Geoturismo urbano na Urca: conhecendo o Rio de Janeiro pelo olhar geopoético do Gigante Adormecido

  • Bernardo Perrota Legal Gomes Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Kátia Leite Mansur Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Luiza Corral Martins de Oliveira Ponciano Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
Palavras-chave: Ecoturismo, Geoconservação, Geomitologia, Geopoética, Patrimônio Natural.

Resumo

No Rio de Janeiro, alguns dos destinos turísticos mais famosos da cidade possuem uma intensa conexão com o Patrimônio Geológico. Apesar disso, o potencial para o Geoturismo é pouco desenvolvido pelas atividades turísticas estabelecidas na região. Visando complementar as experiências turísticas oferecidas no Rio de Janeiro, foi elaborado e analisado um novo roteiro para a paisagem da Urca (próximo ao Pão de Açúcar). Integrando as narrativas do Geoturismo com performances artísticas baseadas na Geopoética e na Geomitologia, bem como com informações históricas e socioculturais associadas à evolução urbana do local, nós desenvolvemos uma nova e memorável experiência turística. A incorporação de diferentes áreas do conhecimento (principalmente Geociências, Artes e Museologia) busca promover uma conexão mais ampla entre os visitantes e o Patrimônio Natural, Cultural e Histórico, tendo como objetivo de estimular a Geoconservação e a percepção do Patrimônio de maneira integral. O resultado dessa integração é um roteiro geoturístico estruturado em sete paradas, cada uma delas conectada com a performance de um poema ou conto relacionado com a geodiversidade local. Após as performances são apresentadas as interpretações das características geológicas, geomorfológicas, geográficas, históricas e socioculturais do local, de maneira acessível e lúdica para os visitantes. Testamos esse novo roteiro geoturísticos duas vezes, em junho e novembro de 2018. Os participantes destacaram as performances artísticas dos poemas e contos como o momento mais interessante da atividade, despertando memórias e o vínculo afetivo entre seres humanos e o ambiente. Esta avaliação corrobora a importância da Geopoética e da Geomitologia como um método inovador para despertar o fascínio dos visitantes, abrindo suas mentes para a apresentação subsequente das informações geocientíficas por meio de suas conexões com os sentimentos de pertencimento, germinados pelas Artes.

Biografia do Autor

Bernardo Perrota Legal Gomes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Graduado em Geografia (Licenciatura e Bacharelado) pela Universidade Federal Fluminense. Fui monitor da disciplina de Geologia referente ao primeiro semestre do curso de Geografia da Universidade Federal Fluminense no período de 2010 a 2011. Bolsista de Iniciação Científica pela Universidade Federal Fluminense com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro no período de agosto de 2011 a julho de 2012. Bolsista de Iniciação Científica PIBIC/UFF no projeto Projeto "Análise Espaço-Temporal de Episódios de Enchentes na Região do Município de São Gonçalo e Área de Entorno (RJ): Bases Para Construção de Banco de Dados Geográficos" sob orientação do(a) Prof.(ª) Dr.(ª) Carla Maciel Salgado - UFF. Atualmente curso o Mestrado Profissional em Ecoturismo e Conservação pela Universidade Estadual do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO e atuo como professor de Geografia na rede privada de ensino nos municípios de Niterói, Rio de Janeiro e São João de Meriti.

Kátia Leite Mansur, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Possui graduação em Geologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1981) e doutorado pela mesma universidade (2010). Desde maio de 2011 é Professor Adjunto do Instituto de Geociências / Departamento de Geologia da UFRJ, ministrando as disciplinas de Geologia Geral e Tópicos em Ciências da Terra para o Curso de Bacharelado em Ciências Matemáticas e da Terra - BCMT e Geoconservação para o Curso de Geologia. Desde 2010 é professor colaborador do Curso de Especialização em Geologia do Quaternário do Museu Nacional da UFRJ. A partir de 2013 faz parte do corpo docente do PPGL - Programa de Pós-Graduação em Geologia do Departamento de Geologia - UFRJ. Tem experiência na área de Geologia Ambiental, Hidrogeologia, Geoconservação e Popularização da Ciência. Por 30 anos atuou no Serviço Geológico do Estado do Rio de Janeiro - DRM-RJ, onde coordenou o Projeto Caminhos Geológicos desde sua inauguração em 2001 até 2011. Faz parte da coordenação do Projeto Caminhos de Darwin e do grupo de gestão da proposta do Geoparque Costões e Lagunas do Rio de Janeiro. Atualmente é Diretora do Museu da Geodiversidade. Em 2014 recebeu o Prêmio Monteiro Lobato da Sociedade Brasileira de Geologia pelo seu trabalho pela Popularização da Geologia.

