Valoração dos Serviços Ecossistêmicos Culturais: mensuração econômica do Bumba meu Boi do Maranhão

  • Sérgio Roberto Pinto Universidade Ceuma, São Luís, MA
  • Abigail Cardoso Coqueiro Universidade Ceuma, São Luís, MA
  • Rodrigo Burkowski Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG
  • Fabrício Brito Silva Universidade Ceuma, São Luís, MA
Palavras-chave: Valoração das manifestações culturais, Bumba meu Boi, Festejo de São João, Disposição a pagar

Resumo

O Bumba meu Boi do Maranhão é uma tradicional manifestação cultural brasileira. Nos últimos anos, houve crescente interesse por valorar a variável cultural entre os serviços ecossistêmicos. Constitui-se um desafio valorar uma tradição que reúne elementos constitutivos que configuram uma linguagem estética, expressada pelos corpos humanos que a cultivam, reconhecida como riqueza do patrimônio cultural e imaterial pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Esta pesquisa tem como objetivo compreender o serviço ecossistêmico cultural e expressar, monetariamente, esse valor; utilizou, para tanto, o Método de Valoração Contingente. Observou-se que essa manifestação possui um valor econômico cuja Disposição a Pagar, por indivíduo participante da pesquisa, foi de R$ 34.24, e isso ocasiona uma totalidade de R$ 10.272.000,00 (dez milhões, duzentos e setenta e dois mil reais) baseado no universo total do público presente no São João na Ilha de São Luís - MA. Os resultados indicam que o bumba meu boi do Maranhão, por ser considerado uma manifestação Cultural, possui valor econômico atribuído à sua imponência cultural.

Biografia do Autor

Sérgio Roberto Pinto, Universidade Ceuma, São Luís, MA

Mestrando em Meio Ambiente, Docente do Curso de Ciências Contábeis

Referências

ALMEIDA, A. N. et al. Avaliação ambiental do parque Olhos D’Água: aplicação do método da disposição a pagar. Floresta e Ambiente, Rio de Janeiro, v. 24, p.1-12, 2017.

ANDRADE, D. C. Modelagem e valoração de serviços ecossistêmicos: uma contribuição da economia ecológica. Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. p, 1-269, fev. 2010.

ANDRADE, D. C.; ROMEIRO, A. R. Valoração de serviços ecossistêmicos: por que e como avançar? Sustentabilidade em Debate, Brasília, DF, v. 4, n. 1, p. 43-58, jul. 2013.

ARAÚJO, H. R.; OLIVEIRA JÚNIOR, A. F.; AZEVEDO, A. A. Valoração de serviços ambientais: subsídio para a sustentabilidade do atrativo natural Gruta do Salitre, Diamantina, Minas Gerais. Pesquisas em Turismo e Paisagens Cársticas, Campinas, v. 8, n. 1, p. 17-26, 2015.

BÁEZ-MONTENEGRO, A. et al. Inhabitants' willingness to pay for cultural heritage: a case study in Valdivia, Chile, using contingent valuation. Journal of Applied Economics, v. 15, n. 2, p. 235-258, 2012.

BIRDIR, S. et al. Willingness to pay as an economic instrument for coastal tourism management: cases from Mersin, Turkey. Tourism Management, Frenchs Forest, v. 36, p. 279-283, June. 2013.

BORJA, O.R.P. Ecoturismo responsável: valoração econômica de bens e serviços ambientais. Revista Brasileira de Ecoturismo. São Paulo, v.4, n.3, 2011, pp.345-360.

BORRALHO, T. Os elementos animados no Bumba-meu-boi do Maranhão. Móin-Móin: Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas. Florianópolis, v. 1, n. 2, p. 156-178, 2018.

BOSI, A. Dialética da colonização. 4. Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BRASIL, UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. Tradução Guilherme João de Freitas Teixeira. Brasília, DF, 2010.

CANZIANI, B.F. et al. Cultural resource valuation in tourist destina-tions. Annals of Tourism Research, v. 61, p. 22-24, 2016.

CARDOSO, L. C. M. Mestre Marcelino Azevedo: uma história de resistência contada nas zabumbas do Bumba meu Boi. Revista Internacional de Folkcomunicação. Ponta Grossa, v. 14, n. 31, p. 165-174, 2016.

CHAFLA MARTINEZ, Pablo.La disposición al pago para la conservación de bienes patrimoniales: caso del centro histórico de la ciudad de quito. Cuadernos de Economia. [online]. 2019, vol.38, n.76, pp.231-257. ISSN 0121-4772.

CHOI, A. S.; RICHIE, B. W. Willingness to pay for flying carbon neutral in Australia: an exploratory study of offsetter profiles. Journal of Sustainable Tourism. London, v. 22, p. 1236-1256, 2014.

