Uso público da Área de Relevante Interesse Ecológico Mata da Bica/Portalegre (RN): potencialidades e limitações

Autores

  • Samylle Ruana Marinho de Medeiros Centro Estadual Profissional Professor Francisco de Assis Pedrosa, Natal, RN
  • Rodrigo Guimarães de Carvalho Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Natal, RN
  • Geraldo Braz Silva Santos Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Natal, RN
  • Louize Nascimento Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Natal, RN
  • Francisco Hiályson Fidelis Medeiros Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Natal, RN
  • Antônio Helton da Silva Barbosa Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Natal, RN

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2018.v11.6673

Palavras-chave:

Turismo, Planejamento Ambiental, Unidades de Conservação.

Resumo

As Unidades de Conservação instituídas no Brasil tem empreendido esforços para proteger a diversidade ecológica e cultural do país, entretanto, o uso destes espaços dissociado de políticas de manejo, conservação e sensibilização da população local e dos visitantes tem reproduzido um cenário de degradação ambiental. A Área de Relevante Interesse Ecológico Econômico (ARIE) Mata da Bica, criada no município de Portalegre, Rio Grande do Norte, Brasil, através do decreto municipal 002/2016, destaca-se pelos seus atributos naturais, representados pelas nascentes perenes, a Cachoeira do Pinga e a mata subcaducifólia associada. Apesar do potencial ambiental, a unidade não dispõe ainda do seu plano de manejo, e o uso público ocorre de maneira desordenada. Tendo em vista esta problemática, este trabalho teve por objetivo analisar o uso público da ARIE Mata da Bica e propor alternativas de uso coerentes com a conservação e o bem-estar social. Para isso, a coleta de dados se deteve às técnicas de georreferenciamento, registro fotográfico, check list, e aplicação de 119 questionários. Os principais resultados obtidos constataram que a maioria dos visitantes da ARIE não reside em Portalegre (77%); e que estes, apesar de estarem visitando uma Unidade de Conservação, desconhecem o termo (65%) e 79% não sabe o significado de ARIE; Quanto ao uso público, as atividades de educação ambiental, turismo científico e observação de aves foram eleitas como possibilidades para a Mata da Bica, que atualmente é utilizada principalmente para fins de balneabilidade e contemplação paisagística. Mediante o destaque do local como um polo turístico regional, de aspectos ecológicos relevantes, acredita-se que o diagnóstico proferido no estudo contribuirá com a construção de uma política de regulação e gestão coerente com a dinâmica do local. The public use of the Area of Relevant Ecological Interest Mata da Bica/Portalegre (RN, Brazil): potentialities and limitations ABSTRACT Conservation Units established in Brazil have made efforts to protect the country's ecological and cultural diversity, however, the use of these spaces disassociated with the management, conservation and sensitization policies of the local population and visitors has reproduced a scenario of environmental degradation. The Area of Relevant Ecological Economic Interest (ARIE) Mata da Bica, created in the municipality of Portalegre, Rio Grande do Norte, Brazil, through municipal decree 002/2016, stands out for its natural attributes, represented by the perennial springs, the Pinga Water fall and the associated sub-deciduous forest. Despite the environmental potential, the unit does not have its management plan, and public use occurs in a disorderly manner. In view of this problem, the objective of this work was to analyse the public use of ARIE Mata da Bica and propose alternatives of use consistent with conservation and social welfare. For this, the data collection was the techniques of georeferencing, photographic record, checklist, and application of 119 questionnaires. The main results obtained showed that the majority of ARIE visitors do not live in Portalegre (77%); and that these, although they are visiting a Conservation Unit, are unaware of the term (65%) and 79% do not know the meaning of ARIE. As for public use, the activities of environmental education, scientific tourism and birdwatching were chosen as possibilities for Mata da Bica, which is currently used mainly for bathing and landscape contemplation purposes. By highlighting the place as a regional tourist pole, of relevant ecological aspects, it is believed that the diagnosis given in the study will contribute to the construction of a policy of regulation and management consistent with the dynamics of the site. KEYWORDS: Cultural Heritage; Tourism; Archeological Ranch; Social Representations.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samylle Ruana Marinho de Medeiros, Centro Estadual Profissional Professor Francisco de Assis Pedrosa, Natal, RN

