Elementos da visitação na Área de Preservação Ambiental do Pé do Morro em Aragominas (TO)

  • Stephanni Gabriela Silva Sudré Universidade Federal do Tocantins, Araguaína, TO
  • Camilo Azevedo Universidade Federal do Tocantins, Araguaína, TO
  • Andressa Nogueira Oliveira Universidade Federal do Tocantins, Araguaína, TO
  • Benilson Pereira de Sousa Instituto Natureza do Tocantins - Naturatins, Araguaína, TO
Palavras-chave: Gestão, turismo, áreas naturais.

Resumo

As características da biodiversidade são elementos fundamentais no setor turístico, que são favorecidas nas áreas naturais protegidas motivando os turistas que buscam oportunidades de observar e vivenciar um ambiente natural. Na intenção de colaborar para a construção da compreensão sobre o turismo em áreas naturais no Tocantins e a gestão da visitação, este estudo objetivou caracterizar elementos que constituem a visitação na APA Pé do Morro, e como objetivos específicos identificar os segmentos do turismo vocacionados para a APA Pé do Morro; elencar e descrever os pontos de visitação que favorecem o desenvolvimento do turismo na área. E para tanto se utilizou de técnicas de análise e coleta de dados qualitativos, com a revisão bibliográfica, observação participante e entrevistas com dois atores sociais: membro do Conselho Gestor da APA e Membro da comunidade local. Neste sentido, entender como o turismo se estabelece colabora para compreender as diretrizes para a sustentabilidade social e ambiental poderá ser garantida, tendo em vistas a valorização cultural.

Biografia do Autor

Stephanni Gabriela Silva Sudré, Universidade Federal do Tocantins, Araguaína, TO

Docente do Curso de Gestão de Turismo da UFT.

Camilo Azevedo, Universidade Federal do Tocantins, Araguaína, TO

Acadêmico do Curso de GEstão de Turismo da UFT

Referências

ALVES-MAZZOTTI, A.J., GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, 1998.

AZEVEDO, L.L. Ecoturismo indígena. Quito: Abya-Yala, 2007.

BENI, M.C. Análise estrutural do turismo. 8 ed. São Paulo: editora SENAC, 2003.

BOO, E. Ecoturismo: potenciales y escollos. Washington, D.C: WWF, 1992.

BORGES, M. M. Fontes de informação e inventário. In: MOURÃO, R. M. F. Manual de melhores práticas para o ecoturismo. Instituto ECOBRASIL. Rio de Janeiro: FUNBIO. 2004.

BRASIL. Regulamento quilombola. Decreto-lei n. 4.887 de 20 de novembro de 2003. Casa civil. 2003.

BRASIL. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000; decreto nº 4.340, de 22 de agosto de 2002. 5.ed. aum. Brasília: MMA/SBF, 2004.

BUENO, F.P. Educação ambiental aplicada ao Ecoturismo nas Unidades de Conservação do Pólo de Ecoturismo da Ilha de Santa Catarina. In: LI Encontro Interdisciplinar de Ecoturismo em Unidade de Conservação e I Congresso Nacional de Ecoturismo, 2007, Itatiaia, Anais, 2007.

CANDIDO, L.A. Turismo em áreas naturais protegidas. Caxias do Sul: Educs. 2003.

CARVALHO, N. O. Hidrologia da Bacia do Alto Paraguai. In: Simpósio sobre Recursos Naturais e Sócio Econômicos do Pantanal. v.1, 1984, Corumbá. Anais. Brasília: EMBRAPA-DDT, 1986, (EMBRAPA-CPAP. Série Documentos, 5. p. 43-49.

CASTELLI, G. Administração Hoteleira. Caxias do Sul: EDUCS, 2003.

CASTELLI, G. Hospitalidade: a inovação na gestão nas organizações prestadoras de serviços. São Paulo: Saraiva, 2010

CIFUENTES, M.; AMADOR, E.; CAYOT, L.; CRUZ, E.; CRUZ, F. Determinación de capacidad de carga turística em áreas protegidas. Centro Agronômico Tropical de Investigación y Enseñanza (CATIE). Série Técnica Informe técnico n. 194, Turrialba, Costa Rica, 1992.

DECROP, A. Tourists´ decision-making and behavior processes. In: PIZAM, A; MANSFELD, Y. Consumer behavior in travel and tourism. Routledge: New York, p. 103-133. 1999.