Luiza Corral Martins de Oliveira Ponciano, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Professora adjunta da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, docente permanente do Mestrado Profissional em Ecoturismo e Conservação (PPGEC), possui Doutorado e Mestrado em Geologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Bacharelado e Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Possui experiência nas áreas de Geociências, Biociências e Museologia, com ênfase em Tafonomia de invertebrados, caracterização de tafofácies e reconstituição paleoambiental (bacias do Parnaíba, Amazonas e Paraná), Patrimônio Geológico e Paleontológico, Divulgação das Geociências, Geoética, Paleontologia Cultural, Geomitologia, Geopoética e outras interfaces entre as Geociências e as Artes. Já participou da elaboração e montagem de diversas exposições de Paleontologia no Museu Nacional/UFRJ, no Projeto Ciência Móvel do Museu da Vida/FIOCRUZ e na Oca/Parque do Ibirapuera/SP. Também trabalha com a elaboração de projetos de salvamento do patrimônio paleontológico, iniciativas de geoconservação de sítios geológicos e paleontológicos brasileiros e palestras sobre Paleontologia, Geologia e Patrimônio Geológico. Ministra as disciplinas Geologia & Paleontologia II, Paleontologia Geral, Fundamentos de Geologia e Paleontologia, Patrimônio Natural e Conservação do Patrimônio Geológico, coordena o Laboratório de Tafonomia e Paleoecologia Aplicadas - LABTAPHO e o grupo GeoTales, que tem como objetivo divulgar as Geociências por meio de performances artísticas baseadas em histórias em prosa e verso, possibilitando uma vivência dos conteúdos científicos por meio de atividades práticas, multissensoriais, interativas e lúdicas, sob a perspectiva da aprendizagem afetiva. Todos estes projetos também visam auxiliar o desenvolvimento global das pessoas, contribuindo para a constituição da sua identidade e do seu autoconhecimento, ao desenvolver o senso crítico e estético, despertar o imaginário e a reflexão sobre as relações entre as pessoas e com o planeta Terra, possibilitando uma melhor percepção dos conteúdos de Geologia e Paleontologia presentes no cotidiano, a fim de promover a conservação do Patrimônio Natural e Cultural.

Referências

ABREU, M. A. A evolução urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Instituto Pereira Passos, 2013. 147 p.

ARAÚJO, C. V. F. Ecoturismo, sua prática, seu espaço. 2003. 95 p. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2003.

ARAUJO, J. M.; PEIXINHO, F. L.; PONCIANO, L. C. M. O. Maracajá e a Pedra da Onça: geomitologia na cidade do Rio de Janeiro. Anais do II Colóquio de Zoologia Cultural, 2., Rio de Janeiro, Revista A Bruxa, n. especial, 2017.

ARAUJO, J. M.; PONCIANO, L.C.M.O. O Gigante adormecido da Baía de Guanabara: divulgando a Geomitologia associada ao Pão de Açúcar. Anais do III Colóquio de Zoologia Cultural, 3., Revista A Bruxa, n. especial, p.124-125, 2018.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. SNUC – Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza: Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000; Decreto nº 4.340, de 22 de agosto de 2002; Decreto nº 5.746, de 5 de abril de 2006. Plano Estratégico Nacional de Áreas Protegidas: Decreto nº 5.758, de 13 de abril de 2006. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2011. 76 p.

CAPREZ, P. Por uma Geopoética Urbana (Arte, Cidade e Paisagem). Geograficidade [Online], v. 7, n. 2, p. 49-60, 2017.

DESFILE COMPLETO CARNAVAL 2014 - Portela. 2014. (1h19m28s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=sW6ODvZcdzw>. Acesso em: 05 fev. 2019.

DIAS, A. G. O Gigante de Pedra. In: Últimos cantos, 1851. Disponível em: <http://www.avozdapoesia.com.br/obras_ler.php?poeta_id=225&obra_id=13685>. Acesso em: 06 jun. 2018.