CONDE, K. M. Dimensões urbanas e percepção de valor socioambiental em bairros habitacionais: o caso de Vitória - ES. UNICAMP: Campinas, 2015. 230 pp.

COSTANZA, R. et al. Twenty years of ecosystem services: How far have we come and how far do we still need to go? Ecosystem Services, Erscheinungsort nicht ermittelbar. v. 28, p. 1-16, 2017.

CURVINA, V.M.G.; DE SOUZA FREIRE, F. MENSURAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS: Estudo aplicado na Festa do Divino em Pirenópolis-GO. Anais do Congresso Brasileiro de Custos-ABC. 2015.

DANIEL, T.C. et al. Contributions of cultural services to the ecosystem services agenda. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 109, n. 23, p. 8812-8819, 2012.

FRASER, J.A. et al. Cultural valuation and biodiversity conservation in the Upper Guinea forest, West Africa. Ecology and Society, v. 21, n. 3, 2016.

FERRETTI, S.F. Encantaria Maranhense de Dom Sebastião. Revista Lusófona de Estudos Culturais, v. 1, n. 1, p. 262-285, 2016.

GROOT, R. S.; WILSON, M. A.; BOUMANS, R. M. A typology for the classification, description and valuation of ecosystem functions, goods and services. Ecological Economics, New York, v. 41, n. 3, p. 393-408, 2002.

GULLO, M.; GREGORI, L. Valoração de recursos ambientais: uma análise do método de valoração contingente aplicado à coleta dos resíduos sólidos seletivos na cidade de Caxias do Sul. In: RECH, A. U.; BURZKE, A.; GULLO, M. C. (Orgs.). Direito, economia e meio ambiente: olhares de diversos pesquisadores. Caxias do Sul: Educs, 2012.

HACKER, B. R.; KELEMEN, P. B.; BEHN, M. D. Continental lower crust. Annual Review of Earth and Planetary Sciences. Palo Alto, v. 43, p. 363-404, May. 2015.

HAINES-YOUNG, R.; POTSCHIN, M. Defining and measuring ecosystem services. In: POTSCHIN, M. et al. Routledge handbook of ecosystem services. London: Routledge. p. 53-72. 2016.

HILDEBRAND, E.; GRAÇA, L. R.; HOEFLICH, V. A. Valoração contingente na avaliação econômica de áreas verdes urbanas. Revista Floresta, Curitiba, v. 32, n. 1, p. 121-132, 2002.

HIRONS, M.; COMBERTI, C.; DUNFORD, R. Valuing cultural ecosystem services. Annual Review of Environment and Resources, Palo Alto, v. 41, p. 545-574, 2016.

INGOLD, T. The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. Routledge, 2002.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Caracterização e quadros de análise comparativa da governança metropolitana no Brasil: análise comparativa das funções públicas de interesse comum (Componente 2). Rio de Janeiro, 2015.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Complexo Cultural do Bumba-meu-boi do Maranhão: dossiê do registro como Patrimônio Cultural do Brasil. São Luís, 2011.

KEBEDE, A. S. et al. Direct and indirect impacts of climate and socio-economic change in Europe: a sensitivity analysis for key land-and water-based sectors. Climatic Change, v. 128, n. 3/4, p. 261-277, 2015.

KUMAR, P.; ESEN, E. S.; YASHIRO, M. Linking ecosystem services to strategic environmental assessment in development policies. Environmental Impact Assessment Review, New York, v. 40, p. 75-81, 2013.

KUMAR, K. Anil; ROY, Debal Singha; HASNAIN, Nadeem. Block-2 Society And Culture. 2017.

KULL, C.A.; DE SARTRE, X. A.; CASTRO-LARRAÑAGA, M. The political ecology of ecosystem services. Geoforum, v. 61, p. 122-134, 2015.

LEE, W. S.; GRAEFE, A. R.; HWANG, D. Willingness to pay for an ecological park experience. Asia Pacific Journal of Tourism Research, London, v. 18, n. 3, p. 288-302, 2013.

LU, J. L.; SHON, Z. Y. Exploring airline passengers’ willingness to pay for carbon offsets. Transportation Research Part D Transport and Environment, Exeter, v. 17, n. 2, p. 124-128, 2012.

LIMA, Carlos. O universo do Bumba-meu-boi do Maranhão. Olhar, memória e reflexões sobre a gente do Maranhão. São Luís: CMF, 2003.

MARTINS, O. et al. Uma discussão conceitual sobre o tratamento contábil dos heritage assets. Contexto, Porto Alegre, v. 14, n. 26, p. 66-78, jan./abr. 2014.

MARTINS, S.D.T. A memória de um lugar: discursos e práticas identitárias na freguesia do Castelo em Lisboa. 2011. Tese de Doutorado. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas.