FRATUCCI, A.C. Os lugares turísticos: territórios do fenômeno turístico. Geographia. Ano. II, n. 4. 2000.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4 ed. São Paulo: Atlas, 1994.

GOVERNO DE SÃO PAULO. Manual de monitoramento e gestão dos impactos da visitação em unidade de conservação. WWF-Brasil. Secretaria Estadual do Meio Ambiente: São Paulo. 2010.

GRAEFE, A.R. KUSS, F.R. VASKE, J.J. Visitor impact management – the planning framework. Washington, DC: National Park and Conservation Association, v.2, 105 p. 1990,

LASHLEY, C.; MORRISON, A. Em busca da hospitalidade: perspectivas para um mundo globalizado. Barueri-SP: Manole, 2004.

LEUNG; Y., MARION, J. L. Spatial strategies for managing visitor impacts in National Park. Journal of Park and Recreation Administration. N. 17. V. 4, p. 20-38. 1999.

NATIONAL PARK SERVICE. The vistor experience and resource protection (VERP) framework: a handbook for planners and managers. Denver: UD Department of interior, National Park Service, 1997.

NEVES, S. M. A. S. Mapeamento e quantificação do uso da terra e cobertura vegetal do Pantanal de Cáceres-MT, Brasil: através de imagens de sensoriamento remoto e pesquisa de campo. 2006. 248 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Geografia, Instituto de Geociências. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

NOGUEIRA, E.M. Etnodesenvolvimento e educação indígena: problemas e perspectivas para a implantação do etnoturismo na terra indígena Raposa Serra do Sol, Região Ingarikó –WII TÎPÎ. Dissertação de mestrado. Programa de pós-graduação em Educação Agrícola, Rio de Janeiro: UFRRJ, 2013.

OLIVEIRA, I. J. Turismo no Cerrado. In: Dossiê Cerrado. Revista UFG. Ano XII, nº 9. Dez. p. 48-56. 2010.

PANOSSO NETTO, A. Filosofía del turismo: Una propuesta epistemológica. Estud. perspect. tur. [online]. oct./dic. 2007, vol.16, no.4, p.389-402. Disponível em: <http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1851-17322007000400 001&lng=es&nrm=iso>. ISSN 1851-1732. Acesso em: 05 setembro 2011.

PETROCCHI, M. Planejamento e gestão do turismo. São Paulo: Futura, 2002.

RUSCHMANN, D. V. D. M. Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. 11 ed. Campinas, SP: Papirus, 2004.

SOUZA, B. P. Elaboração de base cartográfica e levantamento geoambiental, como subsídio para criação da unidade de conservação de uso sustável no município de Aragominas, Norte do Tocantins. Revista eletrônica do Curso de Geografia – GEOAMBIENTAL online. UFC. n. 16, jan-jul, 2011.

WANDERLEY-FILHA, I.; AZEVEDO, F. F.; NÓBREGA, W. R. M. e ALBUQUERQUE, J. C. Planejamento e Políticas Públicas do Turismo: uma discussão teórica no contexto das Unidades de Conservação do Brasil. Anais do IX Congresso Nacional de Ecoturismo e do V Encontro Interdisciplinar de Turismo em Unidades de Conservação. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v.6, n.4, p. 27-44. nov. 2013.

ZACCHI, G. P. Turismo ecológico e ecoturismo: diferença e princípios éticos. Revista eletrônica Diálogos a Ciência, Santa Catarina, Ano II, nº 4, jun., 2004.

ZEE-BICO. Projeto de Gestão Ambiental Integrada da Região do Bico do Papagaio. Zoneamento Ecológico-Econômico. Secretaria do Planejamento e Meio Ambiente (Seplan). Diretoria de Zoneamento Ecológico-Econômico (DZE). Araguaína: Geomorfologia da Folha SB.22-Z-D. estado do Tocantins. Escala 1:250.000. org. por Ricardo Ribeiro Dias e Rodrigo Sabino Teixeira Borges. 2.ed. Palmas, Seplan/DZE, 2004.

Publicado
2019-11-07
Como Citar
Sudré, S. G. S., Azevedo, C., Oliveira, A. N., & Sousa, B. P. de. (2019). Elementos da visitação na Área de Preservação Ambiental do Pé do Morro em Aragominas (TO). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 12(5). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2019.v12.6748