DUARTE, J. R. A. Marco de posse e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.riodejaneiroaqui.com/portugues/marco-da-cidade.html>. Acesso em: 25 jan. 2019.

FERREIRA, L. F.; COUTINHO, M. C. B. Ecoturismo: visitar para conservar e desenvolver a Amazônia. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2002. 52 p.

GRAY, M. Geodiversity: valuing and conserving abiotic nature. London, England: John Wiley and Sons, 2004. 315 p.

HOSE, T. A. European geotourism: geological interpretation and geoconservation promotion for tourists. In: BARRENTINO, D.; WINBLEDON, P.; GALLEGO, E. (eds.). Geological Heritage: its conservation and management, Madrid, Spain, 2000. p. 127-146.

HOSE, T. A. Selling the story of Britain’s stone. Environmental Interpretation, v. 10, n. 2, p. 16–17, 1995.

IPHAN. Corcovado e Complexo do Pão de Açúcar (RJ) comemoram 42 anos de tombamento. 2015. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/rj/noticias/detalhes/3185/ corcovado-e-complexo-do-pao-de-acucar-rj-comemoram-42-anos-de-tombamento>. Acesso em: 05 fev. 2019.

IPHAN. Morro Cara de Cão (Rio de Janeiro, RJ). 1973. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/ans.net/tema_consulta.asp?Linha=tc_arque.gif&Cod=1756>. Acesso em: 05 fev. 2019.

JOHNNIE WALKER | NEOGAMA BBH. 2013. (1m03s). Disponível em: <https://youtu.be/jSrehs9jlpU>. Acesso em: 05 fev. 2019.

KORYTOWSKI, I. Fortaleza de São João (Urca). 2009. Disponível em: <http://literaturaeriodejaneiro.blogspot.com/2009/05/fortaleza-de-sao-joao-urca.html> Acesso em: 27 fev. 2019

KOZEL, S. Geopoética das paisagens: olhar, sentir e ouvir a “Natureza”. Caderno de Geografia, v. 22, n.37, p. 65-78, 2012.

LICCARDO, A.; MANTESSO-NETO, V.; PIEKARZ, G. F. Geoturismo urbano: educação e cultura. Anuário do Instituto de Geociências [Online], v. 35-1, p. 133-141, 2012.

LINDBERG, K.; HAWKINS, D. E. Ecoturismo: um guia para planejamento e gestão. São Paulo: SENAC São Paulo, 1995. 278p.

LIRA, M. Migalhas Folclóricas. Rio de Janeiro: Gráfica Lammert, 1951. p. 56-57.

MANSUR, K. L. Projetos educacionais para a popularização das geociências e para a geoconservação. Revista do Instituto de Geociências, São Paulo: USP, v. 5, p. 63-74, 2009. Publicação especial.

MANSUR, K. L. Guia geoturístico para a trilha Cláudio Coutinho e arredores, cidade do Rio de Janeiro, RJ. Anais do Encontro Nacional de Educação em Geociências para o Ensino Básico, 1., 2015, Rio de Janeiro, 2015. Guia da Excursão no Monumento Pão de Açúcar, 2015.

MANSUR, K. L.; CARVALHO, I. S.; DELPHIM, C. F. M.; BARROSO, E. V. O gnaisse facoidal: a mais carioca das rochas. Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ, Rio de Janeiro, v. 31, n. 2, p. 9-22, 2008b.

MANSUR, K.L.; CARVALHO, I.S.; DELPHIM, C.F.M BARROSO, E.V. O gnaisse facoidal e a cidade do Rio de Janeiro: um caso clássico de paisagem cultural, 2008a. Memórias e Notícias. Publicação do Departamento de Ciências da Terra e do Museu Mineralógico e Geológico da Universidade de Coimbra, n. 3, p. 469–473. [online]. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/236165206>. Acesso em: 23 jan. 2019

MELO, M. A. 2013. No dia do índio: a história do gigante adormecido. Blog Educar para Transformar. Disponível em: <http://trasnformandovidas.blogspot.com.br/ 2013/04/no-dia-do-indio-história-do-gigante.html>. Acesso em: 4 abr. 2018.

MENÉNDEZ, I. G. Experimentar-se Natureza – Uma proposta de práticas para o encontro. 2018. 134 p. Dissertação (Mestrado em Ecoturismo e Conservação) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

MOREIRA, J. C. Geoturismo e interpretação ambiental [online]. 1. ed. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014. 157 p.

