra. 2017. Monografia (Graduação - Bacharelado em Ciências Biológicas) – Instituto de Biociências, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – RJ.

SANTOS, L. B. M.; PONCIANO, L. C. M. Interfaces entre ecoturismo e educação na APA do Morro do Cachambi, Jardim Sulacap, RJ. In: OLIVEIRA, M. A. S. A. O. Espaços sociais de formação educativa: turismo, escola, casa e cidade. 1ed. Rio de Janeiro: Lamparina (No prelo), 2019, v. 1.

SMMA. Parques Carioca. Corredor Verde. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 2015.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 16ed., 2008.

TUAN, Y. Topofilia, um estudo da percepção, altitudes e valores de meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

UEXKÜLL J. von 1921. Umwelt und Innenwelt der Tiere. 2. verm. u. verb. Aufl. Berlin: J. Springer, 224.

UNESCO. Convenção para a proteção do patrimônio mundial natural e cultural. 1972. Disponível em: . Acesso em 10.02. 2017.

WEARING, S.; NEIL, J. Ecoturismo: Impactos, Potencialidades e Possibilidades. São Paulo: Manole, 2014,1-17 p.

WHITE, K. La Plateau de l'Albatros : Introduction a La Geopoetique. Paris: Grasset et Fasquelle, 1998.

WHITE, K. panorama géopoétique. Théorie d'une textonique de la terre. Paris: Editions de la Revue des Ressources, 2014.

Publicado
2019-10-29
Como Citar
Santos, L. B. M., Simões, B. F. T., & Ponciano, L. C. M. de O. (2019). Ecoturismo e Conservação na Área de Proteção Ambiental do Morro do Cachambi, Rio de Janeiro: pela tessitura das vozes geopoéticas em trilhas. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 12(5). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2019.v12.6816

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##