Mestrado em Ciências Naturais pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN (2013-2015). Bacharel em Gestão Ambiental pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN (2009-2013). Na graduação participou de projetos de iniciação científica como bolsista CAPES, atuando na área de planejamento e zoneamento ambiental. No mestrado trabalhou na linha de pesquisa Diagnóstico e Conservação Ambiental. Na área profissional tem experiência na docência, onde atuou como instrutora eventual no curso técnico de meio ambiente do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - SENAC/RN (2014-2015; Foi Professora substituta do departamento de gestão ambiental da UERN (2015-2016); Atualmente é professora do curso técnico de meio ambiente no Centro Estadual Profissional Professor Francisco de Assis Pedrosa/RN, e tutora presencial do curso superior tecnólogo em Gestão Ambiental no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN. Na área de consultoria e assessoria ambiental atuou como pesquisadora no Plano de Manejo da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Estadual Ponta do Tubarão, Macau/RN (2016-2017); Atuou também na equipe técnica de elaboração do laudo socioambiental de criação da Área de Relevante Interesse Ecológico da Mata da Bica, Portalegre/RN (2015).

Rodrigo Guimarães de Carvalho, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Possui Graduação em Geografia (Bacharelado, UECE, 2002), Especialização em Planejamento e Gestão Ambiental (UECE, 2004) , Mestrado em Geologia (UFC, 2007) e Doutorado em Geografia (UFC, 2011). Atua como Professor Adjunto IV da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN junto ao curso de Bacharelado em Gestão Ambiental, Mestrado em Ciências Naturais e Mestrado em Geografia. Desenvolve pesquisa e extensão nas seguintes áreas: estudos socioambientais para a criação e manejo de áreas protegidas, análise de indicadores ambientais, gestão da zona costeira e zoneamento ambiental. Participa como membro suplente do Comitê de Bacia do Rio Apodi-Mossoró, como membro efetivo do Conselho Gestor da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Estadual Ponta do Tubarão e do Conselho do Pólo Costa Branca. Coordena projetos de pesquisa e extensão financiados pelo CNPQ e pelo Ministério das Cidades.

Geraldo Braz Silva Santos, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Possui graduação em Gestão Ambiental (bacharelado) pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (2017).

Louize Nascimento, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Graduada no Curso de Gestão Ambiental pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN (2017). Pós-graduação lato sensu em geoprocessamento pela Faculdade Unyleya em andamento. As áreas de atuação envolvem geoprocessamento, estudos socioambientais em áreas protegidas, planejamento ambiental, ordenamento territorial, desenvolvimento sustentável e saneamento ambiental.

Francisco Hiályson Fidelis Medeiros, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Graduado em Gestão Ambiental (Bacharelado) pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN.

Antônio Helton da Silva Barbosa, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Possui graduação em Gestão Ambiental (2014) e Mestrado em Ciências Naturais (2017) pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Tem experiência na área de Ciências Ambientais, com ênfase em Planejamento Ambiental e Geoprocessamento.

Downloads

Publicado

05/30/2018

Como Citar

Medeiros, S. R. M. de, Carvalho, R. G. de, Santos, G. B. S., Nascimento, L., Medeiros, F. H. F., & Barbosa, A. H. da S. (2018). Uso público da Área de Relevante Interesse Ecológico Mata da Bica/Portalegre (RN): potencialidades e limitações. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 11(2). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2018.v11.6673

Edição

Seção

Artigos
Recebido: 2018-01-31
Aceito: 2018-04-04
Publicado: 2018-05-30

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.