Trilhas Interpretativas para o Uso Público em Parques: desafios para a Educação Ambiental

  • Priscila Gonçalves Costa Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Douglas de Souza Pimentel Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ
  • Alba Valéria Santos Simon Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Amaro Rodrigo Correia Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
Palavras-chave: Parque Estadual da Serra da Tiririca, Trilha do Costão de Itacoatiara, Educação Ambiental Crítica, Trilhas Interpretativas, Projeto Político Pedagógico.

Resumo

A Educação Ambiental (EA) é uma dimensão do uso público em áreas protegidas prevista para todas as categorias de manejo do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). Nesse contexto, as Unidades de Conservação (UC) necessitam ganhar significado para a sociedade e podem servir como locus das ações de consolidação da Política de Educação Ambiental (PEA). Essas têm potencial para reaproximar as pessoas dos ambientes naturais pela afetividade e reflexão e permitir uma visão prática e crítica das relações da sociedade com a natureza. Além disso, a EA, enquanto uma prática social pode contribuir para fomentar a integração participativa e democrática nas decisões sobre a sua gestão. O presente trabalho visa à elaboração de Trilhas Interpretativas (TI) como proposta pedagógica e ferramenta de EA, baseadas nas atividades de sensibilização e Interpretação Ambiental. Através de diversas etapas e baseado em metodologia de pesquisa social, o trabalho analisa a elaboração de diferentes trilhas interpretativas feitas por alunos do Ensino Médio do CIEP-449 Governador Leonel de Moura Brizola Brasil-França, localizado em Niterói, RJ, em parceria com o Grupo de Estudos Interdisciplinares do Ambiente, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ/FFP). No primeiro momento da pesquisa, as trilhas foram divididas em diferentes temas, obedecendo a proposta pedagógica e a base curricular da escola. A partir do segundo momento, o trabalho segue com a discussão e elaboração de uma nova trilha interpretativa, baseada nas trilhas feitas pelos alunos. A nova TI é do tipo guiada e tem uma abordagem pedagógica que busca a interdisciplinaridade. A área de estudo da pesquisa é a trilha do Costão de Itacoatiara, inserida no Parque Estadual da Serra da Tiririca, em bairro vizinho ao CIEP. O contexto social da turma, as diferentes vertentes da educação ambiental e os conflitos que envolvem as Unidades de Conservação foram discussões centrais neste trabalho, além da abordagem dos conceitos de interpretação ambiental e trilhas interpretativas. Com o resultado, pode-se analisar o uso das TI no planejamento e gestão do uso público nos parques e verificar sua eficácia com estratégia de conservação e como proposta pedagógica, a partir da sensibilização e construção de um pensamento crítico sobre questões socioambientais, minimização de impactos negativos da visitação e envolvimento dos alunos na conservação da biodiversidade, além de os auxiliarem no processo de ensino-aprendizagem.

Biografia do Autor

Priscila Gonçalves Costa, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Centro de Ciências Biológicas e da Saúde – CCBS; Programa de Pós-Graduação em Ecoturismo e Conservação - PPGEC; Mestrado Profissional em Ecoturismo e Conservação.

Douglas de Souza Pimentel, Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ

Professor Adjunto de ambas as Universidades.

Alba Valéria Santos Simon, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Professora Visitante do Programa de Pós Graduação em Ecoturismo e Conservação – PPGEC.

Amaro Rodrigo Correia, Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Professor de Ciências e Ateliê Científico.

Referências

ANDRADE, W.J. e Colaboradores. Manejo de Trilhas: um manual para gestores. São Paulo, n. 35, p. 1-74, 2008.

BARROS, A.A.M.; SEONNE, C.A. A problemática da conservação do Parque Estadual da Serra da Tiririca, Niterói / Maricá, RJ, Brasil. In: VALLEJO, L.R.; SILVA M.T.C. (eds) Os (des)caminhos do estado do Rio de Janeiro rumo ao século XXI. Instituto de Geociências da UFF, Niterói, p.114-124, 1999.

BARROS, A.A.M. Análise florística e estrutural do Parque Estadual da Serra da Tiririca, Niterói e Maricá, Rio de Janeiro, Brasil. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Botânica, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 213 p, 2008.

BOTERF, L. G. Propostas e reflexões metodológicas. In: BRANDÃO, R. C. Repensando a pesquisa participante. 3ª Ed. Editora brasilienses,1987.

BRASIL. Lei 9985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências, 2000.