MOREIRA, J. C. Interpretação ambiental, aspectos geológicos e geomorfológicos. Boletim Geográfico, Maringá, v. 30, n. 2, p. 87-98, 2012.

MOREIRA, J. C. Patrimônio geológico em unidades de conservação: atividades interpretativas, educativas e geoturísticas. 2008. 374p. Tese (Doutorado em Geografia) - Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

MOTTA, M. Sobre Rochas: Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson, 2017. 251 p.

NASCIMENTO, M. A. L; RUCHKYS, U. A.; MANTESSO-NETO, V. Geodiversidade, Geoconservação e Geoturismo: trinômio importante para a proteção do patrimônio geológico. [São Paulo]: Sociedade Brasileira de Geologia, 2008. p. 82.

NEIMAN, Z.; MENDONÇA, R. Ecoturismo: discurso, realidade e desejo. Turismo em Análise, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 98-110, 2000.

NEWSOME, D.; DOWLING, R. The scope and nature of Geoturism. In: NEWSOME, D.; DOWLING, R. Geoturism: sustainability, impacts and management. [S.l.]: Elsevier, 2006. p. 3-26.

NIKLAS, J. Palco do Cassino da Urca é revitalizado para receber visitantes. O Globo Rio, matéria online de 24 de novembro de 2017. [online] Disponível em: <https://oglobo.globo.com/rio/palco-do-cassino-da-urca-revitalizado-para-receber-visitantes-22107424>. Acesso em: 05 fev. 2019.

PEREIRA. R. G. F. A. Geoconservação e desenvolvimento sustentável na Chapada Diamantina (Bahia - Brasil). 2010. Tese (Doutorado em Ciências) - Escola de Ciências, Universidade do Minho, Portugal, 2010. p. 295.

PIPER, W. S. The Eagle of Thunder Cape. New York: The Knickerbocker Press. 1924. 156p.

PONCIANO, L. C. M. O. Geomitologia: era uma vez... na história da Terra. Revista Sentidos da Cultura, Belém, ano 2, n. 2, p. 22-42, jan.-jun., 2015.

PONCIANO, L.C.M.O. 2018. Geotales: narrando as histórias petrificadas pela Terra. Revista Sentidos da Cultura, Belém, n.5, p.34 – 48, dez., 2018.

PONCIANO, L. C. M. O.; CASTRO, A. R. S. F.; MACHADO, D. M. C.; FONSECA, V. M. M.; KUNZLER, J. Patrimônio geológico-paleontológico in situ e ex situ: definições, vantagens, desvantagens e estratégias de conservação. In: CARVALHO, I. S. et al. (org.). Paleontologia: Cenários de Vida. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2011. v. 4, p. 853-870.

PRATES, T. A. A Escola Naval. Revista de Villergagnon - Revista Acadêmica da Escola Naval, ano V, n. 5, 2010. [online] Disponível em: <https://www.marinha. mil.br/en/revista_villegagnon>. Acesso em: 27 jan. 2019

RÊGO, G. S. M. M.; FERNANDES, J. L. J. A topofilia dos cidadãos para com o patrimônio natural urbano: o caso da cidade de Coimbra. Geotextos, v. 8, n. 1, p. 11-32, 2012.

RIO DE JANEIRO. DECRETO MUNICIPAL Nº 26.578, DE 1º DE JUNHO DE 2006. Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/4462114/4112614/Atode Criacao_MONA.pdf>. Acesso 23 fev. 2019.

RIO DE JANEIRO. Plano de Manejo do MONA dos Morros do Pão de Açúcar e da Urca: Caracterização da UC. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Meio Ambiente, 2011. p. 395. Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/web/smac/ exibeconteudo?id=4461307> Acesso em: 25 fev. 2019.

RIO DE JANEIRO. Guia das Áreas de Proteção do Ambiente Cultural (APACs): Urca. Rio de Janeiro: Instituto Rio Patrimônio da Humanidade, 2012. p. 16.

RUCHKYS, U. Patrimônio geológico e geoconservação no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais: potencial para a criação de um Geoparque da UNESCO. 2007. Tese (Doutorado em Geologia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007. p. 211.

