TURISMO X CONSERVAÇÃO: ESTUDO DE CASO DO PASSEIO DO CAVALO-MARINHO NO ESTUÁRIO DO RIO MARACAÍPE (IPOJUCA, PE): HORA DE REMEDIAR A SITUAÇÃO

Autores

  • Rosana Beatriz Silveira
  • Suzana Muniz Ramineli
  • Maira Kegler Vega
  • Rodrigo Amighini Rosa
  • Mariana Guimarães de Azevedo

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2011.v4.6005

Resumo

Situado no município de Ipojuca, PE, o estuário do rio Maracaípe (8º32’14,9’’S e 35º00’17,8’’W) apresenta um extenso manguezal cujas espécies vegetais dominantes são Rhizophora mangle (mangue vermelho) e Avicennia schaueriana (mangue negro). Dentro do estuário, é praticada a pesca (peixes, crustáceos e moluscos) e há a extração de madeira para a construção de casas e barcos e uso como lenha. Aproximadamente 2 Km para o interior do estuário, existe uma grande ocupação humana, ocorrendo o lançamento de efluentes domésticos diretamente no corpo d’água. Por muitos anos, o estuário do rio MaracaÍpe foi conhecido como o “santuário dos cavalos-marinhos” em Pernambuco. Há mais de dez anos, nesse local, é realizado o “passeio do cavalo-marinho”, desenvolvido por jangadeiros vindos da pesca ou de famílias de pescadores. Os registros do Projeto Hippocampus sobre a população de cavalos-marinhos do estuário do rio Maracaípe data de 2001. Nessa época, havia somente sete jangadeiros na atividade. Entre 2001 e 2003, a partir de pesquisas em campo e em laboratório, foram levantados dados inéditos da biologia do cavalo-marinho Hippocampus reidi, espécie nativa no estuário, tais como alta estação reprodutiva, fecundidade e fertilidade, entre outros. Atualmente, tais informações integram o Plano Nacional para Manejo de Cavalos-Marinhos, a ser implementado pelo IBAMA/MMA. Após esse período, o Projeto iniciou o monitoramento da população de cavalos-marinhos do estuário, tendo por ferramentas o mergulho livre e o censo visual, pesquisa que perdura até os dias atuais. O monitoramento é realizado em quatro pontos do estuário: dois deles com visitação turística e dois sem essa influência. Hoje em dia, 38 jangadeiros trabalham no passeio, realizado durante todo o ano, de terça-feira a domingo, abrangendo uma pequena área do estuário. O passeio consiste em conduzir a jangada até os locais de preferência dos cavalos-marinhos (sabidamente conhecidos pelos jangadeiros), onde os condutores do passeio mergulham e capturam o(s) animal(is) e colocam em vidros de aproximadamente três litros de capacidade. O manuseio desses animais é feito independentemente de idade, sexo, machos grávidos ou não (são os cavalos-marinhos machos que engravidam). Os turistas podem fotografar e filmar os cavalos-marinhos que, a seguir, são devolvidos à água pelo jangadeiro ou mantidos para mostrar a outra jangada com turistas que venha chegando. Tal prática é repetida pelos 38 jangadeiros diversas vezes ao dia. Entretanto, pesquisas do Projeto Hippocampus mostram que a densidade dos animais nos pontos amostrais foi diminuindo, alcançando o valor 0 nos meses de julho a setembro de 2010. Em novembro de 2010, apresentou densidade de 0,001 ind/m2. Durante o estudo, não só o número de animais capturados diminuiu grandemente, mas houve inversão da estrutura populacional identificada ao longo dos anos naquele estuário e em outros que estão fora de pressão antrópica. A análise dos dados sugere também que esteja ocorrendo a translocação de animais e que, se não houver intervenção dos órgãos ambientais, há um grave risco de extinção local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

24.10.2011

Como Citar

Silveira, R. B., Ramineli, S. M., Vega, M. K., Rosa, R. A., & Azevedo, M. G. de. (2011). TURISMO X CONSERVAÇÃO: ESTUDO DE CASO DO PASSEIO DO CAVALO-MARINHO NO ESTUÁRIO DO RIO MARACAÍPE (IPOJUCA, PE): HORA DE REMEDIAR A SITUAÇÃO. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 4(4). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2011.v4.6005

Edição

Seção

Arquivos Individuais
##plugins.generic.dates.received## 31/08/2011
##plugins.generic.dates.accepted## 01/09/2011
##plugins.generic.dates.published## 24/10/2011