CANTO-SILVA, C.R.; SILVA, J.S. Panorama da visitação e da condução de visitantes em Parques brasileiros. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. São Paulo, 2017, pp. 347-364.

DINIZ, F.K.B. (2016). Diagnóstico da Visitação no Costão de Itacoatiara, Parque Estadual da Serra da Tiririca, Niterói, RJ, Brasil. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Biologia Marinha e Ambientes Costeiros. Departamento de Biologia Marinha,Instituto de Biologia.Universidade Federal Fluminense, 2016.

EISENLOHR. P. V. e Colaboradores. Trilhas e seu papel ecológico: o que temos aprendido e quais as perspectivas para a restauração de ecossistemas. Hoehnea, v.40, n.3, 407-418, 1 tab, 2013.

IKEMOTO, S.; COSTA, V. C.; MORAES, M. G. Avaliação do potencial interpretativo da trilha do Jequitibá, Parque Estadual dos Três Picos, Rio de Janeiro. Sociedade e Natureza (Online), Uberlândia, v. 21, n. 3, 2009.

INEA. PLANO DE MANEJO. PARQUE ESTADUAL DA SERRA DATIRIRICA. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em <http://www.femerj.org/wp-content/uploads/Plano-de-manejo-do-Parque-Estadual-da-Serra-da-Tiririca-PESET.pdf> Acesso em 30/06/18.

LIMA, F. C. G. Educação Ambiental no Brasil. Formação, identidades e desafios. São Paulo: Papirus Editora, 2011.

LOUREIRO, C.; COSSÍO, M. Um olhar sobre a Educação Ambiental nas escolas: considerações iniciais sobre os resultados do projeto “O que fazem as escolas. In: Vamos Cuidar do Brasil: Conceitos e Práticas em Educação Ambiental na Escola. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Brasília, 2007.

MAGRO, T. C.; FREIXÊDAS, V. M. Trilhas: como facilitar a seleção de pontos interpretativos. Circular Técnica IPEF, 1988.

MMA. Diretrizes para visitação em Unidades de Conservação. Série Áreas Protegidas, 3ª Edição. Brasília. 2006, Disponível em: <http://www.mma.gov.br/ estruturas/ascom_boletins/_arquivos/livro.pdf>. Acesso em 24/02/2019.

PEDRINI, A.G. Avaliação da qualidade do ecoturismo terrestre no brasil: estudo de caso com uma empresa atuante em trilhas, RJ. Anais do VI Congresso Nacional de Ecoturismo, Itatiaia, RJ, Brasil, 2007.

PIMENTEL, D.S.; BARCELLOS, M.M. MEIRELES, C.P.; OLIVEIRA, M.L.; SANTOS, V.P. Trilhas Interpretativas como Estratégia de Educação Ambiental em Unidades de Conservação. In: SANTORI R.T.; SANTOS M.C.F.; SANTOS M.G. (Orgs). Da célula ao ambiente: propostas para o ensino de Ciências e Biologia, 2017.

PIRES, P.S.; RUGINE, V.M.T. (2018). Reconhecimento do Uso Público nos Parques Estaduais no Brasil com ênfase na visitação turística. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v.11, n.1, pp.61-80.

RIO DE JANEIRO (estado) Lei no 1.901, de 29 de novembro de 1991. Dispõe sobre a criação do Parque Estadual da Serra da Tiririca e dá outras providências,1991.

VASCONCELLOS, J.M.O. Educação e interpretação ambiental em unidades de conservação. Cadernos de conservação. Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. Curitiba, n.4, p.86, 2006.

VALLEJO, L.R. Políticas públicas e conservação ambiental: territorialidade em conflitos nos Parques Estaduais da Ilha Grande, da Serra da Tiririca e do desengano (RJ). Tese de Doutorado. Pós-Graduação em Geociências, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 228 p., 2005.

VALLEJO, L.R. () Uso Público em Áreas Protegidas: Atores, Impactos e Diretrizes de Planejamento e Gestão. Uso Público em Unidades de Conservação, Niterói/RJ, v.1, n.1, pp.13-26, 2013.

TILDEN, F. Interpreting our Heritage. Chapel Hill: University of North Carolina Press. 3. 191p, 1977.

Publicado
2019-11-06
Como Citar
Costa, P. G., Pimentel, D. de S., Simon, A. V. S., & Correia, A. R. (2019). Trilhas Interpretativas para o Uso Público em Parques: desafios para a Educação Ambiental. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 12(5). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2019.v12.6769