Estrada-Parque Pantanal e comunidades locais na potencialização do turismo e do desenvolvimento sustentável

  • Marcelo Silva de Oliveira Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS
  • Cleonice Alexandre Le Bourlegat Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS
Palavras-chave: Estrada-Parque Pantanal, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente, Turismo.

Resumo

O Pantanal, reconhecido como Reserva da Biosfera Mundial e Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco e como a maior planície inundável do mundo, desde 1993 passou a abrigar a Estrada-Parque Pantanal, considerada a primeira experiência desse gênero no Brasil. O objetivo desse estudo, feito entre 2014-2016, foi verificar, na escala de observação do pesquisador e numa abordagem da ecologia da paisagem, as atuais condições estruturais da Estrada-Parque-Pantanal, assim como as condições sócio econômicas e culturais de quem nela vive e atua profissionalmente na prática do turismo. O objeto dessa pesquisa corresponde à Estrada-Parque do Pantanal, incluindo a Área Especial de Interesse Turístico (AEIT), da qual a mesma faz parte. Foram acessadas fontes bibliográficas, estatísticas e documentais, além de uma pesquisa de campo de natureza exploratória, com enfoque no nível hierárquico mais favorável à apreciação da escala humana, na perspectiva das interações realizadas na escala horizontal ou geográfica (METZGER, 2001).  O estudo permitiu verificar que grande parte dos elementos estruturais previstos na EPP não foram implantados. Por outro lado, embora a atividade turística tenha sido dinamizada e contribuído para alterar as relaçoes de trabalho, diversificar as atividades e ampliar a renda, as duas coletividades locais vivem em ambiente de risco e de exclusão social no usufruto de serviços básicos.

Biografia do Autor

Marcelo Silva de Oliveira, Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS

Arquiteto, urbanista, biólogo, mestre em Desenvolvimento Local. 

Cleonice Alexandre Le Bourlegat, Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS

– Doutora em Geografia (Desenvolvimento Regional) pela UNESP e docente no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Local (mestrado e doutorado) da Universidade Católica Dom Bosco.

Referências

BANDUCCI Jr., A. Turismo cultural e patrimônio: a memória pantaneira no curso do rio Paraguai. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/ Brasil. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 9, n. 20, p. 117-140, outubro de 2003.

BARROS, A.L. Gente Pantaneira (crônicas de sua história). Lacerda Editores, 1998.

BRASILEIRO, M.D.S.; MEDINA, J.C.; CORIOLANO, L.N. (orgs). Turismo, cultura e desenvolvimento. Campina Grande: EDUEPB, 2012. 240 p. Disponível em: http://www.sba1.com/sobre-o-sba

D’ABRA, F. Atropelamento de fauna: desastre ambiental fácil de evitar. Disponível em: http://www.oeco.org.br/colunas/colunistasconvidados/28467-atropelamento-de-fauna-desastre-ambiental-facil-de-evitar/ . 01 julho 2014 . Acesso: 28/10/2016

DIEGUES, A.C.S.A. O mito moderno da natureza intocada. 3ª ed. São Paulo: Hucitec Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras, USP, 2001.

DUTRA, V.; COLARES, A.; ADORNO, L. F. M.; MAGALHÃES, K.; GOMES, K. Proposta de estradas parque como unidade de conservação: dilemas e diálogos entre o Jalapão e a Chapada dos Veadeiros. Sociedade & Natureza, Uberlândia, 20 (1): 161-176. Junho de 2008.

ECOA. ECOLOGIA E AÇÃO. Iscas vivas - transformando as comunidades do Pantanal mato grosso do sul. Disponível em: http://riosvivos.org.br/wp-content/uploads/2015/08/iscasvivas.pdf. março 2008

EMBRAPA, Pesquisa e Desenvolvimento, recursos pesqueiros. 2006. Disponível em https://www.embrapa.br/pantanal/recursos-pesqueiros . Acesso em: 12 agosto 2016

FUNDAÇÃO DE TURISMO DE MATO GROSSO DO SUL. Brasil é o primeiro no ranking Turismo de Aventura e MS é referência no segmento. Disponível em: http://www.turismo.ms.gov.br/brasil-e-o-primeiro-no-ranking-turismo-de-aventura-e-ms-ereferencia-no-segmento/ . Acesso em: 3 setembro 2016.

GIRARD, P.; VARGAS, I.A. Turismo, desenvolvimento e saberes no Pantanal: diálogos e parcerias possíveis. In: II Colóquio Internacional de Desenvolvimento Local, realizado em Campo Grande UCDB, 29 a 31 de agosto de 2007.

GOIS, C.W.L. Psicologia comunitária: atividade e consciência. Fortaleza: Instituto Paulo Freire, 2005.

HARRIS, M.; TOMAS, W.; MOURÃO, G.; SILVA, C.; GUIMARÃES, E.; SONODA, F.; FACHIN, E. Desafios para proteger o Pantanal brasileiro: ameaças e iniciativas em conservação. In: Megadiversidade, ano 1, vol. 1, p. 156-165, julho de 2005.

LE BOURLEGAT, C.A. Sustentabilidade Local. IV Simpósio Sobre Recursos Naturais e Sócio-Economicos do Pantanal - Corumbá/MS nov 2004.