MILCU, A. I. et al. Cultural ecosystem services: a literature review and prospects for future research. Ecology and Society, Wolfville, v. 18, n. 3, p. 44, 2013.

MILLENNIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT (MEA). Ecosystems and human well-being: biodiversity synthesis. Washington, DC: World Resources Institute, 2005a.

MILLENNIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT (MEA). Ecosystems and human well-being: Wetlands and water. Washington, DC: World Resources Institute, 2005b.

MOON, K. et al. A guideline to improve qualitative social science publishing in ecology and conservation journals. Ecology and Society, v. 21, n. 3, 2016.

MOTTA, R. S. Economia ambiental. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2006.

PASCUAL, U. et al. The economics of valuing ecosystem services and biodiversity. The economics of ecosystems and biodiversity: ecological and economic foundations, p. 183-256, 2010.

PERALTA, E. O Mar por Tradição: o Patrimônio e a Construção das Imagens do Turismo. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 9, n. 20, p. 83-96, 2003.

PEREIRA, M. A.; CAMPOS, W. G. Pagamento por serviços ambientais aliando conservação e Ecoturismo. Revista Brasileira de Ecoturismo. São Paulo, v.2, n.3, 2009, pp.255-272.

PELEGRINI, S. C. A. Cultura e natureza: os desafios das práticas preservacionistas na esfera do patrimônio cultural e ambiental. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 26, n. 51, p. 115-140, 2006.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil: São Luís, MA. 2013.

RIBEIRO, M. Festas populares e turismo cultural-inserir e valorizar ou esquecer? O caso dos Moçambiques de Osório, Rio Grande do Sul. Pasos: Revista de Tursmo y Patrimonio Cultural, Islas Canarias, v. 2, n. 1, p. 47-56, 2004.

SAAYMAN, A. et al. Exchange rate volatility and tourism-revisiting the nature of the relationship. European Journal of Tourism Research, Sofia, v. 6, n. 2, p. 104-121, 2013.

SÃO LUÍS. Prefeitura Municipal. Arraial da Maria Aragão registra recorde de público na noite de quinta-feira (28). Agência São Luís, São Luís, 29 jun. 2018. Disponível em: <http://www.agenciasaoluis.com.br/noticia/21841/>. Acesso em: 10 set. 2018.

SCARPA, R. et al. Valuing the recreational benefits from the creation of nature reserves in Irish forests. Ecological Economics, v. 33, n. 2, p. 237-250, 2000.

SILVA, A. B. Contribuição ao estudo do folclore amazônico na zona bragantina. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, n. 5, 1959.

SILVEIRA, V. C.; CIRINO, J. F.; PRADO FILHO, J. F. do. Valoração econômica da área de proteção ambiental estadual da Cachoeira das Andorinhas-MG. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 37, n. 2, p. 257-266, 2013.

SCHRÖTER, M. et al. Ecosystem services as a contested concept: a synthesis of critique and counter‐arguments. Conservation Letters, v. 7, n. 6, p. 514-523, 2014.

SPASH, C. L. Multiple value expression in contingent valuation: economics and ethics. Environmental Science and Technology, Washington, DC, v. 34, n. 8, p. 1433-1438, 2000.

STAHL JR, Ralph G. et al. Valuation of Ecological Resources: Integration of Ecology and Socioeconomics in Environmental Decision Making. CRC Press, 2007.

STEFANO, M. L.; DAVIS, P. The Routledge companion to Intangible Cultural Heritage. London: Routledge, 2017.

THE ECONOMICS OF ECOSYSTEMS AND BIODIVERSITY. Mainstreaming the economics of nature: a synthesis of the approach, conclusions and recommendations of TEEB. Geneva: UNEP TEEB, 2010.

TISDELL, C.; WILSON, C. Wildlife-based tourism and increased support for nature conservation financially and otherwise: evidence from sea turtle ecotourism at Mon Repos. Tourism economics, v. 7, n. 3, p. 233-249, 2001.

VAN TONDER, C.; SAAYMAN, M.; KRUGELL, W. Tourists’ characteristics and willingness to pay to see the Big Five. Journal of Economic and Financial Sciences, Johannesburg, v. 6, n. 3, p. 631-644, 2013.

YAO, R. T. et al. Valuing biodiversity enhancement in New Zealand’s planted forests: Socioeconomic and spatial determinants of willingness-to-pay. Ecological Economics, Amstrerdam, v. 98, p. 90-101, Feb. 2014.

Publicado
2019-11-04
Como Citar
Pinto, S. R., Coqueiro, A. C., Burkowski, R., & Silva, F. B. (2019). Valoração dos Serviços Ecossistêmicos Culturais: mensuração econômica do Bumba meu Boi do Maranhão. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 12(5). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2019.v12.6800