Análise do Uso Turístico da Unidade de Conservação Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia (PA)

  • Milene de Cassia Santos de Castro Universidade Federal do Pará, Belém, PA
  • Jonathan Rodrigues Numes Universidade Federal do Pará, Belém, PA
  • Sílvia Helena Ribeiro Cruz Universidade Federal do Pará, Belém, PA
  • Fabrício Lemos de Siqueira Mendes Universidade Federal do Pará, Belém, PA
Palavras-chave: Turismo, Unidade de Conservação, Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia.

Resumo

O advento das Unidades de Conservação (UC), é visto pelo governo como uma das principais ações de preservação e conservação da biodiversidade. Dentre seus objetivos está a possibilitar que essas áreas possam evitar o uso desordenado de seu território. Dentre as classificações das UC, destaca-se neste artigo o Refúgio de Vida Silvestre (REVIS). Na Região Metropolitana de Belém – RMB (PA) destaca-se o REVIS Metrópole da Amazônia, criado no ano de 2010, em uma área de 63,67 km², estabelecendo condições ambientais para existência ou reprodução de espécies de fauna e flora. Este estudo teve como objetivo indicar uma proposta de uso turístico para a unidade de conservação, a partir da análise de seu potencial turístico e o uso sustentável. Para isso, a metodologia partiu de pesquisas bibliográficas e documentais, bem como entrevistas com moradores e com representantes dos órgãos voltados a gestão da unidade e aplicação de questionários semiestruturados com os visitantes do REVIS. Os resultados obtidos por meio da atividade de campo culminaram na contextualização da localidade durante um período de 5 anos, do ano de 2013 a 2018. Os resultados obtidos apontam que são diversas as atividades turísticas sendo praticadas na localidade, no entanto, verifica-se que o REVIS ainda não possui uma infraestrutura adequada para visitação. Ressalta-se que a população residente no entorno da UC em muitos momentos ainda desconhece o motivo pelo qual a área virou uma unidade. Por isso estima-se a necessidade de reunir a população local os gestores, para discutirem os assuntos e rumos da UC.

Biografia do Autor

Milene de Cassia Santos de Castro, Universidade Federal do Pará, Belém, PA

Professora na Faculdade de Turismo -UFPA

Referências

AGUIAR, H.J.P. Ecoturismo e tradição cultural quilombola: análise sobre as influências do turismo no Parque Estadual Caverna do Diabo nas comunidades de Ivaporunduva e Sapatu. São Paulo, Eldorado. 2017.

ALBACH, V.M; GÂNDARA, J.M.G; HACK NETO, E.; VIEIRA, V.B. O Pensamento de Lefebvre e os Usos e Consumos dos Espaços Turísticos. Revista Hospitalidade, São Paulo, v. xi, n. 1, 2012, p. 105-117.

ALMEIDA, M.P.R. Observação de aves no refúgio de vida silvestre metrópole da Amazônia: uma contribuição para a conservação ambiental da unidade e ao desenvolvimento turístico do estado do Pará. 2013. 134 f. Manaus: Dissertação – Instituto Nacional de pesquisa da Amazônia (INPA). Mestrado Profissional em Gestão de Áreas Protegidas na Amazônia.

ANDRADE, J.V. Fundamentos e dimensões do turismo. B. Horizonte: Ática, 1976.

BARRETTO, M. Espaços públicos: usos e abusos. In: YÁZIGI. E; CARLOS, A.F.A; CRUZ, R.C.A. (Orgs.) Turismo: espaço, paisagem e cultura. Congresso internacional de geografia e planejamento do turismo “sol e território”. Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 1995.

BARRETO, M. Turismo e legado cultural. 2000.

BOO, E. O boom do ecoturismo: planejamento para desenvolvimento e gerenciamento. Wildlands and Human Needs Program, 1992.

BRASIL. Lei 9985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União. 2000.

BRITO, F.A.; CÂMARA, J.B.D. Democratização e gestão ambiental: em busca do desenvolvimento sustentável. Editora Vozes, 1999.

CASTRO, M. C. S. Turismo em Unidades de Conservação: Uma Proposta para o Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia. 2013. 105 f. Trabalho de Conclusão de Curso. Belém: Universidade Federal do Pará (UFPA). Curso de Bacharelado em Turismo.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CRITICAL ECOSYSTEM PARTNERSHIP FUND. Prioridades para Investimento do Fundo para Áreas Protegidas da Mata Atlântica. 2009. Disponível em: <https://www.funbio.org.br/wp-content/uploads/2019/06/FMARJ-Fundo-da-Mata-Atl% C3%A2ntica-Um-mecanismo-inovador-de-financiamento-da-conserva%C3%A7%C3 %A3o-no-Rio-de-Janeiro.pdf>. Acesso em: 01/12/2015.