MENEGAT, R.; PORTO, M;L; Ecologia de Paisagem: um novo enfoque na gestão dos sistemas da terra e do homem. In Desenvolvimento sustentável e gestão ambiental nas cidades: estratégias a partir de Porto Alegre. (Orgs) Rualdo Menegat e Gerson de Almeida. Porto Alegre: Edufrgs, pp. 361-376, 2004

METZGER, J.P. O que é ecologia de paisagens? In: Biota Neotrópica. Vol. 1 (1), 2001, p. 1-9.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Cadastro Nacional de Unidades de Conservação. Disponível em : http://www.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-nacional-de-ucs

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E CIDADANIA. Politicas de Promoção da igualdade racial. Comunidade Tradicionais o que são. Disponível em: http://www.seppir.gov.br/comunidades-tradicionais/o-que-sao-comunidades-tradicionais . Acesso em: 10 agosto 2016.

MORETTI, E.C. Ecoturismo. In III Simpósio sobre Recursos Naturais e Socioeconômicos do Pantanal, Corumbá, 27 a 30 de Novembro de 2000.

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DO PANTANAL DE CORUMBÁ. II Relatório da Pesca Retrato do Segmento. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/ 0B5r4Bnx5xHYKbXVDTXRWdFVVU3c/view . Acesso em: 22/9/2016.

OLIVEIRA, R.R.; MONTEZUMA, R.C.M. História ambiental e ecologia da paisagem. Mercator: Revista de Geografia da UFC, vol. 9, n.19, mai/ago, 2010, pp. 117-128.

PEREIRA, B.E.; DIEGUES, A.C.S.A. Conhecimento de populações tradicionais como possibilidade de conservação da natureza: uma reflexão sobre a perspectiva da etnoconservação. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 22, p. 37-50, jul./dez. 2010.

PORTAL DA PREFEITURA DE CORUMBÁ MS. Hospedagem rural. Disponível em: http://www.pmcorumba.com.br/site/turista/4/hospedagem-rural/93/ . Acesso em: 3 setembro 2016.

RELATÓRIO FINAL. Programa de Ações Estratégicas para o Gerenciamento Integrado do Pantanal e Bacia do Alto Paraguai: Relatório Final/Agência Nacional de Águas – ANA ... [et al.]. – Brasília: TDA Desenho & Arte Ltda., 2004.

RIBEIRO, D.R.; LIMA, J.S.P. Estradas parque do ponto de vista da infraestrutura de transportes. XIII Forum Ambiental da Alta Paulista.Tupã, 26 a 28 de julho de 2017. Disponível em https://www.amigosdanatureza.org.br/eventos/data/inscricoes/1915/ form10448461.pdf. Acessado em 29 de junho de 2019

RIBEIRO, M.A.S., Entre os ciclos de cheias e vazantes a gente do Pantanal produz e revela geografias.Campinas, SP : [s.n.], 2014.

RIBEIRO, M.A.; VARGAS, I.A.; ARAÚJO, A.P.C. Estrada-parque pantanal, MS, Brasil: paisagens ressignificadas, modos de vida alterados. Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-11

SILVA, J.S.V.; ABDON, M.M. Delimitação do Pantanal brasileiro e suas sub-regiões. Pesq. Agropec. Bras., Brasília, v.33, Número Especial, p1703-1711, out. 1998.

SORIANO, A.J.S. Estrada-parque: proposta para uma definição. Tese (Doutorado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Paulista Julio de Mesquita, Rio Claro. 2006.

TRICHÊS, G. et al. Certificação rodovias verdes no Brasil: proposição de metodologia. 7o.Congresso Brasileiro de Rodovias e Concessões. Foz do Iguaçu, 2011. Disponível em: http://cbrcbrasvias.com.br/palestras/arquivos/TC0036-1.PDF . Acessado em 20 de maio de 2019.

TROLL, C. Landscape Ecology. Delf: Publ. UNESCO, 1966

TROLL, C. Geoecology of the mountanious regions of the tropical americas. Proceedings of the UNESCO, Mexican Symposium. p.1-3, 1968.

VARGAS, I.A.; HEMANN, A. Sentir o “Paraiso” no Pantanal: reflexões sobre percepção e valoração ambientais. Desenvolvimento em Meio Ambiente, n.7, p.131-143, jan./jun. 2003. Editora UFPR.

XIMENES, D.S.S. A biodiversidade e o turismo regional fatores de resiliência urbana nas cidades de cabreuva, itu e salto. Revista LABVERDE n°7 – Artigo n°02. 2013.

WU, J. Landscape sustainability science: ecosystem services and human well-being in changing landscapes. Landscape Ecology, (28), julho de 2013, p. 999-1023.

WU, J. Landscape of culture and culture of landscape: does landscape ecology need culture?. Landscape Ecology, (21) agosto de 2010. P. 1147-1150.

Publicado
2019-11-01
Como Citar
Oliveira, M. S. de, & Le Bourlegat, C. A. (2019). Estrada-Parque Pantanal e comunidades locais na potencialização do turismo e do desenvolvimento sustentável. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 12(5). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2019.v12.6719