Ecoturismo de Base Comunitária na Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte, Corguinho (MS): planejamento e sustentabilidade

  • Maristela Benites Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo, Campo Grande, MS
  • Simone Mamede Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional - Uniderp
Palavras-chave: Turismo Comunitário, Protagonismo social, Território, Cerrado, Desenvolvimento Sustentável

Resumo

OO ecoturismo de base comunitária representa oportunidade central de valorização do ambiente natural, aliada ao protagonismo social, à autonomia e à valorização do território, apoiando-se na perspectiva do turismo como fonte de geração de emprego, renda e dinamização econômica. O trabalho tem como objetivo apresentar as etapas do planejamento participativo para a implantação do ecoturismo de base comunitária na Comunidade Furnas da Boa Sorte, Corguinho/MS, na perspectiva de gestão territorial, desenvolvimento socioeconômico e sustentabilidade. A área de estudo localiza-se na região da Serra de Maracaju, borda leste do Pantanal. As atividades foram desenvolvidas com base na perspectiva freireana, a partir do diálogo permanente e de fazer com a comunidade e não para ela. As etapas metodológicas consistiram de: pesquisa qualitativa, com uso de formulário semiestruturado; visita técnica às residências; e aulas para a administração teórica de conteúdos relacionados aos temas: ecoturismo, sustentabilidade, educação ambiental, hospitalidade, planejamento participativo, agrofloresta, e apresentação de experiências exitosas e inspiradoras em turismo de base comunitária pelo Brasil. Participaram das entrevistas 22 pessoas, representantes de 17 famílias e correspondentes a 42,5% do número de famílias existentes na comunidade. O território se mostra rico em bens naturais e culturais, o qual pode ser gerido para os propósitos do ecoturismo de base comunitária. Durante todo o processo de diagnóstico e planejamento participativo percebeu-se que os meios de subsistência da comunidade podem estar alinhados à conservação ambiental, com possibilidade de gestão efetiva por agentes de proteção do patrimônio natural e cultural que são os próprios moradores da comunidade. Assim, o Ecoturismo de Base Comunitária permite vislumbrar a possibilidade de práticas de conservação e gestão responsável dos bens naturais, no território em estudo, concorrendo para o aumento da qualidade de vida, dinamização econômica e proteção socioambiental.

Biografia do Autor

Maristela Benites, Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo, Campo Grande, MS

Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo. Curso de Geografia, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Unidade Campo Grande.

Referências

ALVES, G. L. Mato Grosso do Sul: o universal e o singular. Campo Grande: UNIDERP, 2003. 100p.

BURSZTYN, I. Planejamento turístico: políticas, processos e relacionamentos. Book review de Colin Michael Hall. Editora: Contexto, 2001. Caderno Virtual de Turismo, v. 4, n. 1, p. 1-4, 2004.

CASTRO, C. M; FORTUNATO, R. A. Redes populares de turismo e experiências de mapeamento participativo: a atuação da Rede Brasilidade Solidária em Teresópolis (RJ). Revista Continentes, v. 3, n. 5, p.150-161, 2014.

CORIOLANO, L. N. M. T. O turismo comunitário no nordeste brasileiro. Turismo de Base Comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, p. 277-288, 2009.

CORIOLANO, L. N. M. T. O turismo nos discursos, nas políticas e no combate à pobreza. São Paulo: Annablume, 2006. 238 p.

CRUZ, R. C. A. Políticas públicas de turismo no Brasil: território usado, território negligenciado. Geosul, v. 20, n. 40, p. 27-43, 2005.

CRUZ, R. C. A. Turismo, produção do espaço e desenvolvimento desigual: para pensar a realidade brasileira. Aportes y Transferencias, v. 12, n. 2, p. 25-45, 2008.

DeCLERCK, F.; INGRAM, J. C.; Del-RIO, C.R. Introduction to Integrating Ecology and Poverty Reduction. In: DeCLERCK, F.; INGRAM, J. C.; Del-RIO, C. R. (eds.). Introduction to integrating ecology and poverty reduction: ecological dimensions. Springer: New York, p. 01-12, 2012.

EATON, D. P.; SANTOS, S. A.; SANTOS, M. C. A.; LIMA, J. V.; KEUROGHLIAN, A. Pecuária ecologicamente correta no Pantanal: usando pastejo rotacionado para aumentar o lucro e preservar um paraíso tropical. Ciência Pantanal, v.1, n.1, p.07-10, 2014.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 28. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005. 158p.