DENCKER, A. Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. 2 ed. São Paulo: Futura, 1998.

DIEGUES, A.C.S. Populações tradicionais em unidades de conservação: o mito moderno da natureza intocada. In: Populações tradicionais em unidades de conservação: o mito moderno da natureza intocada. CEMAR/USP/NUPAUB, 1993.

DIEGUES, A.C.S. Etnoconservação: novos rumos para a conservação da natureza. Hucitec, 2000.

FENNELL, D.A. Ecoturismo: Uma Introdução. São Paulo. Contexto, 2002.124p.

FIGUEIREDO, S.L. Turismo e cultura: um estudo das modificações culturais no município de Soure em decorrência da exploração do turismo ecológico. Turismo: impactos socioambientais. São Paulo: Hucitec, p. 207-222, 1999.

GIL. A.C. Como classificar as pesquisas? In: Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HALL, C.M. Planejamento turístico: políticas, processos e relacionamentos. São Paulo: Contexto, 2001.

IBGE CIDADES. Ananindeua, Marituba, Benevides e Santa Isabel do Pará. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php>. Acesso em: 07/07/2015.

IGNARRA, L.R. Fundamentos do Turismo. rev. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL E DA BIODIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ. Unidades de conservação. Disponível em: <https://ideflorbio.pa.gov.br/unidades-de-conservacao/regiao-administrativa-de-belem/refugio-de-vida-silvestre-metropole-da-amazonia/> Acesso em: 02/12/2015.

LINDBERG, K.; HAWKINS, D.E. Ecoturismo: um guia para planejamento e gestão. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 1995 e 1999.

LOMBARDO, M.A; CASELLA, L.L.D. Turismo ambiental: o caso de Bombinhas (SC). In: RODRIGUES, A.B. (Org.) Turismo e Ambiente Reflexões e Propostas. 2 ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

LUSTOSA, M.C.J.; CÁNEPA, E.M.; YOUNG, C.E.F. Política Ambiental. In: MAY, P.H.; LUSTOSA, M.C.; VINHA, V. Economia do Meio Ambiente: teoria e prática. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus Elsevier, 2003. 600p.

MACHADO, L.M.C.P. Paisagem valorizada – A Serra do Mar como espaço e lugar. In: DEL RIO, V.; OLIVEIRA, L. Percepção ambiental: A experiência brasileira. São Paulo: Nobel, 1996. p. 97-119.

MTUR, FGV. SEBRAE. Estudo de competitividade dos 65 destinos indutores do desenvolvimento turístico regional. Brasília, Distrito Federal, 2008.

PARÁ. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade. Programa Estadual de Ordenamento Territorial. Consulta pública. Refúgio de vida silvestre. Belém: DIAP. Coordenadoria de Ecossistemas, 2009.

PIRES, B.C.C. Gestão em agências de ecoturismo e sua inserção no contexto da sustentabilidade. Turismo-Visão e Ação, v. 1, n. 2, p. 45, 1998.

QUINTÃO, A.T.B. Evolução do conceito de Parques Nacionais e sua relação com o processo de desenvolvimento. Brasil Florestal, v. 54, n. 2, p. 13-28, 1983.

RODRIGUES, C.G.O.; GODOY, L.R.C. Atuação pública e privada na gestão de Unidades de Conservação: aspectos socioeconômicos da prestação de serviços de apoio à visitação em parques nacionais. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 28, p. 75-88, 2013.

RUSCHMANN, D.V.M. O turismo rural e o desenvolvimento local sustentável: Turismo Rural e Desenvolvimento local sustentável. Campinas: Papirus, 2001.

SARGES, M.N. Belém: Riquezas Produzindo a Belle Époque (1870-1912). 2.ed. Belém: Paka-Tatu, 2002.

SILVA, J.M. Política de turismo e representações da Amazônia: o turismo ecológico e cultural no estado do Amazonas. Novos Cadernos NAEA, v. 16, n. 1, 2013.

TUAN, Y. Topofilia: Um estudo da percepção e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980. 288 p.

VALLEJO, L.R. Unidade de conservação: uma discussão teórica à luz dos conceitos de território e políticas públicas. Geographia, v. 4, n. 8, p. 57-78, 2009.

Publicado
2020-04-27
Como Citar
Castro, M. de C. S. de, Numes, J. R., Cruz, S. H. R., & Mendes, F. L. de S. (2020). Análise do Uso Turístico da Unidade de Conservação Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia (PA). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 13(2). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2020.v13.6760
Seção
Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##