SANTOS, L.B.M.; PONCIANO, L.C.M.O.; SILVA, P.J.A.S.; MAÇÃO, G.B.; PIMENTEL, I.B.S.; MELO, D.B.; PEIXINHO, L.F.; ARAUJO, J.M.; LEME, G.F.P. GeoTales: divulgação das Geociências atravessada pela poética das vozes da Terra. In: PONTES, H.S.; MOCHIUTTI, N.F.B.; MASSUQUETO, L.L.; GUIMARÃES, G. B.. (Org.). Anais... Simpósio Brasileiro de Patrimônio Geológico, 4.; Encontro Luso-Brasileiro De Patrimônio Geomorfológico E Geoconservação, 2. 1. ed. Ponta Grossa: UEPG, v. 1, p. 16-20, 2017.

SANTOS, M. A Natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed., 2. reimpr. São Paulo: EdUSP, 2006. p. 259.

SILVA, L. C.; CUNHA, H. C. S. Geologia do Estado do Rio de Janeiro. Brasília: Companhia de Pesquisas em Recursos Minerais, 2001. 94 p.

SOUZA, A. F. A Bahia do Rio de Janeiro: Sua história e descrição de suas riquezas. Rio de Janeiro, 1882. 340 p. Disponível em: <http://www2.senado. leg.br/bdsf/item/id/174429>. Acesso em: 06 jun. 2018.

TILDEN, F. Interpreting our Heritage. 3. ed. Chapel Hill: The University Of North Carolina Press, 1977. 119 p.

TUAN, Y. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980. 288 p.

TOSATTO, P. Um palácio na histórica geológica brasileira. 2. ed. Brasília: Departamento Nacional de Produção Mineral, 1997. 124 p.

UCEDA, A. C. El Patrimonio Geologico: ideas para suprotección, conservación y utilización. In: MOPTMA -MIN. OBR. PÚBL. TRANP. MED. AMB. El patrimônio geológico. Bases para suvaloración, protección,conservación y utilización. Madrid, 1996. p. 17-27.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). Rio de Janeiro recebe da UNESCO certificado de Patrimônio Mundial pela sua Paisagem Cultural. 2016. Disponível em: Acesso em: 25 fev. 2019.

VALERIANO, C. M.; HEILBRON, M.; ALMEIDA, J. C. H. Precambrian gneisses in Rio from the Sugar Loaf to the Arpoador outcrops - Field Trip Guide. In: Congresso Internacional de Geologia, Rio de Janeiro, 2000.18 p.

VALERIANO, C. M. 2006. A odisséia do Pão de Açúcar: as rochas contam sua história... Projeto Caminhos Geológicos. DRM-RJ. Disponível em: <http://www.drm.rj.gov.br>. Acesso em: 27 dez. 2018

VALERIANO, C. M.; HEILBRON, M.; NASCIMENTO, V.; MANSUR, K. L. 2007a. A Geologia do morro do Corcovado. Projeto Caminhos Geológicos. DRM-RJ. Disponível em: <http://www.drm.rj.gov.br>. Acesso em: 12 dez. 2018

VALERIANO, C. M.; HEILBRON, M.; NASCIMENTO, V.; MANSUR, K. L. 2007b. De braços abertos para a Geologia. Projeto Caminhos Geológicos. DRM-RJ. Disponível em: <http://www.drm.rj.gov.br>. Acesso em: 27 dez. 2018

VALERIANO, C. M.; MAGALHÃES, A. C. Geologia estrutural da área do Pão de Açúcar e adjacências, Rio de Janeiro, Brasil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, p. 295-303, 1984.

VALERIANO, C. M; SILVA, L. C. (Org.). Geologia e recursos minerais da folha Baía de Guanabara SF-23-Z-B-IV, Estado do Rio de Janeiro, escala 1:100.000. 1. ed. Belo Horizonte: Companhia de Pesquisas em Recursos Minerais, 2012, v. 1, p. 156.

WEARING, S.; NEIL, J. Ecoturismo: impactos, potencialidades e possibilidades. [São Paulo]: Manole, 2001. 256 p.

Publicado
2019-10-29
Como Citar
Gomes, B. P. L., Mansur, K. L., & Ponciano, L. C. M. de O. (2019). Geoturismo urbano na Urca: conhecendo o Rio de Janeiro pelo olhar geopoético do Gigante Adormecido. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 12(5). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2019.v12.6759