CAPACIDADE DE CARGA TURÍSTICA: ONDE ESTAMOS E PARA ONDE VAMOS?

Autores

  • Heros Augusto Santos Lobo
  • Ricardo Eustáquio Fonseca Filho
  • Valdecir Galvão

DOI:

https://doi.org/10.34024/rbecotur.2011.v4.5941

Resumo

A capacidade de carga é uma ferramenta de planejamento e gestão de atrativos turísticos originada no manejo de pastagens agrícolas, com aplicações atuais em trilhas, praias, arrecifes de corais, ilhas, cavernas e rios, entre outros recursos naturais. Também é usada em atrativos históricos, culturais e mesmo em destinos turísticos. Partindo deste cenário, foi executada uma primeira fase de uma pesquisa exploratória sobre o tema, baseada em dados secundários em fontes bibliográficas e documentais. Os resultados preliminares demonstram que grande parte dos métodos de capacidade de carga se fundamenta no controle espaço-temporal da visitação, buscando identificar no ambiente variáveis que sirvam de parâmetro para a adoção de limites de uso, baseando-se, por exemplo, na variação de um parâmetro em função da presença humana. Todavia, poucos são os casos onde se consegue estabelecer uma perfeita relação de nexo causal entre a variação e a presença humana. Além disso, a sazonalidade natural do ambiente raramente é considerada, face à restrição temporal da maioria das pesquisas aplicadas à capacidade de carga. O resultado é a adoção da capacidade de carga como uma mera ferramenta de controle do número de visitas diárias, desvirtuando a maioria dos métodos (e.g. USFS, 1982; STANKEY et al., 1985; DRIVER, 1990; GRAEFE et al., 1990; GRAHAM, 1990; MANNING et al., 1995; MCCARTHUR, 1997; ROBERTS, 1997) e atendendo, quase que exclusivamente, a uma obrigatoriedade legal imposta por órgãos fiscalizadores. Por outro lado, as propostas mais atuais de capacidade de carga remetem a um modelo amplo de procedimentos de planejamento e gestão, o que pode ser observado nos trabalhos de Washburne (1982), McCool; Lime (2001) e Lobo et al. (2010). Nesta nova abordagem, dois aspectos têm sido valorizados e aplicados: 1) a capacidade de carga como geradora de oportunidades de visitação, e não somente como método de limitação; e 2) o monitoramento ambiental a longo prazo, contínuo, atrelado à variação sazonal (diária, mensal, anual) do volume de visitação em função de respostas em tempo presente de parâmetros-chave para cada tipo de ambiente estudado. Por fim, as pesquisas realizadas até o presente demonstraram que os métodos de capacidade de carga apresentam problemas quanto à sua aplicação e manejo, necessitando de novas abordagens, seja por meio da identificação de novos indicadores (também chamados de Fatores de Correção), seja pela correlação com outros aspectos e metodologias de manejo da visitação para além do messianismo da mera limitação numérica da visitação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

24.10.2011

Como Citar

Lobo, H. A. S., Fonseca Filho, R. E., & Galvão, V. (2011). CAPACIDADE DE CARGA TURÍSTICA: ONDE ESTAMOS E PARA ONDE VAMOS?. Revista Brasileira De Ecoturismo (RBEcotur), 4(4). https://doi.org/10.34024/rbecotur.2011.v4.5941

Edição

Seção

Arquivos Individuais
##plugins.generic.dates.received## 2011-07-01
##plugins.generic.dates.accepted## 2011-08-05
##plugins.generic.dates.published## 2011-10-24

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>