Estruturação de trilhas com foco na sustentabilidade: uma proposta para a trilha da Serra do Espírito Santo no Parque Estadual do Jalapão (TO)

  • Glerivan Santos Martins Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins, Palmas, TO
  • Veruska Chemet Dutra Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins, Palmas, TO
Palavras-chave: Trilhas Ecológicas, Parque Estadual do Jalapão, Serra do Espírito Santo, Ecoturismo e Sustentabilidade

Resumo

O ecoturismo é um segmento da atividade turística que apresenta ao ecoturista experiências nos ambientes naturais, proporcionando assim momentos de educação ambiental com a introdução direta e indireta de novos conhecimentos. As trilhas são reconhecidas como importantes instrumentos de educação e interpretação, além de propiciar atividades relevantes dentro da Unidade de Conservação. O problema desse estudo está relacionado com a falta de estruturação da Trilha da Serra do Espírito Santo, localizado dentro do Parque Estadual do Jalapão - PEJ, Estado do Tocantins, atrativo que vem sendo utilizado cada vez mais pelos visitantes. O principal objetivo desse trabalho foi gerar dados relevantes para a possibilidade de adequação da Trilha da Serra do Espírito Santo. O trabalho foi enriquecido com a pesquisa bibliográfica e pesquisa básica de cunho quantitativo-descritiva e exploratória, além de entrevista estruturada. Os resultados alcançados pelo estudo apresentam-se em uma proposta de estruturação física da trilha com foco na sustentabilidade.

Biografia do Autor

Glerivan Santos Martins, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins, Palmas, TO

Graduado em Gestão de Turismo. Guia de Turismo regional, Nacional e América do Sul. Pós graduando em Festão e Docência do Ensino Superior, Técnico e Médio. Empresário individual na área de turismo receptivo no Estado do Tocantins.

Veruska Chemet Dutra, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins, Palmas, TO

Turismóloga, Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo, mestre em Ciências do Ambiente pela Universidade Federal do Tocantins. Pesquisadora e Docente dos cursos da área de Turismo, Hospitalidade e Lazer pelo Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia do Tocantins, ministrando disciplinas no curso Tecnológico em Gestão de Turismo, na área de Planejamento Turístico, Políticas Públicas de Turismo e Turismo e Meio Ambiente. Membro do grupo de pesquisa NETUH - Núcleo de Estudos em Educação, Turismo e Hospitalidade do CNPQ/IFTO, no qual desenvolve várias pesquisas tendo como objetivo principalmente a abordagem de indicadores do Turismo Sustentável.

Referências

ANDRETTA, V. Sinalização de trilhas: Importância e eficiência. [S.I.: s.n.], 2006.

ARAÚJO; FARIAS. Educação Ambiental em Ação: Trabalhando a trilha ecológica como estratégia de aprendizagem. Nº 34. ANO IX. DEZ 2010/ FEV 2011. ISSN: 1678-0701.

BENI, M.C. Análise Estrutural do Turismo. 10ªed. Atual. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2004.

BENVINDO, R.A.F. Análise comparativa dos instrumentos de regulamentação das políticas de proteção ambiental e de promoção do ecoturismo: O Caso do Parque Estadual do Jalapão – TO. Brasília, 2009. 196 p.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Cria o Sistema nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm> Acesso em: 15 ago. 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Mosaico do Jalapão soma três milhões de hectares. Disponível em:<http://www.brasil.gov.br/meio ambiente/2016/ 09/mosaico-do-jalapao-soma-tres-milhoes-de-hectares> Acesso em: 12 jan. 2017.

BRASIL. MINISTÉRIO DO TURISMO. Ecoturismo: Orientações básicas. Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação Geral de Segmentação. 2. ed. – Brasília: Ministério do Turismo, 2010. Disponível em: Acesso em 17 dez. 2016.

COSTA, M.; SILVA, E.; MENESES, L.: Proposta de trilha ecológica como atrativo ecoturístico na área de proteção ambiental da Barra do rio Maranguape – PB. Turismo: estudos e práticas – UERN, Mossoró/RN, vol. 1, n. 2, jul./dez. 2012.

DUTRA, V. C. Monitoramento de Indicadores-chave do Turismo Sustentável em Uni-dades de Conservação: Um estudo de caso no Parque Estadual do Jalapão (TO). 2016. 296f. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo. São Paulo. 2016.

GESTO. Gestão das Unidades de Conservação do Tocantins. Disponível em: <http://gesto.to.gov.br/uc/45/> Acesso em: 10 fev. 2019.

GOODE, W. J.; HATT, P. K. Métodos em pesquisa social. 3ed. São Paulo: Nacional, 1969.

GUILLAUMON, J. R. et al. Análise das trilhas de interpretação. São Paulo, Instituto Florestal, 1977. 57 p. (Boletim Técnico. 25).

KINKER, S. Ecoturismo e Conservação da Natureza em Parques Nacionais. Campinas, SP: Papirus, 2002.

LAKATOS, E.M.; MARCONI, M.A. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

LASKOSKI, G: Ecoturismo meio ambiente. Curitiba, Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Outubro, 2006.

MACIEL, B.A. Mosaicos de Unidades de Conservação: Uma estratégia de conservação da mata atlântica. 2007. 182f. Universidade de Brasília. Dissertação (Mestrado). Brasília, 2007.

MANZO, A.J. Manual para La preparación de monografias: uma guia para presentear informes e tesis. 2. Ed. Buenos Aires: Humanitas, 1973.

MENDES, L.R. Aplicação de técnicas de geoprocessamento para análise geomorfo-lógica do Parque Estadual do Jalapão (TO) e entorno. (Dissertação de Mestrado), Curso de Pós-graduação em Geografia, Universidade de Brasília, 2008. 78 f.

MENEZES, B.F.R. Ecoturismo em unidades de conservação. Anais. II Encontro Fluminense de Uso Público em Unidade de Conservação. Turismo, recreação e educação: caminhos que cruzam nos parques. Niterói, RJ/ Brasil – jul. 2015.

MILANO, M. S. Unidades de Conservação, atualidades e tendências. Curitiba, PR: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, 2002.

NEATUS/UFT. Núcleo de Estudos Ambientais e Turismo Sustentável da Universidade Federal do Tocantins. Palmas, 2008.

OLIVEIRA, S. D; FONTANA, R.S. Turismo responsável: uma alternativa ao turismo sustentável? Anais do IV Seminário de pesquisa em turismo do MERCOSUL. Universidade de Caxias do Sul, RS, Brasil, 2006.

PIETROCHINSKI, A.H.R; SILVA V.F.S. Proposta de Sinalização Turística do Parque Estadual do Guartelá. Telêmaco Borba, PR: [s.n], 2008. 58f.

SANTOS, F. A. et al. Processamento de madeira plástica. Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2006. Disponível em: <http://www.jorplast.com.br>. Acesso em: 11 de fev. 2017.

SELLTIZ, C. et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: Herder: Edusp. 1965.

TRUJILLO FERRARI, A. Metodologia da pesquisa científica. Rio de Janeiro: McGraw-Hill do Brasil, 1982.

VASCONCELLOS, J. Trilhas interpretativas aliando educação e recreação. In: Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, Curitiba, 1997. Anais. Curitiba: IAP, UNILIVRE, Rede Nacional Pro Unidade de Conservação, 1997.

Publicado
2019-11-08
Como Citar
Martins, G. S., & Dutra, V. C. (2019). Estruturação de trilhas com foco na sustentabilidade: uma proposta para a trilha da Serra do Espírito Santo no Parque Estadual do Jalapão (TO). Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 12(5). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2019.v12.6744