Redes de turismo de base comunitária: reflexões no contexto latino-americano

Autores

  • Edilaine Albertino Moraes Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG
  • Marta de Azevedo Irving Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Joana da Silva Castro Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Hugo Quintanilha Silva Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ
  • Maycon Correia Pinto Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2016.v9.6569

Palavras-chave:

Redes, Turismo de Base Comunitária, Alianças, Intercâmbio, América Latina.

Resumo

O desenvolvimento de iniciativas designadas como turismo de base comunitária (TBC) vem ocorrendo, de maneira progressiva, na América Latina. Essa proposta tem como premissa fundamental a base endógena em planejamento e desenvolvimento do turismo que tem sido interpretada como uma oportunidade para a melhoria de qualidade de vida por inúmeros grupos sociais, como pescadores artesanais, etnias indígenas, agricultores familiares, populações extrativistas, camponeses, entre outros, que vivem em situação de vulnerabilidade social e ambiental e à margem de processos dominantes de projetos turísticos. Outro aspecto importante associado às iniciativas de TBC são as estratégias políticas de grupos organizados e de movimentos sociais para a garantia e a preservação de territórios por eles ocupados tradicionalmente, como acontece com os movimentos indígenas e do campo em diversos países da América Latina. Esses processos coletivos têm contribuído para que o TBC venha sendo organizado por meio de coletivos, redes e alianças locais, nacionais e latino-americanas. Um exemplo emblemático desse tipo de organização do TBC nessa região tem se configurado por meio da Rede de Turismo Comunitário da América Latina (REDTURS), que foi criada em 2001, com o objetivo de articular redes que vêm sendo construídas em diferentes escalas local e nacional, com a finalidade de diversificar as possibilidades de emprego e renda, de valorizar a cultura local e de fomentar o associativismo. Essa iniciativa vem influenciando outras práticas na região. Com base nesses antecedentes, o presente artigo tem o objetivo de refletir sobre como se configura o movimento de TBC em rede na América Latina, com ênfase no caso da REDTURS. Para tal, a metodologia adotada se baseou em pesquisa bibliográfica e documental para orientar a fundamentação conceitual sobre o tema. Para a interpretação do caso da REDTURS, buscou-se também a análise de documentação técnica vinculada a essa experiência no período de 2001 a 2008. Os dados obtidos na pesquisa indicam inúmeras fragilidades e potencialidades no estabelecimento de relações e alianças formais e informais, baseadas em princípios de solidariedade, para a promoção de intercâmbio e compartilhamento de informação, conhecimento e recursos no processo de construção coletiva de redes no campo do turismo de base comunitária. Community-based tourism networks: reflections in the Latin American context The development of initiatives known as community-based tourism (CBT) has been taking place gradually, in Latin America. This proposal has as its fundamental premise, the endogenous basis on planning and development of tourism which has been interpreted as an opportunity to improve quality of life for countless social groups such as artisanal fishermen, indigenous groups, family farmers, extractive population, peasants, among others living in situations of social and environmental vulnerability and in the margins of the dominant processes of tourism projects. Another important aspect associated with CBT initiatives are political strategies of organized groups and social movements to guarantee the preservation of the territories traditionally occupied by them, as it happens with indigenous and rural movements in several Latin American countries. These collective processes have been contributing to the CBT organization through local, national and Latin American collective, local networks and alliances. An emblematic example of this type of CBT organization in this region has been set up through the Community Tourism Network of Latin America (REDTURS), which was established in 2001 with the objective of coordinating networks that have been built in different local and national levels, with the purpose of diversifying sources of employment and income, valuing local culture and promoting partnerships. This initiative has been influencing other practices in the region. Based on this background, this article aims to reflect on how to configure the movement of the CBT network in Latin America, with emphasis in the case of REDTURS. For this, the methodology adopted was based on bibliographical and documentary research to guide the conceptual foundation on the subject. For the interpretation of the case of REDTURS, it was also sought the analysis of technical documentation linked to this experience in the period from 2001 to 2008. The data obtained in the survey indicate numerous weaknesses and capabilities of the relations and formal and informal alliances, based on principles of solidarity to promote exchange and sharing of information, knowledge and resources in the process of collective construction of networks in the community-based tourism field. KEYWORDS: Networks, Community Based Tourism; Alliances; Exchange; Latin America.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edilaine Albertino Moraes, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG

Professora do Departamento de Turismo do Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Juiz de Fora. Doutoranda em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social no Instituto de Psicologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Marta de Azevedo Irving, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Joana da Silva Castro Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Turismóloga e Mestranda em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social no Instituto de Psicologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro

Hugo Quintanilha Silva Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Turismólogo e Pesquisador do Grupo de Pesquisa Governança, Biodiversidade, Áreas Protegidas e Inclusão Social (GAPIS) da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Maycon Correia Pinto, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Graduando em Psicologia e Pesquisador do Grupo de Pesquisa Governança, Biodiversidade, Áreas Protegidas e Inclusão Social (GAPIS) da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Downloads

Publicado

2016-11-30

Como Citar

Moraes, E. A., Irving, M. de A., Santos, J. da S. C., Santos, H. Q. S., & Pinto, M. C. (2016). Redes de turismo de base comunitária: reflexões no contexto latino-americano. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 9(6). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2016.v9.6569
Recebido em 2016-08-30
Aceito em 2016-11-27
Publicado em 2016-11-30

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)