GIRALDELLA, H.; NEIMAN, Z. Planejamento e gestão em áreas naturais protegidas. In: NEIMAN, Z.; RABINOVICI, A. (orgs.). Turismo e meio ambiente no Brasil. Barueri, SP: Manole, p. 124-148, 2010.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. 395p.

IRVING, M. A. Ecoturismo em áreas protegidas: da natureza ao fenômeno social. In: COSTA, N. M. C.; NEIMAN, Z.; COSTA, V. C. (orgs.). Pelas trilhas do ecoturismo. São Carlos: Rima editora, p. 03-15, 2008.

IRVING, M. A. Reinventando a reflexão sobre turismo de base comunitária: inovar é possível? In: BARTHOLO, R.; SANSOLO, D.; BURSZTYN, I. (orgs.). Turismo de Base Comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, p. 108-121, 2009.

KEUROGHLIAN, A.; SANTOS, M.C.A. Queixada! Que, quem, que é isso? Ciência Pantanal, v.1, n.1, p. 52-55, 2014.

LAYRARGUES, P. P. A função social do ecoturismo. Boletim Técnico do Senac, v.30, n.1, p. 38-45, 2018.

MALDONADO, C. O turismo comunitário na América Latina: gênesis, características e políticas. In: BARTHOLO, R.; SANSOLO, D. G.; BURSZTYN, I. (orgs.). Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, p. 25-44, 2009.

MAMEDE, S. B.; BATISTA, F. R. Q.; BENITES, M. Da planície pantaneira às montanhas do Tumucumaque: a biodiversidade como potencial para o ecoturismo no Brasil. In: COSTA, N. M. C.; NEIMAN, Z.; COSTA, V. C. (orgs.). Pelas trilhas do ecoturismo. São Carlos: Rima editora, p. 269-296, 2008.

MAMEDE, S. B.; BENITES, M. Contemplação da fauna no Cerrado brasileiro: uso sustentável para o ecoturismo. In: COSTA, N. M. C.; NEIMAN, Z.; COSTA, V. C. (orgs.). Pelas trilhas do ecoturismo. São Carlos: Rima editora, p. 217-230, 2008.

MAMEDE, S.; BENITES, M.; SABINO, J.; ALHO, C. J. R. Ecoturismo na região turística Caminho dos Ipês: conexões entre identidade biofílica e usufruto dos serviços ecossistêmicos. Revista Brasileira de Ecoturismo, v. 10, n. 4, p.938-957, 2017.

MARUJO, N; CARVALHO, P. Turismo, planeamento e desenvolvimento sustentável. Turismo & Sociedade, v. 3, n. 2, p. 147-161, 2010.

MENDONÇA, R.; NEIMAN, Z. Ecoturismo: discurso, desejo e realidade. In: NEIMAN, Z. (org.). Meio Ambiente, educação e ecoturismo. Barueri: Manole, p. 159-175, 2002.

RUSCHMANN, D. M. Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. Campinas, São Paulo: Papirus, 1997. 199p.

SANCHO, A; IRVING, M. A. Interpretando o Plano Nacional de Turismo 2003/2007 sob a ótica da inclusão social. Caderno Virtual de Turismo, v. 10, n. 3, 2010.

TUAN, Y. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Eduel, 2015. 242 p.

ZAMIGNAN, G.; SAMPAIO, C. A. C. Turismo de base comunitária como perspectiva para a preservação da biodiversidade e de modos de vidas de comunidades tradicionais: a experiência da micro-bacia do rio Sagrado, Morretes (PR). Encontro Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Sociedade, v.5., 2010, Florianópolis. Anais eletrônicos... Florianópolis: UFSC, 2010. Disponível em: <http://anppas.org.br/encontro5/cd/artigos/GT1-142-147-20100809214216.pdf>. Acesso em: 19 fev. 2019.

Publicado
2020-02-02
Como Citar
Benites, M., & Mamede, S. (2020). Ecoturismo de Base Comunitária na Comunidade Quilombola Furnas da Boa Sorte, Corguinho (MS): planejamento e sustentabilidade. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 13(1). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2020.v13.6778